Relatório de tl



Baixar 0.62 Mb.
Página1/12
Encontro11.12.2017
Tamanho0.62 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   12


Relatório da disciplina

de Teoria da Literatura

elaborado no âmbito das Provas de Agregação de

Francisco Manuel Antunes Soares,

Professor Associado, de nomeação definitiva,

do Departamento de Linguística e Literaturas

da Universidade de Évora.

Évora, Maio de 2002


Índice

Colocação da disciplina e opções metodológicas 4

Contexto académico 4

Objectivos 6

Outras colocações metodológicas 6

Panorama e critérios de selecção 6

Contexto curricular 12

Avaliação 16

Outras condicionantes 17

Programa 21

Justificação e resumo do programa 22

Criatividade 22

Justificação 22

Criatividade em geral e criatividade em literatura 24

Criação de imagens, linguagem e pensamento 44

Funções da criatividade 47

Criatividade e técnica: forma e conteúdo 51



Estrutura 63

Justificação e contexto: leitura, criatividade e estrutura 63

Motivos pedagógicos 63

O conceito e o quadro teórico actual 64

Estrutura, formalismo e estética da recepção 77

O conceito de estrutura 91

Introdução 91

Totalidade 93

Transformação 95

Auto-regulação 101



Temática dos trabalhos 106

No primeiro semestre 106

No segundo semestre 107

Bibliografia da disciplina 110

Genérica 110

Criatividade 111

Estrutura e leitura 112

Colocação da disciplina e opções metodológicas




Contexto académico

A julgar pelos dados a que tive acesso, a disciplina de Teoria da Literatura está de forma geral bem colocada nas universidades portuguesas, quer ao nível das graduações, quer ao nível das pós-graduações, onde é menor mas ainda assim representativa a existência de cursos, disciplinas e programas específicos da área, ou muito próximos dela.

De forma geral também, nas graduações, a disciplina aparece no 4º ano do curso e tem carácter obrigatório e anual. São poucas as universidades em que isso não acontece. É o caso da Universidade do Porto, onde a disciplina é anual mas de opção (em alternativa com História da Língua Portuguesa, nos ramos de Educação dos cursos de Estudos Portugueses e Ingleses e Estudos Portugueses e Franceses). Outra excepção é a da Universidade de Aveiro, onde a Teoria da Literatura é uma opção entre várias outras e tem carácter semestral (nas licenciaturas idênticas às ministradas pelo Departamento de Linguística e Literaturas da Universidade de Évora). Na Universidade da Beira Interior, na licenciatura em Língua e Cultura Portuguesas, a disciplina é obrigatória mas apenas com duas horas semanais e carácter semestral (2º semestre do 4º ano curricular). Na Universidade do Algarve a disciplina é obrigatória e semestral no curso para professores do ensino básico, 2º ciclo.

Os mesmos dados revelam que uma boa parte das Universidades optou por aulas em alternativa de duas horas teóricas e duas horas práticas. Uma parte menor escolhe, no entanto, o sistema de 4 horas teórico-práticas. Realmente, é difícil optar por um dos sistemas. Às vezes as aulas de teoria são teórico-práticas, dada a intensa relação entre os exemplos e a reflexão. Mas há aulas específicas em que, pela natureza de um texto, ou pela complexidade e extensão de um assunto, é preciso reservar uma aula inteira só à exposição de uma teoria, ou só à leitura crítica de um ensaio, de uma lírica, de uma narrativa. Estas unidades são só teóricas ou só práticas. Em tais condições, muitas vezes o professor realiza um sistema misto, em que a exigência de cada parte da matéria impõe uma opção momentânea por um dos três modelos previstos nos quadros curriculares.

Em termos de pós-graduações, a maioria das universidades públicas portuguesas tem abertas áreas de doutoramento em Teoria da Literatura. Em Faculdades de Letras como as da Universidades de Lisboa e da Universidade do Minho, e em algumas privadas como a Universidade Fernando Pessoa, decorrem cursos de mestrado em Teoria da Literatura, ou em Teoria da Literatura e outras áreas que são consideradas afins (por exemplo: o Mestrado em Teoria da Literatura da Universidade do Minho é também em Literatura Portuguesa; a Universidade Fernando Pessoa, por sua vez, oferece um Mestrado em Literatura onde as disciplinas afectas à Teoria e Crítica Literárias ocupam metade do peso curricular)1. Nos casos restantes, a Teoria da Literatura aparece geralmente integrada em mestrados dedicados às literaturas nacionais.
Na Universidade de Évora, a Teoria da Literatura é uma disciplina optativa anual nas duas licenciaturas em ensino oferecidas pelo Departamento de Linguística e Literaturas no último ano lectivo (2000-2001). Chegado ao 4º ano, o aluno escolhe entre Teoria da Literatura e Teoria da Linguagem.

Uma vez que o futuro professor terá de leccionar, no 3º ciclo do Ensino Básico e no Ensino Secundário, tanto a literatura quanto a língua, parece-nos incorrecto não lhe proporcionarmos as duas teorias. Ambas farão falta para melhor e mais criticamente organizar e questionar os conhecimentos adquiridos nas linguísticas e nas literaturas estudadas ao longo do curso. Privado de uma das teorias, o finalista pode cair na tentação de estudar, com os futuros alunos seus, mais a língua ou mais a literatura, dando assim origem a lacunas graves numa das duas áreas. Enquanto, nos programas que vão leccionar, se mantiverem associados os ensinos de língua e de literatura ao mesmo tempo2, torna-se por consequência perigoso retirar aos futuros professores o exercício teórico relativo à linguagem ou à literatura – de resto complementares.

Nas licenciaturas em ensino oferecidas pela Universidade de Évora, se escolher a Teoria da Literatura o aluno terá 3 horas semanais de aulas teórico-práticas – expressão usada com a mesma reserva já feita acima.

Ainda nas mesmas licenciaturas em ensino é oferecido um Seminário em Teoria da Literatura, disciplina do 2º semestre do 4º ano e que aparece na lista de opções de Seminários (duas horas semanais).

No âmbito destas duas licenciaturas é oferecida, por fim, uma disciplina optativa chamada «Retórica e Teorias do Discurso», com três horas semanais, uma prática e duas teóricas. Os objectivos da disciplina estão definidos de uma forma vaga, talvez estimulada pela exiguidade do espaço: “proporcionar o aprofundamento e investigação de noções específicas no âmbito da retórica e teorias do discurso”3. Ainda assim, ela pode ser útil, quer pela aproximação entre retórica e linguística, quer pela aproximação entre retórica e poética, ou ainda pela relação entre as teorias do discurso e a teoria da literatura.

No Mestrado em Literaturas e Poéticas Comparadas, oferecido pelo Departamento, existe uma disciplina intitulada «Tópicos de Teoria da Literatura», semestral (1º semestre) e com três horas semanais. O título é vago, não indicando uma linha específica de trabalho, como conviria a um Mestrado. O seu preenchimento, supõe-se no entanto que leve em conta a formação inicial dos alunos e permita exercitar as questões colocadas à teoria da literatura pelos estudos de literatura comparada.

No mesmo curso existem ainda as disciplinas de «Literatura e Teoria da Arte», bem como as de «Perspectivas Sócio-Linguísticas e Texto Literário», «Formação do Cânone Literário no Ensino», «Literatura e Teatro», «Literatura e Cinema» (todas com três UC’s e três horas semanais). Não sendo propriamente disciplinas de Teoria da Literatura, interseccionam-se com ela, pelo que será aconselhável a coordenação entre os seus professores e os de «Tópicos».




  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   12


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal