Registro nacional de cultivares



Baixar 112.58 Kb.
Encontro27.04.2018
Tamanho112.58 Kb.



MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA

DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS AGRÍCOLAS

REGISTRO NACIONAL DE CULTIVARES



ANEXO I
Requisitos Mínimos para Determinação do Valor de Cultivo e Uso de Algodão (Gossypium spp) para Inscrição no Registro Nacional de Cultivares - RNC
I – Ensaios:


  1. Número de Locais: no mínimo três locais, por região edafoclimática de importância para a cultura/cultivar.

  2. Período mínimo de realização: dois anos

  3. Ambiente de obtenção dos dados: campo, casa de vegetação, laboratório, outro (definir).

II - Delineamento experimental:

As avaliações deverão ser realizadas em ensaios conduzidos com delineamento experimental e precisão estatística adequada. Deverá ser utilizada uma cultivar inscrita no RNC, como testemunha de referência, do mesmo grupo e ciclo.

III - Características a serem avaliadas:


  1. Descritores (item 8 do formulário): preencher no caso da cultivar não estar protegida no Brasil.

  1. Altura da planta: muito baixa, baixa, média, alta, muito alta

  2. Planta – graduação: ausente, normal, intensa;

  3. Forma da folha: palmada, digitada, lanceolada;

  4. Folha – nectários: presentes na nervura central, presentes na nervuras central e laterais, ausente;

  5. Cor da corola da flor: creme, amarela, amarela sulfurina

  6. Forma da maçã, em seção longitudinal: redonda, elíptica, ovalada;

  7. Comprimento do pedúnculo da maçã: curto médio e longo.

B) Características agronômicas (item 9 do formulário):

  1. Ciclo até o florescimento: número médio de dias da emergência das plântulas até a abertura da primeira flor branca;

  2. Precocidade de maturação: número médio de dias da primeira flor branca até a deiscência de 2/3 dos frutos;

  3. Ciclo até a colheita: número médio de dias a partir da emergência até a abertura de pelo menos 90% dos frutos;

  4. Retenção da pluma pela cápsula após a deiscência: especificar se é fraca (solta), média ou forte;

  5. Peso do capulho: peso médio, em gramas, do algodão em caroço de um capulho;

  6. Peso médio, em gramas, de cem sementes, após a retirada das fibras. Informar se a determinação foi feita de sementes com ou sem línter;

  7. Percentagem de fibras: percentagem média da amostra, avaliando-se o peso das fibras sobre o peso total do algodão em caroço. Definir o tipo de descaroçador utilizado (serras ou rolo).

C) Reação a doenças e fatores adversos (pragas, fatores ambientais):

Identificar apropriadamente a reação da cultivar à Ramulose (Colletotrichum gossypii f. cephalosporioides), Murcha de Fusarium (Fusarium oxysporium f. vasinfectum), Murcha de Verticillium (Verticillium alboatrum), Mancha de Stemphyllium (Stemphyllium solani), nematóides, Mancha angular (Xanthomonas campestris pv. malvacearum), viroses, Murchamento avermelhado, Doença azul, Vermelhão e, facultativamente, a outras doenças, pragas e fatores ambientais que julgar importante, utilizando os códigos definidos no item 10 do formulário.

a) Ambiente de avaliação dos fatores: campo, casa de vegetação, laboratório, outro (definir).

D) Avaliação da produtividade: produtividade média e amplitude dos experimentos realizados (item 11 do formulário):



  1. Quantidade de algodão em caroço produzida expressa em kg/ha;

  2. Quantidade de fibra produzida expressa em kg/ha.

E) Avaliação da qualidade tecnológica/industrial:

a) Ambiente de obtenção do material analisado: campo, casa de vegetação, outro (definir);

b) Características a serem determinadas - anotar a média geral comparativamente à cultivar testemunha (cultivar conhecida); citar os métodos de determinação e unidades adotadas:

- Maturação de fibra (micronaire);

- Comprimento da fibra;

- Uniformidade de comprimento da fibra;

- Finura da fibra (micronaire);

- Resistência da fibra;

- Elongação da fibra;

- Índice de fibras curtas;

- Reflectância;

- Grau de amarelecimento;

- Teor de óleo (%);

-.Presença de gossipol no caroço.

c) Outros atributos específicos (opcionais) - apontar outros méritos e/ou deficiências, tais como:

- Adaptação à colheita mecanizada;

- Tolerância à seca;

- Características obtidas em microfiação.

F) Será inscrita no Registro Nacional de Cultivares - RNC a cultivar que nos ensaios de Valor de Cultivo e Uso - VCU, tenha obtido vantagens comparativas à cultivar testemunha. Deve ser enfatizado na documentação apresentada, o tipo de contribuição que a cultivar possa aportar à agricultura nacional ou regional que justifique a sua inscrição no RNC. Entende-se, para fins de justificativa, existência de características especiais, incluindo maior produtividade, resistência a pragas, doenças ou condição ambiental adversa, características tecnológicas da fibra, fio ou teor de óleo.
IV - Atualização de informações
Novas informações sobre a cultivar, tais como: mudanças na região de adaptação, reação a pragas, doenças, limitações, etc., devem ser enviadas, nos mesmos formulários do VCU, para serem anexadas ao documento de registro.

VII - Observação: no preenchimento do formulário, sempre que necessário, utilizar folhas anexas.





MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA

DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS AGRÍCOLAS

REGISTRO NACIONAL DE CULTIVARES



ANEXO I
Formulário para Inscrição de Cultivares de Algodão (Gossypium spp) no Registro Nacional de Cultivares




1. Nome científico da espécie:

     
1.2. Denominação da cultivar:

     


Protocolo (para uso exclusivo do RNC/SDA)

2. Requerente:

Nome:      

CNPJ/CPF:      

Endereço:      


Município:       UF:       País:      

Caixa Postal:       CEP:      

Telefone:       Fax:       E-mail:      


3. Responsável pelas informações: [  ] Representante legal [  ] Procurador [  ] Técnico

Nome:      

CGC/CPF:      

Endereço:      


Município:       UF:      

Caixa Postal:       CEP:      

Telefone:       Fax:       E-mail:      


  1. Instituição(ões) responsável(eis) pelo(s) ensaio(s): [  ] requerente [  ] contratada [  ] conveniada

[  ] Outras (citar):      

Nome:      

CGC/CPF:      

Endereço:      


Município:       UF:      

Caixa Postal:       CEP:      

Telefone:       Fax:       E-mail:      
Técnico(s) responsável(eis) pelo(s) ensaio(s):

     


(Se necessário, utilizar folha anexa)

5. Informações complementares:

5.1- cultivar protegida: sim [  ] (nº certificado)       não [  ]

- Em caso positivo indicar o(s) país(es):      

5.2- cultivar transferida: sim [  ] não [  ]

5.3- cultivar estrangeira: sim [  ] não [  ] País de origem:      

5.4- cultivar essencialmente derivada: sim [  ] não [  ]

5.5- organismo geneticamente modificado: sim [  ] não [  ]

- Em caso positivo, anexar documento comprovando a desregulamentação do referido OGM.



6. Origem da cultivar:

6.1- Instituição(ões) ou empresa(s) criadora(s), detentora(s) e/ou introdutora(s):

     

6.2- Melhorista(s) participante(s) na obtenção/introdução (anexar declaração do melhorista responsável):



     

6.3- Cruzamento:

- ano de realização:      

- local:      

- instituição que realizou:      


  1. Genealogia:

- parentais imediatos:

     


- relatório técnico do processo de seleção: apresentar no caso da cultivar não estar protegida no Brasil.

6.5- Denominação experimental ou pré-comercial:      



7. Avaliação da cultivar:

  1. Locais de avaliação:

- Município, UF:      

- Altitude:      

- Latitude:      

- Tipo de Solo:      

- Época de Plantio:      

- Outros fatores bióticos/abióticos:      

7.2- Região de adaptação: apresentar indicadores da adaptação da cultivar em relação a altitude, latitude, época de plantio e/ou outros fatores bióticos/abióticos, a critério do responsável pelo ensaio/requerente.


8. Descritores: preencher no caso da cultivar não estar protegida no Brasil.

8.1. Altura da planta:      

8.2. Planta – glandulação:      

8.3. Forma da folha:      

8.4. Folha – nectários:      

8.5. Cor da corola da flor:      

8.6. Forma da maçã, em seção longitudinal:      

8.7. Comprimento do pedúnculo da maçã:      



9. Características agronômicas:

9.1. Ciclo até o florescimento:       dias

9.2. Precocidade de maturação:       dias

9.3. Ciclo até a colheita:       dias

9.4. Retenção da pluma pela cápsula após a deiscência:      

9.5. Peso do capulho:       gramas

9.6. Peso de 100 (cem) sementes:       gramas

9.7. Percentagem de fibras:       %



10. Reação a doenças e fatores adversos - para doenças considerar os códigos da tabela abaixo, indicando o ambiente de avaliação:




Código

Conceito







0

sem informação/sem determinação







1

altamente resistente







2

resistente







3

moderadamente resistente







4

moderadamente suscetível







5

suscetível







6

altamente suscetível







10.1. Ramulose:   

10.2. Murcha de Fusarium:   

10.3. Murcha de Verticillium:   

10.4. Mancha angular:   

10.5. Murchamento avermelhado:   

10.6. Mancha de Stemphyllium:   

10.7. Nematóides (citar):

     


10.8. Doença azul (MNFRB):   

10.9. Vermelhão:   

10.10 Fatores ambientais:

     


11. Avaliação da produtividade: apresentar, na forma do modelo a seguir, o rendimento comparativo de algodão em caroço (kg/ha) e pluma (kg/ha) da cultivar avaliada e da cultivar testemunha, por região, local e ano.

11.1- Algodão em caroço:       kg/ha.

11.2- Fibra:       kg/ha.


Região

Local

Ano

Cultivar

Testemunha

     


% em relação à Testemunha

C.V.










Algodão em caroço kg/ha

Fibra kg/ha

Algodão em caroço kg/ha

Fibra kg/ha

Algodão em caroço kg/ha

Fibra kg/ha

%

     

     

    

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    

     

     

     

     

     

     

     

12. Características tecnológicas/industriais:
12.1. Grupo:

- Grupo I - Herbáceo: [  ]

- Grupo II - Arbóreo ou semiperene: [  ]

12.2. Características tecnológicas:




Características

Unidade

Método

Cultivar em registro

Cultivar Testemunha

Maturação da fibra

     

     

     

     

Comprimento da fibra

     

     

     

     

Uniformidade de comprimento da fibra

     

     

     

     

Finura da fibra

     

     

     

     

Resistência da fibra

     

     

     

     

Elongação da fibra

     

     

     

     

Índice de fibras curtas

     

     

     

     

Reflectância

     

     

     

     

Grau de amarelecimento

     

     

     

     

Teor de óleo (%)

     

     

     

     

Presença de gossipol no caroço

     

(SIM ou NÃO)



     

     

     

12.3. Outros atributos específicos:

     


13. Produção de Semente:

13.1. Genética:       kg

Básica:       t

Outra (informar):       :       kg

Obs.: Estoque de semente disponível por ocasião do registro.

13.2. Início da comercialização (ano):      



14. Informações adicionais:

14.1. Sistemas de produção sugeridos para a cultivar:

     

14.2. Aspectos em que a cultivar apresenta vantagens em relação a outras em uso:



     

14.3. Formas especiais de uso das plantas:

     

14.4. Limitações da cultivar - condições de cultivo e de uso que devem ser evitadas:



     

Local e data,



Assinatura do Requerente ou Responsável








Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal