Samael Aun Weor Magia das Runas



Baixar 351.38 Kb.
Página1/13
Encontro29.11.2017
Tamanho351.38 Kb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   13

Samael Aun Weor
Magia das Runas

1 - A MÃE DIVINA E OS DEUSES SANTOS


Virgem Mãe, Filha de teu Filho, a mais humilde e ao mesmo tempo a mais alta de todas as criaturas,
marco fixo da vontade eterna, tu és quem enobreceu de tal forma a natureza humana que teu Criador
não desdenhou em se converter em sua própria obra. Em teu seio inflamou-se o amor, cujo calor fez
germinar esta flor na paz eterna. És aqui, para nós, um meridiano sol de caridade e em baixo, para os
mortais, vivo manancial de esperança. És tão grande senhora e tanto vales que todo aquele que
deseja alcançar uma graça e a ti não recorra, quer que seu desejo voe sem alma. Tua bondade não só
socorre ao que te implora, como muitas vezes se antecipa espontaneamente à súplica. Em ti se
reúnem a misericórdia, a piedade, a magnificência e tudo quanto de bom existe nas criaturas. Este,
que da mais profunda laguna do universo até aqui viu uma a uma todas as existências espirituais, te
suplica lhe concedas a graça de adquirir tal virtude, que possa elevar-se com os olhos até a saúde
suprema. E eu, que nunca desejei ver mais do que desejo que ele veja, te dirijo todos os meus rogos,
e te suplico para que não sejam vãos, a fim de que dissipes com os teus dedos todas as névoas
procedentes de sua condição mortal, de sorte que possa contemplar o sumo prazer abertamente.
Ademais, rogo-te ó Rainha, que podes tanto quanto queres, que conserves puros os seus efeitos
depois de tanto ver. Que a tua custódia triunfe dos impulsos da paixão humana: olha a Beatriz como
junta suas mãos com todos os bem-aventurados para unir suas orações às minhas. (DANTE
ALIGHIERI)
Ó Isis, Mãe do cosmos, raiz do amor, tronco, botão, folha, flor e semente de tudo quanto existe. A ti,
força neutralizante, te conjuramos; chamamos a Rainha do espaço e da noite. Beijando teus olhos
amorosos, bebendo o orvalho de teus lábios, respirando o doce aroma do teu corpo, exclamamos: Ó
NUIT! Tu, ETERNA DEIDADE DO CÉU, que és a ALMA PRIMORDIAL, que és o que foi e o que
será, a quem nenhum mortal levantou o véu, quando tu estejas sob as estrelas irradiantes do noturno
e profundo céu do deserto, com pureza de coração e na flama da serpente te chamamos. (RITUAL
GNÓSTICO)
Glória, glória à Mãe Kundalini que, mediante a sua infinita graça e poder, conduz o Sadhaka de
chacra em chacra e ilumina seu intelecto identificando-o com o supremo Brahman. Possam as suas
bênçãos nos alcançar! (SIVANANDA)
Porventura, o troiano Enéas não foi filho do herói Anquises e da deusa Vênus?
Quantas vezes a Mãe Divina se mostrou favorável aos troianos, inclinando também em favor deles a
vontade de Júpiter (o Logos Solar), pai dos deuses e dos homens?
Ó Eolo, Senhor do Vento, tu que tens o poder de apaziguar e de encrespar as ondas do imenso mar,
tu que submergiste parte da frota troiana nas embravecidas ondas, responde-me: Que seria de ti sem
tua Divina Mãe Kundalini? De onde tirarias tão grande potestade?
Ó Netuno, Senhor das sublimes profundidades marítimas, tu, grande Deus, diante de cujo divino
olhar fogem os ventos e se apaziguam os furiosos elementos. podes porventura negar que tens uma
Mãe? Ó Senhor das profundezas, tu bem sabes que sem ela não empunharias em tua direita esse
admirado tridente, que te confere o poder de reinar sobre os espantosos recônditos do abismo.
4/128
Ó Netuno! Venerável Mestre da humanidade. Tu que deste aos povos da submersa Atlântida
preceitos tão sábios, recorda-nos, grande senhor, a todos que te amam, aqueles momentos.
Quando o Aquilão levanta as ondas até o céu e alguns náufragos se vêm lançados aos astros,
enquanto que outros submergem nos profundos abismos, nenhuma esperança mais lhes resta que a
tua misericórdia.
O Noto estraçalha os navios contra os escolhos ocultos no fundo e o Euro precipita-os contra as
costas, encalhando-os na areia ou quebrando-os contra escarpadas rochas, porém tu, Senhor Netuno,
salva a muitos dos que nadam e depois tudo fica em silêncio.
As grutas das paragens misteriosas, onde moram as ninfas marinhas, conservam a lembrança de tuas
obras, ó grande Deus.
Todos que conheceram os perigos do tempestuoso oceano da vida, a terrível raiva de Cila, a dos
recifes mugentes, as rochas dos vigilantes ciclopes, o caminho áspero que conduz ao Nirvana e os
duros combates de Mara, o tentador, com sua três Fúrias, nunca cometam o delito da ingratidão,
jamais se esqueçam de sua Mãe Divina.
Bem-aventurados daqueles que compreendem o mistério de sua própria Mãe Divina. Ela é a raiz da
própria Mônada. Em seu seio imaculado, gera-se o menino que leva em seus braços, nosso Buda
Intimo.
Vênus, descendo dos altos cumes, disfarçou-se de caçadora para visitar o seu filho Enéas, o herói de
Tróia, com o são propósito de orientá-lo até Cartago, onde reinava florescente a rainha Dido, aquela
que depois de ter jurado fidelidade perante as cinzas de Siqueu se matou por paixão.
A adorável tem o poder de fazer-se visível e tangível no mundo físico quando assim o queira.
Ó mortais ignorantes! Quantas vezes, meu Deus, vocês não foram visitados pela Mãe Divina e, sem
dúvida, não a reconheceram?
Que ditoso foste, ilustre cidadão da soberba Ílion, quando tua Adorável Mãe te cobriu com uma
nuvem para te fazer invisível!
Vós que cobiçais poderes mágicos, porventura, ignorais que vossa Sagrada Mãe é onipotente?
Ó Senhora Minha! Somente o cantor Iopas com a sua longa cabeleira e sua cítara de ouro poderia
cantar tuas bondades.
Magia das Runas - V. M. Samael Aun Weor
5/128
2 - UNIVERSOS PARALELOS
Uma hipótese audaz sugere a existência de um universo fantasma semelhante ao nosso, havendo
entre esses dois universos apenas uma interação muito débil, de modo que não vemos o outro mundo
que se mistura com o nosso.
O gnosticismo científico e revolucionário vai muito mais longe nessa questão. Afirma enfaticamente
a coexistência harmoniosa de uma infinidade de universos paralelos.
A exclusão radical desse conceito científico e transcendental deixaria sem explicação lógica uma
série considerável de fatos inclassificáveis, como desaparições misteriosas, etc.
Nas perfumadas e deliciosas margens do rio que alegre e feliz desliza cantando pelas selvas
profundas de uma região tropical da América do Sul, certa vez um grupo de inocentes meninos viu,
com horror, desaparecer a sua própria mãezinha. Viram-na flutuar no espaço por alguns instantes e
depois pareceu submergir em outra dimensão.
Num dia de verão de 1809, Benjamin Bathurst, embaixador da Inglaterra na corte da Áustria,
achava-se em uma pequena cidade da Alemanha. Sua carruagem deteve-se diante de uma
estalagem. O embaixador desceu e caminhou alguns passos. Os cavalos ocultaram sua imagem por
uns momentos e diante do estalajadeiro, seus próprios criados e alguns viajantes que por ali se
encontravam, sumiu para nunca mais reaparecer.
Nestes aziagos dias de nossa vida, os desaparecimentos misteriosos de homens, mulheres, crianças,
navios, aviões… multiplicam-se escandalosamente, apesar dos serviços de inteligência e dos
magníficos equipamentos de radar e rádio que teoricamente não deveriam permitir tais mistérios.
O conceito de Universos Paralelos resulta bem mais exato e mais científico que os famosos planos
subjetivos do pseudo-ocultismo reacionário.
Uma análise profunda nos levaria à conclusão lógica de que esses universos não somente existem nas
dimensões superiores do espaço, como também nas submersas infradimensões.
De nenhuma maneira seria absurdo afirmar que, dentro de cada Universo Paralelo, existe uma
seqüência de universos. Chamemo-los de átomos, moléculas, células, partículas, organismos, etc.
Por favor, querido leitor, tenha a bondade de refletir e compreender. Não estamos falando de
universos de anti-matéria que é algo totalmente diferente. A antimatéria obedece exatamente às
mesmas leis que regem a matéria, apenas que cada uma das partículas que a compõem tem uma
carga elétrica inversa à da matéria que conhecemos.
No seio profundo da Mãe-Espaço, há milhões de galáxias constituídas de antimatéria, porém elas
também têm seus UNIVERSOS PARALELOS.
Nenhum físico ignora que este universo em que vivemos, nos movemos e morremos, existe graças a
certas constantes: velocidade da luz, constante de Planck, número de Avogadro, carga elementar,
elétron-volt, energia em repouso de um corpo de massa igual a 1 kg, etc.
Um universo que possua constantes radicalmente diferentes resulta completamente estranho e
inimaginável para nós, porém se as diferenças não são muito grandes, as interferências com nosso
mundo se tornam possíveis.
Os sábios modernos inventaram um espelho mágico assombroso: o acelerador de prótons.
6/128
Realmente, são assombrosas as cenas de nosso vizinho Universo Paralelo, situado na quarta
dimensão. Causa perplexidade, indecisão e incerteza o comportamento extraordinário de certa
misteriosa partícula denominada méson K.
Três cientistas chineses que residem e trabalham nos Estados Unidos, Lee, Yang e a senhora Wu,
descobriram com assombro e surpresa que os mésons K não cumpriam a lei de conservação da
paridade.
A admirável, estupenda e insólita descoberta veio a demonstrar que o méson K se conduz de uma
maneira estranha porque é perturbado pelas maravilhosas forças do Universo Paralelo.
Os modernos cientistas acercam-se perigosamente da quarta dimensão e até tentam perfurá-la com a
ajuda do neutrino.
O neutrino é prodigioso, de causar pasmo, pois possui a capacidade de atravessar uma espessura
infinita de matéria sem reação apreciável.
Os fótons, grãos de luz, podem vir do infinito inalterável, mas basta uma delicada folha de papel para
detê-los. Em troca, o neutrino pode atravessar o planeta Terra em sua totalidade como se fosse
vazio. É pois, a todas as luzes, o agente indicado para penetrar no Universo Paralelo vizinho.
Tempos atrás, o famoso cientista italiano de nome Bruno Pontecorvo propôs a construção de um
telescópio de neutrinos. Sua idéia for surpreendente porque com tal instrumento ótico revolucionário
poder-se-ia penetrar no Universo Paralelo vizinho.
De fato, surpreendente saber que os mésons, sujo comportamento permitiu aos cientistas chineses
proporem a hipótese dos Universos Paralelos, sejam obtidos nas desintegrações com emissão de
neutrinos.
Os Universos Paralelos interpenetram-se mutuamente sem se confundirem. Cada um possui o seu
espaço que não é do nosso campo de ação.
O gnosticismo científico e revolucionário vai muito além das simples hipóteses e suposições e afirma
solenemente a existência dos Universos Paralelos.
Os estudantes de esoterismo necessitam de uma revolução cultural e espiritual. Essa questão de
planos e subplanos constitui um tema que além de jamais ter sido claro e objetivo, conduziu a muita
confusão. Precisa-se mudar o léxico esoterista com urgência. Necessita-se de um novo vocabulário
ocultista, uma linguagem especial e revolucionária que sirva exatamente para a ideologia da Era de
Aquário.
Ao invés dos citados planos metafísicos das teorias empoladas, falemos de Universos Paralelos.
Magia das Runas - V. M. Samael Aun Weor
7/128
3 - RUNA FA
Dissemos de forma solene nas Mensagens de Natal precedentes que o pobre animal intelectual é tão
somente uma crisálida, na qual deve se formar e se desenvolver isso que se chama homem.
Realmente, o que se precisa para desenvolver e criar dentro de nós essa possibilidade de homem é de
Fogo Solar.
Fohat é a força geradora, o fogo central vivo e filosofal que pode originar, dentro da cosmobiologia
do animal racional, o autêntico e legítimo mutante, o homem real e verdadeiro.
Há muitos tipos de fogo. Recordemos os fogos de Santelmo durante as tempestades.
Lembremo-nos daquela misteriosa coluna de fogo que, de noite, guiava os israelitas no deserto.
Será útil relembrarmos a essas luminescências estranhas dos cemitérios que a Física catalogou, a seu
modo, sob o nome de fogos-fátuos.
Existem ainda muitas reminiscências sobre raios em forma de bolas, meteoros-gato, etc.
H. P. Blavatsky alude em sua monumental obra intitulada A Doutrina Secreta, naquele parágrafo em
que comenta o Caos dos Antigos, ao fogo sagrado de Zoroastro, o famoso Atash-Behran dos parses.
Que inefáveis são as palavras de H. P. Blavatsky, quando fala do fogo de Hermes!
São notáveis as explicações dessa grande mártir do século passado, quando nos relembra o fogo de
Hermes dos antigos germanos; o relâmpago fulgurante de Cibeles; a tocha de Apolo, a chama do
altar de Pan, as brilhantes chispas nos chapéus dos Dióscuros, na cabeça das Górgones, no elmo de
Palas e no Caduceu de Mercúrio.
Que sublimes foram os inextinguíveis fogos nos templos de Apolo e de Vesta!
Que excelso foi o Ptah-Ra egípcio! Quão magno resplandeceu na noite dos séculos do Zeus
Cataibates, o qual desce do céu para a terra, segundo Pausânias.
A sarça ardente de Moisés e as línguas de fogo de Pentecostes são certamente muito similares ao
nopal flamejante da fundação do México.
A inextinguível lâmpada de Abrahão ainda brilha refulgente e terrivelmente divina.
O fogo eterno do abismo sem fundo ou o Pleroma dos gnósticos é algo que jamais se poderá
esquecer.
Falando do fogo sagrado, convém mencionar ainda os fúlgidos vapores do oráculo de Delfos, a luz
sideral dos gnósticos-rosacruzes, o Akasha dos adeptos hindustânicos, a luz astral de Eliphas Levi,
etc.
Todos os livros iniciáticos estão escritos com caracteres de fogo. Precisamos fecundar nossa natureza
íntima se, de verdade, queremos que o Homem Solar nasça dentro de nós.
INRI: Ignis Natura Renovatur Integram. O fogo renova a toda a Natureza.
8/128
Entre os múltiplos fogos que crepitam na Águia Divina, aquele que resplandece, luz e brilha na
glândula pineal, parte superior do cérebro, é sempre o pássaro do Espírito Santo, o qual transporta a
Arca de cidade em cidade, isto é, de chacra em chacra, ao longo da espinha dorsal.
Precisamos despertar a consciência com a máxima urgência, se realmente queremos nos
auto-conhecer. Só o homem auto-consciente consegue penetrar à vontade nos Universos Paralelos.
Os adeptos da Hatha-Yoga falam muito de Devi-Kundalini, a serpente ígnea de nossos mágicos
poderes, e até supõem que conseguem despertá-la à base de exercícios respiratórios e outras práticas
físicas complicadas e difíceis.
Nós os gnósticos sabemos que a Serpente de Bronze que curava os israelitas no deserto, a Divina
Princesa do Amor, somente desperta e sobe pela espinha dorsal com a prática da maithuna.
No entanto, convém não subestimar o Pranayama. Saibam que a ciência mágica do alento
sabiamente combinada com a meditação científica permite a utilização de certas chispas, centelhas
ou raios do Kundalini, as quais produzem o despertar.
Trabalhar conscientemente nos vários Universos Paralelos, viajar à vontade com plena lucidez por
todas essas regiões supra-sensíveis, só é possível transformando o subconsciente em consciente.
Existe o Judô do espírito. Estamos nos referindo aos exercícios rúnicos, os quais são formidáveis
para se conseguir o despertar da consciência.
Quem quiser trabalhar com esse Judô deve começar com a runa de Mercúrio, cuja cor violeta produz
forças cósmicas extraordinárias.
Saibam que a citada runa nórdica encerra em si mesma toda a potência e todo o impulso da
fecundação.
Precisamos do alento do Fohat para fecundar a nossa própria psique, precisamos de chispas
pentecostais para nos tornar auto-conscientes.Se analisamos as práticas da runa FA, podemos
evidenciar que nelas há pranayama, oração, meditação e certa postura sagrada.
PRÁTICA
Devemos saudar cada novo dia com imensa alegria. Quando nos levantamos da cama, devemos
elevar os braços para o Cristo-Sol, Nosso Senhor, de tal forma que o braço esquerdo fique um pouco
mais levantado que o direito. A palma das mãos permanece diante da luz nessa inefável atitude de
quem realmente aspira receber os raios solares.
Esta é a sagrada posição da runa FA.
Uma vez assim postados, trabalharemos agora com o pranayama, respirando pelo nariz e exalando o
ar pela boca de maneira rítmica e com muita fé.
Imaginemos que a luz do Cristo-Sol entra em nós pelos dedos das mãos, circula pelos braços, inunda
todo o nosso organismo e chega até a consciência, estimulando-a, despertando-a e chamando-a à
atividade.
Nas noites misteriosas e divinas, pratiquem com esse Judô rúnico diante do céu estrelado de Urânia.
A posição é a mesma, porém devemos acrescentar a seguinte oração:
Magia das Runas - V. M. Samael Aun Weor
9/128
FORÇA MARAVILHOSA DO AMOR, AVIVA MEUS FOGOS SAGRADOS PARA QUE A
MINHA CONSCIÊNCIA DESPERTE.
A seguir, canta-se os mantras: FA… FE… FI… FO… FU…, alongando-se o som das vogais.
Esta pequena e forte oração pode e deve ser rezada com todo o coração tantas e quantas vezes se
quiser.
Magia das Runas - V. M. Samael Aun Weor
10/128
4 - DEUSES PENATES
Por quatro vezes chocou-se o Cavalo de Tróia violentamente contra os invictos muros, deixando
escapar de seu monstruoso ventre metálico o rumor de muitas armas, porém os troianos não se
detiveram, cegados que estavam por um Deus que assim o quis.
Então, Cassandra profetizou, vaticinando uma tremenda ruína. Possuída por espírito divino
agitava-se convulsa, tendo o cabelo em desordem, porém como Apolo a havia castigado, ninguém
quis escutá-la.
Ó Cassandra, dos maravilhosos presságios! Que terrível foi o teu Carma. Foste arrastada pelos
cabelos de maneira cruel, impiedosa, desumana e bárbara, enquanto que os ferozes e sanguinários
Aqueus, no palácio do velho Príamo, derrubavam as augustas torres, desmantelavam os veneráveis
muros e a tudo profanavam com o terrível bronze homicida.
As esplêndidas e suntuosas dependências da Casa Real do velho rei encheram-se de soldados
impiedosos e cruéis. Hécuba e suas desesperadas cem noras corriam como loucas pelas salas e
passeios. O sangue do ancião Príamo manchava de púrpura o sacro altar dos Deuses Santos.
Está escrito que quando os Deuses querem perder aos homens primeiro os confundem.
Inúteis foram as maldições do venerado monarca. Pirro desfere o golpe cruel contra o venerável
ancião e o degola junto ao altar de Júpiter, Pai dos Deuses e dos homens.
Horrenda morte teria sofrido a Bela Helena, se Vênus, a Divina Mãe Kundalini de Enéas, não
houvesse detido o temível braço de seu filho. Ela se faz visível e tangível diante do herói troiano e
cheia de dor lhe diz: Meu filho, para que este ressentimento? Para que este furor? Te esqueceste tão
rapidamente assim de socorrer os teus? Por todas as partes há gregos armados e se não fosse eu para
velar por tua família, há tempo já teriam perecido. Não creias, infeliz, que tenha sido a beleza dessa
espartana a única causa da destruição da cidade. Olha, vou tirar o véu que cobre teus olhos mortais e
verás quem derruba os impérios.
Ditas estas palavras, a Divina Mãe Kundalini passou sua adorada mão pelos terríveis olhos do herói
troiano e tudo se transformou diante de suas vistas de águia rebelde.
Os guerreiros, os generais, os conselheiros, as lanças, as máquinas de assalto… tudo desapareceu
como por encanto e em seu lugar viu algo terrivelmente divino: os Deuses Sagrados golpeavam
duramente, com suas égides, as invictas muralhas da soberba Ílion, as quais caiam com grande
estrondo, ruído e fragor.
Contam as velhas tradições que o guerreiro de Tróia pode ver, na parte do mar, ao Deus Netuno
fazendo uma enorme e profunda brecha com seu tridente de aço.
Tudo o que ele viu foi espantoso. Júpiter Tonante lançava os raios de lá do Olimpo, enquanto que
Minerva, a Deusa da Sabedoria, matava milhares de guerreiros troianos com seu implacável cetro.
A adorável e divina Mãe Kundalini de Enéas dia ainda a seu filho: Estás vendo? Somos nós mesmos,
tudo está perdido. Este é o decreto celeste. Tróia tinha de sucumbir. Limita-te a fugir, filho meu.
Cessa todos teus esforços. Eu não te abandonarei e te conduzirei até onde está teu pai, com
segurança.
Afirma-se que o paladino troiano imediatamente obedeceu a sua Divina Mãe Kundalini, abandonou
a régia hecatombe e dirigiu-se para a sua morada. Lá, deparou-se com um verdadeiro drama
11/128
apocalíptico. Gritos, lamentos e palavras de protesto do velho pai que se negava a sair do lar. Enéas
desesperado queria regressar ao fragor da batalha apesar dos ternos rogos de sua esposa.
Felizmente, Júpiter Divino, o Cristo Cósmico, interveio enviando um extraordinário prodígio que fez
as esperanças renascerem.
O fogo sagrado do altar saltou e atingiu a nobre cabeleira de seu querido filho Iulo, quando quis
apagá-lo com a luz lustral, o avô do menino, o pai de Enéas, o chefe supremo da família, reconheceu
a Vontade de Deus. Levantou suas trêmula mãos e orou, então escutou-se algo terrível, um trovão
espantoso, e uma estrela fugaz passou por cima da casa, indo perder-se imponente na direção do
monte Ida.
Tudo isso foi definitivo para que o seu velho pai, antes renitente em abandonar o lar onde havia visto
correr tantos anos, se decidisse por fim em renunciar a tudo e a sair com o ínclito guerreiro, sem
neto, e toda sua família.
Conta a legenda dos séculos que o respeitável pai de Enéas, antes de abandonar Tróia, teve de entrar
no templo de Ceres, a Mãe Cósmica, para recolher com a mais profunda devoção e terror divino seus
deuses Penates.
O herói general Enéas não pôde tocar nas sagradas esculturas dos santos e venerados Deuses, pois
tinha combatido e matado a muitos homens. Precisava antes purificar-se com a água pura da vida
para obter o direito de tocar essas efígies terrivelmente divinas.
Um sopor de incontáveis séculos pesa sobre os antigos mistérios e os Deuses Penates continuam
existindo nos Universos Paralelos.
Os hierofantes podem conversar com esses Deuses Penates, regentes das cidades, povos, aldeias e
lugares, nos mundos supra-sensíveis das dimensões superiores do espaço. O bendito Patrono de um
povo é o seu Deus Penate ou Santo Anjo da Guarda. O Reitor Secreto de qualquer cidade é sua
deidade especial. O Espírito protetor de qualquer família é seu diretor espiritual.
Todos os Gênios ou Jinas misteriosos das raças, famílias, nações, tribos, clãs… constituem os
Deuses Penates dos tempos antigos que continuam existindo nos mundos superiores.
Muitas vezes temos conversado com esses Deuses Penates, regentes de antigas cidades clássicas,
sendo que alguns padecem o indizível, pagando terríveis dívidas cármicas.
Ulisses, vigiando a rica presa de guerra: as taças de ouro, as pedras preciosas de incalculável valor,
clamava na trágica noite por Creusa, sua esposa. Assim, cumpriu-se a vontade dos Santos Seres,
ardeu Tróia e morreu Creusa, porém Enéas junto com o seu velho pai, seu filho e muita gente, fugiu
para as terras do Lácio, levando seus Deuses Penastes.
Magia das Runas - V. M. Samael Aun Weor
12/128
5 - OS PUNCTA
Análises científicas profundas têm demonstrado de forma contundente, convincente e decisiva que o
átomo não é, de modo algum, a partícula mais infinitesimal da matéria.


  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   13


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal