Teatro Académico de Gil Vicente



Baixar 84.85 Kb.
Encontro15.04.2018
Tamanho84.85 Kb.

Teatro Académico de Gil Vicente

Programação Junho 2009



Teatro
Dia 1 de Junho’09

16h30 e 21h30



Dia Mundial da Criança

Eu, tu, ele, nós, vós, eles

Texto Sérgio Godinho Encenação e Dramaturgia Eurídice Rocha Música Paulo Jacob Desenho de Luz e luminotecnia Nuno Patinho Assistência de Encenação Cândida Ferreira Coreografia Bárbara Janicas e Mariana Alves Adereços Helena Marques, Andreia Pena e Miguel Carvalho Cenografia Cristina Janicas e João Paulo Janicas Figurinos Alexandra Silva Grafismo Nuno Patinho Produção Teatral Cooperativa Bonifrates Elenco André Pereira, João Fragoso, Mariana Eufrásio, Mariana Silva, João Afonso Cardoso, Artur Providência, Bárbara Janicas, Mariana Alves, João Portugal, Maria Cardantas, João Diogo Silva e Mafalda Marques



“Eu, tu, ele, nós, vós, eles” é uma peça da autoria de Sérgio Godinho, a quem foi atribuído o Prémio de Teatro Infantil pela Secretaria de Estado da Cultura, em 1982.

Num mundo virado do avesso, onde às crianças “é proibido” brincar e conviver, “Eu, tu, ele, nós, vós, eles” é uma história repleta de movimento, partilha, tolerância e amizade, na relação entre cinco personagens. O “corpo” está repleto de associações e histórias fantásticas. Através da descoberta das diversas partes do corpo do “outro”, as personagens vão buscar memórias aos afectos e devolvê-las ao grupo, que adere sempre ao jogo. O “outro” é o encontro e o desencontro que vai passando por qualquer um de nós na vida e nos deixa mais ricos. A música de Paulo Jacob é um veludo de sonoridade que desperta as nossas sensações, bem embrulhadinhas num manto de afectividade.


Preçário

Preço Escolas_ 3,00€ [entrada gratuita para os professores]

Preço Alunos ensino Básico + Secundário_ 3,00€

Preço Normal_ 6,00€

Preço Estudante Universitário_ 4,00€

Preço Famílias + sócio/clube de Amigos Bonifrates_ 3,00€

Preço Amigos TAGV_ 3,00€




Dia 8 de Junho’09_ 14h00

Dia 12 de Junho´09_ 11h00 e 14h00

Dia 13 de Junho´09 _ 15h30

Dia 15 de Junho´09 _ 10h00 e 14h00

Lucilina e Antenor

Projecto inserido no âmbito das Oficinas de Teatro – Plano de Actividades da Associação Arte à Parte para 2009

Inspirado na história “Lucilina e Antenor” de Matilde Rosa Araújo

Direcção Kelly Varella

Encenação Kelly Varella e Gonçalo Quirino

Dramaturgia Gonçalo Quirino

Cenografia Gonçalo Quirino e Sílvia Alves

Música Rafael Campanile

Figurinos e Adereços Sílvia Alves

Desenho de luz Kelly Varella e Gonçalo Quirino

Produção Adélia Pinto

Elenco Kelly Varella e Gonçalo Quirino

Assistentes “Arlequim” Diana Pita, “Arlequim” Larissa Pimenta e “Arlequim” Raquel Raposo

A autora Matilde Rosa Araújo irá estar presente na sessão de estreia, dia 8 de Junho, 14h00.

“Lucilina e Antenor” é uma história de amizade, grande ternura e fantasia entre Lucilina, "que tinha cabelos verdes das folhas de lúcia-lima" e Antenor, “estranha figura que a olhava com um olhar cheio de ternura branca”, como escreve Matilde Rosa Araújo.

Inspirado nesta história simples e original, embora tenha por objecto central a apresentação de uma peça teatral com o mesmo título, tem como actividades complementares um conjunto de "Eventos Paralelos" (atelier de Figurinos, atelier de adereços de cena, conferência e workshops de caracterização), com o deliberado propósito de explorar o universo temático sugerido pela autora e de criar junto do público formas de participação e de envolvimento no projecto na sua globalidade.
Sinopse

Duas realidades distintas contrastam com delicadeza e poesia: o campo e a cidade. Antenor, que não era nem bicho conhecido nem gente, deixou o campo e foi viver para a cidade. A solidão e a tristeza invadem a alma de Antenor que, apesar da sua figura esquisita, transborda de ternura. No meio do caos urbano, entre a movimentação incessante dos carros, bicicletas e transeuntes, isolado no seu apartamento, um de muitos naquela cidade, Antenor entrega-se à lembrança de sua vida no campo, campo esse agora constituído por recordações agradáveis, levado ao sabor da sua imaginação.


Nota: a escritora Matilde Rosa Araújo estará presente nas sessões de 12 e 13 de Junho.
Preçário

Preço Escolas/Crianças_ 4,00€

Preço Adultos_ 6,00€

Faixa-etária M/ 5 anos

[Lotação limitada]

Dia 16 de Junho’09_ 21h30

Espera

Texto, Encenação, Sonoplastia, Cenografia, Luminotecnia, Audiovisuais Marco Paulete & Pedro Correia

Orientação Pedagógica Luis Jesus

Narração Rafael Videira

Música peixe: avião & Pedro Correia

Actores Juan Palbo Romão, Noé Sousa, César Semedo


Uma peça de teatro num único acto, o culminar de 6 meses de trabalho desenvolvido através da união entre três estagiários de Ciências da Educação e 3 pessoas que sofrem de perturbações do espectro do autismo.

Durante este espaço de tempo – fazendo uso da educação pela arte – foram desenvolvidas e trabalhadas formas de expressão e comunicação raramente acessíveis a este tipo de população, possibilitando o desenvolvimento de capacidades pessoais e sociais numa integração em pleno entre o indivíduo e o mundo que o rodeia. Porque o teatro também é uma forma de terapia e educação.


Será que quando morrermos vamos parar a uma estação de comboios?

Três pessoas esperam. Um lugar de vai e vem. Onde começa e acaba a linha? Não existem respostas, apenas perguntas. O que as une então?


Preçário

Preço único_ 3,00€

Duração 30 min.


Música
Dia 1 de Junho’09

10h30


Passeio pelos Intrumentos

Dia Mundial da Criança

Organização: TAGV e Conservatório de Música de Coimbra


Percorrendo os vários espaços que compõem o teatro, as crianças terão a oportunidade de escutar várias formações musicais, tomando assim contacto com os diversos instrumentos.
Faixa Etária: crianças dos 6 aos 15 anos

Entrada Gratuita [mediante marcação prévia] _Lotação limitada

Dia 4 de Junho’09

21h00


Corvos & Banda Sinfónica do Exército

Organização Brigada de Intervenção



Integrado nas Cerimónias Comemorativas da Brigada de Intervenção

Entrada Gratuita

Dia 5 de Junho’09

21h30


Peter Brötzmann Quartet

Jazz ao Centro – Encontros Internacionais de Jazz de Coimbra 2009 – VII Edição

Peter Brötzmann palhetas

Joe McPhee saxofone tenor, trompete

Kent Kessler contrabaixo

Michael Zerang bateria e percussão

Organização Câmara Municipal de Coimbra e JACC


O novo quarteto de Peter Brötzmann é inteiramente retirado do seu Chicago Tentet, e se com este formato já não se pode falar em “massa sonora”, o certo é que as ferramentas utilizadas lidam igualmente com as noções de “intensidade” e “densidade”, de resto imagens de marca do saxofonista e clarinetista alemão. A esse nível, temos aqui uma pequena “big band”, pois com pouco é capaz dos investimentos mais épicos.

Épica, precisamente, é desde sempre a música de Brötzmann. O seu catártico “Machine Gun” surgiu em pleno período de guerrilha urbana na Europa, com especial incidência na Alemanha (Baader-Meinhof) e em Itália (Brigadas Vermelhas). “Fuck the Boere” é um violento libelo contra o sistema de apartheid na África do Sul. “Nipples” e “Balls” representam uma provocadora afirmação da sexualidade. “The Nearer the Bone, the Sweeter the Meet” lembra a condição animal dos seres humanos. Radical, agressiva, por vezes até virulenta, foi esta música que levou à definição do free jazz europeu, e em especial do germânico, como “estética do grito”. Uma forma de protesto sem palavras, expressão de raiva e inconformismo, mas capaz também de alguma ternura e até de lirismo.

Se a matriz deste quarteto é europeia e remonta aos anos 1960 e 70, foi com músicos americanos que Peter Brötzmann o constituiu, em resultado (um de muitos) da sua aceitação na cena “hard” de Chicago desde a década de 1990. A participação de Joe McPhee tem, neste contexto, uma enorme relevância simbólica, dado o seu envolvimento no free jazz original e na luta dos negros pelos direitos civis. Bastante mais jovens do que os homens dos sopros são Kent Kessler e Michael Zerang, este proveniente de uma família de origem iraquiana que viveu mal o período de governação de George W. Bush: ambos ritmistas possantes, têm a característica de saber saltar para fora da pulsação sem que tal signifique a entrega a rendilhados sonoros. Nesse aspecto, são muito diferentes de grande parte dos improvisadores do Velho Continente. É como se o jazz, depois de se ter deslocado dos Estados Unidos para a Europa, tivesse voltado ao ponto de partida.
Preçário

Preço normal_ 7,00€

Preço estudante_ 5,00€

Preço Amigos TAGV_ 3,50€


Dia 6 de Junho’09

21h30


Dag

Jazz ao Centro – Encontros Internacionais de Jazz de Coimbra 2009 – VII Edição

Sophia Domancich piano
Jean Jacques Avenel contrabaixo
Simon Goubert bateria

Organização Câmara Municipal de Coimbra e JACC

Apoio Instituto Franco-Português
O trio de piano jazz faz-nos lembrar imediatamente uma pirâmide, com o piano situado no centro e destacado relativamente à secção rítmica, mas o certo é que com o DAG de Sophia Domancich, Jean-Jacques Avenel e Simon Goubert outras geometrias se vão proporcionando. Seja através de variações inesperadas do modelo estabelecido por Bill Evans para este formato instrumental, como por irreverentes trocas de papéis entre os intervenientes. Independentemente das mutações realizadas, a música é conversacional, reactiva e tensa, com o balanço do “swing” mas maior liberdade do que a encontrada nas práticas jazzísticas com parâmetros rítmicos muito definidos.

A nível estético, Domancich e os seus parceiros situam-se entre o bop (há algo de Thelonious Monk nas sincopações quebradas da pianista e compositora) e o free, mas pressentem-se muitos outros ingredientes, alguns deles derivados da formação clássica da líder e do seu gosto pela música de câmara contemporânea. Virá certamente daí a senda exploratória do projecto DAG, curioso sendo que mesmo nas improvisações se recorra a repetições de motivos. Cada peça tocada é uma desconstrução dos seus elementos, com o fito de juntar estes numa sucessão de novas formas. O cunho é, regra geral, melancólico, mas nunca se subjuga aos estereótipos da balada.

Muito diferencia este grupo da generalidade do jazz francês, seja pelas ligações de Sophia Domancich à cena britânica, na qual partilhou outro trio com Paul Rogers e Tony Levin, como pelo facto de, durante muitos anos, o contrabaixista Jean-Jacques Avenel ter tocado com Steve Lacy e de o baterista Simon Goubert seguir um percurso de colaborações transnacionais que vai de Joachim Kuhn a James Carter, passando por Lee Konitz. Até por esta circunstância estamos perante um caso de bem-vinda singularidade.
Preçário

Preço normal_ 7,00€

Preço estudante_ 5,00€

Preço Amigos TAGV_ 3,50€


Dia 10 de Junho’09

21h30


Mayra Andrade

Tour “Stória, Stória”


Depois do sucesso internacional de “Navega”, o seu o álbum de estreia – Prémio da crítica alemã," Preis der deutschen Schallplattenkritik " para o melhor álbum revelação 2006, Prémio BBC Rádio 3 na categoria de Novo Talento, Prémio Cubadisco Internacional, ambos de 2008 –, aguarda-se agora com expectativa a apresentação do novo trabalho, “Stória, Stória…” Mayra, que no Verão passado esteve em Cabo Verde a recolher material para este novo trabalho, passou os meses de Janeiro e Fevereiro entre S. Paulo, Rio de Janeiro e Paris a gravar com Alê Siqueira, (Produtor de Os Tribalistas ou Marisa Monte). Filha de pais cabo-verdianos, Mayra nasceu em Cuba, viveu pelo mundo e, aos 16 anos, recebeu uma medalha de ouro nos Jogos da Francofonia no Canadá. A partir daí, cantar em palco tornou-se numa rápida escalada de degraus até ao sucesso, obrigando jornais em França e em Portugal a vaticinar-lhe um futuro brilhante que a edição do seu primeiro álbum, “Navega”, não desiludiu.
Preçário

Preço 1ª plateia_ 25,00

Preço 2ª plateia_ 22,00

Preço balcão_ 20,00

Preço Amigos TAGV 1ª plateia_ 12,50€

Preço Amigos TAGV 2ª plateia _ 11,00€

Preço Amigos TAGV balcão_ 10,00€


Dia 18 de Junho’09

21h30


Sementes de um Povo que Canta

Homenagem a Michel Giacometti

Com a participação de Brigada Victor Jara, Diabo a Sete, Quarto Minguante, Realejo


Roncos e Coriscos

Organização Sector Intelectual de Coimbra do PCP



Entrada Gratuita
No início eram as cantigas ouvidas em velhos discos de vinil com capa de serapilheira, um ou outro registo passado para a fita das já desusadas cassetes. A primeira geração de grupos da “recriação” da Música rural conheceu os “seus” sons iniciais nas recolhas de Michel Giacometti. Depois resolveram inventar outros sons para juntar àqueles e marcaram um dia para apresentar as novas cantigas a quem as quisesse ouvir. Já antes, Josés Afonsos e Adrianos Correias de Oliveira tinham ido à cata daqueles testemunhos que, vindos de um tempo antigo, se foram actualizando passando de geração em geração, de boca em boca. Captados no magnetofone de Giacometti, tais cantos e modas de tantas funções passaram a ser sementes. E foi também delas que germinaram os sons que vão subir ao palco do TAGV.
Dia 19 de Junho’09

18h30


Concerto de Final de Ano do Conservatório de Música de Coimbra

Organização Conservatório de Música de Coimbra


Preçário

Preço Conservatório  (bilhetes adquiridos no Conservatório) _ 2,00€

Preço normal (bilhetes adquiridos na bilheteira do TAGV] _  5,00€
Dia 19 de Junho’09

21h30


Concerto de encerramento do Conservatório de Música de Coimbra

Organização Conservatório de Música de Coimbra

Com a participação de Coro Misto, Ensamble de Cordas e Orquestra Clássica e Orquestra de Sopros
Preçário

Preço Conservatório  (bilhetes adquiridos no Conservatório) _ 3,00€

Preço normal (bilhetes adquiridos na bilheteira do TAGV] _  5,00€

Dia 24 de Junho’09

21h30


Tiguana Bibles

Tracy Vandal voz

Victor Torpedo guitarra

Kaló bateria

Pedro Serra contrabaixo

Paul Hofner guitarra
O que acontece quando as peças desgovernadas de várias – e oleadas – locomotivas rock como Bunnyranch, Tédio Boys e Parkinsons chocam de frente com uma voz de veludo como a de Tracy Vandal? Nasce um grupo chamado Tiguana Bibles. Ela é a «voz açucarada» a que Victor Torpedo (guitarra), Carlos «Kaló» Mendes (bateria) e Pedro Serra (contrabaixo) se referem quando recordam o «parto» desta reunião de velhos amigos. Desde os primeiros ensaios ao final das gravações, os quatro músicos, que no mapa-mundo se assinalam entre Coimbra e Londres, encontraram «o som mais fixe» que já haviam criado juntos. O seu EP de estreia Child of the Moon, produzido por Boz Boorer, colaborador e músico de Morrissey, conquista pela forma como combina romantismo negro e quebrado, passo firme e imaginário nítido – o nome da banda é uma adaptação «réptil» das «tijuana bibles», pequenos livros ilustrados e clandestinos, muito populares nos Estados Unidos durante a Grande Depressão. Ao invés da sátira politicamente incorrecta, porém, os Tiguana Bibles preferem pintar quadros de harmonia e integração num som polido que, por cá, encontra vizinhos possíveis nos discos de Sean Riley and the Slowriders ou Unplayable Sofa Guitar.

Preçário

Preço normal_ 7,00€

Preço estudante/sénior_ 5,00€

Preço Amigos TAGV_ 3,50€




Cinema
Dia 8 de Junho’09

21h30


Ciclo «O Outro Sexo»

Dou-te os meus olhos

De Icíar Bollaín [Espanha, 2003, 106', M/12]

Organização Saúde em Português – Projecto financiado pelo Programa Operacional do Potencial Humano e Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género

Mais info em www.ooutrosexo.blogspot.com

Entrada gratuita
Ciclo de cinema composto por 12 filmes, seguidos de debate, a decorrer entre Abril de 2009 e Março de 2010. Este ciclo é integrado no projecto O Outro Sexo, promovido pela Saúde em Português, com o objectivo de alertar para os desequilíbrios estruturais e de poder existentes entre o homem e a mulher e, deste modo, contribuir para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária.
A terceira sessão deste ciclo contará com a exibição de «Dou-te os meus Olhos». Filme sobre a violência doméstica, é a história de uma mulher, Pilar, que, numa noite de Inverno foge de casa, levando o filho e umas quantas coisas. Pilar sabe que o marido vai procurá-la. Ela é tudo para ele, é o seu sol. E ele diz que foi ela que lhe deu os seus olhos. Ao longo do filme, as personagens vão rescrevendo este livro de família no qual está escrito quem é quem e quem deve fazer o quê, mas onde também todos os conceitos estão errados – onde diz lar lê-se inferno, onde diz amor lê-se dor e quem promete protecção só oferece terror.
Após a projecção do filme terá lugar um debate sobre a temática «Igualdade de Género na UE», com Anabela Antunes [formadora em Igualdade de Género].
Dia 15 de Junho’09

21h30


Estreias TAGV

Almoço de 15 de Agosto

De Gianni Di Gregorio [ITA, 2008, 75’, M/12]


Apesar de já ser um homem de meia-idade, Gianni continua a viver com a mãe que lhe trata de tudo o que ele precisa. Mas, mesmo assim, Gianni vai acumulando dívidas. A renda do velho apartamento onde moram no centro de Roma está em falta há meses, assim como o valor do condomínio. E, quando lhe exigem os pagamentos em atraso, ele acaba por pagar de uma forma peculiar: fica a tomar conta da mãe idosa do senhorio no feriado de 15 de Agosto. Porém, uma série de outros imprevistos deixa-o a braços, não com duas, mas com quatro velhas senhoras.
Preçário

Preço normal 4,50€

Preço estudante 3,50€
Dia 20 de Junho’09

11h00-13h00 | 15h00-20h00



Grande Angular

Festival de Jornalismo Televisivo, Grande Reportagem e Documentário

Organização Eye on Life Produções e Duplo Network

Mais info em: www.festivalgrandeangular.com

Entrada Gratuita

O Grande Angular é um Festival de Jornalismo Televisivo que distingue trabalhos de Grande Reportagem e Documentário. Uma iniciativa que pretende dinamizar o mercado independente de produção audiovisual para televisão e divulgar os melhores trabalhos produzidos neste contexto.

Melhor Grande Reportagem, Melhor Documentário, Melhor Produção, Melhor Realização, Melhor Imagem, Melhor Edição, Melhor Captação de Áudio, Melhor Sonorização, Melhor Texto e Melhor Narração, são as categorias a concurso.

O evento promove também o diálogo informal entre especialistas, participantes e público em geral em torno dos vários aspectos que compõem as características e exigências da produção deste tipo de conteúdos televisivos, hoje e no futuro.


Programa:

11h00 – 11h30 Inauguração do Grande Angular

11h30 – 13h00 Exibição de trabalhos e análise crítica

15h00 – 19h00 exibição de trabalhos e análise crítica

19h00 – 20h00 entrega de prémios e encerramento


Literatura
Dia 1 de Junho’09

18h00_ Café-Teatro



Os livros ardem mal

Mensário de actualidade editorial

Convidado Rui Reininho

Com a participação de António Apolinário Lourenço, Catarina Maia, Luís Quintais, Osvaldo Manuel Silvestre, Rui Bebiano e Salomé Coelho

Co-organização TAGV, Centro de Literatura Portuguesa da Universidade de Coimbra

Apoios Campo das Letras, Tinta da China, Fenda Editores, Antígona, Bertrand Editora, Quetzal Editores, Relógio d`Água, Quidnovi, Saída de Emergência, Assírio & Alvim, Edições Afrontamento, Quasi, Edições Asa, Livros Cotovia, Fim de Século, Livros Horizonte, Círculo de Leitores (Temas e Debates), Editorial Caminho, 90º editora, A Esfera dos livros, Editorial Presença, Publicações Europa-América, Alêtheia Editores, Editora Húmus, Esfera do Caos, Instituto de Ciências Sociais, Edições Chimpanzé Intelectual, Gradiva, Planeta Tangerina, Sextante Editora, Cavalo de Ferro, Deriva Edições, Editorial Bizâncio, Edições Texto & Grafia, Edições Guerra & Paz, Bruaá Editora, Edições 70, Edições Almedina, Edições Colibri, Lua de Papel, Estrela Polar, Principia e Quimera Editores

Produção TAGV

Blog http://olamtagv.wordpress.com/

Rui Reininho

Nasceu no Porto, em 1955. Co-fundador do grupo performativo Néon, criou e colaborou nos projectos musicais Espelho e Atitudes e Anar Band (1977). Frequentou o  Curso de Línguas  e Literatura  Modernas da FLUP e, mais tarde, a Escola Superior de Cinema e Teatro de Lisboa, onde concluiu curso (1984). Integra, desde 1981, o colectivo musical Grupo Novo Rock, com quem gravou 14 discos de originais e apresentou mais de um milhar de espectáculos. Enquanto seu membro foi agraciado com a Medalha de Mérito Cultural do Estado Português. Criou música para Teatro e para Cinema e produziu discos de diversos artistas. Desenvolveu trabalho, entre outros, com Mesa e Armando Teixeira (Balla) – com ele criou o hino Allgarve. Editou o livro de poemas Sífilis Vs Bilitis (1982, ed. &Etc.), recentemente reeditado, e Líricas Come On & Anas (2007, ed. Palavra), compilação do melhor da sua obra. Colaborou em antologias, colectâneas poéticas e encontros coloquiais e é autor de diversos textos para exposições e catálogos de artistas plásticos portugueses. Comissionou, para a Porto 2001, o projecto Um Livro, uma Vida. Trabalhou como tradutor, intérprete e actor e tem colaborado com diversos órgãos de comunicação social. O ano passado editou o disco Companhia das Índias (Sony/Bmg). É membro da Confraria das Tripas do Porto.



Dia 16 de Junho’09

18h00_ Café-Teatro



Vasco Lourenço – do Interior da Revolução

Entrevista de Maria Manuela Cruzeiro

Apresentação da obra, a cargo de General Pezarat Correia, Manuela Cruzeiro e Vasco Lourenço

Edição Âncora editora


Vasco Lourenço do Interior da Revolução é um trabalho elaborado a partir de uma longa entrevista realizada, entre 1992 e 1995 para o Projecto de História Oral do Centro de Documentação 25 de Abril da Universidade de Coimbra, o qual visa a recolha, preservação e divulgação de testemunhos directos da Revolução de 1974 e seu processo subsequente. Contando já com centenas de horas de gravação e dezenas de entrevistados, o Espolio Oral do Centro de Documentação 25 de Abril constitui-se como fonte única de informação inédita sobre o processo político-militar de 1974 a 1976, contribuindo para a construção de uma memória diversificada e até conflitual, mas justamente por isso mais próxima do real vivido.

Exposições
De 3 a 6 de Junho’09

10h00-01h00_ Sala Branca



Retrospectiva Jazz ao Centro 2008

Jazz ao Centro – Encontros Internacionais de Jazz de Coimbra 2009 – VII Edição

De Hélio Gomes

Organização Câmara Municipal de Coimbra e JACC
De 6 a 28 de Junho’09

10h00-01h00_ Café-Teatro



Espelho meu

História do Rock Português em 39 pinturas, por Sardine&Tobleroni

Comissário Paulo Lima

Inauguração dia 6 de Junho, pelas 18h, com uma sessão DJ temática da responsabilidade de José Braga.

Nota: A exposição tem extensões no Restaurante-Bar República do Kirsch e na Almedina Estádio


Espelho Meu – História do Rock Português em 39 Pinturas é a última criação da dupla de artistas plásticos Sardine & Tobleroni que resolveu representar 39 artistas, bandas e figuras importantes da história do rock em Portugal (em óleo, acrílico, técnica mista, etc).

Radicados em Londres, os dois criadores são o suíço Jay Rechsteine (Tobleroni) e Víctor Torpedo (Sardine).

Entre os representados estão: 77, António Sérgio, António Variações, Aqui del Rock, Ban, Baton Rouge, Bunnyranch, Cães Vadios, Cameraman Metalico, Capitão Fantasma, Censurados, Conjunto Mistério, Corpo Diplomático, Crise Total, d3ö, Delfins, É Mas Foice, Filipe Mendrix, GNR, Heróis do Mar, Joaquim Costa, Legendary Tigerman, Mão Morta, Mata Ratos, Mler if Dada, Moonspell, Peste e Sida, Pop Dell’Arte, Quarteto 1111, Rádio Macau, Rui Veloso, Sheiks, Street Kids, Tédio Boys, Telectu, UHF, Victor Gomes, JP Simões e Xutos e Pontapés.

Workshop
Junho e Julho´09

Corpus Lab

Laboratórios de Dança contemporânea

Formadora Vânia Gala
Corpus Lab pretende contribuir para o desenvolvimento dos conhecimentos técnicos na área da dança contemporânea de uma forma regular. O projecto, como conceito e nos moldes a que se propõe, tenta proporcionar semanalmente essa necessidade de aprendizagem. Será um treino semanal para todos aqueles que se interessam pelas artes do corpo.

O que se propõe com este projecto é chegar a níveis de exigência e rigor, no que toca a formas de movimentação e de técnicas específicas de trabalho do corpo, com a finalidade precisa e prática de serem trabalhados e incluídos no final de cada mês num trabalho mais intensivo e também de cariz performativo a desenvolver nas sessões da Semana[d]ança



Calendarização:

Laboratório 1

Dias 10, 17 e 24 de Junho´09

20:00-21:30 Aula Técnica Contemporânea


Laboratório 2

Dias 1, 8, 15, 22 e 29 de Julho´09

20:00-21:30 Aula Técnica Contemporânea


Preçário

Cada laboratório, constituído por quatro sessões, tem o preço de 35,00€



Teatro Académico de Gil Vicente

Teatro Académico de Gil Vicente

Praça da República

3000-343 Coimbra

Telefone: +351 239 855630

Fax: +351 239 855637

E-mail: teatro@tagv.uc.pt



http://www.uc.pt/tagv

Blog: http://blogtagv.blogspot.com



Bilheteira

Informações e reservas

Horário 17h00-22h00

Telefone +351 239 855 636

Lotação da Sala _ 770 lugares



Recepção

Atendimento ao Público

Horário


seg a dom _ 09h30-01h00

Telefone +351 239 855 630


Café-Teatro

Horário


Seg a Dom _ 10h00-01h00
Serviço de Bar

Esplanada no Terraço

Difusão diária de registos musicais

Apoios: Discoteca Almedina

Artefólio

Livraria de Bolso

Espaço de venda

Foyers
O TAGV na Rádio Universidade de Coimbra

RUC 107.9 FM

Programa Culturama



Horário

seg a sex _ 16h00-17h00


Praça de Táxis e trolley-bus nas proximidades

Acessibilidade para deficientes

Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal