Ufv / XVI sic / fevereiro-2007 / Engenharia Civil / 757



Baixar 4.06 Kb.
Encontro05.12.2017
Tamanho4.06 Kb.

UFV / XVI SIC / FEVEREIRO-2007 / Engenharia Civil / 760 
_________________________________________________________________________

ANÁLISES DE RESULTADOS DE ENSAIOS CRS COM UM SOLO RESIDUAL MADURO DA MICRORREGIÃO DE VIÇOSA

SOUSA, Wallace Fioravanti de (Bolsista); CUSTÓDIO, Gisele Santos (Estudante); SILVA, Cláudio Henrique de Carvalho (Orientador); VIEIRA, Gersonito da Silva (Estudante); BARBOSA, Paulo Sérgio de Almeida (Professor)



A Mecânica dos Solos Não Saturados tem, hoje, importância significativa em estudos geotécnicos desenvolvidos aos níveis nacional e internacional, como fonte geradora de parâmetros de projeto mais realistas das condições de campo das obras civis. Nesse contexto, o presente trabalho teve como objetivos: (i) determinar o tempo e forma de umedecimento de amostras remoldadas de um solo residual maduro, argiloso, da microrregião de Viçosa ensaiado na célula de adensamento com deformação controlada (CRS); e, (ii) definir a velocidade dos ensaios realizados na referida célula. As amostras ensaiadas foram preparadas com material passante nas peneiras #4 e #10. As formas de umedecimento utilizadas foram com simples inundação e com contrapressão. Realizou-se, também, o ensaio de adensamento incremental para comparação de resultados com aqueles obtidos com o ensaio CRS. A velocidade adotada para os ensaios CRS foi de 0,0017 cm / s, que foi obtida previamente a partir da análise dos resultados do ensaio de adensamento incremental. Analisando-se os resultados dos ensaios das amostras com solo passante na peneira #4 e os tempos de umedecimento de 15 h e 40 h, obteve-se curvas tensão X deformação distintas paras os dois ensaios. No caso dos ensaios CRS, notou-se uma anomalia no trecho inicial da curva para os ensaios com menor tempo de umedecimento, podendo-se concluir que este parâmetro influiu no traçado final da curva. No caso das amostras preparadas com solo passante na peneira #10 e tempo de umedecimento de 24 h, obteve-se uma curva similar àquela do ensaio incremental. Uma possível explicação para os resultados observados seria que, no teor de umidade de compactação, estariam sendo formadas aglomerações de partículas de solo com tamanhos e estruturas diferentes, ou diferentes níveis de sucção inicial. (PIBIC/CNPq)

Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal