Simulado de português IV



Baixar 55.33 Kb.
Encontro14.02.2018
Tamanho55.33 Kb.

Vestibular1 – A melhor ajuda ao vestibulando na Internet

Acesse Agora! www.vestibular1.com.br


SIMULADO PORTUGUÊS IV

TEXTO 1
“O homem se tornou lobo para o homem, porque a meta do desenvolvimento industrial está concentrada num objeto, e não no ser humano. A tecnologia e a própria ciência não respeitaram os valores éticos. E, por isso, não tiveram respeito algum para o humanismo. Para a convivência. Para o sentido mesmo da existência.

Na própria política, o que contou no pós-guerra foi o êxito econômico. E muito pouco. Fomos vítimas da ganância e da máquina. Das cifras. E, assim, perdemos o sentido autêntico da confiança, da fé, do amor. As máquinas andaram por cima da plantinha sempre tenra da esperança. E foi o caos.”
01. Infere-se do texto que:
A) O desenvolvimento industrial, embora respeitasse os valores éticos, não visou ao homem.

B) A política do pós-guerra eliminou completamente a esperança.

C) Para que haja convivência há necessidade de confiança, de fé, de ganância, de amor.

D) O desenvolvimento tecnológico e científico não respeitaram o humanismo.

02. Em cada alternativa, há correspondência de sentidos entre os períodos, EXCETO:
A) Tudo aconteceu como pensávamos.

Tudo aconteceu segundo pensávamos.

B) Ele tossia tanto, que lhe doíam os pulmões.

Tal foi o barulho, que as pessoas se assustaram.

C) Mesmo que chova, nós sairemos sem sombrinha.

Posto que ele não chegou a tempo, todos se retiraram.

D) Mal ele entrou, todos se retiraram.

Antes que alguém o visse, escondeu-se secretamente.



TEXTO 2
A torcida possui a propriedade de reunir, “na mesma massa”, pessoas situadas em posições sociais diversas, homogeneizando, em torno de clubes, as suas diferenças. Nesse processo, um mecanismo extremamente importante é o uniforme de cada clube: ao mesmo tempo que separa e distingue cada uma das torcidas, ele “despe” cada torcedor da sua identidade civil, e o integra em um novo contexto, profundamente indiferenciado.

Nesse contexto de massa que é a torcida, inexistem desigualdades, pelo menos em princípio. Todos estão ali reunidos pela paixão, para torcer por um dos clubes e, portanto, cada torcedor tem, nesse momento, os mesmos direitos que qualquer outro.

Este último ponto é de grande importância, pois nos leva, de certa forma, da igualdade à liberdade. Com efeito, se todos os torcedores são considerados moralmente iguais, abre-se, então, a possibilidade para que cada um deles possa, com toda a legitimidade, ter uma visão inteiramente pessoal do andamento da partida, da escalação dos times, enfim, de qualquer aspecto relacionado ao mundo do futebol.

Qualquer torcedor pode, inclusive, discordar das “autoridades” em futebol, os técnicos, dirigentes ou comentaristas, sem que sua interpretação seja considerada insolente ou descabida. Este é um contexto em que, de alguma forma, todo mundo tem opinião, e todos têm o direito de exprimi-la, ou seja, são livres para explicitá-la sem sofrer qualquer constrangimento. É exatamente por isso que as discussões sobre o futebol são consideradas “intermináveis”. Na verdade, esta impressão é causada pela própria dificuldade de se chegar a algum consenso num ambiente tão pluralista e democrático.

Existe, portanto, no futebol, uma área de decisão privada, na qual cada torcedor tem liberdade para julgar e escolher segundo suas próprias inclinações, sem ter que sofrer qualquer interferência. Lembremo-nos de que a própria opção por se torcer por determinado clube, de trocá-lo por outro, ou mesmo de se desinteressar do futebol, são resoluções de “foro íntimo”, que não interessam a ninguém, e que devem, assim, ser tomadas com toda a independência.
Ricardo B. de Araújo, Força estranha. Ciência Hoje, ano I, 1, jul./ago. 1982.

03. Todas as afirmativas estão de acordo com o texto, EXCETO:


A) O redator, ao expor seus pontos de vista, usa conceitos abstratos, apresentando suas opiniões e comentários de maneira explícita, o que é próprio dos textos de caráter temático.

B) No nível de sua estrutura fundamental, esse texto contém as seguintes instâncias: afirmação da diversidade, negação da diversidade e afirmação da igualdade.

C) O texto não faz referência à torcida de um clube em particular num jogo determinado. O que há são comentários genéricos sobre qualquer torcida de qualquer clube em qualquer jogo.

D) O uso dos verbos no tempo presente, no percurso de todo o texto, não indicam ocorrências de extensão universal, pois não se trata de presente com significado atemporal.


04. A leitura global do texto permite-nos concluir que:


A) A torcida de futebol é um exemplo de organização social, pois entre os torcedores não existe diferença de classes.

B) Se toda a sociedade seguisse o exemplo de uma torcida de futebol, não se chegaria nunca à decisão nenhuma, pois toda discussão seria interminável.

C) Do ponto de vista desse texto, a torcida é um mecanismo social de participação e não de alienação.

D) As decisões pessoais dentro de uma organização semelhante à de uma torcida de futebol são sempre desencontradas, pois não respeitam nenhuma hierarquia.


05. Da leitura do texto só não se depreende que:


A) Uma passagem figurativa que ilustra a afirmação de que nas torcidas o torcedor tem direito a agir livremente e de maneira pessoal.

B) O conector portanto serve para introduzir uma conclusão relativa ao que se disse anteriormente.

C) O texto transcrito está abordando um tema associado à sociologia do futebol.

D) “Nesse contexto de massa que é a torcida, inexistem desigualdades...” é um exemplo da afirmação da diversidade.

06. Assinale a opção em que há um desvio da norma culta da língua padrão:
A) É cousa certa que a ignorância da língua e o amor da novidade dão certo sabor a vocábulos inventados e descabidos.

B) A segunda espécie de subtração é também rara, e ainda mais prejudicial ao passageiro que a companhia.

C) Nunca deixarei de aprovar uma atitude ou um movimento que exprima respeito à autoridade e reconhecimento implícito do erro.

D) Interessados em recolher todo o dinheiro, serão mais severos que ninguém, mais pontuais, não ficará vintém nem conto de réis da Caixa.



TEXTO 3
ACELERE, FEMINISTA!
Podem me chamar de porco chauvinista. Mas feminista ao volante me tira do sério. Quando alguma delas me costura pela direita, os pneus cantando e ar de executiva poderosa, confesso: eu grito.

- Ô, dona Maria, vá pilotar fogão!

Horrível, mas delicioso.

Falar de mulher ao volante seria antigo. Nem é politicamente correto. Mas não me refiro às torturadas mães de família, pouco preparadas para enfrentar a selva de asfalto, e capazes de andar a 20 por hora, na esquerda. Ou parar numa avenida para comprar cebolas. Essas, eu entendo. Falo de um estilo oriundo das batalhas feministas. A mulher que não só conquistou seu espaço, como gosta de evidenciar isso no trânsito. É mais audaz do que um piloto de Fórmula 1, e pode listar mais frases cabeludas do que um motorista de caminhão.

Sinceramente, sempre estive a favor das feministas. Fui um dos primeiros, entre meus amigos de adolescência, a não oferecer lugar para as mulheres nos ônibus, para não humilhá-las como a um sexo frágil. Mais que isso: com a minha primeira namorada, já fazia questão de rachar a conta, numa luta idealista pela igualdade dos sexos. A partir da segunda, deixei que todas pagassem a conta inteira. Portanto, ninguém pode afirmar que eu não tenha incentivado o feminismo, mesmo entre garotas recalcitrantes diante da notinha. Mas amigos meus, acossados exemplares do poder masculino, concordam que não estou maluco quando afirmo que a conversão proibida é o ramo torto do feminismo.

Há pouco tempo, na serra, em direção ao litoral norte, fui acossado por um carro com quatro mulheres e uma prancha no teto. A motorista colou na minha traseira. Na menor brecadinha, seria uma batida na certa. Olhei a serra, pensei: voar é com os pássaros. Continuei no meu ritmo. A adversária entrou na pista oposta, me cortou e partiu, enquanto eu quase me estatelava serra abaixo. Ainda fez gestos que, com certeza, não aprendeu no colégio de freiras. Mais tarde nos cruzamos no mesmo restaurante da estrada. Não nos falamos, é claro. Mas estava tão calma, bebendo cerveja, que até hoje não sei o porquê de tanta pressa.

Feminista também adora fila dupla. As jovens mães, educadas pelo Relatório Hite, costumam desafiar a supremacia masculina nas portas das escolas. Ai do guarda que vier com essa história de multa, símbolo do odioso reinado masculino! Sei que o simples fato de raciocinar sobre o tema me credencia a ser atropelado. Mas mulher dirige mal, e feminista, pior.

Talvez a saída seja fazer como um amigo meu. Ao ser fechado, acelerou, cortou e parou em diagonal na frente. A liberada foi obrigada a descer, para acertarem as contas.

Estão juntos até hoje. E só não se matam, porque Deus é pai.
(Veja - 27 de maio - 00)
07. Releia o 4o parágrafo. Nele, a idéia que se enfatiza é:
A) compaixão pelas torturadas mães de família;

B) crítica àquelas que gostam de se pôr em evidência no trânsito.

C) compreensão com as que param na avenida para comprar cebola.

D) ciúme das mulheres que venceram as batalhas feministas.

08. Qual o tom predominante utilizado pelo autor no 5o parágrafo:
A) superficial

B) filosófico

C) irônico

D) reflexivo


09. Em todas as alternativas, o emprego das expressões ou termos destacados está corretamente identificado, EXCETO em:
A) ... ele não entende nada, sabe apenas que um pedaço de sua carne será retirado...

(limitação)

B) Está escura, vazia, somente uma velha, na frente, deve estar pedindo também alguma coisa.



(localização)

C) Mas até os exames há os hieróglifos que ele procura decifrar.



(inclusão)

D) Mas pedir o quê, exatamente?



Mesmo assim entra na igreja.

(concessão)
10. "Não precisa ter medo", mas a sensação já havia se instalado, embora não tivesse semelhança com (...) "pivete"."
Os elementos de coesão estabeleceram, entre as orações do período acima, relações de:
A) conseqüência e conformidade

B) oposição e concessão

C) oposição e conformidade

D) conseqüência e concessão

11. Todas as afirmativas abaixo referem-se a "Sentimento do Mundo" de Drummond, EXCETO:
A) A filiação modernista do livro liberou a poesia das preocupações com a elaboração formal dos poemas.

B) A ironia e o humor evitam que o eu-lírico se distancie ou se isole, proporcionando-lhe a comunhão com o mundo exterior.

C) A imagem do poeta como "gauche" revela a sua militância na poesia engajada e participante.

D) O livro contém textos metalingüísticos o que caracteriza a segunda fase do autor.

12. Todas as opções abaixo contêm poemas que nos remetem a alteridade, EXCETO:
A) "Menino chorando na noite" / "Mãos dadas" / "Elegia 1938"

B) "Mundo grande" / "Elegia 1938" / "Morro da Babilônia"

C) "La possession du monde" / "Sentimento do Mundo" / "Canção do berço"

D) "Os ombros suportam o mundo" / "Revelação do subúrbio" / "Congresso internacional do medo"

13. Todas as afirmativas sobre "Sentimento do Mundo" estão corretas, EXCETO:
A) Temática dominantechoque social

B) Há, no livro, consciência de corrosão que atinge todos os seres.

C) "Sentimento do Mundo" tematiza: medo, desencontro, saudade, compromisso

D) 25 poemas do livro não se prendem às formas fixas convencionais, exceto três que trazem em seus títulos espécies líricas de tradição clássica: ode, elegia, madrigal.


TEXT0 4
Ecologia no tribunal
Os cães ladram e a poluição passa. Enquanto o Brasil inteiro se lambuza na onda política financeira e promocional da Ecologia, o ar, as matas, o solo, os alimentos e as águas continuam adoecendo. Uma coisa é certa: se depender da conscientização dos empresários e do poder público, a qualidade de vida brasileira vai ficar esperando sentada. Acontece que o jogo da Ecologia não é como o da inflação ou da dívida externa, em que a sociedade civil fica da arquibancada assistindo ao massacre do adversário. No jogo da Ecologia, é direito e dever do cidadão entrar em campo - entrar em ação. E dentre as ações possíveis, apenas uma será capaz de resultar em gol a favor da causa verde: a ação judicial.

Em outras palavras, todos os caminhos da preservação ambiental levam ao tribunal. Foi no tribunal que um grupo de ecologistas conseguiu fechar a usina nuclear de Angra I, após denunciar falhas no sistema de segurança (outubro de 89, juíza Salete Macaloz); foi no tribunal - após anos de luta - que as associações de moradores do Rio obrigaram o Estado a construir o Emissário da Barra com tratamento de esgoto; é no tribunal que o envenenamento do Rio Paraíba do Sul por óleo ascarel deverá condenar a Thyssen Fundições a dez anos de monitoração daquele ecossistema, em sentença inédita.

Ecologia não é uma abstração. Pode e deve ser enquadrada em pequenas causas e levada à justiça pelos cidadãos - que têm na Ação Civil Pública, um instrumento eficaz. Na verdade, o futuro ambiental do Brasil depende, acima de tudo, de ações judiciais vitoriosas que dêem viço à legislação. Jurisprudência é a palavra de ordem.

Nos EUA, grandes poluidores já têm sido condenados a até cinco anos de prisão ou a multas de até 10 milhões de dólares. No Brasil, a nova legislação dos Interesses Difusos (figura do Código de Defesa do Consumidor) pode enquadrar a poluição sonora de uma esquina como crime contra os interesses da comunidade. Em agosto, a Conferência Internacional do Direito Ambiental, na Holanda, vai, enfim, cristalizar as atenções mundiais em torno deste novo ramo das ciências jurídicas.

A rigor, em meio ao alarde que já não distingue defensores de aproveitadores da causa verde, a voz da Justiça é necessária e suficiente para que o direito de todos a um meio ambiente sadio não se reduza a uma página mofada da Constituição Brasileira.

(JB - Caderno Idéia e Ensaios - julho/91)

14. Todas as palavras destacadas foram devidamente explicadas, de acordo com o seu significado no texto, EXCETO:


A) ... a dez anos de monitoração... - assistência

B) Ecologia não é uma abstração - distração

C) ... que dêem viço à legislação - alegria

D) ... vai, enfim cristalizar as atenções - reunir

15. "Os cães ladram e a poluição passa".
Que outra passagem do texto reproduz essa idéia?
A) ... a qualidade de vida brasileira vai ficar esperando sentada.

B) ... todos os caminhos da preservação ambiental levam ao tribunal.

C) Enquanto o Brasil inteiro se lambuza na onda política, financeira e promocional da Ecologia, o ar, as matas, o solo, os alimentos e as águas continuam adoecendo.

D) A rigor, em meio ao alarde que já não distingue defensores e aproveitadores da causa verde...

16. Todas as passagens abaixo traduzem a mesma idéia, EXCETO:
A) E dentre as ações possíveis, apenas uma será capaz de resultar em gol a favor da causa verde: a ação judicial.

B) Ecologia não é uma abstração. Pode e deve ser enquadrada em pequenas causas e levada à Justiça pelos cidadãos...

C) ... o futuro ambiental do Brasil depende, acima de tudo, de ações judiciais vitoriosas...

D) A rigor, em meio ao alarde que já não distingue defensores de aproveitadores da causa verde...

17. Todas as passagens apresentam uma linguagem figurada, EXCETO:

A) Enquanto o Brasil se lambuza na onda política...

B) ... a qualidade de vida brasileira vai ficar esperando sentada.

C) No jogo da Ecologia, é direito e dever do cidadão entrar em campo...

D) ... é no tribunal que o envenenamento do Rio Paraíba do Sul por óleo ascarel deverá condenar...
18. Todas as palavras destacadas ultrapassam o seu sentido literal no texto, EXCETO:
A) Acontece que o jogo da Ecologia...

B) É direito e dever do cidadão...

C) ... assistindo ao massacre do adversário

D) ... a voz da justiça é necessária.


19. Que passagem apresenta a incorporação de um dito popular, de forma alterada, de fundamento histórico?
A) ... a qualidade de vida brasileira vai ficar esperando sentada.

B) Em outras palavras, todos os caminhos da preservação ambiental levam ao tribunal.

C) Ecologia não é uma abstração.

D) ... que o direito de todos a um meio ambiente sadio não se reduza a uma página mofada da Constituição Brasileira.




GABARITO:

01 - D 02 - D 03 - D 04 - A 05 - D 06 – C

07 – B 08 - C 09 – C 10 – B 11 – C 12 - C

13 - D 14 – B 15 – C 16 – D 17 – D 18 – B 19 – A


20. REDAÇÃO:
Com base na leitura do texto-estímulo reproduzido mais abaixo, redija um texto dissertativo-argumentativo que discuta o tema:
O acesso à escola pública e gratuita e a atual política educacional no Brasil
Defenda uma opinião, amparada na organização e relação de fatos e argumentos que a sustentem logicamente. Você pode, se quiser, citar algum fato mencionado no texto-estímulo, entretanto, NÃO pode copiar suas orações, frases e períodos. Se desejar, dê um título a seu texto.


Texto-Estímulo:
O esforço é de um atleta africano num torneio de tênis patrocinado por suecos. Entrar numa faculdade pública no Brasil é coisa de rico. É conhecida a explicação: pobre estuda em escolas públicas precárias, pobre não tem dinheiro para cursinho e, quando trabalha, não tem tempo para estudar tudo o que não aprendeu até chegar a hora do vestibular. São pelo menos 120 mil estudantes que estão fora do que chamam "latifúndio educacional" instalado no ensino superior, que concentra a educação nas mãos de poucos, segundo integrantes do recém-criado MSU (Movimento dos Sem Universidade).

Oficializado em abril, o movimento quer o que a maioria dos pais brasileiros almeja para seus filhos: a chance de estudar numa universidade pública, mesmo tendo saído de uma escola de segundo grau despreparada para despachar seus alunos à olimpíada dos vestibulares. Espalhados em grupos pelo país, eles também querem isenção das taxas de inscrição para o vestibular, argumentando que são poucos os estudantes com condições de em São Paulo, por exemplo, se inscrever na USP, Unesp e Unicamp, o que aumentaria suas chances em 50%, mas custaria quase R$200. Querem, igualmente a criação de uma universidade popular, projeto que já passou pelas mãos de João Sayad, o secretário das Finanças da prefeita Marta Suplicy, e que tem como sugestão de localização parte do terreno hoje ocupado pelo presídio do Carandiru, na cidade de São Paulo.

É um movimento que já nasce grande porque envolve um número enorme de jovens sem acesso à universidade pública. Inclusive da classe média, que nos últimos anos passou a protagonizar uma história que se repete nas melhores famílias: sem dinheiro para obter a formação básica numa boa escola, o estudante acaba entrando numa universidade particular, que custa caro e prolifera como uma rede de fast food.

No meio do caminho, a família joga a toalha porque não consegue pagar a escola, e o filho tem de abandonar o curso. As estatísticas estão a favor do MSU: apenas 10% da população brasileira jovem, na faixa etária entre 18 e 24 anos, chega até a universidade; os que sobram são uma espécie de reféns de sua situação sócio-econômica.

O desdobramento dessa exclusão é igualmente dramático: pesquisa realizada pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), vinculado ao Ministério do Planejamento, revelou em 1998 que trabalhadores com oito anos de escolaridade ganham 36% a mais do que os não-qualificados; os que têm o ensino médio completo ganham 170% a mais e os que têm curso superior o ganho é de 516% a mais.

Conclusão: exceção feita à vida artística, onde um rebolado ousado pode criar novos milionários da noite para o dia, na vida real o diploma universitário contribui objetivamente para uma melhora na situação sócio-econômica.

[...]

O movimento conquista simpatizantes ao criticar o governo federal - com a popularidade em baixa - pelo descaso ao problema da exclusão social na universidade pública. "É preciso fazer alguma coisa por nós mesmos porque outros não o farão, é preciso nos organizar para desorganizar e acabar com essas injustiças do sistema de vestibular, é preciso respeitar as gerações futuras e o futuro de nosso povo", dizem eles em sua carta aberta à população.



Conquistar o diploma, passaporte para um mercado de trabalho restrito e exigente, é muito difícil para quem não pode pagar uma universidade particular. Das 766 mil vagas oferecidas pelas instituições de ensino superior em 1998, apenas 26,41% (205 mil) eram em universidades públicas.

Os estudantes do MSU não querem apenas um diploma universitário. Querem a transformação cultural através da busca do conhecimento científico e tecnológico, no seu avanço civilizatório, o que certamente não é possível quando muitas universidades privadas escorregam para o mundo os negócios.


(Célia Chaim. Organização luta por acesso à escola pública. Folha de S. Paulo, 23 de julho de 2001)

Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal