Seres míticos existem, podem acreditar



Baixar 4.37 Mb.
Página1/48
Encontro26.01.2018
Tamanho4.37 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   48

Seres míticos existem, podem acreditar. Mas apenas uma raça é realmente superior.

Os lobisomens não existem mais, ou os que são encontrados são extintos. Os vampiros são criaturas cada vez mais fortes e poderosas graças ao grande pacto que aconteceu por acaso.

Alguns séculos atrás os impiedosos e egoístas vampiros gostariam de ser a única raça mítica, iniciando uma grande guerra. Mas jamais iriam imaginar que um dos mais importantes Volturi fosse se apaixonar perdidamente por uma Bruxa e a mesma lhe desse uma cria. A cria se desenvolveu rápido e com medo de perdê-la a transformou em vampira, ela era forte, mais forte que seu patriarca e que sua matriarca, era a conexão e a mistura perfeita das raças. Mas as bruxas estavam praticamente extintas, eram filhas de humanos, unicamente fêmeas. Os vampiros egoístas resolveram abrir uma exceção.

As melhores e mais saudáveis fêmeas eram criteriosamente selecionadas para passar anos no instituto - se seria companheiras de vampiros, teriam que tem um conhecimento e uma educação um preparo tão bom quanto o deles. Assim, seus pais humanos viveriam naturalmente e elas após fazerem o que deveriam teriam o aval dos companheiros ou do seu Alfa sobre seu destino.

Sim, a Bruxa ao completar o vigesimo aniversario seria destinada para os três filhos de uma família. Um deles seria o Alfa. Os outros dois só procriariam ou a tomariam de acordo com suas decisões, e ele sempre seria o primeiro podendo estabelecer regras. Essa era a Lei dos vampiros. Aqueles que não a seguiam tinham suas famílias condenadas a morte.

Mas nem sempre uma relação conturbada era dominada apenas pela obrigação ou luxuria. Aqui vou-lhes contar um caso de amor...

Avisos sobre a fic!

Avisos:


Sim, nessa FIC TEREMOS LEMONS!

Bella é a bruxa destinada para ser companheira dos Cullen

Edward e Bella já são apaixonados um pelo outro, mas demoram para entender

A gestação das bruxas é como a que Meyer criou dura 40 dias.

Sim, Bella vai ter que fazer sexo com Edward Jasper e Emmett.

Edward é o Alfa do trio de irmãos ou seja, ele é quem faz tudo primeiro, ele é quem manda, e é ele quem decide quando ela vai ficar grávida dos outros ou não.

O Talento de Bella é com os animais – a fauna – mas ela tem uma força maior com cavalos e aves

Espero que gostem da FIC; É Romantica sim, mas também tem lemons bem pesados!

A músicas que eu coloco tem haver com o que eu escrevi, então escutem, pode ser legal!

Capitulo 1 – Lembranças agradáveis.

Música para o post: Lacuna Coil – Within me



.com/watch?v=WWzNPfot_HQ&feature=channel

Dias atuais, interior da Inglatrra.

Da janela do meu pequeno dormitório observo o movimento no grande jardim. Os fiscais e monitores ainda mais atentos que o normal. Hoje era a formatura – o que feliz ou infelizmente – significava que eu estava cada dia mais próxima de completar 20 anos.

Estou aqui a praticamente 10 anos, só voltando para minha casa durante as férias de verão. Nos dormitórios 3 moças de uma mesma linhagem familiar o dividiam, todas tinham que ter a mesma idade para não atrapalhar a doutrina. O Instituto era feminino – apenas para bruxas – mas em datas comemorativas era natural termos vampiros por perto.

Soava como aviso do que teríamos que cumprir. Mas também nos dava uma visão agradável do que poderia acontecer, no meu caso apenas na imaginação. Algumas de nós acabavam se perdendo e perdiam suas famílias como punição. Éramos criadas e educadas aqui para os nossos 3 companheiros destinados. Não não estávamos aqui para ser Amelias, aqui aprendíamos línguas, literatura, historia, noções medicas, calculo avançado, dança... e ao completar o tempo do instituto tínhamos direito a reuniões com outras bruxas explicando como era. Não estava sinceramente ansiosa para isso. Nem o baile que seria em poucos dias me animava. Era estranho ver que até minha prima Rosalie, que costumava reclamar todos os dias que estudava para bancar uma chocadeira estava animada.

No dia seguinte o instituto estaria vazio novamente, apenas as formandas estariam ali. Esse ano foram afastadas das atividades como demonstração de talentos ou jogos. Era nesses eventos que eles se mesclavam a elas. A três anos atrás ela o viu e ansiou pelo termino de cada ano para ve-lo novamente. Era estranho, mas apesar de pouco saber sobre ele, sonhava em ser sua companheira.

Em seu relógio da cabeceira marcava 4 horas da manhã. Desde o ultimo ano ela tinha o costume de acordar pouco antes das 4 da manhã. A desculpa era adorar ver o dia chegar, mas na verdade era uma forma de observá-lo pelos jardins e ter o seu contato Maximo, calada ao seu dele e de tudo o que ele a fazia sentir.

Música para o post: 30 seconts to mars – from yesterday



.com/watch?v=HxNAVq2qYmU&feature=related

O conheceu de perto – pois só o observava de longe – depois de uma partida de pólo, e uma desastrosa ida ao estábulo. Bella sabia que entre seus talentos estava o encanto sobre a fauna. Mas aquele cavalo arisco que só obedecia aos seus movimentos e comandos estava doente. Chegando a galope com a égua de Rosalie no estábulo acabou pisando de mau jeito quando descia da mesma, mas ninguém nem tão cedo iria passar por ali. Inesperadamente ele a pegou no colo a deitando em um monte de feno próximo e cuidou de sua montaria para poder voltar a dar atenção a mesma.

Foi tudo tão rápido que quando ela notou já estava no monte de feno ele vinha próximo a ela. Receosa, pois se os flagrassem talvez poderia ser punida ela baixou o rosto. Assim que ele tocou em sua perna uma corrente elétrica se passou por todo seu corpo fazendo com que ela levantasse a cabeça e sem querer encontrasse o seu olhar. Envergonhada virou a cabeça e corou.

Notando que ela estava nervosa ele falou baixinho:

- Não tenha medo, sou médico, me formei a muito muito tempo.. – assim tirou a bota e a meia da garota analisando com calma o leve machucado – você só torceu, relaxe, eu já volto – ela nada conseguia falar apesar de desejar o estranho contato com aquele lindo vampiro, com suas mãos geladas em seu tornozelo...

Não demorou muito e ele estava ali novamente com um punhado de gelo nas mãos. Tirou uma das camisas que vestia, de botão na cor preta, ficando apenas com uma camisa comum e cinza marcando seu corpo. Colocou o gelo na camisa e a fez de compressa no tornozelo da garota sorrindo timidamente para a mesma. Ela apenas o observava de leve, corando e mordendo os lábios.

Ouvindo um barulho em uma das baias próximas a que ela estava seu coração se encheu de dor. Kan estava partindo, ela sabia que mais cedo ou mais tarde ele acabaria tendo que ser sacrificado, nem tinha notado o que se passava até que ele chamou sua atenção.

- Está com tanta dor assim? Por isso chora? Posso levá-la até enfermaria – foi interrompido pelo novo barulho – Oh, o animal. Gosta tanto dele assim? – ela sacudiu a cabeça fazendo sinal positivo. – Sabe que ele está partindo? Os seus batimentos estão fracos...

Não teve duvida e foi até a baia, ainda mancando aproveitar os últimos minutos ao lado de seu companheiro de quase 7 anos de instituto. Ele chegou para servir de montaria no mesmo ano que ela chegou, mas ninguém o queria por ser arisco demais, mas Bella notou que ele só era arisco com os outros, com ela era o mais doce e terno dos cavalos. Ele a observou ainda mais intrigado do que sempre – afinal também a observava de longe, na verdade mais de perto do que ela imaginava – como poderia ela ser tão apegada a um animal. Sim para ele era apenas um animal ali. Ouvindo um pequeno grupo que se aproximava recolheu sua camisa e saiu sem se despedir temendo que ela tivesse algum tipo de punição por ser pega sozinha com ele.

Mal teve tempo de lembrar agradecer pelo que fez por ela, pois já se sentia um pouco melhor. Os dias do festival acabaram assim como os de Kan, fazendo ela ansiar ir para a casa de seus pais e se preparar para mais um ano.

No ano seguinte não houve nenhuma proximidade, apenas o observava de longe. Mas apenas em seu penúltimo ano, o teve tão por perto. Apesar de saber das regras sobre circular pelo instituto apenas durante o dia Bella tinha uma grande cerejeira como sua cúmplice. Eles voltaram para os festivais, muito ali ela já tinha visto, mas seus olhos só o procuravam. Não sabia seu nome. É, ele estava lá pois também era destinado a cumprir obrigações, como ela. Talvez já tivesse a essa hora com sua companheira. Depois de observar o amanhecer se recolheu até seu quarto trocando de roupa e ansiando poder montar um pouco antes de ir para a sua ultima partida de pólo.

Seu corpo agora já tinha formas realmente femininas, embora viver com Rosalie fosse como viver constantemente ofuscada. Sua outra prima também era muito bonita apesar de miúda. Alice certamente fazia sucesso com os homens fora do instituto. Ainda a galope balançou a cabeça querendo afastar esses pensamentos. Ela não precisava ser bonita, ela sabia que não agradaria jamais os seus companheiros se dependesse de sua aparência, apesar da elegância natural. Mas do que importa? Será que eles se importariam com isso também? Era tudo uma questão de obrigação. Balançou a cabeça novamente e resolveu correr pelo pequeno bosque.

O dia estava mais quente que o normal a fazendo suar. Resolveu parar um pouco e deitar no gramado, aproveitar o sol e respirar o ar úmido que sentiria falta até o seu retorno. Naturalmente a fauna local se sentia atraída pela energia densa e única de Bella a fazendo ficar rodeada de pequenos animais, aves, esquilos e até mesmo um cervo. Escutou uma risada rouca e se assustou um pouco fazendo os pássaros que estavam em seu pequeno braço voarem para longe.

- Esse é o seu talento? – Ele perguntou. Meu deus, era ele! Ele estava ali. Ela apenas acenou com a cabeça e mordeu os lábios corando. – Seu cheiro fica ainda melhor quando está suada. – ele completou fazendo suas bochechas passarem do Ra para o vermelho. – Sempre acorda tão cedo? Tenha cuidado a cerejeira pode não ser sua única testemunha, ou cúmplice – ele lhe lançou um sorriso de lado, absolutamente terno a fazendo suspirar.

Sem saber o que fazer resolveu se levantar. Ainda tinha tempo até o jogo, e apesar da presença dele estranhamente boa, precisava se manter distante de problemas. Se levantou desamarrando o cavalo quando ele a assustou por ter puxado seu braço.

- Posso te ver amanhã? – ele perguntou um pouco nervoso talvez ate mais nervoso que ela mas ela ficou triste. Balançou a cabeça fazendo sinal negativo. – Ah, hoje acabam os festivais e... – Ele ficou pensativo, pensativo demais ao gosto dela que não se conteve e montou temendo que algo de ruim pudesse acontecer. Ele apenas foi até ela, com a pele cintilando ao sol e beijou sua mão – Vamos correr juntos então. – Sorriu e começou a andar dando grandes passos ao lado dela em seu cavalo.

Correr com ele a fez sorrir como uma criança que no fundo ainda era. Ele corria próximo a ela numa velocidade obviamente inumana. Parecia gostar de correr tanto quanto ela. Era uma das mais belas visões que ela já teve. Seus cabelos bronze bagunçados pelo vento, sua pele cintilando por causa do sol. Ele parecia se sentir tão livre quanto ela quanto corria junto com Kan por aquele bosque. Apesar de seu novo cavalo- presente de seus pais - ser um maravilhoso animal, jamais teria com ela uma ligação como ela teve com Kan. A confiança que tinham um no outro que a permitia correr deixando os braços abertos, dando a sensação de liberdade que ela observava nele nesse momento.

Desejava ser como os pássaros, maravilhosos cantores – assim como ela – porém livres. Esse pensamento esse desejo só aumentava quando ela chegava cada vez mais próxima aos portões do instituto. Se olharam mais uma vez de forma intensa que os fez estranhamente estremecer. Ele sorriu para ela. Apesar de um pouco distantes corresponderam o sincero sorriso. Ela fez sinal de reverencia, como se agradecesse a campainha e a corrida com a cabeça e seguiu seu caminho.

Seus pais, apesar de tudo estavam muito orgulhosos. A melhor aluna do instituto era filha deles, filha única por sinal. Aquelas seriam seus últimos dias de real liberdade então resolveram mandá-la para um acampamento feminino ao lado de Alice. Bella tremeu ao pensar na possibilidade mas já estava dentro do trem embarcando para Itália. Alice era da sua idade, prima de 2 grau. Mas temer estar ao lado de Alice não era pelo fato dela ser bela, ou descolada. Era pelo fato de ser tão pervertida.

Alice ainda era intocada, mas vivia fazendo durante suas férias aquilo que dizia ser “experimentar para saber agradar os seus companheiros” . Durante aquele mês que passaram juntas com outras garotas de sua idade muito mais experientes e livres. Bella nada tinha para falar ou contar, então sua prima agarrou a desculpa de temer que sua prima fosse infeliz por ser tão intocadamente perfeita. Quando voltaram para casa lhe presenteou com um livro com contos sobre amantes e amores. Apesar de ter ouvido tudo aquilo milhões de vezes das garotas do acampamento, se dedicar a aquela leitura estando sozinha podendo pensar nele era muito melhor. Era algo incorretamente bom. Não, na verdade sentir o que ela sentia quando se tocava pensando nele fazendo aquelas coisas com ela era pecaminosamente maravilhoso.

Mas precisava acordar. Respirar fundo. Aquelas lembranças e sensações extremamente secretas continuariam da mesma forma. Tinha que honrar a missão por sua família, quem sabe após dar as crias tão desejadas conseguisse vagar por ai como um pássaro livre? Foi preparada para esse momento desde os 8 anos, estou no instituto com 10 e ia completar 20 em poucos dias.

Capitulo 2 - Conhecimento

A cerimônia de formatura seria restrita apenas entre as moças. O instituto já estava praticamente vazio. A listas dos companheiros seriam divulgadas próximo ao dia do baile. Antes elas conversariam com outras Bruxas para saber como era a gestação, como era a melhor maneira de agradar seus companheiros... Mesmo sendo preparadas desde sempre, ainda eram humanas e eles ainda eram vampiros.

- Tomara que eu possa ir para uma cidade onde exista Sol. Odeio pensar na possibilidade de não poder me bronzear – Reclamava Rosalie enquanto caminhava para o grande jardim onde seria a cerimônia de formatura.

- Tomara que eu possa sentir prazer – Falou Alice esperançosa. – E você Bella, o que mais deseja?

- A liberdade, sabem que dificilmente teremos um amor ou companheirismo deles. Quero apenas fazer o que tem de ser feito. Quero ter apenas 3 companheiros que querem se livrar de tudo isso como eu. – Rumei até a diretora

- Pobre Isabella – ouviu as primas pronunciarem.

- Que bom que chegou, vamos começar pequeno rouxinol! – A diretora assim como alguns professores gostavam de chamá-la de rouxinol por sua voz encantadora.

Velas foram distribuídas entre as 30 alunas e a fila foi organizada. A melhor Aluna seguia na frente abrindo caminho e guiando todas as outras com seus leves e elegantes movimentos. Todas a ajudavam a acender aquelas velas ali espalhadas. Comemorariam sua formatura e pediriam por fertilidade a deusa. O grande circulo se formou e todas as alunas recebiam as bênçãos de seus professores, Algumas Bruxas e outros Vampiros. Bella puxou a fila, puxou a oração e foi a primeira a iniciar a cerimônia. Depois de muito pedidos dos professores ela cantaria uma música que ela mesma criou e compôs. Perguntaram muitas vezes de onde vinham as inspirações, mas ela sempre se saia com alguma desculpa dizendo pensar no seu destino, em seus pais. Mas era obvio demais para ela. Era nele que ela pensava...

Música que ela canta: Lacuna Coil – Comailes

.com/watch?v=LKYysUTFirU

A cerimônia não durou muito tempo. E Bella novamente ajudou a encerrar cantando e depois puxando a fila para apagar as velas e seguirem para seus dormitórios.

A outra música que Bella canta enquanto puxa as demais alunas:

Lacuna Coil – Stars



.com/watch?v=E_XWuo4x3C0

No dia seguinte após o café da manhã tiveram a primeira preparação, deveriam estar prontas para dançar qualquer ritmo e essa a ultima chance de aprender. Os dias se passaram falando sobre etiqueta, nutrição durante a gestação – que incluía a ingestão de sangue humano para fortalecer tanto a mãe quanto o bebê – provas de etiqueta e no dia seguinte finalmente seria a ultima e a mais esperada por todas de alguma forma. A preparação para saber agradar o companheiro como deveria. Na verdade os companheiros.

- Será que vão ensinar a fazer alguma posição? – Rosalie debochava já deitada em sua cama.

- Duvido que mostrem como se faz sexo oral – Alice gargalhava

- Acho que só vão dizer uma coisa: copulem, copulem e copulem – Bella falava cansada levando os braços para cima num sinal evidente de tédio. Mas as primas gargalhavam com o que eu falava.

- Sabe meu enxoval está pronto – Rosalie Falava – É bom que gostem de vermelho. – Bella sentiu um pontada de preocupação e Alice notou.

- Não acredito Bella, não comprou nada durante as ultimas férias não é?

- Esqueci completamente. – Falou com as mãos na testa – Só comprei o vestido do Baile na ultima saída que tivemos também.

- Sinceramente Bella... Mas depois do baile teremos um dia para compras antes de sermos enviadas para nossas cidades. Nem acredito que logo vamos conhecer quem vão ser. Dizem que eles já sabem quem somos nós, e que estão aqui, sabia? – Alice falou e Bella se sentiu triste. Apesar de não participar dos festival esse ano não o viu, então provavelmente ele já arrumou uma boa companheira como merecia de acordo com seu cavalheirismo e beleza.

- É, mas vamos dormir, está tarde. – Na verdade ela queria acordar na hora de sempre e observar de cima da cerejeira se eles estavam realmente ali.

O dia seguinte a disciplina foi autoritariamente exigida. Mas era quase impossível não ouvir pequenas risasdas contidas das outras moças quando uma vampira explicava as melhores posições, ou até mesmo coisas que deveriam tentar fazer para atraí-los e as desejar. Isabella não se imaginava sensual. Podia muito bem ver Rosalie em cima de uma cama usando seu lindo espartilho de renda vermelha ou Alice encantando-os com seu dom de dança. Fora que o único que ela imaginou ter alguma coisa era aquele que não teria.

Conformada resolveu prestar milimetricamente atenção a tudo que era ensinado. Pela tarde e noite todas teriam uma pequena audição com a matriarca vampira que lhes passava a lista de quem seriam seus companheiros , analisava seus corpos ao olhar clinico. Bella foi uma das ultimas a ser chamada. Tinha passado o dia inteiro ouvindo Rosalie reclamar e se amaldiçoar por seu útero ser tão precioso. Reclamar que gostaria ser apenas humana. No fundo ela só tinha medo – assim como eu – de encontrar 3 brutos para se relacionar.

Música para o post: Aly & Aj – Rush

.com/watch?v=MGkf80Um0Fw

A audiência com a matriarca vampira a deixou mais tranqüila. Estava ciente de que moraria na Itália durante o primeiro ano – ou seja, perto de seus pais - e que seu corpo certamente iria agradar seus companheiros como estava pronto e extremamente saudável para gerar as 3 vidas que ela tinha obrigação de gerar. A lista que lhe foi entregue era com o nome de uma pequena família com 5 vampiros. O patriarca Carlisle Cullen era médico, como o seu Alfa Edward Cullen.

A companheira de Carslile, Esmé Cullen fora uma bruxa tão majestosa quanto ela, e Edward era fruto deles dois. Já Emmett Cullen ajuda a treinar os vampiros Volturi e Jasper Cullen que é excelente em construções. Ambos não são fruto da relação VampiroxBruxa, foram apenas transformados. Não havia nenhuma foto ou descrição. Seu destino agora estava permanentemente traçado. Teria que aguardar mais um pouco e logo veria quem seria seu “dono”.

O baile seria uma despedida entre todas, pois nem todas continuariam na Inglaterra ou iriam para o mesmo lugar. Da mesma forma que muitas eram de países diferentes iriam morar nem que fosse temporariamente em outros lugares, talvez não se encontrassem novamente. Apesar de saber que todos os bebês que tivesse seriam enviados assim que completassem um mês de vida humana para a Itália onde seria educados e treinados em Volterra e quando aptos para a transformação voltariam para seus patriarcas o clima de formatura não soava como um momento feliz, e sim um momento de colocar em pratica tudo o que aprenderam. Apenas isso. Nada mais.

Ah, eu esqueci de comentar algumas coisas... 1 – Os vampiros aqui tem os olhos da cor natural, no caso de Edward verdes e consomem qualquer tipo de liquido, não apenas sangue.

Os Looks de Bella e detalhes como decoração d festa e etc eu vou colocar em meu perfil ok? Só vou deixar os nomes das músicas e os links quebrados do youtube aqui mesmo! Bjs!





Capitulo 3 – Baile

Olhou-se pela ultima vez no espelho. Tinha passado o dia trancada no dormitório se arrumando. Apesar de ter cabeleireiros e maquiadores a sua disposição resolveu fazer tudo sozinha. Afinal provavelmente seria que provar que sabia se cuidar e ser vaidosa era algo que certamente os agradaria. Alice e Rosalie já estavam a caminho do salão quando ela vestiu o casaco e pegou a bolsa. Ficaram mais de um mês querendo ver o vestido que ela guardou a 7 chaves. Talvez o vestido fosse simples demais, ou até mesmo ousado demais pelo tamanho do decote em suas costas, mas ela só tinha comprado aquele vestido visando agradar aquele que conheceria essa noite.

Assim que se encontrou com as primas foi criticada pela escolha do esmalte, claro demais. Mas foi só recolherem seu casaco e sua bolsa pouco antes das portas serem abertas e a grande noite começar que elas ficaram boquiabertas. Sim, ela estava perfeita, talvez os Alfas ali presentes a desejassem mais do que qualquer outra. Era a melhor aluna, era a com o talento mais desenvolvido, e aquela noite exalava sua feminilidade e sua elegância. Suspiros de inveja não a incomodaram. Certamente aquele vestido azul marinho composto por detalhes de pedraria nas costas foi feito para ela.

A porta do ginásio foi aberta e todas ficaram sem reação. Aquele não era o ginásio delas, certamente. A decoração delicada e sofisticada com a música que tocava ao fundo, graças a orquestra explicava que aquele momento esperado por 10 anos realmente era único.

(A decoração está no meu profile )

Tudo era coreografado. Desde seu posicionamento na frente das demais quanto a descida da escadaria. Os Alfas já deveriam estar de pé.

Edward Pov

Música para o post: Incubus – Y



.com/watch?v=JpHFyYrNuuM&feature=related

Era injusto. Apesar de estar aqui para cumprir uma obrigação ainda preferia continuar com os Volturi em caçadas ou até mesmo convivendo com humanos estudando ou viajando. Mas, a exatamente 93 anos atrás eu fui transformado, em meu 25 aniversario. Para compensar a minha eternidade eu teria que cumprir a tradição. Mas eu não sabia com quem seria.

Continuava injusto não saber o nome e quem seria. Ou ter que aturar pressão de meus dois irmãos por causa disso. Isso me faz lembrar da garota que aqui conheci, que tinha uma disciplina e um talento incrível. É claro que sabia que ela não deveria dirigir a palavra a mim a não ser que algum dos superiores do instituto permitissem. Mas eu estava curioso para conhecer mais do seu talento – ligado aos animais – suas paixões e principalmente ler a sua mente. Algo que era tão impossível quanto resistir ao cheiro de seu sangue.

Isabella Marie Swan era seu nome. Sua voz, seu corpo, seu cheiro, seu talento... Tudo me fazia a observar de longe. E quebrar as regras por necessitar ter um contato mais próximo. Sim, eu descobri seu endereço da casa de seus pais em Florença e a observei e a desejei ainda mais. Mas logo meu pai e patriarca, Carlisle chegou perto de descobrir o que tanto me prendia a aquela cidade e eu tive que parar com isso.

Esse ano ficamos as escondidos do outro lado do prédio dos dormitórios observando um pedaço da cerimônia de formatura, sua voz era realmente um encanto. Quando a chamavam de Rouxinol, não estavam errados.

A orquestra começou a tocar e todos nós nos formamos em filas. Assim como elas, estávamos com o Alfa de honra a frente, com os outros dois atrás do mesmo e 3 fileiras de 7 com os demais. É, essa é a maneira delas nos conhecerem e nós a mesma coisa. E sim, eu sou o Alfa com honras do ano. A porta foi aberta e logo captei o seu cheiro, ignorando os pensamentos em geral, mesmo que ela não fosse minha, iria me deliciar sim com o aroma do seu doce sangue. Não só isso, talvez e procurasse saber de quem ela era companheira e se fosse necessário barganharia por sua presença em minha vida depois que o pacto fosse cumprido.

Essa era a noite considerada ponto de partida para todos aqui. Apesar da lei ser dos nossos, as regras que obrigam a gentileza e o flerte vieram delas. E eu agradecia todas elas por isso. Sangue humano é a melhor alimentação, mas eu não mato por esporte, mato por necessidade. A possibilidade de possuir alguém de maneira tão bruta me fazia enxergar o monstro que no fundo eu sei que sou. Mas poder flertar, conhecer e de repente fazer com que tudo isso passe rápido e sem grandes traumas me conforta. Ah se fosse ela.. com toda certeza colocaria o mundo aos seus pés não pelo seu corpo, mas pela sua cia.

Hoje era a noite considerada noite de noivado, caso fossemos todos realmente humanos. Assumiríamos o nosso compromisso com a companheira escolhida antes de um pequeno rito de união que deveria ser feito na noite de posse de seu corpo. E como tal cada um de nós teria que trazer um mimo para a escolhida. Fui humanamente tradicional, comprando uma jóia que representasse o noivado, o início da união que pudesse ser duradoura. Além do mais, agradar mulheres com jóias sempre foi mais fácil. Mas a que escolhi, foi pensando nela...

A porta foi aberta e elas começaram a descer as escadas, quase pulei de alegria quando vi que ela era a que se destacava dentre todas, ou seja, que era ela a MINHA companheira. Já estava sorrindo antes mesmo dela finalmente me olhar. Meus olhos deslizavam por todo o seu corpo e inevitavelmente tive que ouvir pensamentos nada agradáveis. Aquele vestido azul marinho a deixou ainda mais maravilhosa e elegante. Sim ela hoje estava imponente.

Assim que me olhou pareceu se assustar deixando sua pele ainda mais corada. Cambaleou um pouco, ficou nervosa. Será que desejava outro? Mesmo que assim fosse eu a faria mudar de idéia.

Fim de Edward Pov

Quando vi quem era fiquei assustada. Minhas pernas ficaram bambas eu estava completamente envergonhada de ter ele em minha frente. Um turbilhão de emoções, sentimentos e pensamentos nada puros dominaram meu corpo. Ao me guiar para a pista de dança senti seu toque gelado me fazer estremecer e ele pareceu surpreso com tanta pele exposta para tocar. Ainda estava de cabeça baixa pensando se ele me achava vulgar. Ele estava espetacular em seu Smoking preto de corte luxuoso, certamente feito por algum alfaiate ou estilista famoso, talvez o próprio Ozwald Boateng, quem sabe.

Teria que dançar com ele primeiro e depois permitir com gestos leves que as outras invadissem a pista. O observei com calma e receio. “Tudo bem, você foi treinada para esse momento, então apenas o faça” pensei. Assumi novamente minha postura falsamente segura de representante de todas ali mas fui logo desarmada por seu lindo sorriso torto e uma de suas mãos deslizando por minhas costas ao encontro de minha cintura. Obviamente ele notou a reação do meu corpo mas eu tentei seguir indiferente colocando uma das mãos em seu ombro e a outra ao encontro da sua. Novamente ele me desarmou, entrelaçando nossos dedos. Começamos a rodopiar salão ao ritmo da música.

Música do post (em versão nacional já que vocês tanto pedem)

Trilha sonora do filme Encantada – So Close:

.com/watch?v=P9U0Q6z_lP4

Ainda estava mantendo alguma distancia entre nossos corpos, mas ele quebrou o silencio assim que nos colou. Provavelmente para aliviar minha tensão.

- Aposto que se fosse você cantando seria ainda melhor. – Olhei para ele confusa – Hoje vai me dar a honra de finalmente ouvir sua voz senhorita Isabella Swan? – Ri um pouco sem graça e acabei relaxando, talvez não fosse necessária usar a postura imponente ao lado dele, de fato nunca precisei.

- É acredito que sim – falei baixinho sem graça – A partir de hoje, quero dizer – tentei sorrir de maneira contida.

- Está deslumbrante nesse vestido. Azul definitivamente é minha cor favorita em você – ele falou e eu acabei ficando sem graça e gesticulei o comando para que os demais casais, por ordem das honras fossem entrando na pista. – Não fique sem graça. Quando é seu aniversario?

- Dia 18 de julho. Será que poderia saber o seu? – Perguntei rindo sem graça da minha pergunta, mas ele sorriu de volta.

- Dia 22 de julho. Não se preocupe, teremos quem você quiser em seu aniversario, ainda mais que falta pouco não e mesmo? E não me diga que não gosta de festas ou que não gostaria de ter suas amigas e parentes ao seu lado. Nosso aniversario é bem próximo... Terá tudo o que quiser e desejar, sempre...

- Como assim? – Falei completamente assustada, ele estava falando rápido demais.

- É, não se preocupe, eu prometo que não sou um brutamontes. Bom estou tentando mostrar isso – ele falou baixinho essa ultima parte - Terá tudo o que desejar. Quero que esse nosso momento possa ser pacifico – Sua proposta era realmente interessante, mas muito mais interessante que tudo o que ele falava eram seus lábios assim, tão próximos aos meus. Acorda filha...

- Se puder ser assim, nós dois - o meu sorriso desapareceu – nós 4 convivendo pacificamente eu vou agradecer muito. – Fui sincera, não sabia quem eram seus irmãos. Mas só o fato dele ser o Alfa eu me sentia de alguma forma mais tranqüila, e incovinientemenete mais quente também.

- É só sempre falar comigo. Prefere campo ou cidade?

- Campo, sempre. Acho que já percebeu como gosto de estar em contato com a natureza – falei me lembrando do dia em que corremos juntos.

- Claro. Mas como eu disse, terá tudo o que desejar. Espero que a casa de campo da minha família seja do seu agrado. Mas aqui, o seu mimo. – Ele puxou do bolso de sua calça uma pequena caixa e tirou um anel – Eu apenas sabia a sua medida, foi o único detalhe que a matriarca vampira me deu. Mas saiba que comprei pensando em você, mesmo que não fosse a dona do mesmo.

(O anel está no meu profile)

- É em ouro amarelo pois você parece um anjo dourado quando observa o amanhecer. O diamante maior me representa, e os menores os meus irmãos. Os cravejados nas laterais representam o nosso tempo mínimo de união, 12 meses. Mas se me permitir colocarei quanto mais pedras forem necessárias para que continue comigo depois de tudo o que tivermos que passar – ele falou e eu fique parada. Ele me observa e me desejava tanto quanto ele? Certamente achou meu corpo desejável e vai querer que seja sua amante depois de tudo... – O que houve? Não gostou?

- Não, não é isso, só me pegou desprevenida – menti – pensei que o mimo seria somente decidido ou dado no dia das núpcias.

- O seu mimo, o meu e de todos os Alfas aqui presentes são hoje. – Eu realmente não esperava ouvir tudo isso dele. Mas ele não precisava ficar sabendo.

- Como posso agradecer então? – Meus olhos castanhos estavam totalmente perdidos em seus olhos verdes.

- Que tal me contar mais sobre você? E ouvir um pouco mais sobre mim? – E assim a noite seguiu. Edward me perguntou sobre o novo cavalo que eu tinha, sobra meu apego com Kan, explicou que adora jogar baseball, que gostava muito de carros. Perguntou sobre minhas notas, tentou me fazer cantar no pé do seu ouvido e acabou fazendo piadas de alguns pares próximos. Ele estava realmente sendo muito agradável.

Houve o habitual do brinde. Não sabia que eles podiam beber algo além do sangue. Edward não me largou nem por um segundo. Sempre estava ao meu lado com um dos braços entrelaçados a minha cintura ou por cima de meus ombros.

A hora do jantar chegou e obviamente apenas nós o consumimos. Depois a orquestra foi liberada e um Dj tomou conta das músicas que seriam tocadas. Mais modernas para muitos deles, certamente, mas a batida ajudava o nosso trabalho ser feito mais tranqüilo. Estávamos todas na pista novamente, ocupando nossos lugares, aquela era uma coreografia que tínhamos ensaiado a algum tempo.

Música para o post: Kevin Rodulf - NYC



.com/watch?v=_VYN8HXoP_Q

Era o nosso momento de exibição. Tínhamos que deixá-los em pé e parados apenas nos observando e nos sentindo. Dançamos requebrando o quadril e até ousadamente nos esfregando em seus corpos. Ir até o chão era o de menos. Não era um momento de timidez. Era um momento ousado de mostrar que somos deles. Que fomos milimetricamente escolhidas e treinadas para eles. A coreografia permitia é claro que ao meu exemplo, que se eu o desejasse me acompanhasse. Mas a única coisa que permiti foi que seus braços conhecessem as laterais de meu corpo. Era possível se sentir tão quente assim apenas me insinuando para ele? Estremeci com a idéia mas não me permiti quebrar o raciocínio de seguir a dança que eu sugeri ser feita.

Quando a música finalmente acabou o baile voltou ao normal, uma música mais tranqüila invadiu o espaço. Mas abraçada no pescoço de Edward via que ele estava tão sedento de vontade quanto eu. Isso era realmente bom. Sentia que tinha como cumprir minha missão. Resolvi provocar mais um pouco então.

- E então?

- Se aprontar mais alguma coisa assim eu não respondo por mim – Ele respondeu com os lábios grudados em meu ouvido. Suspirei profundamente. – Mas se quer saber, está aprovada. Muito aprovada – pegou meu queixo e deu um pequeno beijo em meus lábios.

Ficamos conversando mais um pouco até que a música foi encerrada e as diretoras junto com a matriarca vampira entraram no salão encerrando o baile. As duas nos olharam extremamente satisfeitas. Tomara que nossa união seja realmente satisfatória. Nos despedimos e quando ia me afastando ele me pegou pelo braço e falou:

- Até 5 dias minha pequena e doce Isabella – sorri para ele e me afastei formando a fila e saindo do ginásio.

Tive que participar de uma pequena audiência com a diretora e a matriarca vampira. Estavam muito orgulhosas de seu trabalho e a esperavam aqui no próximo ano para contribuir com mais alguma coisa, informação ou até mesmo desenvolvimento do próximo baile, uma vez que a idéia de dançar para os Alfas foi minha. Minha placa estava sendo colocada na parede do grande Hall.

Sorri satisfeita e me despedi delas, era a ultima vez que as veria até que sua primeira cria fosse posta no mundo. No dormitório minhas primas já dormiam profundamente. Tomei um banho rápido e fiquei admirando a jóia, o mimo que recebi daquele que foi o único que estranhamente desejei. Fiquei pensando em tantas coisas... Será que ele só estava sendo educado e gentil ou flertando comigo para me iludir? Embora estivesse acostumada com jóias, roupa de marca, seriam estranhos esses luxos não partirem de meus pais. Talvez ele achasse que eu cairia em seus braços com mais facilidade, mas eu tenho certeza que ele sabe que tenho posses também.

Indo em direção da minha cama pisei em algo, um colar. Na verdade mais parecia um relicário. Prestei bastante atenção e vi que provavelmente quem jogou aquilo no chão foi Rosalie, já que Alice também estava usando um anel de noivado tradicional. Pobre Rosalie, essa angustia e revolta dela só vão trazer problemas para ele mesma, mais ninguém. Talvez ser prima de Alice fosse realmente uma benção. Ela poderia nos ensinar alguma de suas perversões e assim acabar ajudando Rosalie dando novas ocupações a sua cabeça...



Capitulo 4 – Vida nova

- Não Alice, não vou entrar nessa loja! – Falei um pouco horrorizada, pareia muito mais um sexy shop.

- Acho que é por isso que eu sempre preferi fazer compras com Rose. – Ela falou um pouco triste. Rose se mudou no dia seguinte. Ela já tinha completado 20 anos em março. Essa era de certa forma a minha sorte e a sorte de Alice, ainda teríamos mais alguns dias. – Agora vem antes que eu me canse. OMG olha que lindo! – ela mostrou umas tiras de pano cor de rosa.

- Alice, isso não combina comigo e não vai ficar bom em mim. – Reprimi com uma pequena carranca.

- Aff Bella, você acha mesmo que vai usar calcinhas de algodão pra agradar eles eles? – Agora foi a vez de Jessica me reprimir.

- Você tem sorte, ainda tem tempo para fazer seu enxoval Jess. Mas Bella não tem NADA. – Alice reclamou. – Vou olhar algumas coisas e já te chamo. Mas olhe você também senhorita puritana – ela saiu rindo junto com Jessica.

- Vai ficar tudo bem Bella, pense assim, usando peças bonitas você talvez se sinta mais segura – Falou Angela. – Minha bisavó escreveu isso em seu diário. – Deu os ombros. – Minha mãe então resolveu investir pesado nisso.

- Bellllaaaaaaaaaa – Alice gritou me fazendo corar de vergonha e as poucas pessoas da loja me olharem enquanto caminhava até o provador.

Eu não sabia exatamente o que era pior. Passar horas naquele provador ou entregar as sacolas para o motorista contratado pela minha família para nos levar onde fosse necessário ainda em Londres. Não definitivamente o pior era Alice explicar o roteiro das lojas e ver que ele estava tão constrangido quanto eu coma situação. Acabamos de sair da primeira loja, A Ann Summers, eu eu conhecendo Alice tão bem como uma irmã sabia que meu dia seria longo. Só queria passar em alguma loja Marc Jacobs para comprar algumas bolsas e sapatos. Ela não foi contra, muito pelo contrario programou um grande tour com pausa para almoçar no hotel afinal o carro não teria apenas minhas compras.

- Chegamos – O pobre motorista nos avisou. Pulamos as 4 para fora do carro com uma certa pressa.

- É, acho que aqui não vai ser tão vergonhoso. – Falei entrando na loja.

- Ufa, pensei que fosse reclamar – Alice falou.

- Uhg Bella, tem que perder essa vergonha. Ou vai dizer que nunca vai querer comprar peças bonitas para o seu futuro namorado? Ou até mesmo marido? – Jess Falava

- Como pode ter essa certeza Jess? A minha bisavó teve sorte de ir a faculdade e ter conseguid engravidar de um humano, mas um dos companheiros já tinha avisado que após a faculdade seria dele. Acho que é por isso que ninguém da família guarda fotos dela, dizem que ela sempre esteve triste.. – Aquilo me assustou. Mas era uma possibilidade, vampiros são egoístas por natureza.

- Vamos parar com esse papo? Estamos aqui para aproveitar o mínimo que pode acontecer – Alice e seu sorriso malicioso – Aqui vamos encontrar as peças que vão os fazer nos desejar ainda mais, nos comendo com os olhos e como conseqüência disso vamos sentir algum prazer, tenho certeza disso – ela parou na nossa frente e colocou as mãos na cintura – Agora vamos parar mesmo com toda essa ladainha pois ainda temos muitas lojas pra ir. Bella, venha logo – ela me puxou.

Assim continuamos os nossos dias de compras. Mas só no 3 dia eu entrei em uma loja que realmente me agradou. Como Jess costuma falar, foi lá que eu “fiz a feira”.

- Tudo aqui é tão clássico – Angela falou.

- Demais até – Alice falou – Mas é realmente a sua cara Bella.

- Mas tem muita coisa legal, olha essa camisola – Jess falou.

- Ah, olha que lindo – mostrei um conjunto de camisola calcinha, cinta liga e meias trabalhadas.

- Obrigada Deus. Obrigada por fazer alguém criar a Agent Provocateur –nome da loja -. Tks Lord! – Alice colocava os braços pra cima nos fazendo rir.

Sim, foram dias de compras, diversão e despedidas entre todas amigas que fiz. Muitas iriam para lugares diferentes do meu, mas para minha sorte Alice também iria para Itália, ficaria na própria Florença, nossa cidade natal. Já eu ficaria numa cidade próxima chamada San Casciano.

Em Florença pude passar uma manhã agradável ao lado de meus pais que só faltavam soltar fogos pelo fato de ter ganhado uma placa no instituto e estar perto de casa. Pela parte da tarde, depois de um bom almoço um carro me buscou junto com o resto da minha mudança.

Observar a estrada me deixou tranqüila. Será que seria hoje? Eu sei que o certo seria no dia do meu aniversário já que ainda não completei 20 anos... Assim que passaram pelo portão da grande propriedade a ansiedade me bateu. No meu relógio não passava das 4 da tarde, ainda estava claro. O resto da minha mudança se resumia a apenas 8 grandes malas que couberam perfeitamente dentro do carro que eu estava. O restante foi enviado de Londres mesmo. Não queria nada além de alguns livros e poucas roupas que estavam no instituto o resto foi para a casa de meus pais.

A casa era imponente, tinha os jardins bem cuidados. De repente me senti mal vestida, apesar de estar apropriada para o verão Italiano. Estava quente. Minto ficou quente agora que vejo que Edward está na porta da casa para me receber. Sorrindo como sempre.

(Look de Bella no meu profile)

O motorista abriu a porta do carro para mim e logo ele já estava lá me ajudando a sair.

- Minha pequena Isabella – me cumprimentou com um terno selinho me deixando envergonhada. – Bem vinda a sua nova casa – Falou sorridente passando o braço por meus ombros me guiando pela escadaria. – Esta linda.

- Obrigada Edward. – Falei sorrindo – Sua casa é muito bonita. – Fali olhando ao redor

- Não minha linda, nossa. – Ele me colocou de frente pra ele e puxou meu queixo – Nossa casa. Você é da família agora. – Me deu outro beijo só que dessa vez eu finalmente tive oportunidade de corresponder. Ainda assim foi um beijo terno, inocente. Assim que nos separamos ele estava sorrindo. – Vamos vou te mostrar parte da casa.

(Parte de frente da casa; Parte de trás da casa; Piscina e casa dos empregados: no meu profile)

- É realmente maravilhosa – falei caminhando com ele.

- Se não estiver de acordo com seu gosto podemos providenciar algo que realmente seja, dinheiro não é problema, e quero que se sinta bem aqui, já disse. Fora que seria detestável vê-La entediada– parei de frente pra ele

- Tendo internet e liberdade para vagar pelos hectares ficarei sim muito feliz. – Falei sorrindo para ele. Queria demonstrar segurança e uma real satisfação.

- Claro pequena basta conhecer o espaço antes, certo? – Ele ficou um pouco serio. – Agora venha ainda não te mostrei nem a biblioteca nem a sala de música.

(Biblioteca e sala de música estão no meu profile)

- Nossa, é perfeita! Trabalharam até na acústica? Minha nossa... Toda a casa é impecável a decoração é divina! - Falei maravilhada.

- Você poderá agradecer a Esmé amanhã – ai meu deus a família dele! Estremeci - Calma, tenho certeza que vai se dar bem com ela. Meu pai é médico, como eu e ela, como você já deve saber também é uma bruxa, mas meu pai a transformou pois se amam muito. – Ele parecia jurar que o meu problema seriam seus pais...

- Pelos jardins e pelo bom gosto diria que o talento dela deve ser algo com a flora, certo?

- Certíssimo. Foram a Volterra pegar meus irmãos, que também chegam amanhã. - Estremeci novamente - Não se preocupe tudo será quando você quiser. – Sorri em resposta – Venha conhecer o seu quarto. – Fiz uma careta – O que?

- Eu pensei que fosse o nosso – sussurrei bem baixinho e eu sei que ele escutou. Céus que vergonha.

- Não ainda. A não ser que já o deseje.

- Oh, não. Entenda que quem estabelece as regras aqui é você, não eu. Se não me quer em seu quarto, é claro que entenderei afinal... – ele me interrompeu.

- Se eu estabeleço as regras aqui então quero que a partir de agora você as estabeleça junto comigo. – Segurou meu rosto com as duas mãos – Estamos entendidos?

- Sim.

- Então vamos. Espero que goste, os criados a essa hora já devem ter arrumado tudo.



(O quarto inicial de Bella está no meu profile)

- Acho que nunca vou cansar de dizer que tudo aqui é lindo, não é mesmo? Tudo aqui é realmente de muito bom gosto... - Falei me sentando na cama e observando um pequeno balde de champanhe que Edward agora estourava e servia.

- Bem vinda Isabella Swan – me entregou a taça e depois brindamos. Beber do champanhe gelado me fez notar o calor que estava. - Está com muito calor? Posso ligar o ar.

- Acho que apenas um banho vai ser ótimo. – Falei procurando o banheiro com os olhos.

- Aqui, venha – ele pegou minha mão e abriu a porta do banheiro que tinha uma pequena banheira. Apontou o armário com as toalhas e o roupão e saiu dizendo me dar privacidade.

Terminei o meu banho que foi um pouco mais demorado pois eu queria me certificar que estava com toda a depilação em dia e fui até o closet do quarto escolhendo outro vestido simples e florido. Sapatos na sapateira, as roupas impecavelmente bem guardadas incluindo a roupa de seu aniversario e a que eu usaria durante o pequeno rito de união. Em 3 dias estaria realmente pronta e apta para fazer o que estava ali para fazer. Suspirei e terminei de me arrumar procurando Edward.

-Edward?

- Senhora Cullen – uma voz feminina chamou atenção e eu corei, será que ela pensava que eu... – Senhor Edward Cullen se encontra no jardim. Sou a governanta, me chamo Lauren.

- Oh, claro. – segui até o jardim e ele estava deitado na grama, me sentei ao seu lado. – Oi novamente. – falei sem graça.

- Oi – ele se levantou e não me deu chance para falar mais nada me beijou. Mas dessa vez não foi um beijo qualquer. Foi um beijo de língua, mas que ainda assim era delicado, doce, mas era novidade pra mim, por isso acabei indo com um pouco mais de sede ao pote. Quando estava completamente sem ar ele nos separou bruscamente, Já estava preparada para levar um sermão pela falta de comportamento quando ele me colocou em seu colo e falou

- Seu gosto é tão maravilhoso quanto seu cheiro.

- Obrigada – falei baixinho, suspirando envergonhada.

- Não se envergonhe, vamos nos conhecer aos poucos, mas faça o tiver vontade.

- Ainda bem que estamos sozinhos aqui. – falei com um pouco de malicia

- Precisávamos de um pouco de privacidade antes dos preparativos para seu aniversario. E seria bom nos conhecermos melhor.

- É verdade... – falei enlaçando meus braços ao redor de seu pescoço e o beijando novamente.

O resto do dia foi ótimo. Jantei ao seu lado na grande mesa da sala de jantar depois fomos para meu quarto e ficamos conversando até o sono chegar. Coloquei uma camisola e voltei ao seu encontro onde ainda conversamos até eu dormir.

Conhecê-lo ainda mais só me animou.

- Bom dia senhora – abri os olhos delicadamente enquanto uma criada abria as cortinas do quarto e a outra colocava ao meu lado o jornal do dia e me dava a minha bandeja de café da manhã.

- Que horas são? – Perguntei esfregando os olhos

- 8 em ponto senhora – Lauren falou. Nossa dormi muito essa noite, mas a mudança de horário e de ares tinha realmente me deixado agitada. – Senhor Edward já avisou ao segurança Jacob para acompanhá-la essa manhã num passeio pelas terras.

- Onde ele está? – Podia jurar que ele estava ao meu lado quando adormeci

- Ele saiu para resolver algumas coisas na cidade, aproveitou que o dia esta nublado, mas não se preocupe não deve chover logo.

Logo Bella estava pronta vestindo uma calça e botas de caminhada junto com uma blusa pólo branca. O dia não estava assim tão quente, mas não esqueceu do protetor solar. Estava um pouco triste por estar sozinha com os criados, mas pelo que escutou ao longo dos anos era algo bem comum de acontecer, principalmente durante a gestação onde a fraqueza dominava o corpo.

Entrou no pequeno carro estilo carro de campo de golfe e ouviu o segurança explicar tudo sobre boa parte do terreno. Ainda hoje, se visse Edward pediria permissão para andar nos dias se sol, ou até mesmo nublados. Voltando para casa o clima estava abafado. Pelo visto não demoraria a chover. O que ocorreu durante o almoço.

Tomei um banho e acabei tendo meu almoço servido no quarto. Fiquei vendo um pouco de TV e vendo o sol que fazia do lado de fora e o suor que se acumulava em minha nuca não pensei duas vezes em olhar para a piscina impecavelmente limpa.

(Biquíni que Bella usa está no meu profile.)

Coloquei um biquíni um pouco mais composto do que os outros, peguei meu roupão e assim que terminei de passar o protetor fui até a piscina. A paisagem era maravilhosa e mão podia deixar de perceber as boas energias dos pássaros que estavam ali. Nadei despreocupada e acabei relaxando mais do que deveria, talvez. Estava tão despreocupada que só quando cheguei ao outro lado da piscina vi que Edward estava embaixo de um enorme sombreiro, sentado em uma espreguiçadeira me observando sorridente através de seu Ray Ban.

- Olá pequena – ele sorriu de lado e eu estava ainda mais envergonhada e com medo, será que ele iria reclamar do biquíni que eu estava usando? Fui até a pequena escada e ele já segurava uma toalha ao meu encontro.

- Boa tarde Edward – falei fitando o chão enquanto pegava meu roupão já que ele estava esfregando a toalha delicadamente em meus cabelos.

- Como foi o inicio do dia?

- Solitário. – ele enrugou a testa – mas conheci boa parte dos campos da ala norte e leste da propriedade.

- Me perdoe mas tive que fazer uma visita a matriarca vampira e resolver algumas coisas.

- Está tudo bem Edward – falei pegando a toalha e secando um pouco mais o cabelo. – Não esqueceu que eu fui criada pra isso, esqueceu?

- Sim, quero esquecer – ele falou tão baixinho, como se fosse para ele mesmo – Bom, quero dizer que não esqueci. Mas fique a vontade, estava linda nadando – acariciou meu rosto.

- Acho que agora vou tomar um banho mesmo.

- Quer que eu prepare seu banho? – Ele perguntou sorridente

- Sim, adoraria.

Edward Pov

Isabella dormiu em meus braços, isso foi algo que eu não posso explicar. Pouco antes do amanhecer eu sai de seu quarto, e antes de segui para Florença para pegar o meu novo mimo e me encontrar com matriarca vampira eu passei as ordens aos empregados.

Florença não era distante de casa. Estava animado, pois hoje a família conheceria Isabella, apesar de Jasper e Emmett já terem visto ela, e o mimo de Jasper e o de Emmett já estavam prontos. Assim que sai do instituto alem de falar com minha família e com todos os empregados para preparar tudo para sua chegada eu fui a França para escolher pessoalmente o novo mimo. Em uma grande criação de Friesians. Já estava quase fechando negocio para comprar uma fêmea quando vi que um cavalo em especial estava dando trabalho para todos ali. Não tive duvidas, pois o cavalo que eu vi Isabella chorar como uma criança quando foi sacrificado por estar fraco e sofrendo demais era igual a ele. Rebelde, imponente. E ambos são da mesma raça. Quando estava fechando negocio acabei descobrindo que são da mesma linhagem. Ele chegaria depois de Isabella, o que daria tempo do estábulo que Jasper mandou fazer pra ela ficar pronto.

Não perdi tempo em investigar a vida de Isabella antes mesmo de saber que ela seria minha companheira, mas com o fato concretizado tive a liberdade de ter mais informações. A matriarca vampira me esperava ansiosa em Florença. Hoje era o dia do aniversário de uma das primas dela e em dois dias será a vez dela. Assim que atravessei a porta de seu pequeno quarto de hotel ela já me aguardava devidamente sentada.

- Edward Cullen. Pontual. Sente-se – ela bateu no espaço ao lado do pequeno sofá

- Bom dia Irina – me sentei ao seu lado.

- Já sei que Bella a essa hora deve estar em sua casa. Trate-a bem. Recebi noticias da Espanha, onde uma de suas primas está e não são nada boas. Apesar dela estar vindo para o aniversario de Bella como combinamos é bom se preparar, ela vai vir com inúmeras pedras na mão. – Fiz uma careta – Entenda Edward, existem muitos que querem apenas se liberar da obrigação. Não apenas elas, como nós.

- Sim, eu entendo. – Falei tentando ser um pouco indiferente.

- Sim e é sobre isso que eu vim falar também. Hoje é o dia da outra prima dela e eu tive uma conversa bem clara com Alex, Carlos e Juliano. Alice ainda não tem o seu talento definido mas se não for bem tratada vai acabar querendo apenas se livrar e viver uma vida humana normal. Eles não estavam se importando nem um pouco com isso, então os alertei. Mas Isabella é talentosa demais para ser desperdiçada Edward Cullen. Hoje a tarde vou receber seus irmãos. Tratem –a bem. No mínimo quero que ela volte a ser útil no Instituto.

- Vim a Florença receber o seu novo mimo. Ela pareceu gostar de nossa propriedade em San Casciano a poucos quilômetros daqui, mas se ela não gostar ou enjoar nos mudaremos na mesma hora. Sei que dinheiro e propriedades não são problema. E temos muitos empregados que podemos confiar. O pacto será devidamente feito e ela vai ser muito bem tratada, eu garanto. – Ela me olhou sorrindo debochada e arqueando uma de suas sobrancelhas. Droga, a minha indiferença não funcionou...

- Você acha que eu não sei de seus encontros com ela? – Eu quase pulei do sofá – Fique tranqüilo, mas saiba que não somos idiotas Edward Cullen. Eu sei que sua educação é decente, decente o suficiente para saber como tratar uma dama, mas até o terceiro herdeiro ela não é apenas sua – inevitável não cerrar os punhos essa hora. É claro que ela era minha, eu sou o Alfa. – Só estou alertando, pois quem avisa, amigo é. Vocês dois tem honras, e devem as manter, estamos entendidos?

- Sim, estamos. – “Não quero ter essa conversa novamente, portanto SIGA AS REGRAS!”- Escutei ela pensar, me levantei e sai.

Confirmei pelo celular mesmo tudo para o aniversario de Isabella como tinha combinado com Esmé e com Reneé e peguei o seu mimo na estação. Segui para ansioso para casa por nosso ultimo momento completamente sozinhos, afinal todos chegariam hoje à noite.

Assim que o carro parou na frente de casa segui seu cheiro até o jardim coma piscina e lá estava ela nadando. Apesar de já ter visto que seu corpo possuía curvas maravilhosas mesmo com o uniforme de pólo, ou pelo que pude tocar no vestido do baile ela estava tão relaxada como nunca tinha visto e com um biquíni o que me surpreendeu. Pensei, em algum momento que ela só fosse usar algo mais recatado. Ela não tinha idéia do corpo que tinha e eu também precisava a fazer ficar mais tranqüila mais confiante...

Sentei na espreguiçadeira que estava embaixo do grande sombreiro aberto e fiquei ali só observando. Ela era naturalmente sedutora, sua inocência me corroia por completo. Queria ela ali agora, mas não podia. Não ainda. Continuei apreciando a vista até que ela me viu. O meu sorriso com toda certeza era para relaxá-la e não deixá-la mais tensa.

- Olá pequena – Falei e ela pareceu apreensiva com minha presença. Vi que ela estava subindo a pequena escada então levei seu roupão e uma toalha para ajudá-la a se secar.

- Boa tarde Edward – Ela falou formal demais, ainda fitando o chão, ela vestiu o roupão enquanto eu ajudava a secar um pouco seu cabelo.

- Como foi o inicio do dia? – Perguntei com medo de ter feito muito mal deixando ela sozinha.

- Solitário. – enruguei a testa, será que ela não gostou mesmo de ter ficado sozinha ou foi a falta da minha presença? – mas conheci boa parte dos campos da ala norte e leste da propriedade.

- Me perdoe mas tive que fazer uma visita a matriarca vampira e resolver algumas coisas.

- Está tudo bem Edward – Ela pegou a toalha e continuou a enxugar o cabelo sozinha. – Não esqueceu que eu fui criada pra isso, esqueceu?

- Sim, quero esquecer – fui sincero, pensei alto demais... – Bom, quero dizer –pigarreei - que não esqueci. Mas fique a vontade, estava linda nadando – cheguei mais perto acariciando seu rosto.

- Acho que vou tomar um banho mesmo. – ela falou mordendo um pouco os lábios

- Quer que eu prepare seu banho? – Perguntei sorridente

- Sim, adoraria. – Ela sorriu então a peguei no colo ela ficou meio tensa, mas dei um beijo em sua testa e rocei nossos lábios carinhosamente. Ela pareceu relaxar e acabou me beijando.

A deitei em sua cama e ela me olhou um pouco surpresa, mas seus olhos não escondiam a sua felicidade no momento. Beijei novamente seus lábios e trilhei alguns beijos até seu pescoço. Ela suspirou pesadamente.

- Vou preparar seu banho – falei indo até o banheiro. Assim que liguei a torneira para encher a banheira peguei o óleo de jasmim e coloquei nela. A espuma já começava a aparecer quando eu vi que ela estava na porta do banheiro sorrindo pra mim e não ligando para o seu roupão desajeitado.

- Jasmim – ela falou sentindo o cheiro e fechando os olhos – É envolvente – ela falou mordendo um pouco os lábios e vindo até mim.

- Mas é relaxante. Quero que relaxe sempre ao meu lado Isabella – falei pegando sua mão e beijando.

- Bella. Me chame apenas de Bella. – Se arrepiou quando passei a língua em um de seus dedos. – Se quer que eu relaxe, me chame assim, é menos informal... – estremeceu mais uma vez quando eu beijei seu pulso aspirando o cheiro do seu sangue

- Bella, minha Bella – Falei abrindo o roupão – minha Bella.. – Ela deixou o roupão cair e com a mão livre mexeu no cabelo um pouco impaciente mordendo os lábios.

Fim do pov de Edward

- Sim Edward, sua – falei louca de vontade. Era impossível não me sentir bem ao seu lado ou não o desejar, mas ainda tinha medo, receio. Não, não podia. Ele estava dando o seu Maximo também, então eu tinha que tentar dar o meu Maximo também.

Eu estava sentada ao seu lado na banheira quando novamente resolvi beijar seus lábios. Ele pareceu gostar quando fiz isso agora pouco... As mãos dele percorreram meu corpo enquanto as minhas ainda continuavam em seu pescoço, sua nuca. Céus, como o beijo dele é bom. Acho que na verdade eu sou uma humana e ele é “a” bruxa de tudo isso.

- Venha minha Bella – ele me levantou – quero te ver. – ele me fitou com ternura, obviamente eu estava corada. De frente pra ele eu tirei a parte de cima do biquíni ele estava um pouco receoso mas eu me atrevi e peguei sua mão e passei no vão entre meus seios.

- Me toque Edward – eu pedi e logo depois suas duas mãos ganharam vida pelo meu colo, ombros, barriga. Mas quando chegaram em meus seios foi impossível conter um gemido.

- Malditamente perfeita, está vendo? – ele falou com as mãos em meus seios. Sim, malditamente perfeitas as mãos dele. Cobriam perfeitamente bem meus seios Peguei seus pulsos e passei pela minha barriga fazendo chegar na parte de baixo do meu biquíni que ele tirou. – Céus Bella! –ele me puxou para seu colo me sentando de costas para ele.

Bella não existia ali, o que diabos ele estava fazendo? Distribuindo beijos e leves mordidas pelo meus pescoço, queixo e orelha enquanto uma das mãos trabalhava em um de meus seios e a outra já estava em meu baixo ventre. Estava contendo um gemido mas ele pareceu perceber.

- Minha Bella, minha... – me apertou de uma forma tão possessiva que eu senti que ele também estava tão louco quanto eu. Sua ereção era mais do que evidente. Gemi um pouco mais alto do que talvez desejasse – Isso minha Bella, sou eu, o seu Edward – Nessa hora ele acariciou minha intimidade sem pudor me fazendo suspirar e gemer sem ar – tão quente... intocada... perfeita... minha, minha Bella – ele falava ao pé do meu ouvido passando a língua pelo meu pescoço. Espasmos começaram a tomar conta de mim e quando eu já estava sentindo aquela sensação familiar chegar ele deslizou a mão para o meu outro seio. Me senti um pouco frustrada. Não sei de onde veio toda a minha coragem, mas desejei tanto esse momento em meus sonhos que parecia impossível agir de forma diferente.

- Não Edward, não agora, não pare – falei pegando sua mão e colocando novamente onde estava acompanhando sua mão e comandando os movimentos que eu precisava. Logo ele entendeu e pegou meus braços e enlaçou em seu pescoço – Edward! - mordi os lábios.

- Venha minha Bella, venha para mim – Então eu explodi. Explodi em suas mãos gritando seu nome e com meus lábios grudados nos seus num beijo avassalador que ele mesmo foi acalmando junto com minha respiração. – Perfeita, você é perfeita Bella – ele falou me colocando na banheira que agora estava completamente cheia.

- Me desculpe, não sei o que houve comigo – Falei envergonhada quando me toquei como não consegui me conter. Estava extasiada e corada.

- Não ensinaram tudo a você minha pequena – ele falou passando a esponja em meus ombros – eu gosto desse seu jeito. Não se segure, me mostre o que gosta pra mim...

- É que é muito diferente... – Afinal quando eu poderia imaginar estar sendo tão bem tratada? Que ele seria um dos meus escolhidos? Ou que sentiria o prazer do toque dele como sonhei e desejei secretamente?

- E vai continuar sendo assim. No que depender de mim. – Ele falou sorrindo

- Mas... – eu mordi os lábios e olhei pra ele – bom, ehrn.. você sabe. Eu não quero problemas. – Ele entendeu que eu falava sobre sues irmãos.

- Já disse que será quando você estiver pronta para isso, mas vai acontecer. Não se preocupe certo? – Ele falou serio.

- Certo.


- Agora me responda pequena, foi bom pra você como foi para mim?

- Claro – falei corando podia sentir o calor no meu rosto – Foi melhor do que eu imaginava, pra falar a verdade.

- Então você... – não deixei ele completar

- Sim. – cortei logo era constrangedor demais. Ele pareceu curioso, risonho como se estivesse rindo de uma piada interna. – O que?

- Por que você se depila?

- Oh! – corei mais. – Gosto como fica e é mais higiênico. – Mordi os lábios. – Não gosta?

- Não , é claro que eu gosto, mas é que Emmett quando souber vai ficar louco – ele continuou rindo um pouco e eu enrijeci – Calma, calma. Não queria te assustar. Mas é que ele estava com medo que a nossa – quando e ele falou nossa senti certa amargura – companheira pudesse ser como Leah, Emmett viu que ela não tem esses cuidados, se é que você entende.

- Não me assustou. – menti. Meu deus, então Leah, a aluna Francesa que se perdeu durante os festivais no ano passado, se perdeu com um de meus companheiros? Engoli seco.

- Bom, termine seu banho e vista uma calça e botas, vou te levar na ala Oeste ainda hoje.

- Certo... – Ele me deu um beijo e saiu. Terminei meu banho com pressa. Sequei o meu cabelo e me vesti. Me encontrei com Edward do lado de fora do quarto sorrindo como sempre. Ele me abraçou e me guiou para fora de casa.




Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   48


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal