Um panorama do campo disciplinar



Baixar 40.78 Kb.
Encontro22.06.2018
Tamanho40.78 Kb.


U



NIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA


CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO DE

ORGANIZAÇÕES PUBLICAS
DADOS DA DISCIPLINA:
Disciplina: Gestão de Organizações Públicas

Créditos: 04-60 horas-aula

Horário: Sextas-Feiras das 08 as 12 horas.

EMENTA:

A disciplina está voltada para a análise crítica e entendimento da evolução do pensamento administrativo, considerando-se a influência dos principais fatos históricos no ambiente organizacional da época em que ocorreram e a  formulação das teorias, abordagens, escolas e modelos adotados e praticados na administração pública contemporânea. A disciplina se desenvolve como uma oficina de trabalho. Se alternam momentos de discussão das leituras previamente realizadas, momentos de apresentação e discussão da sistematização feitas nos pequenos grupos (em horário extra classe) sobre a topografia de abordagens e significados de “organização” e “organizar”, discussão dos mini-ensaios produzidos individualmente previamente a cada aula.




BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
AULA 1
MENEGHETTI, Francis Kanashiro. O que é um ensaio-teórico? Revista de Administração Contemporânea, v. 15, n. 2, p. 320-332, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-65552011000200010&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt.

CORRÊA, Victor Trottmann. O campo do conhecimento em administração pública no Brasil: uma análise histórica a partir do seu contexto e caráter multifacetado. Tese de doutorado da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, USP, 2017.
DA COSTA, F. L.. Brasil: 200 anos de Estado; 200 anos de administração pública; 200 anos de reformas. RAP, Rio de Janeiro, v. 42, p. 829, 2008.

AULA 2
ANDION, C. Por uma nova interpretação das mudanças de paradigmas na Administração Pública. Cad. EBAPE, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, Mar. 2012.
ABREU, A.C. D.; HELOU, A. R. H.; FIALHO, F. A. P. (2013) Possibilidades epistemológicas para a ampliação da Teoria da Administração Pública: uma análise a partir do conceito do Novo Serviço Público . Cad. EBAPE. BR, v. 11, nº 4, artigo 7, Rio de Janeiro, Dez. 2013 p. 613-620.
DENHARDT, R. Teorias da Administração Pública. São Paulo: Cengage Learning, 2012.
SECCHI, L. Modelos organizacionais e reformas da Administração Pública. Revista de Administração Pública. Vol. 43, n. 2, mar/abr. 2009.
KELLY AND DODDS. The Future of Public Administration, Special edition of the journal Public Policy and Administration, and Introduction to Public Administration in an Age of Austerity: July 2012, both with Josie Kelly.

AULA 3
DE MELLO, M. L. B. C.; AMÂNCIO FILHO, A. . A gestão de recursos humanos em uma instituiçãopública brasileira de ciência e tecnologia em saúde: o caso Fiocruz. RAP, Rio de Janeiro, v. 44, p. 613, 2010.
BERGUE, Sandro Trescastro. Modelos de gestão em organizações públicas. Caxias do Sul: EDUCS, 2011. p. 89-198.
SIQUEIRA, M. V. S.; MENDES, A. M. . Gestão de pessoas no setor público e a reprodução do discurso do setor privado. RSP, Brasília , v. 60, p. 241, 2009.
MARQUES, Antônio Luiz; BORGES, Renata; REIS, Isabella do Couto. Mudança organizacional e satisfação no trabalho: um estudo com servidores públicos do estado de Minas Gerais. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro , v. 50, n. 1, p. 41-58, Fev. 2016.
SANTOS, Marcel de Souza e Silva. Gestão da mudança organizacional: uma revisão teórica. 2014. 106f. Administração. Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas. Rio de Janeiro. 2014
WLOCH, F. . O princípio constitucional da eficiência da administração pública brasileira e a avaliação de desempenho dos seus servidores. 2006. 169 f. Dissertação ( Mestrado Acadêmico em Ciência Jurídica) – Centro de Ciências jurídicas, Políticas e Sociais, Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí. 2006.
AULA 4
AFFONSO, L. M. F.; ROCHA, H. M.. Fatores organizacionais que geram insatisfação no servidor público e comprometem a qualidade dos serviços prestados. In: VII SEGeT, 2010, Resende. Anais... VII SEGeT,2010.
GOMES, A. A. P.; QUELHAS, O. L. G. . Motivação dos recursos humanos no serviço público:Um Estudo de Caso sob Dois Ângulos Teóricos. READ, Porto Alegre, v. 9, no. 5, 2003.

JANN, Werner; REICHARD, Christoph. Melhores práticas na modernização do Estado. Revista do Serviço Público, v. 53, n. 3, p. 33-52, 2014.


TODOROV, J. C. ; MOREIRA, M. B. . O Conceito de Motivação na Psicologia. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, v. 7, p. 119, 2005.
MARUME, S. B. M.; JUBENKANDA, R. R.; NAMUSI, C. W. Similarities and differences between Public Administration and Business Administration. International Journal of Scientific Engineering and Research, v. 4, n. 1, p. 41-44, jan. 2016.


AULA 5



NEVES JÚNIOR, I. J ; ALVES DA COSTA, B. S. . A importância da avaliação de desempenho como instrumento de aprendizagem organizacional, um estudo de caso em tribunais regionais do trabalho. In: X Congresso Internacional de Costos, Lyon, 2007. Anais... X Congresso Internacional de Costos, 2007.







NICOLINI, A. M. . Aprender a governar a aprendizagem de funcionários públicos para as carreiras de estado. 2007. 205 f. Tese ( Doutorado em Administração) - Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal da Bahia, Salvador. 2007.
ARYEE, S.; WALUMBWA, F. O.; SEIDU, E. Y.; OTAYE, L. E. Developing and leveraging human capital resource to promote service quality testing a theory of performance. Journal of management, 42(2), p. 480-499, 2016.


AULA 6:
SARAIVA, L. A. S. . Cultura Organizacional em Ambiente Burocrático. RAC, v. 6, p. 187, 2002.
BRESSER-PEREIRA, L. C. . Burocracia pública e classes dirigentes no Brasil. Revista de Sociologia e Política, v. 28, p. 9, 2007.
VESCOVI DE ARAGÃO, C. . Burocracia, eficiência e modelos de gestão pública:

um ensaio. RSP, v. 3, p. 104, 1997.


MARTINS, H. F. . Burocracia e a revolução gerencial — a persistência da dicotomia entre política e administração. RSP, v. 1, p. 43, 1997.
Bonifácio, R. (2013). A afeição dos cidadãos pelos políticos mal-afamados: identificando os perfis associados à aceitação do 'rouba, mas faz' no Brasil, Opinião Pública, Campinas, 19(2), 320-345.
AULA 7:
BRESSER PEREIRA, L.C. . Da Administração Pública Burocrática à Gerencial. Revista do Serviço Público, ENAP, volume 120, n.1 jan/abr–1996.
CARDOSO JÚNIOR, J.C. PPA 2012-2015: experimentalismo institucional e resistência burocrática / organizadores: CARDOSO JÚNIOR, J.C.; SANTOS E. A. V. Brasília: IPEA, 2015.
MEDEIROS, P.H.R. Do Modelo racional-legal ao paradigma pós-burocrático: reflexões sobre a burocracia estatal. O&S, v.13, n.37, 2006.
THIRY-CHERQUES, H. R. . Max Weber: o processo de racionalização e o desencantamento do trabalho nas organizações contemporâneas. RAP, v. 43, p. 897, 2009.

AULA 8:
SCHWELLA, E. . Inovação no governo e no setor público: desafios e implicações para a liderança. Revista do Serviço Público, v. 56, no. 3, 2005.
NASSUNO, M. . Inovação na administração pública estadual: o 1 Prêmio Excelência em Gestão Pública do Estado de Minas Gerais. Revista do Serviço Público, v.58, p. 77, 2007.
GALLO, E.; STUDART, V.; COSTA, L. ; WILLECKE, S.; LINS, P. . Acordo Amazônico de Ciência, Tecnologia e Inovação em Saúde: uma experiência de integração regional. Revista do Serviço Público, v.59, p. 333, 2008.
LIMA, D. H. . Estudos internacionais sobre inovação no setor público: como a teoria da inovação em serviços pode contribuir?. In: 1 Simpósio Brasileiro de Ciência de Serviços, 2010, Brasília.
AGUNE, Roberto et al. Dá pra fazer: Gestão do Conhecimento e Inovação em Governo. 1. ed. São Paulo: Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional, 2014.
FARAH, M. F. S. . Disseminação de inovações e políticas públicas e espaço local. Revista O&S, v. 15, no. 45, 2008.
AULA 9:
ALVES, M. V. C.; DUFLOTH, S. C. . A Importância da Avaliação de Desempenho Como Instrumento de Aprendizagem Organizacional: Um Estudo de Caso Em Tribunais Regionais do Trabalho. Revista Gestão & Tecnologia, v. 8, p.1, 2008.

.

DINIZ, E. H.; BARBOSA, A. F.; JUNQUEIRA, A. R. B.; PRADO, O. . O Governo Eletrônico no Brasil: Perspectiva Histórica a Partir de Um Modelo Estruturado de Análise. RAP, v. 43, p. 23, 2009.


Campagnoni, M., Carvalho, R. D., Lyrio, M. V. L., Lunkes, R. J., & Rosa, F. S. (2016). Transparência no Poder Legislativo Municipal: uma Análise dos Portais Eletrônicos das Câmaras de Vereadores das Capitais Brasileiras. Revista Gestão Organizacional, 9(1), 21-42.
Comin, D., Ramos, F. M., Zucchi, C., Favretto, J., & Fachi, C. C. P. (2016). A Transparência Ativa nos Municípios de Santa Catarina: Avaliação do Índice de Atendimento à Lei de Acesso à Informação e suas Determinantes. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 15(46), 24-34.
Lunkes, R. J.; Lyrio, M.V.L; Nunes, G.S.F; Giustina, K.A.D; Silva. K; (2015) Transparência no setor público municipal: uma análise dos portais eletrônicos das capitais brasileiras com base em um instrumento de apoio à decisão. Revista da CGU, 7, (10) ,88–108.
Medeiros, A. K.; Crantschaninov, T. I.; Silva, F. C.(2013) Estudos sobre accountability no Brasil: meta-análise de periódicos brasileiros das áreas de administração, administração pública, ciência política e ciências sociais. Revista de Administração Pública FGV, Rio de Janeiro, 47(3) 745-775.

AULA 10:
FREY, Klaus. Políticas públicas: um debate conceitual e reflexões referentes à prática da análise de políticas públicas no Brasil. Planejamento e Políticas Públicas, Brasília, n. 21, p. 211-259, jun. 2000.
TREVISAN, A. P. ; VAN BELLEN, H. . Avaliação de políticas públicas: uma revisão teórica de um campo em construção. RAP, v. 42, p. 529, 2008.
TEIXEIRA, Elenaldo Celso. O papel das Políticas Públicas no desenvolvimento local e na transformação da realidade. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/dados/cursos/aatr2/a_pdf/03_aatr_pp_papel.pdf. Acesso em: 18.05.2010.
MARINI, Caio. (2004). Gestão pública no Brasil: temas preservados e temas emergentes na formação da agenda. In: VII Congresso Internacional da Associação de Estudos Brasileiros – BRASA - Brazilian Studies Association, Rio de Janeiro, Brasil.
Tânia Bacelar - As Políticas Públicas no Brasil: heranças, tendências e desafios

FALCINI, P. . Organizações Como Configurações Naturais do Poder. RAE, v.33, p. 6, 1993.




AULA 11
MARTINS, P. E. M. ; MOURA, L. S. ; IMASATO, T. . Coronelismo: Forma de Poder/Autoridade ainda viva nas Relações entre a Administração Pública e a Sociedade Brasileira. In: Encontro de Administração Pública e Governança, 2008, Salvador. Anais.. Encontro de Administração Pública e Governança, 2008.

GASPAR, M. A. ; APARECIDO DOS SANTOS, S. ; DONAIRE, D. ; VILAS BOAS, E. . Grau de Maturidade dos Governos Estaduais na Utilização de Tecnologias Eletrônicas: A Busca pelo Fortalecimento do Poder e da Autonomia do Cidadão. In: XXV Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, 2008, Brasília. Anais... XXV Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, 2008.


MISOCZKY, M. C. A. . Implicações do uso das Formulações sobre Campo de Poder e Ação de Bourdieu nos Estudos Organizacionais. RAC, v. 7, p. 9, 2003.
AULA 12

PECI, A. ; FIGALE, J. ; DE OLIVEIRA, F.; SOUZA, C. . Os cips e termos de parceria com a sociedade civil: um olhar sobre o modelo de gestão por resultados do governo de Minas Gerais. RAP, v. 42, p. 1137, 2008.


MESQUITA, A. M. ; MARTINS, R. S. . Desafios logísticos às redes de negócios no Brasil: o que podem as parcerias público-privadas (PPPs)?. RAP, v. 42, p. 735, 2008.
CAVALCANTE, P. L. . Programa Bolsa Família: Descentralização, Centralização ou Gestão em Redes?. Revista do Serviço Público, v. 60, p. 29, 2009.
CRUZ, Carlos Oliveira; MARQUES, Rui Cunha. O estado e as parcerias público privadas. Lisboa: Sílabo, 2012.
DAL POZZO, Augusto Neves; JATENE, Pedro. Os principais atrativos das parcerias público-privadas para o desenvolvimento de infraestrutura pública e a necessidade de planejamento adequado para sua implantação. In: JUSTEN FILHO, Marçal; SCHIWIND, Rafael Wallbach (Coord.). Parcerias público-privadas: reflexões sobre os 10 anos da lei nº 11.079/2004. São Paulo: Thomson Reuters, 2015. p.51 -72.
DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Parcerias na administração pública: concessão, permissão, franquia, terceirização, parceria público-privada e outras formas. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2009. 449p
SCHIRATO, Vitor Rhein. As parcerias público-privadas e políticas públicas de infraestrutura. In: JUSTEN FILHO, Marçal; SCHIWIND, Rafael Wallbach (Coord.). Parcerias público-privadas: reflexões sobre os 10 anos da lei nº 11.079/2004. São Paulo: Thomson Reuters, 2015.


AULA 13
KERR DO AMARAL, H. . Desenvolvimento de competências de servidores na administração pública brasileira. Revista do Serviço Público, v. 57, p. 549, 2006.
BRANDÃO, H. P. ; ZIMMER, M. V. ;PEREIRA, C. G. ; MARQUES, F. ; COSTA, H. V. ; CARBONE, P. P. ; FERREIRA DE ALMADA, V. . Gestão de desempenho por competências: integrando a gestão por competências, o balanced scorecard e a avaliação 360 graus. RAP, v. 42, p. 875, 2008.
BRANDÃO, H. P. ; BAHRY, C. P. . Gestão por competências:métodos e técnicas para mapeamento de competências. Revista do Serviço Público, v. 56, p. 179, 2005.
BATISTA, F. F. Modelo de gestão do conhecimento para a Administração Pública brasileira: como implementar a gestão do conhecimento para produzir resultados em benefício do cidadão. Brasília: IPEA, 2012.

CAPUANO, E. A. Gestão por competências no setor público: experiências de países avançados e lições para o Brasil. Revista do Serviço Público. Brasília, v. 66 (3), p. 371-394, jul/set., 2015.



AULA 14
AZEVÊDO, A. . A Sociologia Antropocêntrica de Alberto Guerreiro Ramos. 2006. 355 f. Tese (Doutorado em Sociologia Política ) - PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA POLÍTICA, UFSC, Florianópolis, 2006.

TENÓRIO, F. . O Drama de Ser Dois: Um Sociólogo Engravatado. Revista O&S, v. 17, p. 29, 2010.


BRULON, Vanessa; OHAYON, Pierre; ROSENBERG, Gerson. A reforma gerencial brasileira em questão: contribuições para um projeto em construção. Revista do Serviço Público, v. 50, n. 1, p. 66-96, 2012.
CARDOSO JUNIOR, José Celso. Planejamento Brasil século XXI: inovação institucional e refundação administrativa: elementos para o pensar e o agir. Brasília: IPEA, 2015. 4 v.
AULA 15
QUEIROZ, R. G. M. ; CKAGNAZAROFF, I. B. . Inovação no setor público: uma análise do choque de gestão (2003-10) sob a ótica dos servidores e dos preceitos teóricos relacionados à inovação no setor público. RAP, v. 44, p. 679, 2010.
MAZZUCATO, Mariana. O estado empreendedor: desmascarando o mito do setor público versus o setor privado. Tradução de Elvira Serapicos. São Paulo: Portifólio - Peguin, 2014. 304p.
OLIVEIRA, Luiz Guilherme de; SANTANA, Rafael Liberal Ferreira de; GOMES, Vanessa Cabral. Inovação no setor público: uma reflexão a partir das experiências premiadas no Concurso Inovação na Gestão Pública Federal. 1. ed. Brasília: ENAP, 2014.






Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal