Teatro Na Escola : uma experiência de integração com diversas linguagens



Baixar 41.59 Kb.
Encontro17.03.2018
Tamanho41.59 Kb.

TEATRO NA ESCOLA : UMA EXPERIÊNCIA DE INTEGRAÇÃO COM DIVERSAS LINGUAGENS.


Genimari Diomar Zambelli - Escola Municipal Francisco Ortega1


Resumo
O relato que apresento trata-se de um resumo sobre minha experiência teatral junto aos alunos e professores. Partindo do princípio que na Educação Infantil é necessário um trabalho com diversas linguagens oferecendo à criança oportunidades de experimentação, principalmente no campo das emoções, sugiro o teatro na escola como instrumento de educação que utiliza ecleticamente diversas áreas do conhecimento desenvolvendo a compreensão da natureza da experiência, fazendo a relação entre fantasia e realidade. A integração é parte importante nesse relato pois no processo de aprendizagem a socialização tem papel extremamente relevante e aqui ela é desenvolvida de maneira lúdica por alunos e professores, respeitando o interesse e o tempo de desenvolvimento de cada aluno integrando e incluindo todos numa única peça teatral onde a criança experimenta seu ser inteiro, sem sofrer comparações ou qualificações.

Introdução

Partindo do princípio que na Educação Infantil é necessário um trabalho com diversas linguagens oferecendo à criança oportunidades de experimentação2, principalmente no campo das emoções, introduzimos o teatro na escola como instrumento de educação que utiliza ecleticamente diversas áreas do conhecimento, desenvolvendo a compreensão da natureza da experiência, fazendo a relação entre fantasia e realidade. A integração e conscientização são partes importantes nesse projeto, pois no processo de aprendizagem a socialização tem papel extremamente relevante e aqui, ela é desenvolvida de maneira lúdica por alunos e professores, respeitando o interesse e o tempo de desenvolvimento de cada aluno, integrando e incluindo todos numa única peça teatral onde a criança experimenta seu ser inteiro, sem sofrer comparações ou qualificações.

Objetivos Gerais




* Desenvolver o sentido do rítmo e do espaço e compreender a necessidade de dominar o corpo e seus movimentos;


* Fortalecer a auto confiança superando bloqqueios e inseguranças;

* Perceber, valorizar e apreciar a diversidade natural e socio-cultural, adotando posturas de respeito aos diferentes aspectos relacionados a gênero e etnia

* Identificar-se como parte integrante da sociedade, percebendo os processos pessoais como elementos fundamentais para uma atuação criativa, responsável e respeitosa em relação ao seu meio.

Objetivos Específicos





  • trabalhar a linguagem em suas formas de manifestação, permitindo que a criança utilize as diferentes formas de linguagem da sociedade (corporal, verbal, plástica, escrita, etc.) de forma a expressar suas próprias vivências e experiências de maneira crítica, levando a criança a analisar e avaliar o resultado de suas ações.

  • Oportunizar a criança a construção de seu conhecimento desenvolvendo todas as suas potencialidades num processo natural e gradativo, dentro de seu próprio ritmo, condições cognitivas e de forma prazerosa.

  • Propiciar lazer e recreação incluindo a mídia como um meio para diversão e instrução.

  • Oportunizar a criança a construção de conceitos sobre classificação; seriação, qualificação, seqüência através de jogos, brincadeiras diversas onde ela enumere e participe da resolução de problemas de forma autônoma, levantando hipóteses, processos utilizados e resultados encontrados.

  • Formação dos cidadãos (críticos, participativos do processo social e conscientes de seus direitos e deveres na sociedade com base no respeito mútuo).

  • Promover autonomia com base no respeito as individualidades, tendo como princípio o contexto sócio – cultural - étnico e econômico das crianças valorizando o saberes que trazem para a escola.

  • Brincar desenvolvendo de maneira lúdica e integral cada etapa do processo de aprendizagem considerando as capacidades de sua faixa etária.

Conteúdos

Os conteúdos comuns a todos os blocos são:



  • Participação em diferentes atividades envolvendo a observação e a pesquisa sobre a ação de luz, calor, força, som e movimentos;

  • Percepção de estruturas rítmicas para expressar-se corporalmente por meio da dança, brincadeiras e outros movimentos;

  • Valorização e ampliação das atividades estéticas do movimento pelo conhecimento e utilização de diferentes modalidades de dança;

  • Participação em atividades que envolvam movimentos variados, dança e ritmo para ampliar gradualmente o conhecimento e controle sobre o corpo;

  • Reconhecimento e utilização expressiva de repertório de canções para desenvolver a memória musical e rítmica;

  • Escuta de obras musicais de diversos gêneros e estilos da produção brasileira e o reconhecimento de elementos musicais básicos: frases, partes, elementos que se repetem, etc.;

  • Criação de desenhos pinturas colagens, modelagens a partir dos estudos de meio e pesquisas;

  • participação em atividades que envolvam processo de confecção de objetos de papel, brinquedos de sucata, etc;

  • participação em situações que envolvam a necessidade de explicar e argumentar suas idéias e pontos de vista, relatando experiências vividas em seqüência temporal e causal.


Procedimentos metodológicos
A criança ao iniciar a Educação infantil está na idade de vivenciar o processo de socialização e estabelecer amizades. O teatro na escola oferece um alternativa de ensino, seja como processo para o desenvolvimento das atividades do currículo, seja como oficina de apoio das atividades curriculares.

O trabalho é dividido em etapas:



  • integração dos grupos/classes através de jogos e brincadeiras, músicas de conhecimento comum para que todos sintam-se desinibidos. Não há um tempo previsto, portanto é uma etapa constante durante o desenvolvimento do trabalho.

  • Escolha da história. O arte-educador utiliza a arte de contar histórias para apresentar diversos contos no intuito de as crianças juntamente com os professores escolham a história que mais se adapta ao grupo.

  • Jogos com música para a dança e desenvolvimento da expressão corporal, da audição e ritmo. A partir de diversas músicas para escolha do possível repertório a ser utilizado.

  • Desenvolvimento dos jogos: cada jogo define uma partícula da peça que fora escolhida pelos envolvidos e que será apresentada futuramente. Mediante os resultados obtidos nos jogos, os próprios alunos definem quem e quais papéis são capazes de representar. A escolha é feita de forma democrática pelos alunos com auxílio dos professores e do arte-educador.

  • Trabalho individual e em grupo para a definição de disposições, sem discriminações ou imposições , respeitando o limite e o potencial de cada um.

  • A partir daí iniciam-se os ensaios de fala, coreografias etc.

É importante ressaltar que este trabalho requer uma integração plena entre alunos, professores e funcionários da instituição , além de pais e comunidade, pois o desenvolvimento depende da participação de todos, cada um em seu segmento, para que ocorra a interdisciplinaridade no processo ensino-aprendizagem3




  • Planejamento de cenários, fantasias, adereços, entre outros . Nessa etapa, são desenvolvidas oficinas entre alunos, pais, professores e afins para que sejam confeccionadas todo o material a ser utilizado.




  • Rodas da Conversa

  • Pesquisas

  • Visitas à comunidade

  • Observação do meio

  • Cartazes

  • Palestras com os pais sobre a importância do teatro no desenvolvimento social da criança

  • Confecção de livros referente ao tema

  • Confecção do livro com a história da peça

  • Teatro da história

  • Confecção das fantasias para a apresentação da peça

  • Músicas com conteúdo relacionadas ao tema escolhido

  • Linguagens cênicas: discurso falado e escrito, expressão corporal ( gesto e movimento), as expressões plásticas, visuais e sonoras na elaboração da peça teatral

  • Produção de vídeo e CD

  • Fotos

  • Painel

  • Participação dos professores em Simpósios e Seminários

- Oficina com Pais

  • Mostra Cultural com trabalhos realizados pelos alunos



Avaliação
O processo de avaliação foi contínuo sendo observado pelos professores, alunos, pais e comunidade o entrosamento e o envolvimento entre os grupos/classe, o senso de solidariedade, a criatividade, a autonomia, o respeito aos combinados, a criticidade, o senso democrático, a atuação dos alunos como agentes transformadores do meio que está inserido, verificando se transportaram da fantasia para sua realidade, aquilo que aprenderam durante o processo.

A avaliação pode ser feita de forma sistemática pelos:



  • professores: através da observação e do registro, reunião com pais, atividades confeccionadas pelos alunos.

  • Alunos: através de produções de atividades relacionadas ao tema

  • Pais/Comunidade: através do envolvimento dos pais com relação a horários de ensaio, presença e divulgação das apresentações, reuniões, participação em oficinas e palestras realizadas na Unidade Escolar

  • Resultados: mostras culturais, fotos, vídeos e produção do CD da peça teatral e sua apresentação .


Trabalho Executado / Considerações finais


- Peça Teatral “ Um Mais Um , Não é Um Só!”.

Os alunos da Fase III e II ( 5 e 6 anos) da Escola Municipal Francisco Ortega, Participaram desse projeto “Teatro na Escola” com a peça citada que mostra a importância da preservação do meio ambiente. Após realizar todo o processo descrito anteriormente na metodologia, fizeram Várias apresentações culminando com uma participação na Semana do Meio Ambiente, apresentando a peça no Teatro Municipal de Mauá .


Tema / Trilha Sonora / Produção

O diálogo entre os personagens visa a preocupação com a preservação da natureza e principalmente com a conscientização das pessoas sobre importância de economizar água, não jogar lixo no rio, quanto a higiene pessoal entre outros temas que englobam a preservação como um todo e que foram trabalhados neste início do ano de 2003 com cento e cinquenta crianças, enfocando a necessidade da união de todos para um mundo melhor. Daí o título da peça ser “ Um mais um, não é um só!”

Apesar do trabalho Ter sido desenvolvido com um número grande de crianças, foi possível realizá-lo pois dividimos em cinco grupos estabelecidos por eles próprios representados por quatro animais e um coral . As professoras estipularam os animais de acordo com estudos e pesquisas realizadas juntamente com os alunos referentes a animais em extinção e preservação do meio ambiente.
* Os grupos poderiam ser separados por intenção ou por grupos/classe
....Trilha Sonora........

As músicas foram escolhidas de acordo com os diálogos e com aquilo que era necessário passar de mensagem no momento da apresentação. Para isso, foi feita uma seleção dentre algumas músicas trazidas pelas

Professoras e alunos. No entanto, três das oito músicas são inéditas e de autoria da cantora Val Zambelli que nos auxiliou para completarmos a trilha sonora da peça. As outras músicas são de compositores e intérpretes conhecidos e fáceis de serem encontradas.

As músicas que se referem aos animais descrevem algumas características do animal e são utilizadas na peça para apresentar cada personagem durante a apresentação. As outras referem-se a união de todos e a preservação colocando a criança como o milagre da vida e desencadeador da transformação do meio.

A música Bandeira da Mata - composição de Val Zambelli - inicia e finda a peça. Trata da preservação da mata brasileira relacionando-a com as cores da Bandeira Nacional citando ainda a influência do carnaval e do futebol no Brasil principalmente nesse ano em que a copa obteve grande repercussão.

Fantasias / Cenário


As fantasias foram determinadas pelas professoras no entanto , cada aluno confeccionou sua fantasia com ajuda dos colegas, dos pais ou da professora, em oficinas promovidas pela Unidade Escolar.

O cenário foi idealizado e confeccionado pelo arte-educador com ajuda da comunidade, e neste caso, patrocínio da agência de marketing e comunicação AD Signs, com a doação de um baner que mostra uma paisagem da ‘Gruta de Santa Luzia’ localizada em Mauá e que foi visitada pelos alunos.



Escolha dos Personagens


Considerando que havia quatro personagens na história e um coral, ficou fácil para determinarmos um personagem para cada grupo além dos componentes do coral. No entanto, os alunos decidiram quem seria o personagem principal através de escolha democrática onde primeiramente tirou-se do grupo quem gostaria de ser.

Depois os alunos restantes escolheram dentre os candidatos aquele que eles queriam . Um outro impasse era escolher quem iria ficar no coral. Durante os primeiros ensaios, as crianças faziam fila para estar no coral. Após alguns ensaios, começaram a desistir ficando apenas aqueles que realmente queriam e que gostavam de ser do coral. É importante ressaltar que durante os primeiros ensaios, alguns meninos participaram do coral, no entanto desistiram e acabamos apresentando um coral feminino, pois os meninos se recusaram a participar do coral.



Produção do CD


A produção do CD foi feita num estúdio de gravação com antecedência para que os alunos pudessem ensaiar, e gravar todo o texto . Durante a apresentação , por ser mais adequado, foi utilizado o play back
BIBLIOGRAFIA
AGUIAR, Sandra e DADALTO, Cristina. A ilha das andorinhas. Caminhos da Terra. São Paulo: Azul, ano 5, nº 9, setembro/1996.

ALVES, Rubem. O medo da sementinha. São Paulo: Paulinas, 1987.

BEZERRA, Ivone Amancio e COSTA, Maria de Fátima. Meio ambiente: uma proposta para a Educação. Vitória: Gráfica Rios, 1991.

BOSSU, Henri e CHALANGUIER, Claude. A Expressão Corporal Método e Prática. S.Paulo: Difel ,1975

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil, V. 3, Brasília: MEC/SEF, 1998.

CADERNOS DE CULTURA E EDUCAÇÃO. ano 3, nº 9, julho e agosto/2001. São Paulo: Capesp, 2001.

CURRIE, Karen. Meio Ambiente: interdisciplinaridade na prática. São Paulo: Papirus, 1998.

GOMEZ, A . I. Pérez. “As Funções Sociais da Escola” in: Compreender e transformar o Ensino. Porto Alegre: Artes Medicas, 1998

MACHADO, Marieta Lúcia. A educação pré-escolar. São Paulo: Ática, 1996.

NOVELLY, Maria C. Jogos teatrais: exercícios para grupos e sala de aula. São Paulo, Papirus, 1994.

PORTO, Maria do Rosário Silveira. “Função Social da Escola” in: FISCHMANN, Roseli. Escola Brasileira: tema e estudos. São Paulo: Atlas, 1987

REVERBEL, Olga. Um Caminho para o Teatro na Escola.São Paulo: Scipione, 1989

SIMÃO e COFF, Adélia M. N. e PEREIRA, Ely S. de Azevedo. Discutindo a preservação da vida: Educação Ambiental. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1989.

ZOBOLI, Graziela. Práticas de ensino. São Paulo: Ática, 1986.




1 Av. Dom Pedro I, nº 248 – Silveira – Santo André – SP CEP 09110-000 e-mail: valzambelli@uol.com.br

2 ZOBOLI, Graziela. Práticas de ensino. Sâo Paulo, Ática,1993

3 REVERBEL, Olga. Um caminho para o Teatro na Escola. S.Paulo-Scipione, 1989



Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal