Tema Nome aluno Trabalho Escrito



Baixar 253.88 Kb.
Encontro24.12.2017
Tamanho253.88 Kb.


Tema

Nome aluno

Trabalho Escrito

Apresentação Oral

Data Apresentação

Nota





























































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































TRABALHO
Escolher um tema que se paute pelos critérios abaixo referidos e analisá-lo num suporte (publicidade, fotografia, filme, etc.), através de uma ou mais metodologias no âmbito da Semiologia. Na análise à temática e redacção do trabalho, ter em consideração a bibliografia de referência da cadeira. Os alunos podem recorrer a suportes criados por si.
Critérios para escolha do tema e suporte(s):

  • actualidade;

  • significado social;

  • interesse para a área científica (Ciências da Comunicação);

  • originalidade;

  • criatividade.


Critérios de avaliação do trabalho:

  • Pertinência;

  • Interesse para a área científica;

  • Adequação da metodologia;

  • Completude da análise;

  • Originalidade;

  • Correcção ortográfica;

  • Estrutura;

  • Resultados / conclusões.


Apresentação do projecto:

- Temática;

- Justificação da temática;

- Objectivos;

- Metodologia.




TEMAS
Temas Propostos para Ciências da Comunicação:


  • A Construção de Portugal como Marca;

  • A felicidade na publicidade;

  • A Imagem de Barack Obama na Imprensa Portuguesa, Barack Obama nas primeiras páginas de jornais portugueses;

  • A imagem de Portugal no cinema;

  • A Imagem do Governo de Sócrates na Imprensa Portuguesa (ou nos Media Portugueses): Estudo de primeiras páginas dos Jornais;

  • A imagem dos EUA no cinema;

  • A linguagem do cinema mudo;

  • A mulher na publicidade ao longo do tempo;

  • A Publicidade como Reveladora da Identidade de uma Instituição;

  • Análise a Cartazes de Filmes;

  • Análise a trailers;

  • As Eleições Presidenciais Brasileiras de 2010. Um Estudo sobre a Construção da Imagem do Candidato;

  • Banda Desenhada e Construção de Histórias e Imagens;

  • Cartazes de campanhas eleitorais (presidenciais, legislativas, autárquicas, etc.);

  • Cartoons como Relevação da Crítica e Problemas Sociais;

  • Cartoons políticos;

  • Cartoons sociais;

  • Cinema do Século XXI e a Construção de Imagens. Escolha de um filme para análise ou estudo de um tema em filmes, ou estudo de filmes do mesmo realizador;

  • Cinema e Construção de Imagens. Um Estudo de Caso ou Comparação de Casos;

  • Comparação da publicidade, tendo em conta o produto (perfume, carro, artigos de luxo, etc.), ou o público-alvo a que se destina (faixa etária; género; nacionalidade, etc.);

  • Estudo da personagem Shrek;

  • Estudo da propaganda de Hitler;

  • Estudo da propaganda de Salazar;

  • Estudo de anúncios censurados;

  • Estudo de campanhas de prevenção (de doenças, rodoviária, etc.);

  • Estudo de capas de livros;

  • Estudo de postais regionais;

  • Estudo de selos;

  • Estudo de temas na pintura, como a crítica social, acontecimentos históricos, sentimentos, súplica, mitologia, motivos religiosos, etc.;

  • Estudo dos Simpsons;

  • Estudos dos melhores anúncios publicitários;

  • Fotojornalismo das convulsões sociais no Egipto, na Tunísia, na Líbia;

  • Fotojornalismo de guerra;

  • Fotojornalismo e Imagem(ns) do Século XXI;

  • O amor na publicidade / cinema;

  • O Conceito de herói e anti-herói no Cinema do Século XXI (ou em algum realizador);

  • Publicidade dirigida a crianças;

  • Publicidade masculina;

  • Turismo de Portugal, Campanhas;

  • (...)



Temas Propostos para Serviço Social:

  • A abordagem do desenvolvimento cognitivo no cinema;

  • A delinquência na publicidade / cinema;

  • A emigração / integração social no cinema;

  • A infância na publicidade /cinema;

  • A pobreza na publicidade / cinema;

  • A violência doméstica na publicidade / cinema;

  • Alcoolismo;

  • Conflitos intergeracionais;

  • Crianças em risco;

  • Cuidados Paliativos;

  • Discriminação / preconceito / estigma;

  • Doenças terminais;

  • Família;

  • Formação de gangues;

  • Gerontologia;

  • Homossexualidade;

  • Indivíduos portadores de deficiência;

  • O Desenvolvimento comunitário no cinema;

  • Relações amorosas;

  • (...)

- Arte-Terapia: um desafio na educação

- Arte-Terapia com crianças e adolescentes

- Arte-Terapia e desenvolvimento pessoal

- Arte, saúde e inclusão social

- Expressão musical e artes plásticas.

- Expressão corporal e técnicas de visualização criativa.

- Expressão plástica: colagem e fotografia.



Metodologias:


  • Denotação / Conotação (Roland Barthes, Elementos de Semiologia; Pierre Guiraud, A Semiologia);







  • Mensagem Visual (Mensagem plástica; mensagem icónica e mensagem linguística) de Martine Joly, Introdução à Análise da Imagem;




  • Descrição (Técnica, Estilística; Temática); Estudo do Contexto (Contexto a Montante; Contexto a Jusante); Interpretação (Significações iniciais, significações posteriores; balanço e apreciação pessoais) de Laurent Gervereau, Ver, Compreender, Analisar as Imagens;




  • Níveis de Interpretação (Martine Joly, A Imagem e a sua Interpretação, pp. 98-101);




  • Funções da Linguagem (Roman Jakobson, ver: Pierre Guiraud, A Semiologia);




  • Modelo Actancial (Greimas; Joseph Courtés);




  • Identificação de três tipos de códigos / signos de Pierre Guiraud (A Semiologia);




  • rimeiridade; secundidade; terceiridade (Peirce, “Sobre uma Nova Lista de Categorias”);




  • Análise semiótica peirciana, em Semiótica Aplicada (Lúcia Santaella): qualitativo-icónico; singular-indicativo e convencional-simbólico;




  • FOTOGRAFIA:

  • Studium / Punctum (Roland Barthes (2008), A Câmara Clara – Nota sobre a Fotografia);

  • Níveis (Jorge Pedro Sousa, Fotojornalismo Performativo):

(1)    Nível instintivo: onde existe uma aceitação ou uma rejeição da imagem, consoante alguns dos seus pormenores, como a cor, o contraste ou a forma… O apelo é dirigido à emoção, se houver mobilização de atenção e, por conseguinte, do canal perceptivo visão, o observador passa ao seguinte nível de leitura.

(2)    Nível descritivo-denotativo: o tempo de leitura é diferenciado. É menor quanto menor for a polissemia da imagem. Corresponde à leitura da imagem. Existe um apelo à percepção e a outros mecanismos internos consoante a correlação dinâmica estabelecida entre o objecto de conhecimento, a fotografia, e o sujeito. Esta é a parte mais “objectiva” da leitura. Na leitura da imagem, o observador deve enumerar e descrever cada um dos elementos componentes da imagem, tentando não impor valorações.



(3)     Nível simbólico-interpretativo-conotativo: marcadamente subjectivo, este nível de leitura é simbólico, pois não se expressa materialmente a não ser em função das coordenadas que possibilitam a integração da mensagem, é o mais dependente da experiência, das expectativas e do concreto envolvimento do sujeito no processo de comunicação através da fotografia. O observador vai analisar os elementos que foram lidos no anterior nível. A valoração da imagem relativamente ao significado acaba por formar uma segunda mensagem, que até poderá estar em contradição com aquilo que se observa.

  • ANÁLISE DE BANDA DESENHADA:

  • Steve Edgell ; BROOKS, Brad! Brooks; Tim Pilcher);

  • ANÁLISE FÍLMICA:

  • Francis Vanoye e Anne Goliot-Lété, Ensaio sobre a Análise Fílmica:

  • Efectua-se em duas fases:

  • (1) analisar um filme ou um fragmento é, antes de mais nada, no sentido científico do termo, assim como se analisa, por exemplo, a composição química da água, decompô-lo nos seus elementos constitutivos. É despedaçar, descosturar, desunir, extrair, separar, destacar e denominar materiais que não se percebem isoladamente “a olho nu”. Parte-se, portanto, do texto fílmico para “desconstruí-lo” e obter um conjunto de elementos distintos do próprio filme. Através desta etapa, o analista adquire um certo distanciamento do filme. Essa desconstrução pode naturalmente ser mais ou menos aprofundada, mais ou menos selectiva segundo os desígnios da análise.

  • (2) estabelecer elos entre esses elementos isolados, compreender como estes se associam e se tornam cúmplices para fazer surgir um todo significante: reconstruir o filme ou o fragmento.

  • É uma “criação” totalmente assumida pelo analista, é uma espécie de ficção, enquanto a realização continua sendo uma realidade.

  • O analista traz algo ao filme; pela sua actividade, à sua maneira, faz com que o filme exista.

  • “na química, quebra-se um fragmento de matéria para se chegar a uma molécula e, daí, aos seus átomos, e destes átomos aos seus electrões, neutrões e protões... Mas e, quanto à análise de filmes? Segundo os autores, podemos proceder da mesma maneira e, portanto, já intuímos que podemos começar o trabalho “quebrando” o filme na suas “partes constituintes”: as sequências, as cenas, os planos, os elementos dos planos, a banda sonora, etc.

  • As partes isoladas necessariamente terão que ser articuladas com as outras partes da obra; afinal, é a totalidade, o conjunto, o fluxo da obra que nos toma e arrebata.

  • Três posições:
    (1) o sentido do autor, do seu projecto, das suas intenções: analisar um texto é, portanto, reconstruir o que o autor quer dizer;

  • (2) o sentido do texto: este apresenta uma coerência interna, não necessariamente conforme às intenções explícitas do seu autor;

  • (3) o sentido do leitor, do analista: é ele que descobre no texto significações que se referem ao seus próprios sistemas de compreensão, valores e afectos.



  • Christian Metz, Linguagem e Cinema:

  • (2 análises):

  • (1) o analista de filmes interessa-se em observar, estudar e investigar como se apresenta, em diversos filmes, um certo tipo de código cinematográfico. Este código é um determinado procedimento técnico traduzível numa configuração imagética no filme.




  • (2) análise fílmica: o filme é tomado na sua totalidade e não somente no seu código cinematográfico. Os elementos (códigos) não especificamente cinematográficos (figurinos, interpretação dos actores, cenários, etc.) não são menos importantes do que os cinematográficos (movimentos de câmara, decupagem, figuras de transição entre as cenas, montagem, etc.). O filme é visto como uma realização única, enquanto distintivo comparativamente a qualquer outro filme e mesmo outro produto cultural. O sistema a que se intenta chegar é a estrutura do seu texto.




  • O texto é aquilo que consiste num desenvolvimento manifesto, num objecto concreto, que preexiste à intervenção do analista, é aquilo que precisa ser compreendido. O sistema (do filme), aquilo que o analista procura encontrar e que é sempre uma construção sua, é um objecto ideal construído pela análise. O sistema não tem existência material, nada mais é que uma lógica, um princípio de coerência, é a inteligibilidade do texto: o que é preciso supor para que o texto seja compreensível (Metz, Christian).



  • Roland Barthes, “A Morte do Autor: Da obra ao Texto”:

  • Diferencia a obra do texto: a obra é um fragmento de substância, ocupa alguma porção do espaço dos livros, enquanto que o texto é um campo metodológico. A obra pode ser vista (nas livrarias), enquanto que o texto demonstra-se; a obra segura-se na mão, o texto mantém-se na linguagem.




  • A visão de Barthes sobre a obra aproxima-se da de Metz sobre o texto: quer dizer, em ambos trata-se de algo material, palpável, concreto e de existência prévia à intervenção do analista.

  • Por outro lado, chamar o texto de “campo metodológico”, no caso de Barthes, explicita uma atitude de intervenção na obra, segundo um programa pré-definido, uma determinada maneira de olhar e tratar o filme.




  • TEXTO (Roland Barthes):

  • Também nos evoca a construção daquilo a que Metz designa de “sistema do filme”, aquilo que o analista procura construir para a obra, a sua lógica interna.

  • Novamente, em ambos os casos, o sistema (para Metz) e o texto (para Barthes) devem ser demonstrados e justificados.

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS
I – Estudo introdutório de conceitos e terminologia de base nas áreas da Linguística e da Teoria da Comunicação.

  1. Breve história da Semiologia. Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes. Semiologia e semióticas.

  2. Signo linguístico. Arbitrariedade e/ou motivação. Onomatopeias e exclamações. Linearidade dos significantes. Mutabilidade e imutabibilidade.

  3. Língua e Fala. Esquemas propostos por Chomsky, Coseriu e Hjelmslev. Norma e desvio. Aplicações práticas.

  4. Paradigma e Sintagma.

  5. Esquemas de comunicação segundo Bühler e R. Jakobson. Funções da linguagem.

  6. Noções de Sema: sema nuclear e sema contextual ou classema. Núcleo sémico.

  7. Modelo Actancial.


II – Semiologia, Linguagens, Códigos e Metodologias de (Des)Codificação de Sentido(s)

  1. Códigos Lógicos, Códigos Estéticos e Códigos Sociais

  2. Linguagem Gestual

  3. Linguagem Musical

  4. Linguagens Visuais

  1. Pintura

  2. Publicidade

  3. Fotografia

  4. Cinema

  5. Banda Desenhada

  1. Semiótica do Discurso Político.



BIBLIOGRAFIA

Livros

AUMONT, Jacques; MARIE, Michel (2009), A Análise do Filme, Lisboa, Edições Texto & Grafia.

BARTHES, Roland (1988), “A morte do autor: da obra ao texto”, in O Rumor da Língua, trad. Mário Laranjeira, São Paulo, Brasiliense.

BARTHES, Roland (1989), Elementos de Semiologia, Lisboa, Edições 70.

BARTHES, Roland (2008), A Câmara Clara – Nota sobre a fotografia, Lisboa, Edições 70.

BERGER, John (2005), Modos de ver, Amadora, Gustavo Gili.


BRYSON, Norman et al. (1994), Visual Cuture – Images and Interpretations, Middletown, Connecticut, Wesleyan University Press.

CÂMARA, João Bettencourt da (1995), Sassure, Chess and Time: the role of an analogy in a scientific revolution, Lisboa, ISCSP.

CARVALHO, José G. Herculano de (1967), Teoria da Linguagem: natureza do fenómeno linguístico e a análise das línguas, Tomo I, Coimbra, Atlântida.

COURTÉS, J. (1979), Introdução à Semiótica Narrativa e Discursiva, Coimbra, Livraria Almedina.

ECO, Umberto (1990), O Signo, Lisboa, Editorial Presença.

ECO, Umberto et al. (1989), Psicologia do vestir, Lisboa, Assírio & Alvim.

ECO, Umberto (2009), Tratado Geral de Semiótica, São Paulo, Perspectiva.

EDGELL, Steve; BROOKS, Brad!; PILCHER, Tim (2001), Curso Completo de Banda Desenhada – Princípios, Práticas e Técnicas: Guia Fundamental para Banda Desenhada, Lisboa, Dinalivro.

FLUSSER, Vilém (1998), Ensaio sobre a Fotografia, Lisboa, Relógio D’Água.
FOUCAULT, Michel (1997), A Ordem do Discurso, Lisboa, Relógio D´Água.

FOUCAULT, Michel (2005), As Palavras e as Coisas, Lisboa, Edições 70.


FOWLER, Roger (1991), Language in the News, London, Routledge.
GERVEREAU, Laurent (2007), Ver, Compreender, Analisar as Imagens, Lisboa, Edições 70.

GREIMAS, A. J. (1995), Sémantique structuralle: recherche de méthode, Paris, PUF.

GUIRAUD, Pierre (1999), A Semiologia, Lisboa, Editorial Presença.
HALL, Stuart, et al. (1986), Culture, Media, Language, London, Center for Contemporary Studies.

JAKOBSON, Roman (2003), Essais de Linguistique Générale, Paris, Éditions de Minuit.


JOLY, Martine (2003), A Imagem e a Sua Interpretação, Lisboa, Edições 70.

JOLY, Martine (2005), A Imagem e os Signos, Lisboa, Edições 70.


JOLY, Martine (2008), Introdução à Análise da Imagem, Lisboa, Edições 70.

KOWZAN, Tadeus (1992), Sémiologie du Théâtre, Paris : Nathan (Université).

KRISTEVA, Julia (1974), “Semiótica”, in História da Linguagem, Lisboa, Edições 70.

MARTINET, Jeanne (1976), Chaves para a Semiologia, Lisboa, Publicações Dom Quixote.

METZ, Christian (1988), Linguagem e Cinema, Perspectiva.

MOUILLARD, Maurice e PORTO, Sérgio Dayrell (org.), (2002), O Jornal. Da forma ao sentido, Brasília, Editora UNB.

PANOFSKY, Erwin (1989), O Significado nas Artes Visuais, Lisboa, Editorial Presença.
PEDRO, Emília Ribeiro (org.) (1997), Análise Crítica do Discurso, Lisboa, Caminho.
PEIRCE, Charles Sanders (2000), Semiótica, São Paulo, Editora Perspectiva.

SANTAELLA, Lúcia (2002), Semiótica Aplicada, Pioneira.


SAUSSURE, Ferdinand de (1995), Curso de Linguística Geral. Lisboa, D. Quixote.
SPA, Miquel de Moragas (1980), Semiótica y Comunicación de Masas, Barcelona, Ediciones Península.

VANOYE, Francis Vanoye; GOLIOT-LÉTÉ, Anne (2009), Ensaio sobre a Análise Fílmica, Joaquim Livraria.



Documentos Electrónicos

ALSTON, William P., 1956, «Pragmatism and the Theory of Signs in Peirce», Philosophy and Phenomenological Research, Vol. 17, No. 1, pp. 79-88: http://links.jstor.org/sici?sici=0031-8205%28195609%2917%3A1%3C79%3APATTOS%3E2.0.CO%3B2-J

BENTLEY, Arthur F., 1947, «The New "Semiotic"», Philosophy and Phenomenological Research, Vol. 8, No. 1, pp. 107-132: http://links.jstor.org/sici?sici=0031-8205%28194709%298%3A1%3C107%3ATN%22%3E2.0.CO%3B2-7

BLYTH, John W., 1952, «What is a Sign?», Philosophy and Phenomenological Research, Vol. 13, No. 1, pp. 28-41: http://links.jstor.org/sici?sici=0031-8205%28195209%2913%3A1%3C28%3AWIAS%3E2.0.CO%3B2-2

CARMELO, Luís, 1997, «Semiose Visual. Reflexão sobre Iconicidade»: http://www.bocc.ubi.pt/pag/_texto.php?html2=carmelo-luis-semiose-iconicidadde.html

CHURCH, Alonzo, 1950, «Semantics, General Semantics, Semiotic. New Acceptations of Old Terms», The Journal of Symbolic Logic, Vol. 15, No. 3, p. 235: http://links.jstor.org/sici?sici=0022-4812%28195009%2915%3A3%3C235%3ASGSSNA%3E2.0.CO%3B2-1



Contemporary Sociology, Vol. 20, No. 5, p. 805: http://links.jstor.org/sici?sici=0094-3061%28199109%2920%3A5%3C805%3ATSSASV%3E2.0.CO%3B2-4

DEELY, John, 1991, «Basics of Semiotics», American Anthropologist, New Series, Vol. 93, No. 4, pp. 965-966:

FIDALGO, António, «A Economia e a Eficácia dos Signos»: http://www.bocc.ubi.pt/pag/fidalgo-antonio-economia-signos.pdf

FIDALGO, António, 1998, «Da Semiótica e seu Objecto»: http://www.bocc.ubi.pt/pag/fidalgo-antonio-objecto-da-semiotica.pdf

FIDALGO, António, 1999, «Semiótica Geral»: http://www.bocc.ubi.pt/pag/fidalgo-antonio-semiotica-geral.pdf

FIDALGO, António, 1999, «Semiótica, A Lógica da Comunicação»: http://www.bocc.ubi.pt/pag/_texto.php?html2=fidalgo-antonio-logica-comunicacao.html

FIDALGO, António; GRADIM, Anabela, 2005, «Manual de Semiótica»: http://www.bocc.ubi.pt/pag/fidalgo-antonio-manual-semiotica-2004.pdf

FREITAS, António Francisco Ribeiro de, 1999, «A Palavra: Perspectiva da Comunicação e Semiótica»: http://www.bocc.ubi.pt/pag/_texto.php?html2=freitas-antonio-palavra-signo.html

GREIMAS, Algirdas Julien; PERRON, Paul; COLLINS, Frank H., 1991, «The Social Sciences: A Semiotic View»:

http://links.jstor.org/sici?sici=0002-7294%28199112%292%3A93%3A4%3C965%3ABOS%3E2.0.CO%3B2-M

HUSSERL, Edmund, «Da Lógica dos Sinais (Semiótica)», Trad. de António Fidalgo: http://www.bocc.ubi.pt/pag/_texto.php?html2=fidalgo-husserl-semiotik.html

LISZKA, James Jakób, 1991, «The Semiotic of Myth: A Critical Study of the Symbol», American Anthropologist, New Series, Vol. 93, No. 3, pp. 729-730: http://links.jstor.org/sici?sici=0002-7294%28199109%292%3A93%3A3%3C729%3ATSOMAC%3E2.0.CO%3B2-0

MONTEIRO, Gilson, «A Metalinguagem das Roupas»: http://www.bocc.ubi.pt/pag/_texto.php?html2=monteiro-gilson-roupas.html

MORRIS, Charles, 1943, «Content Analysis and the Theory of Signs», Philosophy of Science, Vol. 10, No. 4, pp. 247-249: http://links.jstor.org/sici?sici=0031-8248%28194310%2910%3A4%3C247%3ACAATTO%3E2.0.CO%3B2-0

MORRIS, Charles, 1946, «Signs, Language and Behavior». The American Journal of Sociology, Vol. 52, No. 3, pp. 288-289: http://links.jstor.org/sici?sici=0002-9602%28194611%2952%3A3%3C288%3ASLAB%3E2.0.CO%3B

PARMENTIER, Richard J., 1995, «Signs in Society: Studies in Semiotic Anthropology», American Ethnologist, Vol. 22, No. 3, pp. 625-626: http://links.jstor.org/sici?sici=0022-4812%28194212%297%3A4%3C171%3ASAPC%3E2.0.CO%3B2-Q

PEIRCE, Charles S., «Como tornar as nossas ideias claras», Trad. de António Fidalgo: http://www.bocc.ubi.pt/pag/_texto.php?html2=fidalgo-peirce-how-to-make.html

PEIRCE, Charles Sanders (1868), “Sobre uma Nova Lista de Categorias”, pp. 287-298, trad. Anabela Gradim Alves, Universidade da Beira Interior (UBI)

SMULLYAN, Arthur Francis, 1948, «The New “Semiotic”», The Journal of Symbolic Logic, Vol. 13, No. 2, pp. 121-122: http://links.jstor.org/sici?sici=0022-4812%28194806%2913%3A2%3C121%3ATN%22%3E2.0.CO%3B2-Z

SOUSA, Jorge Pedro (1997), Fotojornalismo Performativo – O Serviço de Fotonotícia da Agência LUSA de Informação. Bocc: http://bocc.ubi.pt/pag/sousa-jorge-pedro-fotojornalismo-tese.html



AVALIAÇÃO

Regime Geral de Avaliação (RGA)

  • Assiduidade;

  • Participação e interesse revelado nas aulas;

  • Ensaio individual (60%) com apresentação oral (15%); Respostas aos desafios lançados (25%). É obrigatória a participação em, pelo menos, ¾ do total dos desafios, para a nota ser considerada para a avaliação final.

Regime Especial de Avaliação (REA)

- Exame de avaliação escrito individual (100%)

Metodologia e trabalhos

RGA:

a) Ensaio individual com apresentação oral - 75% da nota final

Tema sujeito a aprovação. Data limite para entrega do tema: 10 de abril (domingo).

Formatação obrigatória do trabalho: Tipo de letra Arial; Tamanho 12; Texto Justificado; Espaçamento: 1,5;

Número mínimo de páginas: 10; número máximo: 20 (exclui capa, índice e bibliografia).

Usar o seguinte modelo |Descarregar|

Apresentação oral com suporte PowerPoint ou outro elemento de carácter multimédia. Duração máxima de 10 minutos.

Datas de apresentação: Junho

(trabalho entregue em data a definir, sem o qual não haverá apresentação oral)

Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal