Questões de 01 A



Baixar 0.62 Mb.
Página1/6
Encontro23.03.2018
Tamanho0.62 Mb.
  1   2   3   4   5   6





SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

ENSINO FUNDAMENTAL II
RELATÓRIO PEDAGÓGICO

LÍNGUA PORTUGUESA

(pré-teste)
SOBRAL - CE

2003


Equipe Técnica da Avaliação Externa da disciplina Língua Portuguesa
Vicente Martins (Análise e interpretação de dados)

Maria Soares de Araújo (Colaboração na Correção da Redação)

Antônio Vanesca Ferro Lima de Sousa (Colaboração na Correção da Redação)

Manuel Ferreira Araújo de Almeida (Digitação e tabulação de dados e informações)

Marta (Orientação para análise de informações estatísticas)
SUMÁRIO
Introdução


  1. Para uma reflexão sobre o ensino da língua portuguesa




  1. Avaliação Externa 2003 - Língua Portuguesa




    1. A proposta de Avaliação da Língua Portuguesa

    2. Participantes da Avaliação Externa

    3. Faixa de Desempenho e número de acertos




  1. Comentários às Provas Objetivas a partir do percentual de acertos: Saeb - Município - Escolas.




    1. Análise dos Itens do Teste de Língua Portuguesa - 5ª série do Ensino Fundamental.

    2. Análise dos Itens do Teste de Língua Portuguesa - 8ª série do Ensino Fundamental




  1. As Provas Objetivas, análise dos seus resultados e considerações pedagógicas (finais).




    1. Resultados gerais do desempenho dos participantes da 5ª série

    2. Resultados gerais do desempenho dos participantes da 8ª série

    3. Quadros com sínteses dos resultados dos participantes nas Provas Objetivas


5. Bibliografia básica


Introdução
O presente Relatório Pedagógico é composto por duas partes: a) a primeira, contendo uma análise e interpretação de itens da Provas Objetiva e Redação aplicadas, em 2003, aos alunos da 5ª série e da 8ª série da rede municipal de ensino de Sobra e b) a segunda, em anexo, contendo uma descrição das alternativas percentuais de acertos de acertos.

A Prova Objetiva, com algumas modificações, entre as quais o apagamento de ilustração e reestruturação de diagramação da prova original, baseia-se no Teste de Língua Portuguesa, para a 5ª e 8ª séries, do SAEB, disponibilizada pelo MEC, on-line, a partir de 2001.

A Prova de Redação, especialmente sua proposta temática, foi extraída, com uma ligeira adaptação para o Ensino Fundamental, de Maria Teresa Serafini, em seu livro Como Escrever Textos (Editora Globo, 1991), que orienta sua metodologia de ensino para o chamado método processual, com base no cognitivismo, tendência pedagógica que, em linhas gerais, segue a atual orientação ou diretriz do MEC, através dos Parâmetros Curriculares para o ensino de Escrita ou Redação nas escolas brasileiras.

Para a 5ª série, foi a seguinte proposta de redação, tendo vista a expectativa de criatividade e originalidade por parte dos alunos: “Descreva como seria sua vida se você tivesse dez centímetros de altura”. Para a 8ª série: “ Tente inventar uma nova vitamina e imaginar como ela poderia nos servir”.

Segundo dados fornecidos pela Gerência de Dados da Secretaria de Desenvolvimento da Educação, do Município de Sobral, foram matriculadas, na 5ª série do Ensino Fundamental, no ano de 2003, 4.014 crianças. Para a aplicação do Teste, foram analisados respostas de 818 alunos, o que correspondente a 20,3 por cento do universo matriculado nesta série. Ao todo, estiveram participando do processo de avaliação 21 escolas municipais, com 54 turmas da 5ª série participaram da avaliação externa; umas, pequenas, com 9 a 16 alunos participantes, como as escolas Elpídio Ribeiro, Francisco Aguiar, Manoel Marinho e Odete Barroso; outras, maiores, com mais de 70 alunos avaliados, como por exemplo as escolas Carlos Jereissati, Ivonir Aguiar, Netinha Castelo e Raimundo Pimentel Gomes (CAIC).

Quanto à avaliação da 8ª série, 11 escolas participaram do processo avaliativo, com o mesmo número de turmas. Foram matriculados , no ano de 2003, na 8ª série da rede municipal de ensino, segundo dados da Secretaria, 472 alunos. Desta população, foram participantes da avaliação externa 91 alunos, o equivalente a 20 por cento dos alunos matriculados nesta série. Com isso, tanto a 5ª série como a 8ª série estão equilibradas, estatisticamente, quanto à amostragem que ora consideramos neste Relatório

Na parte geral deste documento, fazemos uma reflexão sobre o ensino da língua portuguesa no Brasil para, em seguida, situarmos a proposta de Avaliação Externa 2003 - Língua Portuguesa, do Município de Sobral, no contexto nacional. Descrevemos sobre os participantes e os critérios para a faixa de desempenho dos alunos nos Testes Objetivos e de Redação que, em substância, baseia-se, fundamentalmente, em número de acertos nas repostas às alternativas propostas nas provas.

Na parte mais específica deste documento, fazemos comentários às Provas Objetivas e às Provas de Redação, a partir dos percentuais de acertos. Analisamos e interpretamos os dados levando em conta os resultados do Saeb 2001 , Município e escolas municipais que tiveram os melhores resultados nos itens do Teste da Língua Portuguesa, tanto para a 5ª e 8ª série, seguindo os mesmos passos do Relatório do Saeb 2001.

Por fim, apresentamos que as sínteses dos resultados das escolas municipais participantes dos Testes e oferecemos uma lista comparativa, situando-as abaixo, acima e na mesma média do desempenho nacional dos alunos brasileiros, a partir dos indicadores do Relatório do Saeb 2001.

1. Para uma reflexão sobre o ensino da língua portuguesa
O ensino da Língua Portuguesa, segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais, que traduzem as diretrizes do Ministério da Educação, deve voltar-se para a função social da língua como requisito básico para que o indivíduo ingresse no mundo letrado e possa construir seu processo de cidadania.

Nesse sentido, o texto deve ser entendido como unidade comunicativa – e significativa – por excelência. Tanto o estudo da gramática como o das estruturas lingüísticas que compõem o texto exigem um redirecionamento do enfoque da prática pedagógica no ensino da Língua Portuguesa. O domínio da língua culta não é mais o único objetivo.

A esse domínio deve aliar-se a busca consciente de comportamentos lingüísticos compatíveis com as diversas situações de uso lingüísticos, privilegiando-se o uso social da língua nas suas mais diversas manifestações.

Para aplicação do Teste de Língua Portuguesa

5ª Série do Ensino Fundamental, no Município de Sobral, tomamos, por referência, a Matriz de Referência que subsidia a construção dos itens dos testes de Língua Portuguesa do Saeb por meio de seus descritores.

À guisa dos Testes do Saeb, basicamente, o instrumento, aplicado em Sobral, está estruturado sobre o foco Leitura. Esse foco requer a competência de apreender o texto como construção de conhecimento em diferentes níveis de compreensão, análise e interpretação.

Os objetos de conhecimento ou conteúdos, por sua vez, constituem instrumentos de acesso às competências lingüísticas que o aluno/leitor demonstra por meio de um conjunto de habilidades específicas reunidas no foco Leitura.

Considerando-se que a Leitura é condição essencial

para que o aluno possa compreender o mundo, os outros, suas próprias experiências e a necessidade de inserir-se no mundo da escrita, torna-se imperativo desenvolver no aluno a capacidade da leitura e fazê-lo ir além da simples decodificação de palavras. É preciso levá-lo a captar por que o escritor está dizendo o que o texto está dizendo, ou seja, ler as entrelinhas. Podemos ir mais além: o aluno deve ser levado não só a assimilar o que o texto diz, mas também como e para que diz (Kato, 1990).

São hoje as seguintes exigências para o ensino eficiciente da língua portuguesa: 1) que o aluno seja um usuário competente da língua; 2) que ele seja um aluno crítico, reflexivo e independente.

A exemplo do relatório do Saeb, na sua edição 2001, nos apoiamos em alguns fatores. Entre esses, os mais observados são: a) os elementos estruturais (indicadores sobre a forma, a função e a estrutura sintática do texto); b) as pistas lingüísticas (elementos verbais e não-verbais); e c) a complexidade textual (familiaridade com o conteúdo e fatores lingüísticos – o vocábulo, a sentença e o texto).

Os itens serão apresentados obedecendo a um critério de complexidade de construção do conhecimento. Os graus de complexidade foram definidos a partir dos níveis de abrangência e abstração dos conteúdos abordados pelos itens.

Dos 15 itens que constituíram os testes de Língua Portuguesa do Saeb 2001, tanto para a 5ª série como para a 8ª série, distribuídos entre seis tópicos representativos da Matriz de Referência de Língua Portuguesa, foram selecionados alguns descritores e itens. Todos os itens analisados são acompanhados de uma tabela com percentual de respostas

para cada alternativa.

A análise do item foi realizada levando-se em consideração o texto-base, os objetos de conhecimento e o desempenho dos alunos. A partir disso, foi possível evidenciar o nível de habilidades desenvolvidas e os conteúdos construídos pelos alunos.

2. Avaliação Externa 2003 - Língua Portuguesa


Nesta seção do Relatório, vamos descrever como construímos a Proposta de Avaliação da Língua Portuguesa nas 5ª e 6ª série., atendendo solicitação da Secretaria de desenvolvimento da Educação de Sobral, Em seguida, como definimos Competências e Habilidades para as provas Objetiva e de Redação, de modo a observar os participantes como do processo avaliativo como leitores e escritores do mundo. Por fim, os critérios para definição da faixa de desempenho a partir do número de acertos, tanto na Parte Objetiva como na Prova de redação.

No ano de 2003, Sobral registrou a matrícula de 29.061 na rede pública municipal de ensino. Desta população, 22.044 alunos estavam matriculados no ensino fundamental regular, o equivalente a 77 por cento dos matriculados, segundo o relatório da Gerência de Dados da Secretaria de Desenvolvimento da Educação. O acesso ao ensino fundamental, na rede pública municipal de Sobral, seguiu a tendência nacional de incorporar à escola, por imperativo legal, os segmentos que estavam historicamente privados de oportunidades educacionais.

No entanto, no Brasil, em todas as Regiões, Estados e Municípios, com raríssimas exceções, registaram-se, através do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), desde o ano de 1995, baixo rendimento escolar em disciplinas centrais do currículo do Ensino Fundamental, isto é, a Língua Portuguesa e a Matemática.

Atenta a este fato educacional, a Prefeitura de Sobral, através de sua Secretaria de Desenvolvimento da Educação, tomou a iniciativa de avaliar, externamente, seus alunos nas disciplinas Língua Portuguesa e Matemática, tendo como referencial, para a aplicação dos Testes, as provas do MEC, disponibilizadas, na Internet, pelo INEP.

Por indicação da professora Conceição Ávila de Misquita Viñas, foi indicado, em maio de 2003, o nome do professor Vicente Martins, do Curso de Letras, da UVA, para reelaborar e adaptar o Teste de Língua Portuguesa, do Saeb, para verificar, a título de pré-teste, o rendimento dos alunos das séries terminais da 5ª série e da 8ª série, do Ensino Fundamental regular.

Após os primeiros contatos com a Secretaria de Desenvolvimento da Educação, o professor Vicente Martins teve um encontro, em 29 de maio de 2003, com professores e coordenadores da área de Língua Portuguesa, do Município de Sobral.

A idéia do encontro, inicialmente, foi trocar idéias e opinião sobre o ensino e a prática da língua portuguesa, levados a efeito nas escolas municipais, evidenciando os pontos fortes e fracos do ensino do Português. Comparecem ao encontro, 14 professores e todos foram unânimes em apontar a Leitura e a Escrita como as habilidades que deveriam merecer maior atenção dos avaliadores.

Durante o encontro, os professores relataram as deficiências básicas e instrumentais registradas no decorrer dos anos de ensino da Língua Portuguesa, no Ensino Fundamental, apesar dos últimos investimentos da Prefeitura na formação, habilitação e atualização dos professores e melhorias nas condições de oferta de ensino.

Entre inúmeras deficiências na área de lectoescrita, foram apontadas as seguintes pelos professores da rede municipal de ensino:


  1. Alunos da 5ª séries que tinham dificuldades de reconhecer letras e discriminar os fonemas da língua portuguesa;

  2. Alunos com dificuldades de aprendizagem relacionadas com a leitura e compreensão leitora;

  3. Alunos com baixa auto-estima decorrente do fracasso na hora de ler um texto de frases simples

  4. Alunos com falta de interesse e com falta de atenção para leitura interpretativa

  5. Falta de acompanhamento dos país no tocante ao desenvolvimento em leitura de seus filhos

A partir deste encontro, o professor Vicente Martins levou em conta, para a aplicação dos Testes, na 5ª e 8ª séries, as impressões, experiências e expectativas dos docentes municipais, de modo a atender, de alguma forma, o centro de interesse, procurando explicar significado pedagógico das respostas pelos alunos aos Testes de Leitura e Escrita.
2.1. A Proposta de Avaliação da Língua Portuguesa
Para a montagem dos Testes de Língua Portuguesa, procedemos assim: a) uma parte Objetiva e b) uma Prova de Redação.

Para a Prova Objetiva da 5ª série, selecionamos, de mais de 30 itens do Saeb, 15 itens assim distribuídos: a) da 1ª a 7ª questão, itens relacionados com procedimentos ou estratégias de leitura; b) da 8ª a 9ª questão, itens sobre compreensão textual; c) de 10ª a 12ª questão, itens sobre processamento do texto e d) da l3ª a 15ª questão, itens relativos à variação lingüística.

Com base na Matriz de Referência de Língua Portuguesa do Saeb 2001, os itens da 1ª questão a 8ª questão, do Teste da 4ª Série do Ensino Fundamental , abordaram seguintes habilidades relativas aos Procedimentos de Leitura: a) Localizar informações explícitas em um texto; b) Inferir o sentido de uma palavra ou expressão; c) Inferir uma informação implícita em um texto e d) Identificar o tema de um texto.

No tocante às Implicações do Suporte, do Gênero e/ou do Enunciador na Compreensão do Texto, as questões 8ª e 9ª cobraram a seguinte habilidade: Identificar a finalidade de textos de diferentes gêneros.

No tocante à Coerência e Coesão no Processamento do Texto, três questões ( de 10 a 12), cobraram as seguintes habilidades dos avaliados: a) Estabelecer relações entre partes de um texto, identificando repetições ou substituições que contribuem para a continuidade de um texto; b) Identificar o conflito gerador do enredo e os elementos que constróem a narrativa e c) Estabelecer relação causa/conseqüência entre partes e elementos do texto.

Quanto à Variação Lingüística, buscou-se, com duas questões (13 e 14), Identificar as marcas lingüísticas que evidenciam o locutor e o interlocutor de um texto.

Para os participantes da 8ª série, o procedimento foi o mesmo, isto é, levou-se em conta a Matriz de Referência de Língua Portuguesa do Saeb 2001: a) Localizar informações explícitas em um texto; b) Inferir o sentido de uma palavra ou expressão; c) Inferir uma informação implícita em um texto e d) Identificar o tema de um texto.

Na competência relacionada com Implicações do Suporte, do Gênero e/ou do Enunciador na Compreensão do Texto, o Teste, através de duas questões ( 9ª e 10ª), avaliou a seguinte habilidade: a) – Identificar a finalidade de textos de diferentes gêneros.

Quanto aos mecanismos de Coerência e Coesão no Processamento do Texto, três questões aplicadas a 8ª série avaliaram as seguintes habilidades: a) Estabelecer relações entre partes de um texto, identificando repetições ou substituições que contribuem para a continuidade de um texto e b) Estabelecer relação entre a tese e os argumentos oferecidos para sustentá-la.

Por fim, quanto às Relações entre Recursos Expressivos e Efeitos de Sentido, previstas em duas questões (14 e 15), foram avaliadas as seguintes habilidades: a) Reconhecer o efeito de sentido decorrente do uso da pontuação e de outras notações e b) D18 – Reconhecer o efeito de sentido decorrente da escolha de uma determinada palavra ou expressão.

Para a Prova Objetiva da 8ª série, procedemos, a exemplo da 5ª série, desta maneira: : a) da 1ª a 8ª questão, itens relacionados com procedimentos ou estratégias de leitura; b) da 9ª a 11ª questão, itens sobre compreensão textual; c) de 12ª a 13ª questão, itens sobre processamento do texto e d) da l1ª a 15ª questão, itens relativos à recursos expressivos e efeitos de sentido.

Para a Prova de Redação, tomamos como referência as propostas de produção textual sugeridas por Maria Teresa Serafini, em seu Como Escrever Textos (Editora Globo, 1991, p.202) para desenvolvimento de textos criativos livres. Para a 5ª série, sugerimos o seguinte tema de situação: “Descreva como seria sua vida se você tivesse dez centímetros de altura”. Para os alunos da 8ª série, o seguinte tema: “ Tente inventar uma nova vitamina e imaginar como ela poderia nos servir”.

Além da folha própria de Redação, os alunos, tanto da 5ª série como da 8ª série, seguiram as seguintes instruções no decorrer da elaboração do texto:


  1. Total de escores: 100.

  2. Número de linhas – mínimo: 15 e máximo: 25

  3. A demonstração do domínio da norma culta vale

  4. desenvolvimento do tema e a originalidade valem

  5. A articulação adequada das partes do texto vale

  6. Não faça citação nem fuja ao tema proposto.

Na definição da pontuação, isto é, a distribuição de escores, seguindo as orientações para a correção da Prova de Redação do ENEM, estabelecemos que quatro habilidades lingüísticas demarcaram os critérios de correção dos textos dos alunos da 5ª série e da 8ª série:

Valendo 20 escores, a primeira habilidade a ser considerada foi o domínio da norma culta. Aqui, demarcamos como competência lingüística o domínio das convenções ortográficas, observando os casos de supressão de letras e grafemas.

A segunda habilidade, o desenvolvimento do tema, valendo 50 escores, levando em conta a compreensão da proposta de redação.

A terceira habilidade, a originalidade e o grau de informatividade do texto, os corretos observaram sobretudo a criatividade, especialmente a informação e a garantia dessa informação no decorrer do desenvolvimento do texto.

E finalmente, a quarta habilidade diz respeito à articulação das partes do texto, avaliando os mecanismos de coesão e coerência textuais.
2.2. Participantes da Avaliação Externa
Participaram do processo avaliativo 812 alunos da 5ª série e 91 alunos da 8ª série. Da 5ª série, foram 24 escolas envolvidas na avaliação externa, em 54 turmas, nos seus diversos turnos. Da 8ª série, foram 11 escolas e 11 turmas. Em termos percentuais de participação, tivemos cerca de 20 por cento de amostra de uma população de, pelo menos, 4.014 alunos na 5ª série e 20 por cento de alunos dos 472 alunos matriculados na 8ª série.

Eis a lista de escolas municipais com turmas da 5ª série participantes do processo de Avaliação Externa do Ensino Fundamental referente à disciplina Língua Portuguesa – 5 Série - 2003: Araújo Chaves, Antônio Custódio Azevedo, Carlos Jereissati, Deliza Lopes, Elpídio Ribeiro, Emílio Sendim, Francisco Aguiar, Francisco Monte, Gerardo Rodrigues, Ivonir Aguiar, José Arimatéia Alves, José Inácio Gomes Parente, Jose Leôncio, José parente Prado, Leonília Gomes Parente, Maria do Carmo Andrade, Manoel Marinho, Mariano Rocha, Netinha Castelo, Odete Barroso, Pery Frota, Raimundo Pimentel Gomes, Raimundo Santana e Vicente Antenor Ferreira Gomes.

Eis a lista de escolas municipais com turmas da 5ª série participantes do processo de Avaliação Externa do Ensino Fundamental referente à disciplina Língua Portuguesa – 8 ª Série - 2003: Antônio Custódio Azevedo, Araújo Chaves, Deliza Lopes, Elpídio Ribeiro, José Inácio Gomes Parente, Jose Leôncio, Manoel Marinho, Odete Barroso, Pery Frota, Raimundo Santana e Vicente Antenor Ferreira Gomes
2.3. Faixa de desempenho e número de acertos



Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal