Universidade estadual de campinas



Baixar 4.88 Mb.
Página18/101
Encontro29.11.2017
Tamanho4.88 Mb.
1   ...   14   15   16   17   18   19   20   21   ...   101

PAPEL DE GPR56 NA RESISTÊNCIA À QUIMIOTERAPIA NA LEUCEMIA LINFÓIDE (LLA)


André Bortolini Silveira (Bolsista FAPESP), Angelo Brunelli Albertoni Laranjeira, Sílvia Regina Brandalise e Prof. Dr. José Andrés Yunes (Orientador), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
A leucemia linfóide aguda (LLA) é o tipo de câncer mais comum na infância e as falhas no tratamento têm sido associadas à resistência ao regime quimioterápico. Células de LLA beneficiam-se da interação com o microambiente da medula óssea através do aumento da resistência aos quimioterápicos. Em estudo preliminar, verificamos queda na expressão de GPR56 (G protein-coupled receptor 56) quando da co-cultura da LLA com células de estroma, um gene cuja expressão é menor em pacientes sensíveis ao quimioterápico L-asparaginase. Resta saber se a queda na expressão de GPR56 estaria diretamente implicada no aumento de resistência da LLA à L-asparaginase. Neste estudo, analisamos por PCR em tempo real o efeito da co-cultura de células leucêmicas de 17 pacientes com o estroma da MO na expressão de 4 genes GPCRs de adesão (GPR56, GPR124, LPHN1 e CD97), a fim de verificar se a modulação de GPR56 é um evento específico ou acompanhado pela modulação dos demais genes GPCRs de adesão. GPR56 apresentou queda na expressão perante a co-cultura (p=0,0037) e GPR124 aumento na expressão (p<0,0001). GPR124 participa na sobrevivência celular mediada por contato em células endoteliais. Especulamos que GPR124 talvez atue de forma semelhante nas células de LLA. LPHN1 e CD97 não apresentaram diferenças significativas de expressão (p=0,352 e p=0,582, respectivamente), o que sustenta a hipótese de que a modulação de GPR56 e GPR124 são regulados de maneira específica pelo contato da LLA com o estroma da medula óssea.

Leukemia - Drug resistance - GPR56


B0127

ESTUDO DA EXCREÇÃO URINÁRIA DE SÓDIO EM RATOS ESPONTANEAMENTE HIPERTENSOS SUBMETIDOS À ADMINISTRAÇÃO INTRACEREBROVENTRICULAR DE METFORMINA


José Roberto Tonelli Filho (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. José Antônio Rocha Gontijo (Orientador), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
A metformina é uma biguanida com propriedades antihiperglicemiantes atribuídas, principalmente, à supressão da gliconeogênese hepática e ao aumento da sensibilidade à insulina nos tecidos, predominantemente no fígado. È a droga de escolha para pacientes com diabetes mellitus tipo 2 e obesos. A associação entre diabetes mellitus tipo 2 e hipertensão arterial sisitêmica é corroborada por dados epidemiológicos, mostrando que níveis elevados de insulina, bem como resistência ao seu efeito no metabolismo da glicose, tem sido relacionados com hipertensão arterial em modelos humanos e animais. O presente estudo avaliou a influência da modulação central da metformina sobre a excreção urinária de sódio, através da microinjeção intracerebroventricular de metformina (25mg) em ratos SHR e em seus controles normotensos (WKy) de mesma idade, divididos em dois grupos (jovens - 6 semanas; adultos - após 12 semanas). Foram avaliados o clearance de creatinina e de lítio além da fração de excreção total, proximal e pós-proximal de sódio. Os resultados mostraram que animais SHR jovens apresentam uma atenuação da resposta natriurética comparados aos controles normotensos (WKy) de mesma idade, após injeção intracerebroventricular de metformina.

Natriurese - SHR - Metformina


B0128

ESTUDO PARA VALIDAÇÃO DO QUESTIONÁRIO DE MORBIDADE MATERNA GRAVE


Thaís Manzione Giavarotti (Bolsista SAE/UNICAMP), João Paulo Souza, Mary Angela Parpinelli, Antônio de Oliveira Neto, Fabiana Krupa e Maria Helena Sousa e Prof. Dr. José Guilherme Cecatti (Orientador), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
INTRODUÇÃO: No Brasil, onde a cobertura de serviços é variável e a integração de informações hospitalares é ainda incipiente, um inquérito populacional pode ser a única maneira de se obter informações em âmbito nacional sobre a prevalência de morbidade materna grave. OBJETIVOS: Validar um questionário sobre morbidade materna grave, através de questões realizadas em entrevistas com mulheres em comparação com os diagnósticos registrados nos seus prontuários médicos. MÉTODOS: A coleta de dados foi realizada através de entrevistas telefônicas e da revisão dos respectivos prontuários de 509 mulheres que tiveram partos num período de até cinco anos, egressas da Unidade de Terapia Intensiva de adultos e da enfermaria de alojamento conjunto do CAISM da UNICAMP. RESULTADOS: Dentre critérios de morbidade materna avaliados no questionário, os com melhor desempenho, com maior sensibilidade e especificidade, foram Eclâmpsia (S=91,2% e E=87,%6), Internação na UTI (S=97,1 e E=93,7), Histerectomia (S=96,7 e E=99,6) e Transfusão de concentrado de hemácias (S=91,9 e E=93,5). CONCLUSÃO: Foram observadas altas e moderadas especificidade e sensibilidade na maioria dos critérios de morbidade materna analisados no questionário. Isso sugere a proposição de fatores de correção que possam ser utilizados para inquéritos populacionais usando as mesmas perguntas para avaliar morbidade materna grave.

Morbidade - Materna - Validação


B0129

IMPLEMENTAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS E CONTROLE DE QUALIDADE DAS INFORMAÇÕES MATERNAS E PERINATAIS DE PARTOS ATENDIDOS EM POSIÇÃO DE CÓCORAS


Joyce Demarchi Correia Leite (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. José Hugo Sabatino (Orientador), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Este projeto tem como objetivo criar um banco de dados com nascimentos de forma naturais em mulheres de baixo risco gestacional, com variáveis maternas, fetais e neonatais que nos permitirá uma adequada ordenação dos dados para obter informações que, nos possibilitarão, posteriormente, implementar políticas e normas de atendimento ao parto e ao recém nascido de forma simplificada. O método utilizado será através da coleta de dados da ficha obstétrica, existente no Centro de Atenção Integrada a Saúde da Mulher (CAISM) na UNICAMP, contendo variáveis pré-codificadas, o que permite realizar controle de qualidade da informação e consistência dos dados através de programas computacionais específicos. Os erros identificados por meio destes programas serão corrigidos consultando os prontuários das pacientes, possibilitando uma correção adequada, aumentando desta forma a confiabilidade da informação. Já temos, até a presente data, corrigidos 525 casos de 625, que continham erros, de um total de 1.500 nascimentos.

Banco de dados - Controle de qualidade - Partos


B0130



Compartilhe com seus amigos:
1   ...   14   15   16   17   18   19   20   21   ...   101


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal