Universidade estadual de campinas



Baixar 4.88 Mb.
Página43/101
Encontro29.11.2017
Tamanho4.88 Mb.
1   ...   39   40   41   42   43   44   45   46   ...   101

IDENTIFICAÇÃO, ANÁLISE DE EXPRESSÃO E CLONAGEM DE NOVOS GENES EXPRESSOS POR MONILIOPHTHORA PERNICIOSA, FUNGO CAUSADOR DA VASSOURA DE BRUXA DO CACAUEIRO


Raissa Estrela Curado (Bolsista FAPESP), Jorge Maurício C. Mondego, Gustavo Gilson L. Costa e Prof. Dr. Gonçalo Amarante Guimarães Pereira (Orientador), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
A vassoura de bruxa é uma doença do cacaueiro que tem como agente etiológico o fungo Moniliophthora perniciosa. Estudos com outros organismos fitopatogênicos mostraram que a descoberta de genes exclusivos de patógenos é de extrema importância na busca por métodos de controle de doenças. Alguns desses genes podem estar ligados à patogenicidade do organismo sendo cruciais para a instalação da doença em plantas suscetíveis ou para provocar resposta defensiva em plantas resistentes. O principal objetivo do projeto foi descobrir novos genes exclusivos do fungo M. perniciosa tendo como base modelos de genes fornecidos por programas computacionais de predição gênica. Selecionamos modelos de genes com características comuns a genes de patogenicidade típicos de outros fitopatógenos como: a) presença de peptídeo sinal para exportação, b) alta porcentagem de resíduos de cisteína (conferem estabilidade à proteína) e c) proteína hipotética de tamanho reduzido. Validamos e confirmamos a expressão de 63% dos modelos gênicos preditos escolhidos, por meio de técnicas de RT-PCR. Em seguida, clonamos os cDNAs dos novos genes em plasmídeos para posteriores testes de funcionalidade. Acreditamos que o estudo destes genes possa gerar novas informações sobre os mecanismos de patogenicidade de M. perniciosa.

Vassoura de bruxa - Gene models - Moniliophthora perniciosa


B0319

D-MAPS - DNA-MICROARRAY PROJECTS


Tais Sineiro Herig (Bolsista ITI/PCI/CNPq), Marcelo Falsarella Carazzolle, Ana Carolina Deckmann e Prof. Dr. Gonçalo Amarante Guimarães Pereira (Orientador), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
A técnica de microarranjos de DNA permite o estudo da expressão de um grande conjunto de genes em um único experimento, possibilitando a investigação de respostas celulares em detalhes, bem como inferências sobre função e interação entre genes. Porém, apesar dos microarranjos de DNA serem atualmente uma das técnicas mais difundidas para estudos funcionais em pesquisas nas áreas de biologia e medicina, é extremamente difícil analisar a enorme quantidade de dados gerados sem auxílio computacional. Com o intuito de gerenciar e processar dados de microarranjos de DNA, foi desenvolvido o sistema web D-MaPs (DNA-Microarray Projects – http://www.lge.ibi.unicamp.br/d-maps), que está estruturado para realizar as etapas necessárias das análises (normalizações e análises estatísticas). O sistema foi desenvolvido nas linguagens Perl e R e suporta várias plataformas de microarranjos disponíveis: GeneTAC, ScanArray, Codelink, NimbleGen e Affymetrix. Como ferramenta web, permite que as análises sejam realizadas em servidores robustos com alta capacidade de processamento. Além disso, foi projetado com uma interface simples para permitir que pesquisadores não familiarizados com o desenvolvimento de análises estatísticas e ferramentas computacionais possam facilmente obter seus resultados.

Bioinformática - Microarranjo de DNA - Software


B0320

RESPOSTA GÊNERO-ESPECÍFICA DA EXPRESSÃO DE GENES RELACIONADOS AO METABOLISMO LIPÍDICO APÓS TRATAMENTO DE CAMUNDONGOS QUE EXPRESSAM CETP COM ÁCIDOS GRAXOS POLI-INSATURADOS


Letícia Paiva Silveira (Bolsista IC CNPq), Helena Fonseca Raposo e Profa. Dra. Helena Coutinho Franco de Oliveira (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
Os óleos de peixe e de milho são fontes de ácidos graxos poliinsaturados (PUFA) n-3 e n-6, respectivamente. Tais ácidos graxos são ligantes naturais dos receptores ativados por proliferadores de peroxissomos (PPARs), que controlam a expressão de diversos genes envolvidos no metabolismo lipídico. A proteína de transferência de colesteril éster (CETP) é uma proteína plasmática que modula o risco de aterosclerose. Este trabalho teve por objetivo investigar os efeitos da suplementação da dieta com PUFA sobre a expressão hepática da CETP e de outros genes relacionados ao metabolismo lipídico. Camundongos transgênicos para a CETP foram tratados por 2 semanas com óleo de peixe, de milho ou salina. Nos machos, o óleo de peixe causou redução de gordura hepática (22%), não alterou a atividade e a expressão da CETP, e reduziu o RNAm de PPARa (67%) no fígado. Nas fêmeas, o óleo de peixe não alterou o teor hepático de lípides, aumentou a atividade da CETP (52%) sem alteração do seu RNAm e aumentou a expressão do fator de transcrição SREBP-2 (185%). O óleo de milho aumentou a expressão de SREBP-1 em machos (120%) e de SREBP-2 em fêmeas (164%). Em conclusão, o tratamento com PUFA induz respostas gênero-específicas no padrão de expressão gênica de fatores de transcrição e da CETP e no teor de lípides hepático.

Ácidos graxos - PPAR - CETP


B0321

DESENVOLVIMENTO PÓS-ECLOSÃO DE UMA ESPÉCIE NÃO DESCRITA DE ARANHA DO GÊNERO AYSHA (ARANAE: ANYPHAENIDAE) CRIADA EM LABORATÓRIO


Mateus Fornazari Zanatta (Bolsista IC CNPq) e Prof. Dr. João Vasconcellos Neto (Orientador), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
Anyphaenidae são aranhas errantes e constroem abrigos de seda entre folhas, em terminais de plantas e sob cascas de árvores ou pedras. Foi encontrada uma espécie ainda não descrita do gênero Aysha, que constrói seu abrigo dobrando as folhas da planta ”hospedeira”. Apenas fêmeas foram encontradas sendo necessário um macho para a descrição da espécie. Esse trabalho visa estudar o desenvolvimento pós-embrionário da espécie e obter um macho pra descrevê-la. As aranhas são criadas em recipientes de 250 ml e alimentadas com uma solução de leite em pó, suplemento protéico e manteiga nos primeiros instares e com indivíduos de Drosophila sp. posteriormente. Em cada instar é medida a área do cefalotórax e anota-se a data da ecdise. A taxa de mortalidade foi mais alta no 1º instar (19,56%) do que nos demais (2,25% em média). Essa mortalidade é menor do que a observada para o 1º instar em um experimento semelhante realizado em 2007 (72,5%), o que sugere que a nova dieta artificial é mais completa que a anterior (apenas leite em pó). Cada instar dura em torno de 20 dias e a partir do 3º instar elas tornam-se capazes de se alimentarem de moscas. Há correlação positiva entre comprimento e largura do cefalotórax ao longo do desenvolvimento. Nenhum adulto foi obtido ainda, mas espera-se que elas terminem seu desenvolvimento até o evento.

Anyphaenidae - Desenvolvimento - Aranha


B0322



Compartilhe com seus amigos:
1   ...   39   40   41   42   43   44   45   46   ...   101


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal