Relatório Descritivo categoria Inovação em Gestão Estadual Categoria: Inovação em Gestão Estadual Título da iniciativa



Baixar 51.53 Kb.
Encontro13.02.2018
Tamanho51.53 Kb.

Relatório Descritivo categoria Inovação em Gestão Estadual

Categoria: Inovação em Gestão Estadual

Título da iniciativa: Programa de Rastreamento Genético Ativo de Hipercolesterolemia Familiar na Região Metropolitana de São Paulo (Projeto Região Oeste)

Instituição: Laboratório de Genética e Cardiologia molecular – InCor– HCFMUSP

Nome do responsável:Prof. Dr. José Eduardo Krieger

Nomes dos membros da equipe: Dr. Alexandre da Costa Pereira, Dr. Raul Dias dos Santos Filho, Dra Cinthia Elim Jannes Lepski.

Pconector reto 3roblema Enfrentado ou oportunidade percebida



A hipercolesterolemia familiar

Classicamente a Hipercolesterolemia Familiar (HF) foi descrita como doença de herança autossômica dominante caracterizada por elevação do colesterol total e do LDL-colesterol (LDL-c), causada por mutações no gene que codifica o receptor da LDL ou nos genes codificadores da Apo B e da proteína convertasesubtilisina/kexina9 (PCSK9). Trata-se da primeira doença genética do metabolismo lipídico a ser caracterizada clinicamente e molecularmente.

Em pacientes heterozigotos, um gene defeituoso para o receptor de LDL é herdado de um dos pais e um gene normal do outro. Como 2 genes funcionais são necessários para manter o nível plasmático normal de LDL colesterol, a ausência de 1 gene funcional causa um aumento no nível de LDL para aproximadamente 2 vezes o normal já na infância(200mg/dl a 400mg/dl).

Os pacientes homozigotos herdam 2 genes defeituosos, conseqüentemente os receptores de LDL não têm funcionalidade e os pacientes têm uma hipercolesterolemia grave (650 a 1000 mg/dl).

A freqüência de heterozigotos é estimada em 1:500 e de homozigotos 1:1.000.000 na maioria das populações (europeus, norte americanos e japoneses), estabelecendo HF como um dos erros inatos mais comuns do metabolismo.

O diagnóstico da HF heterozigótica pode ser feito por meio da detecção da mutação do receptor da LDL ou por critérios clínico-laboratoriais.

Entretanto, como os sintomas da doença (presença xantomas, xantelasmas e arco corneano) nem sempre aparecem ou ocorrem numa etapa mais tardia, a HF é sub diagnosticada. Um estudo feito em 14 países mostrou que somente 20% dos pacientes com HF são diagnosticados, 16% usam medicamentos hipolipemiantes e apenas 7% estão em tratamento adequado. No Brasil, acredita-se que menos de 10% dos pacientes com HF é diagnosticado.

Em contraste com a maioria das doenças genéticas, há uma terapia eficiente para hipercolesterolemia familiar, através do controle do LDL-c, na forma de mudança de estilo de vida e uso de medicamentos hipolipemiantes. Vários ensaios clínicos, tanto de prevenção primária quanto secundária, demonstram que a redução do LDL-C diminui a taxa de eventos cardiovasculares. Usados na prevenção primária e secundária de doenças cardiovasculares, estes tratamentos podem reduzir a incidência de doença isquêmica do coração em 25% a 60% e o risco de morte em 30%, além de outros efeitos em eventos mórbidos, como angina, acidentes vasculares cerebrais, necessidade de procedimentos de revascularização miocárdica e periférica.

A importância do diagnóstico precoce e da instituição do tratamento adequado baseia-se no conhecimento da história natural da doença. Em sua forma heterozigota, calcula-se que homens com até 50 anos de idade apresentem risco elevado de doença coronária (aproximadamente 50%), enquanto que em mulheres estima-se que esse risco, antes dos 60 anos de idade, seja de 30%.

Somente 20% dos homens com HF chegam aos 70 anos de idade. Portanto, o diagnóstico de HF é muito melhor (aproximadamente 50 vezes melhor) preditor de risco para doença coronária do que qualquer outro algoritmo baseado em outros fatores de risco.

A estratégia mais custo-efetiva para diagnóstico de HF é o rastreamento genético em cascata. Marks et al (2000) analisaram a custo-efetividade do rastreamento na população em geral e em parentes de indivíduos com HF (diagnóstico genético ou clínico) e foi verificado que o rastreamento em cascata (familiares) foi o mais custo-efetivo, e foi determinado o custo incrementado por ano de vida adquirida em £3300 por vida/ano adquirido (estudo realizado na Inglaterra). Em outro estudo, o resultado mostrou que o programa de rastreamento em cascata foi o mais custo-efetivo na Dinamarca e o custo por vida/ano foi de U$8700. Ambos estudos mostram uma estimativa de custos menor que o gasto com prevenção secundária em indivíduos não hipercolesterolêmicos familiares. Portanto o rastreamento em cascata para indivíduos com HF pode ser considerado como altamente custo-eficaz.

O diagnóstico molecular de HF pode, além de identificar parentes afetados, fornecer a oportunidade de avaliar a variação da expressão do gene em indivíduos com a mesma mutação. Isto facilita a definição de fatores genéticos e ambientais que são modeladores do fenótipo da HF. O diagnóstico molecular dentro da família permite tanto o aconselhamento genético como o início imediato do tratamento, o que por sua vez leva à diminuição da morbidade e mortalidade.

Diagnóstico molecular

O diagnóstico molecular baseado na investigação do DNA do paciente exerce um enorme benefício na avaliação do risco cardiovascular para prevenção primária. Em contraste com métodos usualmente utilizados para avaliação do risco baseado em fatores epidemiológicos tradicionais (fumo, hipertensão, sedentarismo, obesidade, história familiar, diabetes etc) a procura específica por mutações no gene receptor de LDL tem muitas vantagens. Primeira, HF é uma entidade distinta com etiologia, patofisiologia, sinais e sintomas conhecidos. Segundo, devido à homogeneidade, há muito menos variabilidade entre pacientes HF quando comparados com a população geral. Terceiro, pacientes HF têm um risco significativamente maior de desenvolver doença coronária quando comparados com outros indivíduos hipercolesterolêmicos da população geral. Quando encontrada a mutação, o teste fornece uma simples e definitiva resposta para o diagnóstico da HF. As concentrações de colesterol são,subseqüentemente, uma variável contínua que deve ser acompanhada nos pacientes positivamente diagnosticados. O teste para HF é uma ferramenta definitiva para o traço familiar.

A população do Instituto do Coração

A Unidade Clínica de Dislipidemia do InCor - Instituto do Coração da Faculdade de Medicina de São Paulo conta com equipe de 4 médicos assistentes que atendem indivíduos provenientes do Sistema Único de Saúde (SUS) com dislipidemias e doenças correlatas como diabetes e outras doenças metabólicas, obesidade, hipertensão arterial, aterosclerose. Atualmente aproximadamente 450 indivíduos com diagnóstico clínico de HF são acompanhados e tratados pela Unidade.

A população da zona oeste de São Paulo

A Região Oeste de São Paulo é composta pelas subprefeituras Butantã, Lapa e Pinheiros. Os distritos Raposo Tavares e Rio Pequeno são os mais populosos da Subprefeitura Butantã, com uma população projetada para 2009 de 211.976 habitantes (dado mais recente do IBGE). Juntos representam aproximadamente 23% de toda a população da Região Oeste, composta por 908.263 habitantes.

Em relação ao índice de desenvolvimento humano dos distritos administrativos Raposo Tavares e Rio Pequeno são 0,50 e 0,56, respectivamente, considerados como médio desenvolvimento, pelos padrões da ONU. Esses valores foram inferiores ao do município de São Paulo (0,84).

As principais causas específicas de óbito na região mantiveram-se as mesmas no período de 1998 a 2008: doenças isquêmicas do coração, doenças cerebrovasculares, pneumonias, doenças respiratórias crônicas, diabetes mellitus e homicídios.

A principal causa de óbitos no município e nos distritos estudados, a doença isquêmica do coração apresenta uma típica distribuição crescente de incidência e proporção direta ao aumento das faixas etária.

A rede de serviços de saúde ligados ao SUS na região Oeste de São Paulo é composta por: 01 Hospital Universitário, 01 Hospital Municipal, 01 Ambulatório de Especialidades, 01 Pronto Socorro Municipal, 01 Centro de Atenção Psicossocial, 14 Unidade Básicas de Saúde, Centro de Saúde Escola e 05 Unidades de Assistência Ambulatorial.

Com relação as Unidades Básicas de Saúde (UBS), os distritos administrativos Raposo Tavares e Rio Pequeno possuem quatro UBS cada. Destaca-se que no Raposo Tavares isso representa um pouco mais de 24 mil habitantes por UBS, ao passo que, no Rio Pequeno, essa proporção é de quase 29 mil habitantes por UBS.

Sconector reto 4olução adotada

Aplicação e transferência para o SUS de metodologia de rastreamento genético em cascata para identificação de indivíduos com hipercolesterolemia familiar na população atendida no SUS, da Unidade de Dislipidemia do Instituto do Coração da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e nos habitantes da região Oeste da cidade de São Paulo.

Objetivos específicos


  1. Identificação e caracterização de mutações no receptor de LDL em pacientes diagnosticados com diagnóstico clínico de HF;

  2. Rastreamento familiar em cascata da mutação encontrada no caso índice e correlação com a história clínica;

  3. Capacitação dos profissionais de saúde para o tratamento da HF.

  4. Seguimento dos pacientes;

  5. Desenvolvimento de campanhas, encontros e workshops para divulgação da Doença e seu tratamento bem como o programa de rastreamento.

Metodologia

Desenho do estudo:

Figura 1: Etapas da metodologia de rastreamento em cascata
Critérios de inclusão
São selecionados indivíduos com LDL≥ 210mg/dL, de ambos sexos e de todas idades.Após a seleção dos casos-índices, o rastreamento segue o fluxograma descrito (figura 1).
Identificação dos casos-índice

Atualmente é feito diagnóstico genético dos indivíduos matriculados no Ambulatório de Lípides do Instituto do Coração que possuem diagnóstico clínico para a HF. A partir destes indivíduos (aqui chamados de casos-índice) é iniciada uma cascata de rastreamento genético, conforme mostrado na Fig. 1.

Na segunda etapa deste projeto, que terá início no ano de 2013 pretende-se buscar casos-índice na população da região oeste de São Paulo, que utilizam serviços do SUS. Para a localização destes indivíduos serão rastreados, através dos exames de sangue de colesterol fracionado realizados de rotina nas UBSs de região Oeste, indivíduos que possuírem colesterol LDL acima de 210 mg/dL.
Convocação

Após a identificação dos casos-índices, um profissional treinado entrará em contato com este paciente e fornecerá maiores esclarecimentos sobre a hipercolesterolemia familiar, o risco aumentado de doença coronariana e o programa de rastreamento.


Consulta pré-teste

Nas unidades de saúde (SUS) um profissional treinado orientará o indivíduo identificado, sobre a importância da identificação da mutação e as possíveis implicações do diagnóstico precoce de seus familiares de primeiro grau. Nesta ocasião será aplicado termo de consentimento livre e esclarecido e anamnese clínica completa.

No indivíduo que optar pela participação no estudo será efetuada coleta de sangue.
Coleta de sangue
É efetuada coleta de 10ml de sangue em tudo com EDTA. A coleta segue todas as normas de higiene e segurança estabelecidas para este fim. Esta é efetuada por profissionais enfermeiros treinados e participantes do projeto na UBS que solicitou o exame do paciente.
Detecção da mutação
Extração do DNA  Reação em cadeia da polimerase  Sequenciamento automático  MLPA (caso não seja encontrada mutação por sequenciamento)

Detecção familiares de 1ª grau e matrícula no ambulatório
Aos indivíduos identificados com mutação é solicitado contato dos familiares de 1ª grau, que são convocados para coleta de sangue e rastreamento genético. Todos os pacientes identificados com mutação são matriculados no Ambulatório de Lípides.
Aspectos Éticos
Todos os procedimentos propostos estão de acordo com recomendações e diretrizes das principais sociedades específicas da área no país e no exterior.

Todos os indivíduos participantes assinam TCLE, aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa, Cappesq.


Expansão para rede SUS- Zona Oeste

Figura 2: UBSs da região Oeste da cidade de São Paulo

No atual momento estamos começando a implementação do programa nas seguintes UBSs: 1,2, 3, 5, 6 e 7. Até fim de 2014 pretendemos formar parceria com demais postos da regiaõ oeste acima citados.

Resultados preliminares

Seleção dos casos índices a partir dos pacientes do InCor: Foi realizado diagnóstico genético de 470 indivíduos matriculados no Ambulatório de Lípides do Instituto do Coração com diagnóstico clínico de Hipercolesterolemia Familiar segundo critérios MedPed. Desses 470 casos índices (CI), 169 tiveram laudo positivo e 177 apresentaram laudo negativo e os DNAs dos 124 CI restantes encontram-se em seqüenciamento.

Identificação mutação em casos índices- Incor: foram identificadas 74 alterações patogênicas diferentes.

Convocação familiares – Incor Dos 169 CI positivos contactados foi iniciado o processo de rastreamento em cascata em 123 CI, resultando no cadastramento de 1143 familiares. Após esclarecimento, todos os familiares foram chamados a se inscrever no programa.

Diagnóstico Genético de HF em familiares: Dos 1143 pacientes contactados, 792 pacientes compareceram e foram incluídos no programa seguindo-se o seguinte protocolo:

Dos 792 familiares cadastrados, 364 tiveram laudo positivo para a hipercolesterolemia familiar e 345 tiveram laudo negativo. A avaliação do DNA de 88 pacientes encontra-se em andamento.



Figura 3: Resumo dos resultados obtidos nos primeiros dois anos de programa de rastreamento.

Caso os familiares estejam impossibilitados de comparecer ao InCor por residirem em outra cidade é enviado por correio um Kit Coleta, contendo: Folders explicativos, questionário, TCLE, kit de coleta contendo luvas, lenço esterilizador, lanceta e papel FTA.

Fig 2: Kit de coleta para pacientes impossibilitados de comparecer ao HipercolBrasil.

4.6. Acompanhamento Ambulatorial no Incor. Todos os pacientes que receberam laudo positivo para HF foram convidados a se matricular no ambulatório de lípides. Até o momento, 435 pacientes do programa são acompanhados pelo ambulatório.

4.7. Verificação dos resultados. Os pacientes preenchem questionário de identificação onde todos os dados são conferidos e confirmados. Até o momento, 493 pessoas preencheram o questionário de identificação e seguimento.

4.8. Realização de Encontros, simpósios e campanhas. Estes eventos tem o objetivo de divulgar a doença e aproximar os pacientes da comunidade médica.

Foto1: 1º Encontro HipercolBrasil: conhecendo nossas histórias. Café da manhã com pacientes do programa(nov. 2012).

Além do evento acima, foram realizados duas campanhas (uma em Curitiba2011 e outra no InCor – SP2012)onde foi medido o colesterol total em 500 pessoas da população . Em Abril de 2012 foi realizado Workshop sobre Hipercolesterolemia Familiar, voltado para a comunidade médica.

Cconector reto 6aracterísticas da inciativa



Inovação: A busca de pacientes a partir de um programa de rastreamento é inovadora por possibilitar a identificação de pacientes que apresentam uma doença silenciosa com baixo índice de diagnóstico (20% nos melhores sistemas de saúde do mundo). Em nosso meio estima-se que a taxa atual de detecção é de menos do que 10% dos casos. Nosso programa é único quanto a abordagem utilizada, de rastreamento ativo, tanto em nível nacional quanto internacional. Ainda, nosso programa foi aceito como parte do seleto grupo internacional de programas de rastreamento populacional de Hipercolesterolemia Familiar. Atualmente desenvolvemos colaboração e grande troca de experiências com os programas da Espanha e Holanda (ambos programas nacionais) e de Londres.

Cabe ressaltar que esse programa além de ser um case único da implementação de estratégias de rastreamento genético custo-efetivas dentro do SUS, prepara o sistema para uma nova realidade da medicina que cada vez mais disponibilizará para a população ferramentas ao mesmo tempo mais individualizadas e universais.



Replicabilidade: A divulgação da doença e o desenvolvimento de pequenos núcleos de rastreamento da mesma são essenciais para a busca de pacientes fora de São Paulo. Assim, visamos o treinamento de profissionais de saúde (enfermeiros, médicos, assistentes sociais, etc.) que nos possibilitem a ampliação do programa.

De fato, o programa foi desenvolvido sob a premissa de que a despeito de trazer elementos de alta sofisticação tecnológica (seqüenciamento de DNA) ele deveria em sua essência ser facilmente incorporado a sistemas municipais de saúde através da criação de uma pequena equipe base nos moldes do que ocorre com o projeto de saúde da família. O teste laboratorial pode ser centralizado em um laboratório de referência (no momento o Laboratório de Genética e Cardiologia Molecular do Incor), o que reduz os custos de sua realização. O treinamento das equipes é facilmente realizado pelo Programa e o desempenho individual de cada núcleo pode ser facilmente monitorado através da solicitação, essa centralizada, de testes genéticos.



Relevância: com a utilização do programa de rastreamento é possível identificar pessoas afetadas com HF antes que os sintomas clínicos apareçam, oferecendo tratamento e aumentando a expectativa de vida em até 30 anos. Além disso, a confirmação da doença a partir do teste genético auxilia na adesão ao tratamento e melhoria da qualidade de vida de pacientes e familiares.

Estima-se que somente na região metropolitana da cidade de São Paulo existam 40.000 indivíduos portadores da doença e que, inequivocamente, se não diagnosticados e tratados irão consumir uma grande quantidade de recursos do sistema de saúde nos próximos anos.



Excelência no uso dos recursos públicos:

Atualmente o programa consta com uma equipem de 6 pessoas que trabalham com dedicação exclusiva (44 horas por semana). Além disso, contamos com a parceria dos Médicos do Ambulatório de Lípides e uma psicóloga. O gasto com recursos humanos é de 12.740,60 mensais (162,00 por paciente).



Procedimento

Custos (em Reais) de consumo por paciente.

Convocação – telefonemas e telegramas

2,15

Coleta sangue

1,84

Extração DNA

2,68

Reação de cadeia em polimerase

8,26

Eletroforese em gel de agarose

1,18

Purificação

1,90

Sequenciamento (CI)

324,00

MLPA

83,00

Sequenciamento (F)

15,42

Total por indivíduo (CI)

407,00

Total por indivíduo (F)*

33,43

Média por indivíduo

186,62

Tabela 1: Custos de consumo por paciente.*Caso não seja necessário fazer MLPA.

Efetividade dos resultados: A partir de 470 Casos índices, o programa rastreou 792 familiares, sendo que 364 apresentaram a mutação para Hipercolesterolemia Familiar. Desses, 122 desconheciam completamente que possuíam a doença ou que tinham colesterol elevado.

Atualmente o programa é realizado através de projeto via PROADI em parceria com o Hospital Samaritano de São Paulo. Seu financiamento encerra-se em dois anos e um dos grandes desafios do programa é tornar-se parte das ferramentas de inteligência da Secretaria Estadual de Saúde. Estima-se que com um custo de anual de um milhão de reais esse programa poderia ser estendido para todo o Estado de São Paulo.

Desenvolvimento de parcerias

SUS – financiamento via PROADI . via hospital Samaritano : Programa Genético de Rastreamento Ativo de Hipercolesterolemia Familiar na Região Metropolitana de São Paulo (Projeto Região Oeste) – Projeto nº 25000.180669/2011-68

Rconector reto 11esumo



A Hipercolesterolemia Familiar (HF) é uma doença de herança autossômica dominante caracterizada por elevação do LDL-colesterol, causada por mutações no gene da LDLr, Apo B ou PCSK9. Pacientes com HF tem risco aumentado em 10 a 20 vezes de ter doenças coronarianas. Estima-se que na cidade de São Paulo existam 40.000 portadores da doença. Este projeto visa implantar um programa de rastreamento genético em cascata para identificação de indivíduos com HF em duas populações da região metropolitana de São Paulo: pacientes atendidos no InCor da FMUSP e, posteriormente, nas UBSs da região Oeste.

Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal