ReaçÕes sorológicas



Baixar 11.34 Kb.
Encontro13.03.2018
Tamanho11.34 Kb.

REAÇÕES SOROLÓGICAS

I. INTRODUÇÃO
A resposta imune humoral pode ser utilizada no laboratório diagnóstico. Essa utilização pode ser feita de duas maneiras:

  1. Pesquisa do agente: pode-se utilizar os anticorpos específicos para detectar ou identificar um Ag (ex. pesquisa de vírus da parvovirose em fezes de cães com diarréia).

  2. Pesquisa do anticorpo: pode-se detectar anticorpos específicos no soro, concluindo em caso positivo que esse animal foi exposto ao Ag específico ao anticorpos encontrado.

A medição das interações de Ag-Ac com fins diagnósticos é chamada como SOROLOGIA.

Pode-se dizer que a base das diferentes reações sorológicas conhecidas é a formação do COMPLEXO AG-AC. Portanto as reações sorológica são artifícios laboratoriais para identificar a reação Ag-Ac.

As técnicas sorológicas diagnosticas podem ser classificadas de duas formas:


  1. TESTES DE CONJUGAÇÃO PRIMÁRIA: medem diretamente a conjugação do antígeno com o Ac.

Os testes de primária são realizados permitindo-se que o antígeno e o anticorpo se combinem e depois medindo-se a quantidade de imunocomplexos formados. CORANTES FLUORESCENTES, ENZIMAS ou RADIOISÓTOPOS são utilizados como marcadores para se identificar um dos reagentes. Vamos conhecer alguns:

A. IMUNOFLUORESCÊNCIA

Pela Imunofluorescência pode-se fazer a pesquisa de um Ag ou Ac e tem-se a necessidade de um microscópio de luz ultra-violeta (campo escuro).

DIRETA: faz-se a pesquisa de um Ag em uma preparação (tecido para a pesquisa de bactéria ou vírus), utilizando-se um Ac específico marcado pelo fluorocromo, incuba-se os dois um determinado tempo, lava-se diversas vezes e depois observa-se ao microscópio de fundo escuro, para a visualização da fluorescência (RAIVA).

INDIRETA: Sobre a preparação de um Ag fixado à lâmina, aplica-se primeiro o soro onde se vai pesquisar o anticorpo, incuba-se, lava-se, e depois coloca-se um anticorpo marcado com fluoresceína que se ligara ao anticorpos ligado ao Ag. (BABESIOSE, TOXOPLASMOSE).



B. ELISA (enzyme linked immunosorbent assay)

Pode-se dizer que hoje em dia os ensaios imunoenzimáticos são os mais comumente empregados no diagnóstico de diversas doenças. Pode-se fazer a pesquisa tanto de Ag como de Ac.

Por exemplo para se pesquisar Ac no soro de uma animal, reveste-se uma placa de poliestireno com uma solução de Ag. As proteínas do Ag se liga firmemente com o poliestireno. Coloca-se o soro, se hover Ac este se ligará ao Ag, Depois coloca-se uma enzima conjugada a uma antiglobulina e por último um substrato enzimático para a detecção de quanta enzima esta presente, e faz-se a leitura em leitora automática.

Tem-se ainda o ELISA onde o Ac ou o Ag a ser pesquisado é fixado a uma fase sólida (plástico), tendo ainda pequenas variações sendo chamados de ELISA competitivo. ELISA direto, ELISA indireto, ELISA sanduíche). FALAR KITS MANUFATURADOS.



C. RADIOIMUNOENSAIO

Pode-se pesquisar Ac ou Ag. Na pesquisa por exemplo de Ac, utiliza-se o Ag específico marcado com isótopos radioativos. É um teste que consegue detectar uma quantidade muito pequena de isótopo, portanto indiretamente uma quantidade muito pequena de Ac na amostra.



  1. TESTES DE CONJUGAÇÃO SECUNDÁRIA: medem os resultados da Interação do Ag-Ac. Esses testes geralmente são menos sensíveis que os testes de conjugação primária, mas são geralmente mais simples de realizar.

A. SOROAGLUTINAÇÃO (ag particulados)

A aglutinação é a formação de agregados grandes, de anticorpos que se combinam simultaneamente com dois determinantes antigênicos iguais em organismos distintos, formando uma malha que se aglutinará. Visualiza-se uma aglutinação. Os antígenos usados são fisicamente grandes. (BRUCELOSE BOVINA).



B. IMUNODIFUSÃO EM ÁGAR GEL (IDAG)

Segue o mesmo princípio da prova de aglutinação, porém os Ag é fisicamente menor (solúvel), então haverá a precipitação do complexo Ag-Ac formado em um ágar-gel (RETROVIROSES ANIMAIS).



C. FIXAÇÃO DO COMPLEMENTO

Baseia-se na capacidade de ativação do Sistema complemento quando há formação de complexos Ag-Ac. Portanto em uma amostra de soro pesquisa-se o Ac, colocando-o em contato com o Ag específico. Após essa etapa adiciona-se o complemento e depois uma solução de hemácias. Se tiver Ac, terá ligação Ag-Ac, o complemento se fixará e ocorrerá a lise das hemácias (HERPES).



D. IMUNOELETROFORESE

É utilizada principalmente para detectar as diferentes proteínas um uma amostra, na prática será utilizada para detectar a ausência de uma proteína sérica normal, como uma deficiência congênitas do complemento, ou detectar o excesso de um componente individual que ocorre no caso de animais com mieloma.

Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal