Ufv / XVI sic / fevereiro-2007 / Engenharia Florestal / 84



Baixar 101.03 Kb.
Página1/3
Encontro15.06.2018
Tamanho101.03 Kb.
  1   2   3

UFV / XVI SIC / FEVEREIRO-2007 / Engenharia Florestal / 84 
_________________________________________________________________________

ALTERAÇÕES NA GERMINAÇÃO EM SEMENTES DE Dalbergia nigra DURANTE O ARMAZENAMENTO EM RECIPIENTE PERMEÁVEL

BIRUEL, Juliana Soares (Bolsista); BORGES, Eduardo Euclydes de Lima (Orientador); BAER-FILHO, Ricardo (Estudante); PONTES, Claudia Aparecida (Estudante); CARRIJO, Lanna Clicia (Estudante)

Devido à exploração de sua madeira e a falta de replantios, a espécie Dalbergia nigra está classificada como vulnerável conforme "Lista Oficial de Flora Ameaçada de Extinção". O armazenamento de sementes é importante componente nos trabalhos de produção e melhoramento florestal, pois, no primeiro caso, o armazenamento age como controlador de mercado para anos de baixa produtividade e, no segundo, como banco de germoplasma. O objetivo deste trabalho foi avaliar as transformações fisiológicas em sementes de Dalbergia nigra durante o período de armazenamento. Utilizaram-se sementes de Dalbergia nigra cujos frutos foram armazenados sob temperaturas de 20 ºC em recipientes de papel. Foi avaliado o teor de água, conduzido pelo método de estufa, a 105 ± 3°C, durante 24 horas, utilizando-se sementes inteiras, com cinco repetições de 60 sementes cada. Os resultados foram expressos em porcentagem média; a germinação, determinada pela contagem diária de sementes germinadas no período de 10 dias. As sementes foram colocadas sobre duas folhas de papel de filtro tipo germitest umedecidas com água, em placas de Petri, em germinador a 25°C e luz constantes. Considerou-se germinadas as sementes que emitiram radícula. Os resultados foram expressos em porcentagem média, o índice de velocidade de germinação, foi avaliado pelos mesmos dados utilizados na determinação da germinação. Utilizou-se do delineamento experimental inteiramente ao acaso e os resultados submetidos ao teste de Tukey. A porcentagem de germinação aumentou significativamente aos 60 dias de armazenamento, mantendo-se ligeiramente estável até os 200 dias. O índice de velocidade de germinação aumentou significativamente aos 60 dias de armazenamento, mantendo-se o mesmo valor até os 100 dias e aumentando novamente aos 200 dias. Conclui-se que as sementes de Dalbergia nigra podem ser armazenadas em recipientes permeáveis, quando em temperatura de 20ºC por, pelo menos, 200 dias. (CNPq)

UFV / XVI SIC / FEVEREIRO-2007 / Engenharia Florestal / 85 


_________________________________________________________________________

ANÁLISE DA INVASÃO DE Coffea arabica L. EM TRECHO DE FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA, MG.

ALMEIDA, Diego Pierre (Bolsista); MARTINS, Sebastião Venâncio (Orientador)

O projeto teve como objetivos quantificar e comparar a representatividade de indivíduos de Coffea arabica L. em trecho de Floresta Estacional Semidecidual da Reserva Mata do Paraíso, no município de Viçosa, MG, em relação a outras espécies arbustivo-árboreas nativas. Determinar a distribuição dos indivíduos de Coffea arabica em classes de diâmetro e caracterizar em termos florísticos, fitossociológicos e sucessionais o estrato de regeneração natural. Foram amostradas, sistematicamente, dez parcelas de 2 x 10 m, nas quais foram encontrados 638 indivíduos arbustivo-arbóreos com altura maior ou igual a 0,50 m. Estes indivíduos pertencem a 41 espécies e 23 famílias. As quatro espécies mais abundantes, em ordem decrescente de densidade foram Coffea arabica L., Picramnia regnelli Engl., Psychotria longipedunculata (Gardner) Müll. Arg. e Geissomeria schottiana Nees. As três famílias mais ricas em espécies foram Myrtaceae, Rubiaceae e Fabaceae. Coffea arabica foi a espécie com maior valor de importância (VI), apresentando 277 indivíduos, o que corresponde a 43,42% do total amostrado. O índice de diversidade de Shannon foi de 2,49 nats/indivíduo e a eqüabilidade de 0,67. Esses resultados evidenciam a dominância ecológica de Coffea arabica e sua invasão no trecho de floresta estudado. A principal causa da invasão de Coffea arabica é a existência de plantações comerciais da espécie no entorno da reserva. (CNPq)

UFV / XVI SIC / FEVEREIRO-2007 / Engenharia Florestal / 86 


_________________________________________________________________________

ÁREAS VARIÁVEIS DE INFLUÊNCIA – IDENTIFICAÇÃO E USOS NO MANEJO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

ANDRADE, Thomaz Marques Cordeiro (Estudante); DIAS, Herly Carlos Teixeira (Orientador); JACKSON, Rhett (Professor)

Áreas Variáveis de Influência (AVIs) são regiões em uma microbacia que tendem a gerar um maior volume de escoamento superficial devido á saturação do solo. Este estudo trata-se de uma revisão e uma análise de pesquisas recentes sobre a hidrologia das AVIs, com ênfase em metodologias para a identificação de tais áreas e suas possíveis aplicação na alocação de áreas de preservação permanente em uma microbacia. O tamanho das áreas saturadas que geram grande quantidade de escoamento superficial varia ao longo do ano, de acordo com a umidade do ambiente, em uma escala temporal indo desde uma única chuva às variações de uma estação à outra. As AVI´s podem ser identificadas quando a probabilidade de saturação de uma determinada área é maior que um limite de sensibilidade hidrológica. Um outro método para calcular tais áreas é o índice topográfico, baseado na área de coleta de água, inclinação, profundidade e condutividade hidráulica do solo. A maior produção de escoamento superficial torna as AVIs hidrologicamente sensíveis por causa do seu grande potencial de transporte de sedimento e poluentes para os cursos d’água. A distribuição das AVIs em uma bacia fornece bases científicas para a definição do tamanho e da localização de matas ciliares, de tal forma que florestas de proteção podem ser localizadas em áreas hidrologicamente sensíveis para maximizar a sua eficiência, ao menos no que se refere ao controle de erosão e à proteção dos cursos d’água do efeito de poluentes transportados pelo escoamento superficial.

UFV / XVI SIC / FEVEREIRO-2007 / Engenharia Florestal / 87 


_________________________________________________________________________

AVALIAÇÃO DA MOBILIZAÇÃO DE RESERVAS EM SEMENTES DE Dalbergaria nigra (LEGUMINOSAE, PAPILONOIDEA) DURANTE A GERMINAÇÃO

CARRIJO, Lanna Clicia (Estudante); LOPES, Mariana Rocha (Estudante); PONTES, Claudia Aparecida (Estudante); BORGES, Eduardo Euclides de Lima e (Orientador); REZENDE, Sebastião Tavares de (Professor)

Os compostos de reservas presentes nas sementes são responsáveis pelo crescimento inicial da plântula até que esta possa realizar fotossíntese. Este trabalho teve como objetivo avaliar a mobilização de lipídeos e de carboidratos em sementes de D. nigra durante a germinação e crescimento inicial das plântulas. As sementes foram colhidas em Viçosa – MG e armazenadas a 5°C. O teste de germinação foi conduzido em temperatura constante de 25°C. As coletas para análise da mobilização das reservas nos cotilédones foram realizadas a cada 10 dias. O óleo foi extraído a frio com éter de petróleo, em extrator Soxhlet, por 24 horas. A extração de açúcares redutores foi feita em etanol 80%. Após centrifugação, o sobrenadante foi utilizado na quantificação de açúcares solúveis totais, pelo método colorimétrico. Após a extração dos açúcares solúveis, a amostra foi seca em estufa a 45°C, por 48 horas, e submetida à digestão com ácido perclórico 35% para quantificação colorométrica de amido. A porcentagem de germinação foi de 88%. O teor médio de lipídeo nos cotilédones quiescentes foi de 20%, reduzindo-se a 6,5% no trigésimo dia após a germinação. Os teores médios de açúcares solúveis e de amido decresceram a partir do décimo dia de germinação. As reservas dos cotilédones de sementes de D. nigra são consumidas durante a formação da plântula.

UFV / XVI SIC / FEVEREIRO-2007 / Engenharia Florestal / 88 


_________________________________________________________________________

AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO DE PROJETO PILOTO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO PÓLO MOVELEIRO DE UBÁ

NUNES, Wiliam Gomes (Bolsista-IC); FARAGE, Rogério Machado Pinto (Estudante); RODRIGUES, Cleuber S (Bolsista); REZENDE, Ana Augusta Passos (Estudante); SILVA, Claudio Mudado (Orientador)

O setor industrial de móveis de madeira se caracteriza por um grande potencial de reuso de seus resíduos sólidos, não sendo, no entanto, prática difundida, principalmente, entre empresas de médio e pequeno porte, as quais normalmente destinam seus resíduos de forma inadequada, causando problemas ambientais preocupantes. Este cenário está presente no Pólo Moveleiro de Ubá o qual possui empresas que estão engajadas na mudança desta realidade por meio de um sistema integrado que visa destinar corretamente seus resíduos, seja por reuso no processo ou pela conversão destes em insumos destináveis a outras linhas produtivas. Este sistema integrado se baseia na destinação conjunta dos resíduos gerados pelas empresas envolvidas, que será baseada em tecnologias simples como a destilação da borra de tinta gerada no acabamento dos moveis, visando com isso a extração do solvente que pode ser reutilizado no processo de limpeza das máquinas de pintura, seguida da reutilização da tinta pós destilação que pode ser comercializada como tinta de segunda linha, desde que feito tratamento seguido de repigmentação. Outros resíduos a serem processados são a serragem, o pó e o cavaco gerados no corte da madeira e chapas de MDF e compensado, os quais podem constituir matéria prima para produção de briquetes, materiais com alto poder calorífico, podendo, portanto, ser utilizado em caldeiras para a geração de energia. Desta forma a implantação de tecnologias de reaproveitamento de resíduos associada a um sistema integrado entre essas empresas se torna uma alternativa viável econômica e ambientalmente, além de ser um precursor para a mudança da postura de outras empresas não envolvidas, uma vez que estas estão em desconformidade com a legislação. O trabalho apresenta os estudos preliminares realizados para a concepção do projeto de uma unidade piloto de reaproveitamento de resíduos sólidos da indústria moveleira. (PIBIC/CNPq)

UFV / XVI SIC / FEVEREIRO-2007 / Engenharia Florestal / 89 


_________________________________________________________________________

BANCO DE SEMENTES DO SOLO DE UMA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL, EM VIÇOSA, MG, EM DUAS ÉPOCAS DO ANO.

GUIMARÃES, Felipe Pinto (Bolsista-IC); REIS, Maria das Graças Ferreira (Orientador); REIS, Geraldo Gonçalves dos (Professor); BATISTA NETO, Juvenal Pinheiro; CACAU, Filipe Valadão (Estudante)

O presente estudo objetivou avaliar qualitativa e quantitativamente o banco de sementes do solo de um fragmento de Floresta Estacional Semidecidual secundária em duas estações do ano (final da época chuvosa e final da época seca). Duas amostras de 20 x 15 cm foram coletadas em seis sub-parcelas de 10 x 20 m, em cada um dos dez sítios com características fisiográficas e de abertura de dossel distintas, e, a seguir, foram colocadas para germinar sob 11,5 e 60 % de sombreamento. Periodicamente, foram feitas avaliações em que se identificavam as plântulas e classificavam-nas em grupos ecológicos e de hábito. Foi feita análise de variância e teste de média para o número de indivíduos e de sementes germinadas para o grupo arbustivo arbóreo, em função do local, da luminosidade e da época do ano. Para os grupos graminóides e herbáceo-cipó, realizou-se análise de agrupamento, através da média de densidade de sementes em função dos locais. Verificou-se diferença significativa entre os locais e a época, para o número de espécies e de sementes germinadas, com o agrupamento de locais em função da exposição para o número de espécies na estação chuvosa. Na época chuvosa, os dez locais foram constituídos de três grupos de sementes germinadas de graminóides e em quatro grupos para o hábito herbáceo-cipó. Na estação seca verificou-se a formação de três grupos para o hábito graminóide e três para herbáceo-cipó, existindo variações entre as duas épocas em função das diferenças das médias de densidade dos locais. O grupo ecológico das pioneiras predominou no banco de sementes, assim como as espécies da família Melastomataceae, para as duas épocas. Conclui-se que o banco de sementes pode contribuir com a regeneração natural após um distúrbio e o potencial florístico variou devido às condições fisiográficas do local, estádio de sucessão e a estação do ano. (CNPq)

UFV / XVI SIC / FEVEREIRO-2007 / Engenharia Florestal / 90 


_________________________________________________________________________

BRANQUEAMENTO TCF (TOTALLY CHLORINE-FREE) DE POLPA KRAFT DE EUCALIPTO COM APLICAÇÃO DE ENZIMA

MILAGRES, Flaviana Reis (Bolsista-IC); GOMES, Fernando José Borges (Bolsista-IC); RABELO, Marcos Sousa; COLODETTE, Jorge Luiz (Orientador)

Historicamente, os regentes à base de cloro tem sido utilizados para o branqueamento de polpa kraft, porém hoje a preocupação pública com o ambiente tem crescido enormemente, e esforços têm sido levantados nos meios acadêmicos e empresariais no sentido de buscar novas tecnologias para minimizar a descarga de poluentes, gerada no branqueamento de celulose. Uma nova técnica de branqueamento que está mostrando um rápido avanço é o processo biológico com enzimas do tipo xilanase. O objetivo desse estudo foi avaliar o branqueamento da polpa Kraft de eucalipto, com uma seqüência curta de branqueamento, livre de compostos clorados (TCF), envolvendo o uso da enzima xilanase. Foi utilizada polpa kraft de eucalipto pré-deslignificada com oxigênio, com número kappa 11.3; viscosidade de 1091 cm3/g; alvura de 49.0% ISO. As seqüências TCF avaliadas foram as seguintes: OPMoQ(PO) e OXPMoQ(PO), onde “X” representa um estágio com a enzima xilanase, “PMo” estágio com peróxido de hidrogênio catalisado com molibdênio, “Q” representa estágio com o quelante DTPA e “PO” estágio com peróxido de hidrogênio pressurizado. Foram utilizadas normas TAPPI e Standard Methods, para avaliação da polpa e as condições do peróxido de hidrogênio catalisado com molibdênio já foram pré-determinadas. O branqueamento TCF, OXPMoQ(PO), atingiu a alvura de 90 % ISO, com a utilização da enzima xilanase e uma carga de peróxido de 50 kg/t, chegando a viscosidade à níveis baixos de 630 cm3/g, mas verifica-se que sem a utilização da enzima a viscosidade foi ainda menor chegando a 605 cm3/g. Portanto a enzima utilizada na seqüência, aumentou a alvura e a qualidade da polpa, diminuindo a carga de peróxido que seria utilizada para alcançar a alvura de 90% ISO. (CNPq)

UFV / XVI SIC / FEVEREIRO-2007 / Engenharia Florestal / 91 


_________________________________________________________________________

CARACTERIZAÇÃO TECNOLÓGICA DE CELULOSE KRAFT DE Eucalyptus POR ESPECTROCOPIA DE INFREVERMELHO PRÓXIMO.

SANTOS, Ricardo Balleirini (Bolsista); GOMIDE, José Lívio (Orientador)

O grande desenvolvimento do setor nacional de celulose e papel tem se baseado principalmente no rápido crescimento das florestas de Eucalyptus, na alta qualidade da madeira e na tecnologia de ponta utilizada na produção da polpa celulósica. O controle de qualidade da madeira e da polpa celulósica requer a realização de análises de rotina, geralmente caras, demoradas e tediosas. Uma técnica que vem apresentando ótimo desempenho, aliada à viabilidade de controle “on line” do processo produtivo, é a análise da madeira e da polpa via espectroscopia de infravermelho próximo (IVP). Esse tipo de análise é amplamente vantajoso, quando comparado às análises convencionais, principalmente pelo fato de ser rápida, precisa e de baixo custo. Neste estudo foram gerados modelos de calibração multivariada, utilizando espectros de infravermelho próximo obtidos em 116 amostras de polpa kraft de Eucalyptus com números kappa variando de 13 a 18. Os parâmetros analisados foram: número kappa, teor de ácido hexenurônico, viscosidade e rendimento depurado. Os modelos gerados dos espectros obtidos em folhas de celulose apresentaram as seguintes correlações: 94% para o número kappa, com erro médio de predição de 0,48; 93% para a viscosidade da polpa, com erro médio de predição de 2,8 cP; 90% para o rendimento depurado, com erro médio de predição de 0,92% e 86% para o teor de ácido hexenurônico, com erro médio de predição de 2,93 mmol/Kg. Os modelos gerados a partir dos espectros obtidos na polpa em sua forma original apresentaram as seguintes correlações: 90% para o número kappa, com erro médio de predição de 0,60; 91% para a viscosidade da polpa, com erro médio de predição de 3,2 cP; 88% para o rendimento depurado, com erro médio de predição de 0,98% e 85% para o teor de ácido hexenurônico, com erro médio de predição de 2,99 mmol/Kg. Os resultados obtidos neste estudo demonstraram viabilidade de utilização da técnica IVP para caracterização tecnológica da polpa celulósica kraft de Eucalyptus, com grandes vantagens de rapidez, custo e precisão. (CNPq)

UFV / XVI SIC / FEVEREIRO-2007 / Engenharia Florestal / 92 


_________________________________________________________________________

CERTIFICAÇÃO FLORESTAL E O CUMPRIMENTO DA LEGISLAÇÃO

BASSO, Vanessa Maria (Estudante); JACOVINE, Laércio Antônio Gonçalves (Orientador); ALVES, Ricardo Ribeiro (Estudante)

A certificação florestal está presente no Brasil há mais de dez anos. Neste tipo de certificação existem princípios, critérios e indicadores a cumprir na unidade de manejo florestal. O FSC (conselho de manejo florestal) é uma ONG (Organização Não-Governamental) que estabeleceu um padrão para certificação do manejo florestal. Este padrão possui dez princípios e o primeiro deles trata da “obediência às leis e princípios do FSC”, exigindo o cumprimento e respeito de todas as leis aplicáveis ao país onde opera, os tratados internacionais e acordos assinados por este país, além de obedecer a todos os princípios e critérios do FSC. O presente trabalho teve por objetivo verificar as principais não conformidades presentes na unidade de manejo certificadas pelo FSC no Brasil, com relação ao primeiro princípio. Buscaram – se os dados nos relatórios públicos das unidades de manejo certificadas pela SGS, uma das certificadoras credenciadas pelo FSC. Pelos resultados obtidos verificou-se que todas as oito unidades de manejo pesquisadas apresentaram não conformidades, sendo três consideradas “mais graves” (Car maior) e nove consideradas “menos graves” (Car menor). As três Car´s maiores ocorreram unidades de manejo diferentes e estavam relacionadas ao não cumprimento dos requerimentos legais ambientais (outorga de água, desbastes em áreas de APP, averbação de áreas). Já as Car`s menores ocorreram em todas as unidade de manejo e estavam relacionadas à não divulgação do processo de certificação, falta de controle à atividades ilegais como caça e pesca, falta de documentação, dentre outros. Conclui-se que as principais não conformidades encontradas nas auditorias de certificação estavam relacionadas à questão ambiental. Entretanto, ressalta-se que no processo de certificação é necessário que as não conformidades sejam corrigidas em um prazo estabelecido. Assim, a certificação contribui para o atendimento da legislação pelas empresas florestais.

UFV / XVI SIC / FEVEREIRO-2007 / Engenharia Florestal / 93 


_________________________________________________________________________

CHAPAS DE PARTÍCULAS AGLOMERADAS DE MADEIRA DE Eucalyptus grandis, MARAVALHA, CASCA, POLIESTIRENO E TETRA-PAK

TRESSMANN, Gilson Ricardo (Bolsista); VITAL, Benedito Rocha (Orientador); FORZANI, Roberta Rodrigues (Estudante)

O presente trabalho foi desenvolvido no Laboratório de Painéis e Energia da Madeira da UFV, e teve como objetivo geral avaliar a qualidade de chapas de madeira aglomerada, fabricadas com partículas de madeira de Eucalyptus grandis e como objetivos específicos determinar as propriedades de chapas do tipo aglomerado, produzidas com partículas de madeira combinadas com: partículas de resíduos de serraria; resíduos de casca de Eucalyptus grandis; partículas de poliestireno (PS); partículas de tetra-pak, propriedades das chapas produzidas a partir de partículas de resíduos de maravalha combinadas com partículas de resíduos de tetra-pak, partículas de PS e propriedades de chapas produzidas a partir de resíduos de casca de eucalipto com partículas de resíduos de tetra-pak e partículas de PS. As árvores foram seccionadas em toras de quatro metros e posteriormente em toretes de 1 m, depois em tábuas, com 1 m de comprimento, 12 cm de largura e 2 cm de espessura, reduzidas a flocos e em seguida a partículas. Todas as partículas foram classificadas e secas até o teor de umidade de 3% e mantidas em estufa até a sua utilização. O PS e o tetra-pak utilizados foram também transformados em partículas. Os tratamentos definiram-se em 25% PS/75% de madeira, 75% maravalha/75% de casca, 25% tetra-pak/75% de madeira, 75% maravalha/75% casca, 50% madeira/50% casca, 50% madeira/50% maravalha, além da testemunha com 100% madeira, constituindo-se em 9 tratamentos, totalizando 18 chapas (2 repetições). Todos os ensaios foram realizados conforme a Norma ASTM D 1037-91. A interpretação dos resultados foi realizada com auxílio de análise de variância pelo SAEG, e os resultados foram comparados pelos testes F e de Tukey a 5% de probabilidade. Os testes físicos e mecânicos evidenciaram a superioridade dos tratamentos que tiveram em sua composição poliestireno e a inferioridade dos tratamentos com madeira e adesivo tânico. (CNPq)

UFV / XVI SIC / FEVEREIRO-2007 / Engenharia Florestal / 94 


_________________________________________________________________________

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES MÉTODOS DE SELEÇÃO EM PROGÊNIES DE Eucalyptus grandis.

RESENDE JÚNIOR, Márcio Fernando Ribeiro (Estudante); CRUZ, Cosme Damião (Orientador)

O gênero Eucalyptus é amplamente cultivado em território nacional e de alto interesse econômico face o rápido crescimento e o atendimento a ampla gama de propósitos industriais. Na obtenção de florestas produtivas é importante associar as tecnologias de manejo florestal ao melhoramento genético, sendo a seleção de genótipos superiores e a predição de ganhos práticas importantes ao melhorista. Diversos métodos são utilizados como critério de seleção e a escolha é dependente da magnitude e sentido dos ganhos genéticos. Assim, este trabalho objetivou comparar os métodos de seleção combinada, seleção entre e dentro, seleção massal e seleção massal estratificada em progênies de Eucalyptus grandis. O experimento foi conduzido pela empresa Celulose Nipo Brasileira S.A (CENIBRA) e envolveu 185 famílias de meio irmãos. Avaliou-se DAP, altura e volume. Utilizou-se o modelo estatístico de blocos ao acaso com informação dentro de parcelas, 8 repetições e parcelas de 5 plantas. As análises foram rodadas no programa computacional GENES. A variável DAP variou de 5,3m a 19,7m com média 11,78m. A altura apresentou média 17,45cm e variação de 4,6cm a 26cm. O volume variou de 0,0045 m3 a 0,2858 m3 com média 0,092 m3. Os métodos de seleção massal, seleção massal estratificada e de seleção combinada obtiveram as maiores estimativas de ganhos genéticos para todas as características sendo que o último não diferenciou dos dois primeiros. As estimativas de herdabilidade baseada em indivíduos no experimento e em indivíduos no bloco pouco diferiram, indicando baixa contribuição dos blocos na variância fenotípica e não justificando a escolha do método de seleção estratificado. Concluiu-se que a população tem grande potencial no melhoramento por apresentar média volúmetrica que se enquadra nos padrões de produção comercial da empresa e alta variabilidade genética, e que no devido estágio de melhoramento o melhor método a ser utilizado ainda é a seleção massal.

UFV / XVI SIC / FEVEREIRO-2007 / Engenharia Florestal / 95 


_________________________________________________________________________


Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal