Universidade do Estado de Santa Catarina udesc centro de Ciências Humanas e da Educação faed



Baixar 72.24 Kb.
Encontro20.01.2018
Tamanho72.24 Kb.

Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC



Centro de Ciências Humanas e da Educação – FAED



PLANO DE ENSINO




DEPARTAMENTO:


História

ANO/SEMESTRE:

2012/1

CURSO:


História

FASE:



DISCIPLINA:

Prática Curricular - Patrimônio Cultural I

TURNO:

Noturno

CARGA HORÁRIA:

72h/aulas

CRÉDITOS:

04

PROFESSORES:

Janice Gonçalves e Viviane Trindade Borges



1. EMENTA


Memória, história e contemporaneidade. A constituição de “lugares de memória”. Instituições custodiadoras de acervos: bibliotecas, museus, arquivos e centros de documentação. A trajetória histórica das ações de preservação de bens culturais. Patrimônio cultural, identidade e poder. Patrimônio cultural e turismo. Patrimônio cultural e ensino de História. Elaboração de projeto em instituição vinculada à preservação do Patrimônio Cultural.



2. HORÁRIO DAS AULAS

DIA DA SEMANA

HORÁRIO

CRÉDITOS

Quintas-feiras

18h10min às 21h40min

04



3. OBJETIVOS


3.1 OBJETIVO GERAL

Problematizar as relações entre história e patrimônio cultural, estimulando a reflexão acerca dos processos de constituição de “lugares de memória” e enfatizando as ações de preservação de bens culturais no Brasil, de modo a criar condições para a elaboração de projetos em instituições vinculadas à preservação do patrimônio cultural.

3.2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS

- Apresentar a área de preservação do patrimônio cultural como campo de possível atuação profissional de graduados em História;

- Criar condições para que os futuros profissionais de História possam desenvolver, em instituições voltadas para a preservação do patrimônio cultural, ações envolvendo identificação, levantamento, estudo, organização e/ou difusão de bens materiais e/ou imateriais;

- Proporcionar aos graduandos do Curso de História o contato com profissionais e instituições da área de preservação do patrimônio cultural, através de palestras, oficinas e visitas a instituições e aos campos de exercício da prática curricular;

- Apresentar, analisar e discutir conjuntamente trabalhos das equipes participantes dos seminários da Prática Curricular - Patrimônio Cultural realizados desde 2006, destacando possibilidades de novas atuações, nos futuros projetos;

- Buscar, na medida do possível, interfaces teórico-metodológicas com disciplinas da mesma fase;

- Orientar a elaboração de projetos (por equipes) a serem desenvolvidos junto a instituições vinculadas à preservação do patrimônio cultural no semestre seguinte, na disciplina de “Prática curricular – Patrimônio Cultural II”.





4. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO


UNIDADE I: Dos “monumentos históricos” ao “patrimônio cultural”

Noções e concepções de patrimônio cultural. A preocupação com a preservação de vestígios do passado. O Estado e a preservação de bens culturais. Trajetória das ações de preservação do patrimônio cultural no Brasil. Legislação de proteção do patrimônio cultural. Cartas patrimoniais e organismos internacionais de preservação.



UNIDADE II: Memória, história e contemporaneidade

Os historiadores e o patrimônio cultural. Tempo presente, obsessão pela memória e fúria patrimonializadora. Memória, patrimonialização e “lugares de memória”: dimensões materiais e simbólicas dos bens culturais.



UNIDADE III: Artes de guardar: das políticas às práticas e aos objetos

Colecionismo e entesouramento: construir patrimônios. Objetos biográficos e biografados; escritas ordinárias e objetos-relíquia. O universo dos acervos: arquivos, bibliotecas, museus, centros de documentação.



UNIDADE IV: Patrimônio cultural, difusão cultural e ensino de História

Ações de difusão do patrimônio cultural, conhecimento histórico e ensino de História. Elaboração de projetos em instituições vinculadas à preservação do patrimônio cultural.





5. METODOLOGIA


- Aulas expositivas dialogadas, com discussão/análise de artigos e estudos sobre os temas abordados na disciplina, bem como utilização de recursos áudio-visuais (retroprojetor, data-show, aparelho de dvd/vídeo).

- Atividades / oficinas tematizando aspectos das práticas de preservação do patrimônio cultural.

- Visitas a instituições de preservação do patrimônio cultural.

- Orientação para a elaboração de projetos em instituições de preservação do patrimônio cultural.

* Provável participação dos alunos na II Jornada Catarinense de Patrimônio Cultural, em 7 de maio de 2011.




6. CRONOGRAMA DAS AULAS

MÊS

DIAS

Fevereiro

16, 23

Março

1, 8, 15, 22, 29

Abril

12, 19, 26

Maio

3, 10, 17, 24, 31

Junho

14, 21, 28

TOTAL DE AULAS:

72 horas/aula

Não haverá aulas nos dias 5/4 e 7/6 (feriados).


7. AVALIAÇÃO


ATIVIDADE

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

PESO

Prova escrita (individual, com base em textos de referência das aulas; sem consulta).

Data prevista: 10 de maio.

Pertinência, consistência e coerência das considerações efetuadas; clareza e precisão da redação; apropriação significativa da bibliografia de referência e das discussões em sala.

30%

Atividades em sala (podendo englobar, entre outras: oficinas; leituras dirigidas; debates; elaboração e análise de textos; individuais ou em equipe).

Período previsto: fevereiro a maio, com 10 atividades.

Participação (presença ativa): atenção à atividade proposta; engajamento na sua realização; pertinência da realização da atividade, com base nas discussões em sala.

30%

Visita aos campos da prática curricular (instituições de preservação do patrimônio cultural) e elaboração, em equipe, de projeto (a ser desenvolvido no semestre seguinte).

Período previsto de visitas e elaboração do projeto: entre 10 de maio e 21 de junho.

Data prevista para entrega da versão preliminar do projeto: 31 de maio.

Data prevista para entrega da versão final do projeto: 21 de junho.

Nos campos já definidos para as equipes:

- Engajamento da equipe (assiduidade, participação, compartilhamento de tarefas, diálogo);

- Pertinência do projeto (em relação à disciplina e à instituição);

- Consistência do projeto quanto à fundamentação teórico-metodológica e quanto a exeqüibilidade;

- Qualidade da redação;

- Cumprimento das exigências formais de apresentação de um projeto acadêmico;

- Apropriação significativa da bibliografia de referência e das discussões em sala.


40%

Obs.: As eventuais mudanças nas datas acima indicadas serão devidamente comunicadas à turma de alunos com antecedência de no mínimo uma semana.

8. BIBLIOGRAFIA


1. BÁSICA

Textos de referência das aulas (de leitura obrigatória aqueles assinalados com asterisco):

* 1. GONÇALVES, José Reginaldo Santos. Ressonância, materialidade e subjetividade: as culturas como patrimônio. Horizontes antropológicos, Porto Alegre, ano 11, n. 23, p. 15-36, jan.-jun.2005. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ha/v11n23/a02v1123.pdf > Acesso em 10 fev. 2012.

*2. CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. São Paulo: Unesp, 2001. p.95-173.

3. POULOT, Dominique. Uma história do patrimônio no Ocidente. São Paulo: Estação Liberdade, 2009. p.199-203.

*4. FONSECA, Maria Cecília Londres. A construção do patrimônio: perspectiva histórica. In: O Patrimônio em processo. 3.ed. Rio de Janeiro: UFRJ, 2009. p. 51-78.

*5. SANTOS, Mariza Veloso Motta. Nasce a Academia SPHAN. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, n.24, p.77-95, 1996. Disponível em: <http://docvirt.com/docreader.net/DocReader.aspx?bib=\\Acervo01\drive_n\Trbs\RevIPHAN\RevIPHAN.docpro >. Acesso em 10 fev. 2012.

6. RUBINO, Silvana. O mapa do Brasil passado. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, n.24, p.97-105, 1996. Disponível em: <http://docvirt.com/docreader.net/DocReader.aspx?bib=\\Acervo01\drive_n\Trbs\RevIPHAN\RevIPHAN.docpro > Acesso em 10 fev. 2012.

*7. FONSECA, Maria Cecília Londres. Referências culturais: base para novas políticas de patrimônio. Políticas sociais - acompanhamento e análise [IPEA], n.2, p.111-120, 2001. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/sites/000/2/publicacoes/bpsociais/bps_02/referencia.pdf >. Acesso em 7 fev. 2012.

*8. RHODEN, Luiz Fernando. Legislação e inventários do patrimônio. Ciências e Letras [FAPA], Porto Alegre, n.27, p.189-204, 2000.

9. FONSECA, Maria Cecília Londres. A construção do patrimônio: perspectiva histórica. In: O Patrimônio em processo. 3.ed. Rio de Janeiro: UFRJ, 2009. p.37-41.

10. SOUZA FILHO, Carlos Frederico Marés. Bens culturais e proteção jurídica. Porto Alegre: Unidade Editorial, 1999. p.41-53 e 123-133.

*11. CHUVA, Márcia. O ofício do historiador: sobre ética e patrimônio cultural. In: INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL. Anais da I Oficina de Pesquisa: a pesquisa histórica no IPHAN. Rio de Janeiro: IPHAN, Copedoc, 2008. (Patrimônio: Práticas e Reflexões). p.27-43.

12. POSSAMAI, Zita. O ofício da história e novos espaços de atuação profissional. Anos 90 [Revista do Programa de Pós-Graduação em História – UFRGS], Porto Alegre, v. 15, n. 28, p. 201- 218, dez. 2008. Disponível em: < http://seer.ufrgs.br/anos90/article/view/7968>. Acesso em 10 fev. 2012.

*13. HARTOG, François. Tempo e patrimônio. Varia Historia, Belo Horizonte, v.22, n.36, p.261-273, jul-dez.2006. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/vh/v22n36/v22n36a02.pdf >. Acesso em 7 fev. 2012.

14. HUYSSEN, Andreas. Passados presentes: mídia, política, amnésia. In: - Seduzidos pela Memória. Rio de Janeiro: Aeroplano, Universidade Cândido Mendes, Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, 2000. p.9-40.

*15. NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História, S.Paulo, n.10, p.7-28, dez. 1993. Disponível em: <http://www.pucsp.br/projetohistoria/downloads/revista/PHistoria10.pdf>. Acesso em 7 fev. 2012.

16. JEUDY, Henri-Pierre. Patrimônio e catástrofe. In: Espelho das cidades. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 1995. p.57-65.

*17. BORGES, Viviane. Pise forte neste chão, Arthur Bispo do Rosário está de volta”: patrimonialização, biografia e memória na construção de um personagem ilustre. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História, São Paulo, julho 2011. Disponível em: <http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/1308158172_ARQUIVO_ANPUH_2011[1][2].pdf>. Acesso em 7 fev. 2012.

*18. GIOVANAZ, Marlise Maria. Práticas de coleção: seleção e classificação dos restos do passado. Anos 90 [Revista do Programa de Pós-Graduação em História – UFRGS], Porto Alegre, n. 11, p.162-171, jul.1999. Disponível em: <seer.ufrgs.br/anos90/article/download/6547/3899>. Acesso em: 10 fev. 2012.

*19. CUNHA, Maria Teresa Santos. Diários pessoais: territórios abertos para a História. In: LUCA, Tânia de; PINSKY, Carla B. (orgs). O historiador e suas fontes. São Paulo: Contexto, 2009. p.251-279.

*20. FARGE, Arlette. Milhares de vestígios; Na porta de entrada. In: -. O sabor do arquivo. São Paulo: Edusp, 2009. p.9-28.

*21. GONÇALVES, Janice. A organização dos arquivos e o “método histórico”. In: PERARO, Maria Adenir (org.). Igreja católica e os cem anos da Arquidiocese de Cuiabá (1910-2010). Cuiabá, MT, FAPEMAT, PPGHIS-UFMT, 2009. p.347-357.

*22. OLIVEIRA, Lúcia Lippi. Cultura é patrimônio. Rio de Janeiro: FGV, 2009. p. 139-159.

23. TESSITORE, Viviane. Como implantar centros de documentação. São Paulo: Arquivo do Estado e Imprensa do Estado, 2005. (Como Fazer 9). p. 11-16.

*24. RAMOS, Francisco Régis Lopes. As utilidades do passado na biografia dos objetos. In: GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado; RAMOS, Francisco Régis Lopes (orgs,). Futuro do pretérito: escrita da História e História do Museu. Fortaleza: Instituto Frei Tito Alencar; Expressão Gráfica Editora, 2010. p.50-77.

25. MENESES, Ulpiano Toledo Bezerra de. Educação e museus: sedução, riscos e ilusões. Ciências e Letras, Porto Alegre, n.27, p.91-201, jan.-jun.2000.



2. COMPLEMENTAR

Ensaios, artigos, estudos

ABREU, R. A fabricação do imortal: memória, história e estratégias de consagração no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco, Lapa, 1996.

ABREU, R.; CHAGAS, M.(orgs). Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

ADAMS, B. Preservação urbana: gestão e resgate de uma história - patrimônio de Florianópolis. Florianópolis, Ed. da UFSC, 2002.

ANDRADE, A.L.D. et al. Patrimônio: atualizando o debate. São Paulo: 9ª. SR/IPHAN, 2006.

APPADURAI, A (org.). A vida social das coisas: as mercadorias sob uma perspectiva cultural. Niterói (RJ): Ed.UFF, 2008.

ARANTES, A.A. (org). Produzindo o passado. S.Paulo: Brasiliense, 1994.

BENJAMIN, Walter. Desempacotando minha biblioteca: um discurso sobre o colecionador. In: -. Rua de mão única. São Paulo: Brasiliense, 1987. (Obras escolhidas, 2). p.227-235.

BERTOLETTI, E.C. Como fazer programas de reprodução de documentos de arquivo. São Paulo: Arquivo do Estado, Imprensa Oficial, 2002. (Como fazer, 7).

BLOM, P. Ter e manter: uma história íntima de colecionadores e coleções. Rio de Janeiro: Record, 2003.

BOSI, E. O tempo vivo da memória: ensaios de Psicologia Social. S.Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

BORGES, Viviane Trindade. Desvendando uma história de exclusão: a experiência do Centro de Documentação e Pesquisa do Hospital Colônia Itapuã. História, ciência e saúde - Manguinhos. Rio de Janeiro: Fiocruz, v.10, 2003. BOSI, E. O tempo vivo da memória: ensaios de Psicologia Social. S.Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

BORGES, Viviane Trindade. “Enquanto eu viver, enquanto eu respirar”: os registros orais de Hassis, investigando um arquivo autobiográfico. Revista História Oral. Dossiê História oral, memória e patrimônio. V. 3, n.14 (2011).

CAMARGO, A.M.de A.; GOULART, S. Tempo e circunstância: a abordagem contextual dos arquivos pessoais. São Paulo: Instituto Fernando Henrique Cardoso, 2007.

CARRETERO, M. Documentos de identidad: La construcción de la memória histórica en un mundo global. Buenos Aires: Paidós, 2007.

CARRETERO, M. et al. Ensino de História e memória coletiva. Porto Alegre: ArtMed, 2007.

CASSARES, N.C. Como fazer conservação preventiva em arquivos e bibliotecas. São Paulo: Arquivo do Estado, Imprensa Oficial, 2000. (Como fazer, 5).

CASTRO, S.R.de. O Estado na preservação de bens culturais: o tombamento. Rio de Janeiro: Renovar, 1991.

CHOAY, F. A alegoria do patrimônio. S.Paulo: Ed. da UNESP, Estação Liberdade, 2001.

COOK, T. et alli. Arquivos, Documentos e Poder: a construção da memória moderna. Registro [Revista do Arquivo Público Municipal de Indaiatuba], Indaiatuba-SP, n.3, p. 18-33, jul. 2004.

CHUVA, M.R.R. Os arquitetos da memória: sociogênese das práticas de preservação do patrimônio cultural no Brasil (anos 1930-1940). Rio de Janeiro: Ed. da UFRJ, 2009.

CUNHA, M.T.S e CHEREM, R.M. Refrações de uma coleção fotográfica: Imagem, Cidade, Memória.Florianópolis: Editora UDESC, 2011.

CURY, M.X. Exposição: concepção, montagem e avaliação. São Paulo: Annablume, 2005.

DAVIES, S. História e Patrimônio. In: LAMBERT, Peter; SCHOFIELD, Phillipp (orgs.). História: introdução ao ensino e á prática. Porto Alegre: Penso, 2011.p.319-329.

DE FILIPPI, P.; LIMA, S.F.; CARVALHO, V. C. de. Como tratar coleções de fotografias. São Paulo: Arquivo do Estado, Imprensa Oficial, 2000. (Como fazer, 4).

FARGE, A. O sabor do arquivo. São Paulo: Edusp, 2009.

FIGUEIREDO, B.G.; VIDAL, D. G (ogs.). Museus: dos Gabinetes de Curiosidades à Museologia Moderna. Belo Horizonte: Argumentum, 2005.

FONSECA, M.C.L. O patrimônio em processo: trajetória da política federal de preservação no Brasil. Rio de Janeiro: UFRJ, IPHAN, 1997.

FREIRE, C. Além dos mapas: os monumentos no imaginário urbano contemporâneo. S.Paulo: AnnaBlume, FAPESP, SESC São Paulo,1997.

FREIRE-MEDEIROS, Bianca. Favela como patrimônio da cidade? Reflexões e polêmicas acerca de dois museus. Estudos históricos, Rio de Janeiro, n.38, p.49-66, jul.-dez.2006.

GARCIA CANCLINI, Néstor. O patrimônio cultural e a construção imaginária do nacional. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, n.23, p.95-115, 1994.

GASPAR, M. Sambaqui: arqueologia do litoral brasileiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2000.

GIRAUDY, D., BOUILHET, H. O museu e a vida. Rio de Janeiro: MINC, SPHAN/Pró-Memória, 1990.

GOMES, A.de C. (org.). Escrita de si, escrita da História. Rio de Janeiro: Ed. da FGV, 2004.

GONÇALVES, J. Como classificar e ordenar documentos de arquivo. São Paulo: Arquivo do Estado, Imprensa Oficial, 1998. (Como fazer, 2).

GONÇALVES, J.R.S. A retórica da perda: os discursos do patrimônio cultural no Brasil. Rio de Janeiro: Ed.da UFRJ, MinC/IPHAN, 1996.

GOVERNO FEDERAL (BRASIL). MINISTÉRIO DA CULTURA. IPHAN. Cartas patrimoniais. Brasília: 1995.(Cadernos de Documentos, 3)

GOVERNO FEDERAL (BRASIL). MINISTÉRIO DA CULTURA. IPHAN. Coletânea de Leis sobre Preservação do Patrimônio. Rio de Janeiro: 2006.

GUEDES, Tarcila. O lado doutor e o gavião de penacho: movimento modernista e patrimônio cultural no Brasil: o Serviço do Patrimônio Histórico (SPHAN). São Paulo: Annablume, 2000.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. S.Paulo: Vértice, Editora dos Tribunais, 1990.

HEYMANN, Luciana Quilet. Os fazimentos no arquivo de Darci Ribeiro: memória, acervo, legado. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n.36, p.43-58, jul.-dez.2005.

HORTA, M.L.P. et al. Guia básico de educação patrimonial. Brasília: IPHAN, Museu Imperial, 1999.

HUYSSEN, A. Seduzidos pela memória. Rio de Janeiro: Aeroplano, Universidade Cândido Mendes, Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, 2000.

IMAGENS DE UM PRESENTE: História e Memória de Florianópolis na passagem do século XIX ao XX através do acervo iconográfico de José Arthur Boiteux, preservado pelo Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina. CD-ROM. UDESC/FAPESC/CNPq/UFSC. Disponível em: < www.imagensdeumpresente.udesc.br >

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL. Anais da I Oficina de Pesquisa: a pesquisa histórica no IPHAN. Rio de Janeiro: IPHAN, Copedoc, 2008. (Patrimônio: Práticas e Reflexões).

JEUDY, H.-P. Espelho das cidades. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2005.

JULIÃO, Letícia. O SPHAN e a cultura museológica no Brasil. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v.22, n.43, p.141-161, jan.-jun.2009.

LE GOFF, J. História e Memória. Campinas-SP, Editora da Unicamp, 1990.

LEJEUNE, P. O pacto autobiográfico: de Rousseau à Internet. Belo Horizonte: UFMG, 2008.

LOPEZ, A.P.A. Como descrever documentos de arquivo: elaboração de instrumentos de pesquisa. São Paulo: Arquivo do Estado, Imprensa Oficial, 2002. (Como fazer, 6).

LOWENTHAL, D. Como conhecemos o passado. Projeto história [PUC-SP], S.Paulo, n.17, p.63-201, nov.1998.

MARANDINO, M., ALMEIDA, Ad.M., VALENTE, M.E (orgs.). Museu - lugar do público. Rio de Janeiro. Editora da FIOCRUZ, 2009.

MENESES, Ulpiano Toledo Bezerra de. A cidade como bem cultural – áreas envoltórias e outros dilemas, equívocos e alcance da preservação do patrimônio ambiental urbano. In: MORI, Victor Hugo et al. (orgs.). Patrimônio: atualizando o debate. São Paulo: 9ª. SR/IPHAN, 2006. p.35-76.

MENESES, Ulpiano Toledo Bezerra de. A crise da memória, história e documento: reflexões para um tempo de transformações. In: SILVA, Zélia Lopes da (org.). Arquivos, patrimônio e memória. São Paulo: Ed. da UNESP, FAPESP, 1999. p.11-29.(Seminários & Debates)

MENESES, Ulpiano Toledo Bezerra de. A problemática da identidade cultural nos museus: de objetivo (de ação) a objeto (de conhecimento). Anais do Museu Paulista [Nova Série],São Paulo, n.1, p.207-222, 1993.

MENESES, Ulpiano Toledo Bezerra de. Os “usos culturais” da cultura: contribuição para uma abordagem crítica das práticas e políticas culturais. In: YÁZIGI, E, CARLOS, A. F. A.; CRUZ, R. C. A. da (orgs.). Turismo: espaço, paisagem e cultura. 3 ed. São Paulo: HUCITEC, 2002. p.88-99.

MILANESI, L. A casa da invenção: biblioteca centro de cultura. S.Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

MIRANDA,W.M. (org). A trama do arquivo. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 1995.

MOURÃO, H. A. Patrimônio cultural como um bem difuso: o Direito Ambiental brasileiro e a defesa dos interesses coletivos por organiações não governamentais. Belo Horizonte: Del Rey, 2009.

MURTA, S.M.; ALBANO, C.(orgs.). Interpretar o patrimônio: um exercício do olhar. Belo Horizonte: Ed.da UFMG, Território Brasilis, 2002.

PELEGRINI, S.C.A. Patrimônio cultural: consciência e preservação. São Paulo: Brasiliense, 2009.

POMIAN, K. Colecção. In: Enciclopédia Einaudi - Memória-História. Lisboa: Imprensa Nacional, Casa da Moeda, 1984. v.1, p.51-86.

PROUS, A. Arqueologia brasileira. Brasília: Editora da UnB, 1992.

RAMOS, F.R.L. A danação do objeto: o museu no ensino de História. Chapecó (SC), Argos, 2004.

RAMOS, F.R.L. Objetos do Caldeirão: museu, memória e cultura material (1936-1997). Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v.4, n.48, p.366-384, jul-dez.2011.

RIBEIRO, R.W. Paisagem cultural e patrimônio. Rio de Janeiro: IPHAN, 2007.

RICOEUR, P. A memória, a história, o esquecimento. Campinas (SP): Ed. da UNICAMP, 2007.

SANTOS, M.S. dos. A escrita do passado em museus históricos. Rio de Janeiro: Garamond, MinC/IPHAN/DEMU, 2006.

SARLO, B. Tempo Passado: cultura da memória e guinada subjetiva. S.Paulo: Cia.das Letras; Belo Horizonte: UFMG, 2007.

SARLO, B. Tempo Presente: notas sobre a mudança de uma cultura. Rio de Janeiro: José Olympio, 2005.

SELIGMANN-SILVA, M. (org.). Palavra e imagem: memória e escritura. Chapecó (SC): Argos, 2006.

SILVA, Z.L. da (org). Arquivos, Patrimônio e Memória: trajetórias e perspectivas. S.Paulo: Ed.daUNESP, 1999.

SIMÃO, M.C.R. Preservação do patrimônio cultural em cidades. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

TESSITORE, V. Como implantar centros de documentação. São Paulo: Arquivo do Estado, Imprensa Oficial, 2003. (Como fazer, 9).

VELHO, Gilberto. Patrimônio, negociação e conflito. Mana, abr. 2006, v.12, n.1, p.237-248.



YÁZIGI, E.(org). Turismo e paisagem. S.Paulo: Contexto, 2002.

Para outras indicações e informações de interesse sobre a disciplina, consultar o sítio eletrônico do Laboratório de Patrimônio Cultural: >

Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal