Sintese do informe de relatoria



Baixar 366.07 Kb.
Página1/3
Encontro17.12.2017
Tamanho366.07 Kb.
  1   2   3



SEMINÁRIO – OFICINA CONJUNTA UNASUR / CPLP DE ATUALIZAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA SOBRE FEBRE AMARELA E OUTRAS ARBOVIROSES EMERGENTES E REEMERGENTES

Rio de Janeiro, 2 a 6 de outubro de 2017

SINTESE DO INFORME DE RELATORIA

Organizado pela Fiocruz, através do Centro de Relações Internacionais em Saúde – CRIS/Fiocruz, da Coordenação de Vigilância e Laboratórios de Referência e do Secretariado das Redes de Institutos Nacionais de Saúde da UNASUR – RINS/UNASUR e de Institutos Nacionais de Saúde Pública da Comunidade de Países de Língua Portuguesa – RINSP/CPLP, o Seminário - Oficina teve o objetivo de fortalecer a capacidade dos Institutos Nacionais de Saúde de ambas as redes e dos seus respectivos Ministérios da Saúde, para a prestação de serviços, geração de conhecimentos e formação de recursos humanos necessários à prevenção e o controle de emergências sanitárias, com particular referência à febre amarela e outras arboviroses, emergentes e reemergentes. A Agenda do Seminário se apresenta no Anexo 1.

Previu, como produto principal do evento, a discussão das bases para um Plano de Trabalho para a cooperação técnica em saúde entre os membros das redes RINS/UNASUR e RINSP/CPLP, incluindo análise da situação, compromissos dos institutos e recomendações às autoridades ministeriais.

Participaram no evento representantes das áreas técnico-científicas, prioritariamente das áreas de entomologia, investigação clínica, virologia e epidemiologia, dos Institutos Nacionais de Saúde e/ou dos níveis centrais dos respectivos Ministérios da Saúde dos seguintes países (Vide lista de participantes completa, no Anexo 2):



UNASUR

  • Argentina

  • Brasil

  • Chile

  • Colômbia

  • Equador

  • Guyana

  • Peru

  • Suriname

CPLP

  • Angola

  • Brasil

  • Cabo Verde

  • Guiné – Bissau

  • Moçambique

  • Portugal

  • São Tomé e Príncipe

Também participaram ativamente no seminário-oficina representantes técnico-científicos de diversas instituições ou organismos internacionais, incluindo:


  • Agência Brasileira de Cooperação – ABC / Ministérios das Relações Exteriores, Brasil

  • Assessoria Internacional em Saúde – AISA / Ministério da Saúde, Brasil

  • Instituto

  • Centro para a Vigilância de Doenças Infecciosas na África Austral – SACIDS

  • Comunidade dos Países de Língua Portuguesa – CPLP.

  • Instituto Evandro Chagas / Ministério da Saúde, Brasil - IEC

  • Instituto Sul-americano de Governo em Saúde – ISAGS / UNASUR

  • Organização Mundial da Saúde – Regional África – OMS/AFRO

  • Organização Pan-Americana da Saúde – OPAS / OMS

  • Organismo Regional Andino em Saúde – ORAS/CONHU

  • Universidade Federal de Pernambuco – UFPE

  • Universidade Federal de Rio Grande do Norte - UFRN

  • Universidade Nacional do Sistema Único de Saúde – UNASUS

  • Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB

Após a sessão de abertura, que contou com as palavras dos representantes das principais Organizações Internacionais presentes, foi realizada a 2ª sessão, na qual os Drs Sylvain Alighieri, por via vídeo, o Dr Dr. Yoti Zabulon da OMS/AFRO e o Dr Luiz Francisco Otero, da OTCA, apresentaram a situação atual da febre amarela e outras arboviroses nas Américas e na África e a preparação dos Institutos para as emergências sanitárias por arbovírus.
A continuação dos debates sobre o tema, o Dr Paulo Buss da Fiocruz, fez uma apresentação sobre a Agenda 2030, Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – ODS, e as Doenças Emergentes e Reemergentes, tema que suscitou interessantes discussões sobre a determinação social da saúde e a necessidade de uma intensa promoção da intersetorialidade que consiga considerar a mútua inter-relação entre os diversos ODS e a saúde.
Na Quarta Sessão, a Dra Jocelyne Vasconcelos (INSP/Angola), a Dra Tânia Fonseca (Fiocruz) e o Dr Renato Alves, (Ministério da Saúde, Brasil) comentaram os Surtos de febre amarela recentes em Angola e Brasil, os pontos críticos detectados e as ações implementadas para o seu controle.
Seguindo com a agenda, a Quinta Sessão foi dedicada à discussão de Análise geoespacial das transformações socioambientais e a emergência de arboviroses, com apresentações dos Dres. Marcia Chame (ENSP/FIOCRUZ/BR), Arlete Manuel, do Ministério da Saúde de Angola e Mário Sérgio, da Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro, Brasil. Durante o debate, este tema foi complementado com a análise dos conceitos de ecossistemas, nichos naturais de doenças transmissíveis e a determinação social dos câmbios ambientais e o seu impacto na epidemiologia das arboviroses.
Durante a Sexta Sessão foram atualizados conhecimentos sobre o estado da arte das técnicas para o diagnóstico da febre amarela em humanos e em animais silvestres (rápido e confirmatório) e diferencial de outras doenças febris agudas com destaque para as arboviroses. Durante a mesma foram ouvidas apresentações sobre as Redes de laboratório para resposta a emergências por arbovirus da OPAS/OMS - RELDA (Dr. Jean-Marc-Gabastou, OPAS); Algoritmos de laboratório para vigilância de Arbovirus emergentes e reemergentes nas Américas (Dr. Jairo Méndez, OPAS); desafios e limitações do diagnóstico laboratorial de febre amarela durante epidemias (Dra. Cristina Domingo, IRK, consultora OPAS); a experiência dos laboratórios de saúde pública do Brasil durante os surtos de febre amarela de 2016-2017 (Dra. Ana Bispo, IOC/FIOCRUZ); Os principais desafios para a rede de laboratórios de referência dos institutos nacionais de saúde pública da RINSP/CPLP para a resposta às emergências nos Estados membros de África (Dr. Eduardo Samo Gudo, INS/Moçambique); e sobre o processamento e leitura da imunohistoquímica de febre amarela (Dr. Edgar Alberto Parra, INS – Colombia e Dra. Janice Coelho, INI/FIOCRUZ)
A Sétima Sessão debateu aspectos críticos do papel do vetor e de reservatórios mamíferos na transmissão da febre amarela e outras arboviroses. Durante a sessão foram tratados os seguintes temas: Biologia dos vetores e dinâmica da transmissão, pelos Dres Ricardo Lourenço (IOC/FIOCRUZ) e João Pinto (IHMT/Portugal) e Controle de Vetores, pela Dra Denise Valle (IOC/FIOCRUZ).

A Oitava Sessão, realizada na manhã do terceiro dia do Seminário – Oficina, incluiu a apresentação e debate sobre a Contribuição da Investigação clínica para o diagnóstico diferencial das arboviroses e para a predição do curso das doenças, com palestras dos Dres Manoella Alves, da UFRN/RN; Carlos Brito, da UFPE/PE e Edgar Alberto Parra, do INS/Colombia. Durante a mesma sessão a Dra. Myrna Bonaldo, do IOC/FIOCRUZ fez uma apresentação sobre a Diversidade Genética do Vírus da Febre Amarela e a Dra Jennifer Oliveira Chang, do IEC / MS, sobre a Soroprevalência das Arboviroses no Brasil

O tema das vacinas, com particular referência às de febre amarela, foi o eixo da Nona Sessão. Os Drs. Reinaldo de Menezes Martins, Marcos Freire, Rosane Cuber Guimarães e Luiz Alberto dos Santos Lima, todos eles de Biomanguinhos / Fiocruz; Jocelyne Vasconcelos (INSP/Angola) e Yoti Zabulon (WHO/AFRO) fizeram apresentações e debateram aspectos diversos, incluindo o estado da arte sobre a imunidade em febre amarela e outras arboviroses; a disponibilidade mundial e regional de vacinas e o controle da qualidade das vacinas e vigilância de eventos pós vacinais

A última das sessões teórico-conceituais foi a Décima, que incluiu dois aspectos centrais para a prevenção e o controle da febre amarela e outras arboviroses: inicialmente, as Dras Elisa Andries, da Coordenação de Comunicação Social da Fiocruz, Marcia Turcatto, da comunicação social da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde do Brasil, Arlete Manuel, da Direção Nacional de Saúde Pública de Angola e o Dr Manuel Espinoza, do INS – Perú, debateram sobre a Informação e Comunicação de Emergências Sanitárias com particular referência à Febre Amarela e outras Arboviroses. Posteriormente os Dres Francisco Campos e Alysson Feliciano Lemos apresentaram os recursos para capacitação à distância em arboviroses disponíveis na Universidade do SUS, UNASUS / Brasil.


Todas as apresentações das dez sessões estão disponíveis no sitio: http://www.forumitaborai.fiocruz.br/node/1081
A tarde do quarto dia foi dedicada à discussão de grupos para esclarecimentos técnicos específicos, identificação de carências ou demandas e elaboração de propostas de cooperação técnica a serem encaminhadas às altas autoridades ministeriais. Foram constituídos três grandes grupos de discussão que analisaram respectivamente:


  • Diagnóstico laboratorial

  • Vigilância entomológica e de epizootias e Controle de vetores

  • Investigação epidemiológica, Geoprocessamento e Observatório de Determinantes Sociais da Saúde

Um quarto Grupo constituído por representantes da Argentina e do Brasil discutiu aspectos específicos da cooperação para a produção de vacina, o controle da qualidade e a vigilância de evento adverso


Finalmente, a Décimo-Segunda Sessão discutiu, em plenário, as perspectivas das RINS/UNASUR e RINSP/CPLP na cooperação em pesquisa, formação de recursos humanos, prestação de serviços e apoio aos respectivos ministérios da saúde, elaborando conclusões e propondo um esboço de plano de trabalho para a cooperação técnica.
Sendo as 12:30 horas da Sexta Feira, dia 06 de outubro de 2017, foi encerrado o Seminário - Oficina Conjunta UNASUR / CPLP de atualização científica e tecnológica sobre febre amarela e outras arboviroses emergentes e reemergentes, após uma avaliação plenária que exaltou unanimemente todos os aspectos organizativos e de conteúdo, destacando, particularmente a importância da realização conjunta do evento, que permitiu comparar realidades tão diferentes como as da América do Sul e do continente Africano.
PROPOSTA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA PARA AS REDES DE INSTITUTOS NACIONAIS DE SAÚDE DA UNASUR E DE SAÚDE PÚBLICA DA CPLP



  1. DIAGNÓSTICO LABORATORIAL




    1. RELDA / OPAS: O Seminário – Oficina conclui que as Recomendações e Expectativas do Programa da Rede de Laboratórios de Diagnóstico das Arboviroses, RELDA, da OPAS atende em termos gerais, às necessidades atuais da RINS/UNASUR, sendo plenamente adaptáveis às necessidades da RINSP/CPLP. Em forma sintética, estas recomendações visam a fortalecer as redes sub-regionais utilizando a plataforma RELDA (contato: Jean-Marc Gabastou, bellidoros@paho.org; gabastouj@paho.org ), incluindo:

  1. Revisar os algoritmos de diagnóstico diferencial das arboviroses, objetivando a sua padronização na RINS/UNASUR e na RINSP/CPLP

  2. Atualizar os protocolos atualmente utilizados pelos Institutos e ampliar o diagnóstico para outros arbovirus emergentes

  3. Realizar gestões junto às autoridades pertinentes para facilitar o transporte internacional de materiais biológicos, particularmente no referido a amostras para o diagnóstico de referência e para o controle externo da qualidade

  4. Fortalecer a adesão dos laboratórios dos institutos aos programas de avaliação externa de qualidade dos exames diagnósticos de arboviroses

  5. Estabelecer cooperação entre os institutos para a confecção de painéis de material biológico associado a informações clínicas para validação de testes diagnósticos e investigação de doenças emergentes e reemergentes. O protocolo de elaboração dos painéis será redigido por um comitê a ser formado pela OPAS incluindo profissionais dos centros colaboradores



    1. Validação de Tecnologias: Complementarmente, e em plena harmonia com as expectativas da RELDA, o Seminário propõe a realização de projetos multicêntricos para o desenvolvimento e validação de novas tecnologias. A OPAS, a través dos Centros Colaboradores e em conjunto com o secretariado da RINS e a RINSP, consultará potenciais institutos participantes e elaborará de forma participativa os protocolos dos referidos estudos multicêntricos.



    1. Clínica e Citopatologia: Dada a enorme importância do diagnóstico clínico associado ao diagnóstico histopatológico, consideradas ambas áreas de escasso desenvolvimento na maioria dos Institutos de ambas as regiões, o Seminário recomenda implantar laboratórios de anatomia patológica com capacidade de realizar ensaios de imunohistoquímica nos institutos nacionais de saúde, se possível integrando serviços já atuantes existentes no país. O Instituto Nacional de Saúde da Colômbia e o INI/Fiocruz oferecem as suas respectivas capacidades para apoiar eventuais demandas dos Institutos que o requeiram. A Fiocruz assume o compromisso de adaptar o guia de febre amarela utilizado no Brasil para a realidade de cada país interessado, com prazo de um a três meses a partir da demanda. (Contato: Marilia Santini, marilia.santini@fiocruz.br )




  1. Vigilância entomológica e de epizootias e Controle de vetores




    1. Mestrado em Entomologia: Em acordo com as recomendações da última reunião da RINSP / CPLP, realizada em Lisboa em 22/04/2017, o Seminário propõe a realização de um Curso de Mestrado em Entomologia, para os países membros da RINSP / CPLP e da RINS/UNASUR, cujo esquema é descrito no Anexo 3 deste Relatório. (Contatos: João Pinto, jpinto@ihmt.unl.pt; e Denise Valle, dvalle@ioc.fiocruz.br)




    1. Treinamento em Serviço em Entomologia: Participantes dos Institutos de ambas as Redes demandaram capacitação na modalidade treinamento em serviço na área de entomologia. Em resposta a esse demanda foram oferecidas três oportunidades: a) O IHMT, de Portugal (contato: João Pinto, jpinto@ihmt.unl.pt ) se compromete a auxiliar a orientação da montagem de laboratório para monitoramento da resistência a inseticidas no Chile (extensivo a outros países interessados), recebendo dois técnicos por vez para formação em técnicas de bioensaios, com duração de entre duas a quatro semanas; b) O laboratório de vetores hematófagos do IOC da Fiocruz (contato: Ricardo Lourenço, lourenco@ioc.fiocruz.br ) oferece treinamento em serviço na metodologia de coleta, armazenamento, transporte e processamento dos espécimes para identificação de arbovírus infectantes, com uma duração mínima de três semanas e até três profissionais simultaneamente; c) O laboratório do INS de Cabo Verde oferece treinamento em serviço nas metodologias de identificação de culicídeos e de bioensaios qualitativos para identificação de resistência (tubos OMS), com duas a três semanas de duração e até dois profissionais simultaneamente. (Contato: Silvânia Leal, silvania.leal@ms.gov.cv)

O Secretariado das Redes consultará aos Institutos membros sobre a eventual disponibilidade em outros locais, acompanhará uma agenda de demandas específicas e apoiará a eventual mobilização de recursos financeiros para atender o referido treinamento em serviço.




    1. GT – Entomologia: Formação de um grupo de trabalho, coordenado inicialmente pelo Chile (contato: Carolina Reyes Valenzuela, creyes@ispch.cl), com representantes de todos os países interessados, com reuniões virtuais de periodicidade mínima mensal, para alinhamento de: a) demandas operacionais, b) vigilância, c) controle e d) definição do conteúdo dos eventos de capacitação em entomologia médica. A atividade inicial do grupo será fazer um diagnóstico dos institutos nacionais de ambas as redes, RINS/UNASUR e RINSP/CPLP, para avaliar a capacidade instalada de cada um para realizar investigação entomológica e de resistência aos inseticidas. O diagnóstico feito será utilizado para planejar as necessidades de cada país e sua eventual incorporação aos seus respectivos Planos Estratégicos e Operacionais. O Secretariado da RINSP/CPLP apoiará o contato do ISPCH para o envolvimento desta Rede no GT.



    1. UNASUS: Os institutos dos países presentes assumiram o compromisso de desenvolver conjuntamente módulos que atendam a vigilância e o controle de vetores, utilizando a plataforma de ensino à distância disponibilizada gratuitamente pela UNASUS. (Contato: Francisco Campos, franciscocampos@unasus.gov.br)



  1. GEO-LOCALIZAÇÃO E DETERMINAÇÃO SOCIOAMBIENTAL




    1. Formação de saberes: Apesar da ampla discussão conceitual sobre conceitos tais como “Determinação Social da Saúde”; “Determinantes Socioambientais”; “Ecossistemas de Doenças Infecciosas e Espaços Vividos”; etc. não está claro como incorporar estes conceitos à uma prática sistemática de investigação e vigilância da saúde em geral e das arboviroses, em particular. Em consequência o Grupo de Trabalho de Geo-localização e Determinação Socioambiental e a plenária do Seminário propõem uma atividade de formação de formadores neste campo do saber, a partir da construção comum dum conceito de determinação das emergências e reemergências por arboviroses. Para tanto, propõe-se a elaboração duma atividade de capacitação coletiva / participativa para que os INS adquiram essa visão da epidemiologia ampliada e crítica comum, de forma a ser replicada para formar uma massa crítica capaz de trabalhar estes processos na sua prática institucional. (Contatos: Felix Rosenberg, felix.rosenberg@fiocruz.br; Carlos Linger, carlos.linger@fiocruz.br)



    1. No ínterim, se sugere estabelecer um grupo matriz de indicadores para a rastreabilidade e a possível antecipação de eventos emergentes. Para tanto, os grupos de trabalho no âmbito dos INS devem ter a possibilidade de integrar equipes que possam intercambiar dados e informações de diversas fontes (vigilância, clima e variação climática, monitoramento de transformações florestais e outras intervenções ambientais tais como hidroelétricas, projetos de mineração, etc.). Desta forma, se sugere gerar mapas com várias capas de georreferenciação. (Contatos: para georreferenciação: Cristovam Bracellos, xris@fiocruz.br; para a matriz de indicadores: Luiz Francisco Sanchez Otero, francisco.sanchez@otca.org.br e Felix Rosenberg, felix.rosenberg@fiocruz.br)



    1. A Fiocruz disponibiliza treinamento e utilização do aplicativo SISS-Geo (Sistema de Informação de Saúde Silvestre, para todos os países interessados (contato: Márcia Chame, marcia.chame@fiocruz.br)



    1. Se incentiva os Institutos de ambas as sub-regiões para a realização de inquéritos soroepidemiológicos de arboviroses em populações humanas e de animais silvestres.



  1. IMUNIDADE E IMUNIZAÇÃO



    1. Desenvolver um módulo de capacitação de vigilância de eventos adversos pós vacinais em modalidade a distância por meio da Plataforma de UNASUS (Contatos: Reinaldo de Menezes Martins, rmenezes@bio.fiocruz.br e Francisco Campos, franciscocampos@unasus.gov.br)



    1. Elaborar um projeto multicêntrico de pesquisa clínica para avaliação da resposta vacinal e da frequência de eventos adversos pós vacinais, incluindo como centros de pesquisa os países com indicação de vacinação. (Contatos: Marilia Santini, marilia.santini@fiocruz.br; e Reinaldo de Menezes Martins, rmenezes@bio.fiocruz.br)



    1. Fomentar a realização de pesquisas para suprir lacunas de conhecimentos essenciais para políticas públicas na área de arboviroses, nomeadamente, entre outros:

  • Estudos dose-resposta da vacina febre amarela em crianças

  • Identificação de biomarcadores de susceptibilidade a eventos adversos pós-vacinais graves

  • Desenvolvimento de novos produtos biológicos para prevenir arboviroses (novas vacinas contra febre amarela, dengue, Zika e Chikungunya




    1. Visando o desenvolvimento de novas vacinas contra arboviroses, buscar parcerias/intercâmbio com a área veterinária, em que várias dessas vacinas já são utilizadas



Recomendações aos Ministérios das Saúde

Com a finalidade de prevenir e controlar oportunamente a ocorrência de novas emergências ou reemergências de Febre Amarela e de outras Doenças causadas por Arbovirus e, idealmente, poder se antecipar às mesmas, os representantes dos Institutos Nacionais de Saúde pertencentes à RINS / UNASUR; dos Institutos Nacionais de Saúde Pública, pertencentes à RINSP/CPLP e dos Órgãos Supragovernamentais reunidos no Rio de Janeiro, de 2 a 6 de Outubro de 2017, durante o Seminário – Oficina Conjunta UNASUR / CPLP de Atualização Científica e Tecnológica sobre Febre Amarela e Outras Arboviroses Emergentes e Reemergentes, recomendam aos Exmos. Senhores Ministros da Saúde dos países membros da UNASUR e da CPLP:



  1. Estimular a atuação intersetorial e interministerial na promoção do controle integrado de vetores




  1. Investir na capacitação dos profissionais dos países membros da CPLP em vigilância entomológica, investigação de epizootias e monitoramento da resistência a inseticidas



  1. Mobilizar recursos para estruturação de um curso multinacional, no âmbito da CPLP, de especialização em vigilância e controle de doenças transmitidas por vetores para formação de especialistas ou mestres.



  1. Fortalecer o sistema de vigilância entomológica e de primatas não humanos de forma contínua, por meio de atualização dos parques tecnológicos laboratoriais, aquisição de insumos e recrutamento de profissionais.



  1. Priorizar as atividades de comunicação, sensibilização e mobilização das comunidades nas áreas de doenças transmitidas por vetores e de promoção da saúde



  1. Planejar as necessidades de doses de vacina febre amarela a curto, médio e longo prazo de acordo com o planejamento nacional de imunização e em contratualização com as unidades de produção, evitando sempre que possível demandas apenas em situações emergenciais



  1. Apoiar em forma continua a otimização dos processos de produção e aperfeiçoamento das unidades produtoras da vacina febre amarela, para que possam pesquisar, inovar e aumentar a produção de acordo as necessidades de saúde pública



  1. Aumentar a capacidade produtiva mundial da vacina febre amarela através de transferência de tecnologia e do trabalho cooperativo entre os países na linha de produção (envase em outros países)



  1. Facilitar o transporte de amostras biológicas humanas, vetores e vírus entre os países



  1. Fomentar a realização de pesquisas para suprir lacunas de conhecimentos essenciais para políticas públicas na área de arboviroses

Em Rio de Janeiro, Brasil, aos Seis dias do Mês de Outubro de 2017
ANEXO 1 - AGENDA

SEMINÁRIO – OFICINA CONJUNTA UNASUR / CPLP DE ATUALIZAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA SOBRE FEBRE AMARELA E OUTRAS ARBOVIROSES EMERGENTES E REEMERGENTES

LOCAL: Rio de Janeiro – Scorial Hotel (Rua Bento Lisboa, 155 – Catete – RJ)

DATA: 2 a 6 de outubro de 2017

OBJETIVO

Organizado pela Fiocruz, através da Coordenação de Vigilância e Laboratórios de Referência e do Centro de Relações Internacionais em Saúde, tem o objetivo de fortalecer a capacidade dos Institutos Nacionais de Saúde da UNASUR e da CPLP e dos Ministérios da Saúde, para prestação de serviços e geração de conhecimentos e formação de recursos humanos necessários à prevenção e o controle de emergências sanitárias, com particular referência à febre amarela e outras arboviroses, emergentes e reemergentes.



PRODUTO ESPERADO

Plano de Trabalho para cooperação técnica em saúde entre os membros das redes RINS/UNASUR e RINSP/CPLP, incluindo análise da situação, compromissos dos institutos e recomendações aos ministérios.





Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal