Resumo dos Capítulos de Memorial do Convento Capítulo I



Baixar 68.89 Kb.
Encontro31.12.2018
Tamanho68.89 Kb.

Resumo dos Capítulos de Memorial do Convento

Capítulo I

  • Anúncio da ida de D. João V ao quarto da rainha.

  • Desejo de D. Maria Ana: satisfazer o desejo do rei de ter um herdeiro para o reino.

  • Passatempo do rei: construção, em miniatura, da Basílica de S. Pedro de Roma.

  • Premonição de um franciscano: o rei terá um filho se erguer um convento franciscano em Mafra.

  • Promessa do rei: mandar construir um convento se a rainha lhe der um filho no prazo de um ano.

  • Chegada do Rei ao quarto da rainha, decidido a ver cumprida a promessa feita a Frei António de S. José.

Capítulo II

  • Referência a milagres franciscanos que auguram a promessa real: história de Frei Miguel da Anunciação (o corpo que não corrompia e os milagres); história de Sto. António (seus milagres e castigos); os precedentes franciscanos.

  • Visão crítica do narrador face às promessas e milagres dos franciscanos: o mundo marcado por excesso de riqueza e extrema pobreza.

Capítulo III

  • Reflexões sobre Lisboa: condições de vida; visão abjeta da cidade no Entrudo; crítica a hábitos religiosos, à procissão da penitência, à Quaresma.

  • O estado de gravidez da rainha (da condição de mulher comum à sua infinita religiosidade).

  • O sonho da rainha com o cunhado (tópico da traição).

Capítulo IV

  • Apresentação de Baltasar Mateus: Sete-Sóis, 26 anos, natural de Mafra, maneta à esquerda, na sequência da Batalha de Jerez de los Caballeros (Espanha).

  • Estada em Évora, onde pede esmola para pagar um gancho de ferro e poder substituir a mão

  • Percurso até Lisboa, onde vive muitas dificuldades.

  • Indecisão de Baltasar: regressar a Mafra ou dirigir-se ao Terreiro do Paço (Lisboa) e pedir dinheiro pela mutilação na guerra.

  • Encontro de Baltasar Sete-Sóis com um amigo, antigo soldado: João Elvas.

  • Referências ao crime na cidade lisboeta e ao Limoeiro.



Capítulo V

  • Fragilidade de D. Maria Ana, com a gravidez e com a morte do seu irmão José (imperador da Áustria).

  • Apresentação de Sebastiana Maria de Jesus, mãe de Blimunda (Sete Luas) - condenada ao degredo (Angola), por ter visões e revelações.

  • Espetáculo do auto de fé assistido por Blimunda, na companhia do padre Bartolomeu Lourenço.

  • Proximidade de Baltasar Mateus (Sete-Sóis), que trava conhecimento com Blimunda assim que esta lhe pergunta o nome.

  • Paixão de Baltasar pelos olhos de Blimunda.

  • União de Bartolomeu Lourenço, Blimunda e Baltasar, após o auto de fé, tendo o ex-soldado acompanhado o padre e Blimunda a casa desta, onde comeram uma sopa.

  • Apresentação de Blimunda como vidente (quando está em jejum vê as pessoas “por dentro”).

  • Consumação do amor de Baltasar e Blimunda (19 anos, virgem), com esta a prometer que nunca o olhará por dentro.

Capítulo VI


  • Visão crítica das leis comerciais.

  • Narrativa de João Elvas, a Baltasar, sobre um suposto ataque dos franceses a Lisboa (que mais não era do que a chegada de uma frota com bacalhau).

  • Conflito de Baltasar: saber a cor dos olhos de Blimunda.

  • Deslocação do Padre Bartolomeu Lourenço ao Paço para interceder por Baltasar (a fim de este receber uma pensão de guerra) e compromisso de falar com o Rei, caso tarde a resposta.

  • Apresentação, por João Elvas, de Bartolomeu Lourenço como o Voador (as diversas tentativas levadas a cabo pelo padre para voar, justificando-se, este, que a necessidade está na base das conquistas do homem; o conhecimento da mãe de Blimunda, dadas as visões que esta tinha de pessoas a voar).

  • Questão de Baltasar ao padre: o facto de Blimunda comer pão, de manhã, antes de abrir os olhos.

  • Apresentação da passarola a Baltasar, pelo Padre B. Lourenço (S. Sebastião da Pedreira).

  • Descrição da passarola, a partir do desenho que o padre mostra a Baltasar.

  • Convite do Padre para que Baltasar o ajude na construção da passarola.



Capítulo VII

  • Trabalho de Baltasar num açougue.

  • Evolução da gravidez da rainha, tendo o rei de se contentar com uma menina.

  • Rendição das frotas portuguesas do Brasil aos franceses.

  • Visita de Baltasar e Blimunda à zona enfeitada para o batismo da princesa, estando aquele mais cansado do que habitualmente, por carregar tanta carne para o evento.

  • Morte do frade que formulou a promessa real; fidelidade de D. João V à promessa.



Capítulo VIII

  • Relação amorosa de Baltasar e Blimunda.

  • Procura de Baltasar a propósito do misterioso acordar de Blimunda: esta conta-lhe que, em jejum, consegue ver o interior das pessoas; daí comer o pão ao acordar para não ver o interior de Baltasar.

  • Indicação de Blimunda, a Baltasar, acerca do seu dom: vê o interior dos outros e “vê” a nova gravidez da rainha.

  • Falha na obtenção da tença pedida ao Paço para Baltasar e despedimento do local onde este trabalhava (açougue).

  • Nascimento do segundo filho do rei, o infante D. Pedro.

  • Deslocação de El-rei a Mafra, para escolher a localização do convento (um alto a que chamam Vela).



Capítulo IX

  • Auxílio de Baltasar ao padre Lourenço na construção da passarola, tendo-lhe este dado a chave da quinta do duque de Aveiro, onde se encontra a “máquina de voar”.

  • Visita de Baltasar à quinta, acompanhado de Blimunda.

  • Inspeção de Blimunda, em jejum, à máquina em construção para descobrir as suas fragilidades.

  • Atribuição, pelo Padre B. Lourenço, dos apelidos de Sete-Sóis e Sete-Luas, respetivamente, a Baltasar e a Blimunda (ele vê “às claras” e ela “vê às escuras”).

  • Deslocação do Padre à Holanda, para aprender com os alquimistas a fazer descer o éter das nuvens (necessário para fazer voar a passarola).

  • Realização de novo auto de fé, mas Baltasar e Blimunda permanecem em S. Sebastião da Pedreira.

  • Partida de Baltasar e Blimunda para Mafra e do padre para a Holanda, ficando aqueles responsáveis pela passarola.

  • Ida à tourada, antes de Baltasar e Blimunda partirem de Lisboa.

Capítulo X

  • Visita de Baltasar à família, com apresentação de Blimunda e explicação da perda da mão.

  • Vivência conjunta e harmoniosa na família de Baltasar.

  • Venda das terras do pai de Baltasar, por causa da construção do convento.

  • Trabalho procurado por Baltasar.

  • Comparação entre a morte e o funeral do filho de dois anos da irmã de Baltasar e a morte do infante D. Pedro.

  • Nova gravidez da rainha, desta vez do futuro rei.

  • Comparação dos encontros de Baltasar com Blimunda e do rei com a rainha.

  • A frequência dos desmaios do rei e a preocupação da rainha.

  • O desejo de D. Francisco, irmão do rei, casar com a rainha, à morte deste.



Capítulo XI

  • Regresso de Bartolomeu Lourenço da Holanda, passados três anos, e o abandono da abegoaria (quinta de S. Sebastião da Pedreira).

  • Constatação do padre de que Baltasar cuidara da passarola, conforme lhe havia pedido.

  • Deslocação a Coimbra, passando por Mafra para saber de Baltasar e Blimunda.

  • Reflexão sobre o papel que cada um tem na construção do futuro, não estando este apenas nas mãos de Deus.

  • Atribuição de bênção a quem a pede, deparando o padre, no caminho para Mafra, com trabalhadores (comparados a formigas).

  • Conversa do Padre com um pároco, ficando a saber que Baltasar e Blimunda casaram e onde vivem.

  • Visita do padre ao casal de amigos e conversa sobre a passarola.

  • Bartolomeu Lourenço na casa do padre Francisco Gonçalves, a pernoitar.

  • Encontro de Blimunda e Baltasar com padre B. Lourenço, de manhã muito cedo, quando ela ainda está em jejum.

  • Apresentação, a Baltasar e Blimunda, do resultado de aprendizagem do Padre na Holanda: o éter que fará voar a passarola vive dentro das pessoas (não é a alma dos mortos, mas a vontade dos vivos).

  • Pedido de auxílio do Padre a Blimunda: ver a vontade dos homens (esta consegue ver a vontade do padre) e colhê-la num frasco.

  • Deslocação de Bartolomeu Lourenço a Coimbra para aprofundar os seus estudos e se tornar doutor.

  • Ida de Blimunda e Baltasar para Lisboa: ela, para recolher as vontades; ele, para construir a passarola.



Capítulo XII

  • Tomada da hóstia, em jejum: Blimunda descobre que o que está dentro desta é o mesmo que está dentro do homem – a religião.

  • Festividades da inauguração da construção do convento e do lançamento da primeira pedra (três dias), a ter lugar numa igreja–tenda ricamente decorada e com a presença de D. João V.

  • Baltasar e Blimunda na inauguração.

  • Passada uma semana, partida do casal para Lisboa.

Capítulo XIII


  • Verificação de Baltasar relativamente ao estado enferrujado da máquina, seguida dos arranjos necessários e da construção de uma forja enquanto o padre não chega.

  • Chegada do padre, dizendo a Blimunda que serão necessárias, pelo menos, duas mil vontades para a passarola voar (tendo ela apenas recolhido cerca de trinta).

  • Conselho do Padre para que Blimunda recolha vontades na procissão do Corpo de Deus.

  • Regresso do Padre a Coimbra para concluir os seus estudos.

  • Trabalho de Baltasar e Blimunda na máquina, durante o inverno e a primavera, e chegada, por vezes, do padre com esferas de âmbar amarelo (que guardava numa arca).

  • Perspetivas de a procissão do Corpo de Deus ser diferente do normal.

  • Perda da capacidade visionária de Blimunda, com a chegada da lua nova.

  • Saída da procissão (8 de junho de 1719) – só no dia seguinte, com a mudança da lua, Blimunda recupera o seu poder.

Capítulo XIV


  • Regresso do Padre Bartolomeu Lourenço de Coimbra, doutor em cânones.

  • Novo estatuto do padre: fidalgo capelão do rei, vivendo nas varandas do Terreiro do Paço.

  • Relação do padre com o rei: este apoia a aventura da passarola, exprimindo o desejo de voar nela.

  • Lição de música (cravo) da infanta D. Maria Bárbara (8 anos), sendo o seu professor o maestro Domenico Scarlatti.

  • Conversa do padre com Scarlatti, depois da lição.

  • Audição, em toda a Lisboa, de Scarlatti a tocar cravo, em privado.

  • Scarlatti em S. Sebastião da Pedreira, a convite de Bartolomeu Lourenço (após dez anos de Baltasar e Blimunda terem entrado na quinta).

  • Apresentação a Scarlatti do casal e da máquina de voar.

  • Convite a Scarlatti para visitar a quinta sempre que quiser.

  • Ensaio do sermão de Bartolomeu Lourenço para o Corpo de Deus (tema: Et ego in illo).

Capítulo XV


  • Censura do sermão de Bartolomeu Lourenço por um consultor do Santo Ofício.

  • S. Sebastião da Pedreira recebe o cravo de Scarlatti.

  • Vontade de Scarlatti voar na passarola e tocar no céu.

  • Ida de Baltasar e Blimunda a Lisboa (dominada pela peste), à procura de vontades.

  • Doença estranha de Blimunda, após a recolha de duas mil vontades.

  • Apoio de Baltasar e recuperação de Blimunda após audição da música de Scarlatti.

  • Encontro do casal com o padre Bartolomeu Lourenço.

  • Remorsos de Bartolomeu Lourenço por ter colocado Blimunda em perigo de vida.

  • Vontade de Bartolomeu Lourenço informar o rei de que a máquina está pronta, não sem a experimentar primeiro.



Capítulo XVI

  • Reflexão sobre o valor da justiça.

  • Morte de D. Miguel, irmão do rei, devido a naufrágio.

  • Necessidade de o Rei devolver a quinta de S. Sebastião da Pedreira ao Duque de Aveiro, após anos de discussão na Justiça.

  • Vontade do Padre experimentar a máquina para, depois, a apresentar ao rei.

  • Receio do Padre face ao Santo Ofício: o voo entendido como arte demoníaca.

  • Fuga do Padre, procurado pela Inquisição, na passarola.

  • Destruição da abegoaria para a passarola poder voar.

  • Voo da máquina com o Padre, Baltasar e Blimunda e descrição de Lisboa vista do céu.

  • Abandono do cravo num poço da quinta para Scarlatti não ser perseguido pelo Santo Ofício.

  • Perseguição de Bartolomeu Lourenço pela Inquisição.

  • Divisão de tarefas na passarola e preocupação do Padre: se faltar o vento a passarola começa a cair e o mesmo acontecerá quando o sol se puser.

  • Visão de Mafra a partir do céu: a obra do convento, o mar.

  • Ceticismo dos habitantes que veem a passarola nos céus.

  • Descida e pouso da passarola numa espécie de serra, com a chegada da noite.

  • Tentativa de destruição da passarola, por Bartolomeu Lourenço (fogo), mas Baltasar e Blimunda impedem-no.

  • Fuga do padre e camuflagem da máquina com ramos das moitas, na serra do Barregudo.

  • Chegada de Baltasar e Blimunda, dois dias depois, a Mafra, fingindo que vêm de Lisboa.

  • Procissão em Mafra em honra do Espírito Santo, que sobrevoou as obras da basílica (na perspetiva dos habitantes).



Capítulo XVII

  • Trabalho procurado por Baltasar e Álvaro Diogo com a hipótese de ele trabalhar nas obras do convento.

  • Baltasar na Ilha da Madeira, local de alojamento para os trabalhadores do convento.

  • Descrição da vida nas barracas de madeira (mais de 200 homens que não são de Mafra).

  • Verificação do atraso das obras (feita por Baltasar) – motivos: chuva e transporte dos materiais dificultam o avanço.

  • Notícias de um terramoto em Lisboa.

  • Regresso de Baltasar ao Monte Junto, onde se encontra a passarola.

  • Visita de Scarlatti ao convento e encontro com Blimunda, sendo esta informada de que Bartolomeu de Gusmão morreu em Toledo, no dia do terramoto.

Capítulo XVIII


  • Enumeração dos bens do Império de D. João V.

  • Enumeração dos bens comprados para a construção do convento.

  • Realização de uma missa numa capela situada entre o local do futuro convento e a Ilha da Madeira.

  • Apresentação dos trabalhadores do convento e apresentação de Baltasar Mateus (já com 40 anos).

Capítulo XIX


  • Os trabalhos de transporte de pedra-mãe (Benedictione).

  • Mudança de serviço no trabalho de Baltasar: dos carros de mão à junta de bois.

  • Notícia da necessidade de ir a Pero Pinheiro buscar uma pedra enorme (Benedictione).

  • Trabalho dos homens em época de calor e descrição da pedra.

  • Ferimento de um homem (perda do pé) no transporte da pedra (“Nau da Índia”).

  • Narrativa de Manuel Milho (história de uma rainha e de um ermitão).

  • Segundo dia do transporte da pedra e retoma da narrativa de Manuel Milho.

  • Chegada a Cheleiros e morte de Francisco Marques (atropelado pelo carro que transporta a pedra) bem como de dois bois.

  • Velório do corpo do trabalhador.

  • Manuel Milho retoma a narrativa.

  • Missa e sermão de domingo.

  • Final da história narrada por Manuel Milho.

  • Chegada da pedra ao local da Basílica, após oito dias de percurso.



Capítulo XX

  • Regresso de Baltasar, na primavera, ao Monte Junto, depois de seis ou sete tentativas.

  • Companhia de Blimunda, passados três anos da descida da passarola, nesse regresso.

  • Confidência de Baltasar ao pai: o destino da sua viagem e o voo na passarola.

  • Renovação da passarola graças à limpeza feita por Baltasar e Blimunda.

  • Descida do casal a Mafra, localidade infestada por doenças venéreas.

  • Morte do pai de Baltasar.

Capítulo XXI


  • Auxílio desmotivado da Infanta D. Maria e do Infante D. José na construção da Basílica de S. Pedro (brinquedo de D. João V).

  • Encomenda de D. João V ao arquiteto Ludovice para construir uma basílica como a de S. Pedro na corte portuguesa.

  • Desencorajamento de Ludovice, convencendo o rei a construir um convento maior em Mafra.

  • Conversa de D. João V com o guarda-livros sobre as finanças portuguesas e preparativos para o aumento da construção do convento em Mafra.

  • Intimação de um maior número de trabalhadores para cumprimento da vontade real.

  • O rei e o medo da morte (que o possa impedir de ver a obra final).

  • Vontade de D. João V em sagrar a basílica no dia do seu aniversário, daí a dois anos (22/10/1730).

  • Chegada de um maior número de trabalhadores a Mafra (500).

Capítulo XXII


  • Casamento da Infanta Maria Bárbara com o príncipe D. Fernando de Castela e casamento do príncipe D. José com Mariana Vitória.

  • Participação de João Elvas no cortejo real para encontro dos príncipes casadoiros.

  • Partida do rei para Vendas Novas.

  • Percurso do rei na direção de Montemor.

  • Trabalho de João Elvas no arranjo das ruas, após chuva torrencial, para que o carro da rainha e da princesa possa prosseguir para Montemor.

  • Esforço dos homens para tirar o carro da rainha de um atoleiro.

  • João Elvas recorda o companheiro Baltasar Mateus junto de Julião Mau-Tempo.

  • Conversa destes e a suspeita de que Baltasar voou com Bartolomeu de Gusmão.

  • Tempo chuvoso no percurso de Montemor a Évora.

  • Lembrança da princesa de que desconhece o convento que se está a erguer em favor do seu nascimento, depois de ver homens presos a serem enviados para trabalhar em Mafra.

  • Encontro do rei com a rainha e os infantes em Évora.

  • Cortejo real dirigido para Elvas, oito dias após a partida de Lisboa para troca das princesas peninsulares.

  • Reis de Espanha em Badajoz.

  • Chegada do rei, da rainha e dos infantes ao Caia, a 19 de janeiro.

  • Cerimónia da troca das princesas peninsulares.



Capítulo XXIII

  • Cortejo de estátuas de santos em Fanhões.

  • Deslocação de noviços para Mafra nas vésperas de sagração do convento.

  • Chegada dos noviços.

  • Regresso de Baltasar a casa depois do trabalho.

  • Ida de Baltasar e Blimunda ao local onde se encontram as estátuas.

  • Apreensão de Blimunda ao saber que passados seis meses Baltasar vai ver a passarola.

  • O casal no círculo das estátuas e reflexão sobre a vida e a morte.

  • Despedida amorosa de Baltasar e Blimunda na barraca do quintal.

  • Chegada de Baltasar à Serra do Barregudo.

  • Entrada de Baltasar na passarola, seguida da queda deste e do voo da máquina.

Capítulo XXIV


  • Espera de Blimunda e posterior busca de Baltasar.

  • Entrada do rei em Mafra.

  • Grito de Blimunda ao chegar ao Monte Junto, depois de descobrir que a passarola não se encontrava no local habitual.

  • Encontro de Blimunda com um frade dominicano que a convida a recolher-se numa ruínas junto ao convento.

  • Tentativa de violação de Blimunda pelo frade e morte deste com o espigão que ela lhe enterra entre as costelas.

  • Blimunda faz o caminho de regresso a casa.

  • A ansiedade de Blimunda depois de duas noites sem dormir.

  • Final das festividades do dia, em Mafra.

  • Informação de Álvaro Diogo sobre quem está para chegar a Mafra.

  • Dia do aniversário do rei e da sagração da basílica.

  • Cortejo assistido por Inês Antónia e Álvaro Diogo, acompanhados por Blimunda.

  • Bênção do patriarca na Benedictione.

  • Final do primeiro dos oito dias de sagração e saída de Blimunda para procurar Baltasar.

Capítulo XXV


  • Procura de Baltasar por Blimunda ao longo de nove anos.

  • Apelido de Blimunda: a voadora.

  • Identificação de Blimunda com a terra onde ela permaneceu por largo tempo a ajudar os que dela se socorriam: Olhos de Água.

  • Passagem de Blimunda por Mafra e tomada de conhecimento da morte de Álvaro Diogo.

  • Sétima passagem desta por Lisboa.

  • Encontro de Blimunda (em jejum) com Baltasar, que está a ser queimado num auto de fé, junto com António José da Silva (O Judeu), em 1739.

  • Recolha da vontade de Baltasar por Blimunda.


Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal