Universidade estadual de campinas



Baixar 4.88 Mb.
Página40/101
Encontro29.11.2017
Tamanho4.88 Mb.
1   ...   36   37   38   39   40   41   42   43   ...   101

ANÁLISE DO EFEITO POTENCIALIZADOR DA OXIGENAÇÃO HIPERBÁRICA (HBO) EM ANIMAIS INFECTADOS POR PLASMODIUM SPP. E TRATADOS COM ANTIMALÁRICOS CONVENCIONAIS


Marcele Fontenelle Bastos (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Fabio Trindade Maranhão Costa (Orientador), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
A malária infecta 300-500 milhões de pessoas e leva ao óbito de 1-2 milhões de indivíduos anualmente, sendo a principal doença parasitária do mundo devido principalmente ao surgimento de cepas de parasitas resistentes às drogas convencionalmente utilizadas; em particular a cloroquina (CQ). Estudos mostram que espécies reativas de oxigênio são fundamentais para a eliminação de eritrócitos infectados por Plasmodium sp. tanto em humanos quanto em modelo experimental. De fato, muitos antimaláricos clinicamente utilizados atuam, em parte, aumentando o estresse oxidativo no parasita; e vários antibióticos, fungicidas e drogas antiparasitárias têm atividade aumentada em ambiente hiperóxico e hiperbárico (HBO). Neste estudo analisamos o uso da HBO como potencializador de antimaláricos convencionalmente utilizados contra doença em animais infectados. Camundongos infectados com Plasmodium chabaudi chabaudi, mantidos em câmara hiperbárica (100% O2, 3 ATA) por 1 hora diariamente durante 8 dias consecutivos (dia 0-7) apresentaram redução significativa na parasitemia no pico da infecção (dia 7) após tratamento com CQ (ED-50) pelo mesmo período. O mesmo não foi observado após tratamento com artesunato (ED-50). Estes resultados abrem perspectivas para a utilização da HBO como potencializador da ação antimalárica da CQ.

Plasmodium - Oxigenação hiperbárica - Antimaláricos


B0307

COMPARAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DOS COMPLEXOS I E II DA CADEIA RESPIRATÓRIA MITOCONDRIAL EM DUAS CEPAS DE TRYPANOSOMA CRUZI


Laura Hulshof (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Fernanda Ramos Gadelha (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
A doença de Chagas, causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi, não tem cura ou tratamento efetivo. Um dos obstáculos encontrados para o desenvolvimento de uma quimioterapia efetiva é a grande diversidade de cepas. Neste trabalho analisou-se em duas cepas de T. cruzi, Y e Tulahuen 2, o funcionamento da cadeia respiratória mitocondrial. Os parâmetros analisados foram o potencial de membrana mitocondrial, consumo de oxigênio e a produção de H2O2, tendo como substratos o malato/glutamato (sítio I) ou succinato (sítio II). O potencial de membrana mitocondrial foi determinado em um fluorímetro pela técnica da safranina. A cepa Tulahuen 2 apresentou maior potencial do que a Y com todos os substratos. Ao utilizar-se substrato de sítio I na presença de malonato (inibidor do complexo II) a capacidade de fosforilação foi menor para as duas cepas. Para o consumo de oxigênio utilizou-se um oxígrafo e não foram observadas, em nenhuma das cepas, diferenças significativas entre os substratos. Comparando-se a Y com a Tulahuen 2, a velocidade do consumo de O2 foi 7,1 ± 1,0 e 11,5 ± 1,6 nmoles O2 consumido/min/108céls, respectivamente. A produção de H2O2 será detectada em fluorímetro utilizando-se a técnica do Amplex Red. Os resultados até agora obtidos indicam um funcionamento diferenciado da cadeia respiratória entre as duas cepas.

Mitocôndria - Trypanosoma - Estresse oxidativo


B0308

ESTUDO COMPARATIVO DA BIOENERGÉTICA MITOCONDRIAL DE TRYPANOSOMA CRUZI EPIMASTIGOTAS, CONTENDO OU NÃO, A DELEÇÃO DO GENE CORRESPONDENTE A SUB-UNIDADE 7 DA NADH DESIDROGENASE


Marco Aurélio Gomes Mendonça (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Fernanda Ramos Gadelha (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
O Trypanosoma cruzi é o agente etiológico da doença de Chagas. Tal enfermidade ainda carece de tratamentos efetivos com mínimo de efeitos colaterais. Para tanto, é necessário o estudo minucioso do parasita para se desenvolver um fármaco que se encaixe nestes requisitos. Um fator que dificulta a identificação de um alvo mais específico é a grande diversidade genética que existe entre as cepas de T. cruzi. Este trabalho tem como objetivo analisar a bioenergética mitocondrial e a resistência ao estresse oxidativo em diferentes isolados do parasita, dois contendo uma deleção no gene que codifica a subunidade 7 da NADH-desidrogenase, dois sem a deleção e a cepa de referência,CL-Brener. Os parâmetros estudados foram a viabilidade celular perante estresse oxidativo gerado pelo peróxido de hidrogênio, potencial de membrana mitocondrial, produção de espécies reativas de oxigênio (EROS) e consumo de oxigênio. O potencial de membrana e a produção de EROs foram analisados por citometria de fluxo, o consumo de oxigênio em um oxígrafo e a viabilidade celular determinada pela técnica do MTT. Não se observou diferenças significativas entre os grupos estudados demonstrando que o fato de haver a deleção não afeta a bioenergética do parasita. Estudos mais aprofundados do potencial de membrana mitocondrial utilizando-se um fluorímetro estão em andamento.

Mitocôndria - NADH desidrogenase - Trypanosoma cruzi


B0309

OCORRÊNCIA DE RAÍZES SUPERFICIAIS EM CLUSIA CRIUVA SUBESPECIE PARVIFLORA VESQUE (CLUSIACEAE)


Aline Lopes e Lima (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Flavio Antonio Maës dos Santos (Orientador), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
Clusia criuva subsp. parviflora é comum em diversos ambientes costeiros, apresentando um sistema radicular superficial dotado de raízes adventícias que contribuem à fixação em terrenos acidentados. O objetivo do trabalho foi verificar se variações na quantidade e na espessura de raízes aparentes em populações de mata de encosta e de costão rochoso (Ubatuba, SP) se correlacionam com o tamanho dos indivíduos e com a declividade. As raízes adventícias no nível do solo (RNS) foram maiores e mais abundantes no costão rochoso, enquanto que as raízes acima do nível do solo (RANS) eram escassas neste, e abundantes na mata de encosta. RNS no costão rochoso e RANS na mata de encosta foram correlacionadas com a declividade: aumentam em número e em espessura quanto maior o declive, atuando como âncora. A assimetria do sistema radicular nos indivíduos dos dois ambientes aumenta a estabilidade das plantas pela modificação da distribuição das forças mecânicas no solo. A assimetria do número de RNS teve correlação positiva com a assimetria dos ramos. RNS direcionam-se predominantemente para o aclive. RANS eventualmente escoram quanto maior a assimetria da parte aérea. As RNS e as RANS parecem contribuir de forma distinta para a estabilidade da espécie em áreas que variam em declive e substrato. Os diferentes arranjos do sistema radicular superficial dos indivíduos de cada ambiente nos levam a sugerir diferentes contribuições da altura da emissão das raízes adventícias à estabilidade, conforme as condições ambientais e o estágio de desenvolvimento dos indivíduos, que pode ser distinto em cada área.

Morfologia radicular - Costão rochoso - Clusia


B0310



Compartilhe com seus amigos:
1   ...   36   37   38   39   40   41   42   43   ...   101


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal