Universidade estadual de campinas



Baixar 4.88 Mb.
Página44/101
Encontro29.11.2017
Tamanho4.88 Mb.
1   ...   40   41   42   43   44   45   46   47   ...   101

TOLERÂNCIA À ENDOGAMIA EM ANELOSIMUS JABAQUARA (ARANEAE, THERIDIIDAE) E SEU PAPEL NA TRANSIÇÃO PARA A SOCIALIDADE PERMANENTE


Suzana Diniz (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. João Vasconcellos Neto (Orientador), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
Ao longo da evolução das aranhas sociais, a transição da socialidade periódica para a permanente leva ao aumento da taxa de cruzamentos entre aparentados, podendo resultar em depressão endogâmica. Isto sugere que quanto maior o nível de socialidade, mais tolerante a espécie é à endogamia. O gênero Anelosimus é de especial interesse por possuir amplo espectro de graus de socialidade. A espécie A. jabaquara, uma aranha periódico-social, foi utilizada para avaliar os custos da endogamia. Fêmeas com ooteca foram coletadas no campo e mantidas em laboratório. Após a prole das mesmas se tornar adulta, dois grupos de cruzamentos foram feitos, um composto por casais de irmãos e outro por não-aparentados. Os parâmetros utilizados para avaliar os custos da endogamia foram: fecundidade e tempo de desenvolvimento, sobrevivência e crescimento da prole. Os resultados indicaram que não há diferença significativa, entre os dois grupos, em nenhum dos parâmetros citados, levando-se à conclusão de que A. jabaquara é tolerante à endogamia. Isto sugere que a espécie tem um histórico evolutivo de endogamia, podendo os cruzamentos entre aparentados serem freqüentes na população natural. Todavia, os dados são referentes à primeira geração de endogamia, podendo os efeitos deletério se manifestarem na segunda geração.

Anelosimus - Endogamia - Socialidade


B0323

O USO DE HIDROCARBONETOS CUTICULARES NA IDENTIFICAÇÃO DE INSETOS DE INTERESSE FORENSE


Aline Ropelli (Bolsista FAPESP), Aricio Xavier Linhares, Patrícia Jacqueline Thyssen e Prof. Dr. José Roberto Trigo (Orientador), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
Entomologia forense, estudando dípteros encontrados em cadáveres, é uma importante ferramenta na obtenção de informações relacionadas ao tempo, causa da morte e outros fatores como deslocamento de cadáveres. O perfil de hidrocarbonetos cuticulares (HCs) pode ser usado como fonte segura para identificação de espécies de Diptera. Nesse trabalho analisamos machos e fêmeas adultos de oito espécies dípteros Calliphoridae de interesse forense. Ambos os sexos de adultos de Lucilia eximia, L. cuprina, L. sericata, Chrysomya albiceps, C. megacephala, C. putoria, Cochlyomia macellaria e Hemilucilia semidiaphana foram coletados em diferentes locais do Estado de São Paulo. Machos e fêmeas não apresentaram diferenças no padrão de HCs. Os compostos identificados por GC-MS foram: L. eximia 9-C27:1 e C27; L. cuprina 9-C25:1, C25, 11-,13-,15-MeC25, 9-C27:1 e C29; L. sericata 9-C25:1, 9:C27:1, C27 e 2-MeC28; C. albiceps C27, 4-MeC28, C29, 4-MeC30, 9-C31:1 e C31; C. megacephala 4-MeC26, C27, 11-,13-MeC27, 4-MeC28, C29, 4-MeC30, 9-C31:1 e C31; C. putoria 9-C27:1, C27, dois isômeros de 9-C29:1, C29, 11-,13-,15-MeC31, 4-MeC30, 9-C31:1 e C31; Co. macellaria 11-,13-MeC25, C27, 11-MeC27, 3-MeC27, C29, 9-C31:1 e C31; H. semidiaphana 11-,13-MeC23, C24, C29 e C31. Os resultados suportam HCs como uma importante ferramenta para identificação dessas espécies.

Calliphoridae - GC-MS - A ramificados


B0324

BIONOMIA DE OXYOPSIS SAUSSUREI (MANTIDAE: STAGMATOPTERINAE)


Tânia Cristina Vasconcelos Barela (Bolsista IC CNPq) e Prof. Dr. José Roberto Trigo (Orientador), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
Os mantídeos são artrópodes predadores generalistas, alimentando-se geralmente de insetos. Cerca de duas mil espécies são conhecidas, sendo a maioria em regiões tropicais e subtropicais. Esse trabalho tem como objetivo estudar o ciclo de vida da espécie nativa Oxyopsis saussurrei (Mantidae: Stagmatopterinae). A partir de uma ooteca silvestre, coletada em Campinas, foi estabelecida, após sua eclosão, uma colônia reprodutiva em laboratório. Sessenta ninfas desta colônia foram acondicionadas individualmente em viveiros construídos com garrafas PET transparentes de 200 ml, com temperatura, iluminação e UR controlados, para a coleta de dados sobre o ciclo de vida. As fêmeas atingem a maturidade sexual após 39,00 ± 14,80 dias (média ± desvio padrão) da 7ª e última ecdise e os machos após 23,60 ± 4,16 dias da 6º e última ecdise. Foram efetuados, até agora, acasalamentos de quatro casais. As fêmeas colocam 4,4 ± 1,14 ootecas cada, de onde nascem 53,33 ± 11,66 nínfas. As fêmeas apresentam 8 instares e os machos 7, sendo que estes apresentam maior número na ninhada e chegam antes à fase adulta. Esta ultima característica pode ser uma estratégia da espécie para evitar anomalias congênitas, que se manifestam necessariamente em homozigose recessiva que é aumentada através da endogamia.

Ciclo de vida - Entomologia - Ecologia


B0325

ANÁLISE DA VARIAÇÃO CARIOTÍPICA EM LINHAGENS DE SACCHAROMYCES CEREVISIAE UTILIZADAS NA INDÚSTRIA DE ETANOL


Fabiana de Melo Duarte (Bolsista PIBIC/CNPq), Silvia Kazue Missawa, Marcelo Falsarella Carazzolle, Luiz Humberto Gomes, Flavio C. A. Tavares, Maria da Graça Stupiello Andrietta, Piotr Mieczlowski, Thomas Petes, Gonçalo Amarante Guimarães Pereira e Prof. Dr. Juan Lucas Argueso Gomes de Almeida (Orientador), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
Apesar do interesse global na produção de etanol combustível, existem poucos estudos sobre as linhagens industriais de levedura responsáveis pela conversão de glicose em etanol nas usinas. Neste projeto foi analisada a estrutura de organização do genoma na linhagem JAY270, derivada de Pedra2 – linhagem selvagem de alto rendimento isolada de processos fermentativos – a partir de informações sobre a linhagem padrão de laboratório S288c. Análises genéticas demonstraram que JAY270 é uma linhagem diplóide naturalmente heterotálica pertencente à espécie Saccharomyces cerevisiae. Análises do seu perfil cariotípico através de PFGE demonstraram que existem polimorfismos e rearranjos significativos acumulados em seus cromossomos em relação ao perfil da linhagem S288c. A análise do “CGH-array” de JAY270 demonstrou que a maior parte desses rearranjos cromossômicos está localizada nas regiões sub-teloméricas e em sítios intermediários de repetição em tandem, e esses resultados foram explorados mais detalhadamente através de “Band-arrays” e análises físicas. Foi também realizado o seqüenciamento do genoma de JAY270 e alguns dos rearranjos foram confirmados através de Southern blot e PCR. Os resultados obtidos representam uma etapa importante para o desenvolvimento de estratégias de manipulação genética visando o melhoramento de características ligadas à produção de etanol.

Etanol - Cariótipo - Saccharomyces


B0326

INFECÇÃO E AUTOIMUNIDADE: ESTUDO DA ATIVIDADE TOLEROGÊNICA DAS CÉLULAS DENDRITICAS PLASMACITÓIDES NA ENCEFALOMIELITE EXPERIMENTAL AUTO-IMUNE


Juliana de Cássia Sartorelli (Bolsista FAPESP) e Profa. Dra. Leonilda Maria Barbosa dos Santos (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
A relação entre as infecções e as doenças auto-imunes é complexa. As infecções podem atuar como desencadeadoras das doenças auto-imunes nos indivíduos com predisposição genética; no entanto, a literatura mostra exemplos de situações onde as infecções modificam a resposta imunológica, reduzindo os danos causados pelas reações auto-imunes. No presente estudo, está sendo nosso objetivo verificar como o Mycobacterium tuberculosis e antígenos derivados desse agente como a PPD e peptídeo de PPD modificam a resposta imune e consequentemente reduzem a gravidade da Encefalomielite experimental auto-imune, um modelo experimental para o estudo da Esclerose múltipla. Especificamente estamos estudando as células dendríticas plasmacitóide (PDCs). As PDCs são ativadas por antígenos virais ou oligodeoxinucleotídeos (ODN) sintéticos que apresentam a seqüência CpG e expressam receptores Toll-like 9 e 7. As células dendríticas ativadas por esses antígenos produzem até 1000 vezes mais Interferon do tipo I (alfa e beta). Interagindo com as células T, as PDCs atuam sobre as células de memória e podem induzir células T regulatórias do tipo Tr1 ou CD4+CD25+. Portanto, o estudo está enfocado na possível indução de tolerância imunológica pelas células PDCs, com conseqüente modificação na gravidade da EAE, após a interação com moléculas derivadas de agentes infecciosos.

Auto-imune - Células dendriticas plasmacitó - Imunosupressão


B0327

A PREDAÇÃO POR PEIXES AFETA A COMPOSIÇÃO E RIQUEZA DE INVERTEBRADOS INCRUSTANTES?


Edson Aparecido Vieira Filho (Bolsista SAE/UNICAMP), Gustavo Muniz Dias e Prof. Dr. Luiz Francisco Lembo Duarte (Orientador), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
A predação de organismos sésseis é fundamental no desenvolvimento de comunidades incrustantes, sendo peixes os principais predadores e suas dietas determinantes na forma como cada grupo de animal séssil será afetado. Ascídias são animais de corpo mole que investem em diferentes estratégias para escape da predação, o que lhes garante uma grande habilidade competitiva. Segundo a teoria do nível intermediário deperturbação, a remoção de espécies com maior habilidade competitiva por predadores pode minimizar a monopolização do espaço, contribuindo, desta forma, para o aparecimento de outras espécies e conseqüente aumento da riqueza local. Neste contexto, este trabalho teve como objetivo testar o efeito da predação sobre a riqueza e composição de espécies da comunidade incrustante. Para tal foram utilizadas placas de PVC instaladas no infralitoral, sendo que algumas estiveram expostas à predação durante todo estudo ou parte dele, e outras foram protegidas da predação por gaiolas de exclusão. A predação não afetou a abundância de organismos nem a riqueza total de espécies da comunidade, entretanto foram observadas diferenças na composição de organismos, discordando dos resultados previstos a partir da teoria do nível intermediário de perturbação.

Predação - Comunidade incrustante - Ascídia


B0328

AVALIAÇÃO DE PROMOTORES INDUTÍVEIS IN VIVO NA EXPRESSÃO DA PROTEÍNA HP-NAP DE HELICOBACTER PYLORI EM LINHAGEM VACINAL DE SALMONELLA ENTERICA


Eduardo Seity Toma (Bolsista SAE/UNICAMP) e Prof. Dr. Marcelo Brocchi (Orientador), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
Estimativas revelam que mais da metade da população mundial está infectada por Helicobacter pylori, sendo esse índice muito maior nos países subdesenvolvidos. A infecção por H. pylori está relacionada à manifestação de gastrites crônicas, úlceras gástrica e duodenal, adenocarcinoma gástrico e linfomas MALT. O tratamento da infecção se baseia no uso de antibióticos, porém além dos efeitos colaterais e do risco de re-infecção, é crescente o número de linhagens resistentes aos antibióticos utilizados que vem sendo reportadas. O desenvolvimento de vacinas profiláticas e terapêuticas contra H. pylori proveria um novo mecanismo para o controle das infecções. O uso de linhagens atenuadas de Salmonella enterica recombinantes como carreadores de antígenos heterólogos têm se mostrando eficiente na imunidade contra diversos organismos patogênicos. Estudos têm mostrado que sistema de expressão do antígeno heterólogo é critico para uma resposta imune efetiva. A proteína HP-NAP é um importante fator de virulência altamente conservado entre as linhagens de H. pylori se tornando um potencial antígeno alvo para a imunidade. Neste trabalho estão sendo construídas duas linhagens de S. enterica que expressam HP-NAP sob o controle dos promotores indutíveis in vivo (IVIPs) ppagC e pydfZ, com a posterior análise da imunogenicidade das linhagens.

Vacina recombinante - Salmonella enterica - Helicobacter pylori


B0329

IDENTIFICAÇÃO DE ALVOS DE INTERAÇÃO DA PROTEÍNA SSCIPK8 DE CANA-DE-AÇÚCAR PELA TÉCNICA DO DUPLO-HÍBRIDO EM LEVEDURAS


Tiago Luz Farani (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Marcelo Menossi Teixeira (Orientador), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
A cana-de-açúcar é uma das mais importantes espécies vegetais cultiváveis do mundo, sendo o Brasil o principal produtor. A importância mundial desta planta tem aumentado e tem sido investido muito na obtenção de variedades de cana-de-açúcar com maiores teores de sacarose. O presente trabalho visou identificar novos alvos de interação da proteína SsCIPK8 de cana-de-açúcar, pertencente à família das proteínas relacionadas às clássicas SNF1 de leveduras envolvidas no metabolismo de carboidratos. O gene que codifica para a SsCIPK8 é mais expresso em folhas de plantas com baixo teor de açúcar e é induzido pela aplicação exógena de ácido abscísico (ABA). Um modelo no qual a proteína SsCIPK8 poderia atuar no metabolismo de carboidratos através da interação com fatores envolvidos na via de sinalização pelo ABA foi sugerido e investigado. A técnica utilizada para a identificação dos novos alvos de interação foi a do duplo-híbrido em leveduras e a biblioteca de cDNA utilizada foi sintetizada a partir de folhas maduras de plantas F1 de alto teor de sacarose.

Duplo-híbrido - Cana-de-açúcar - Metabolismo de açúcar


B0330

ALTERAÇÕES AGUDAS E CRÔNICAS DA BARREIRA HEMATOENCEFÁLICA FRENTE AO ENVENENAMENTO SISTÊMICO POR PHONEUTRIA NIGRIVENTER. COMPORTAMENTO DAS CÉLULAS ENDOTELIAIS


Stefania Fioravanti Savioli (Bolsista IC CNPq), Paulo Alexandre Odorissi, Catarina Rapôso e Profa. Dra. Maria Alice da Cruz Höfling (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
A Barreira Hematoencefálica (BBB) é responsável pelo rigoroso controle do trânsito bidirecional de substâncias entre sangue e cérebro. Neste trabalho a permeabilidade da BBB foi aferida pela detecção da expressão de conexina-43 (Cx-43), da proteína de multirresistência a drogas (MRP-1) e do transportador de glicose-1 (GLUT-1) por “Western bloting” na presença do veneno da aranha Phoneutria nigriventer (PNV) na circulação sistêmica. Ratos Wistar machos receberam injeção endovenosa de solução de PNV (850 μg/Kg), ou solução salina e a seguir sacrificados após 15 min, 2 e 5 h sob anestesia. Os cérebros foram dissecados e o cerebelo (Cer) e o hipocampo (Hip) foram processados para determinação das proteínas por immunoblotting. Os resultados mostraram que no Hip houve pequeno e gradual aumento na expressão da MRP-1, diminuição na expressão da Cx-43 e aumento da GLUT-1 nos ratos tratados com PNV. No Cer a expressão da MRP-1 teve leve aumento, a Cx-43 mostrou diminuição nos grupos 2 h e 5 h, e a GLUT-1 diminuiu aos 15 min, permanecendo constante nos períodos seguintes em comparado aos controles. Sugere-se que o aumento da MRP-1 (envolvida na impermeabilidade da BBB) e da GLUT-1 (marcador endotelial da funcionalidade da BBB) e a diminuição da Cx-43 (proteína da junção comunicante entre endotélio e astrócitos) no hipocampo e cerebelo reflete permeabilização da BBB pela neurotoxicidade do PNV.

Aranha armadeira - Neurotoxicidade - Marcadores de célula endotelia


B0331

ELABORAÇÃO DE UMA CHAVE INTERATIVA DE ACESSO MÚLTIPLO PARA IDENTIFICAÇÃO DOS GÊNEROS DE PLANTAS DANINHAS DO ESTADO DE SÃO PAULO PERTENCENTES À ORDEM FABALES


Ana Luiza Muler (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Maria do Carmo Estanislau do Amaral (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
Para identificar plantas, são utilizadas geralmente obras ilustradas e chaves dicotômicas impressas, mas sua utilização depende de conhecimento botânico prévio ou que o material possua partes vegetativas e reprodutivas. Já as chaves de acesso múltiplo, usadas com auxílio de computadores, facilitam a identificação, pois possibilitam: (1) escolher os caracteres a serem usados na identificação; (2) examinar ilustrações dos caracteres e dos táxons; (3) interagir com a chave, que aponta os caracteres mais promissores para a identificação. A chave ainda permite uma margem de erro durante a identificação, e o acréscimo de novos táxons e caracteres é simples e rápido. O presente projeto faz parte de um projeto maior que visa elaborar uma chave interativa de acesso múltiplo para gêneros de plantas daninhas do Estado de São Paulo, sendo aqui tratadas as famílias Fabaceae e Polygalaceae. Plantas daninhas são consideradas indesejadas por causarem prejuízos econômicos. Até o presente, foram coletadas 70 espécies (em 24 gêneros) em lavouras e áreas perturbadas, em diversas localidades. As espécies foram identificadas, descritas, fotografadas, herborizadas e serão incorporadas ao herbário UEC (da Unicamp). Posteriormente, as plantas serão incluídas na chave interativa de acesso múltiplo, que ficará disponível gratuitamente na internet.

Plantas daninhas - Chaves interativas - Ordem Fabales


B0332

ELABORAÇÃO DE UMA CHAVE INTERATIVA DE ACESSO MÚLTIPLO PARA IDENTIFICAÇÃO DOS GÊNEROS DE PLANTAS DANINHAS DO ESTADO DE SÃO PAULO PERTENCENTES A FAMÍLIAS DO GRUPO EUROSID II


Daniela de Oliveira Dinato (Bolsista FAPESP) e Profa. Dra. Maria do Carmo Estanislau do Amaral (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
Plantas daninhas constituem um grande e heterogêneo grupo de vegetais que crescem espontaneamente em solos agrícolas e ambientes alterados pelo homem, sendo em geral consideradas indesejáveis. A identificação dessas espécies é importante para se cogitar a melhor maneira de controlá-las. As chaves de identificação convencionais (impressas) podem tornar a identificação de espécies vegetais bastante trabalhosa, especialmente com material sem flores. Uma alternativa são as chaves de identificação interativas de acesso múltiplo, usadas com computadores. Essas chaves dão mais liberdade ao usuário, podem incluir figuras, sons e arquivos em html, o que torna o processo mais eficaz e lúdico. O presente projeto faz parte de um projeto maior de elaborar uma chave interativa de acesso múltiplo para identificação de gêneros de plantas daninhas do Estado de São Paulo. O projeto envolveu o levantamento das famílias e respectivos gêneros pertencentes ao grupo Eurosid II, a descrição e levantamento dos respectivos caracteres, a produção de breves descrições desses gêneros e a produção de ilustrações de caracteres e espécies. A chave foi elaborada com o auxílio do programa Lucid3. Foi ainda elaborada uma chave para leigos e pessoas não familiarizadas com a terminologia botânica. A chave final será disponibilizada no website do Departamento de Botânica do IB-UNICAMP.

Plantas daninhas - Chave interativa - Eurosid II


B0333

STRESS OXIDATIVO E PROTEÇÃO A MIONECROSE NA DISTROFIA MUSCULAR DE DUCHENNE: ESTUDO EM CAMUNDONGOS DISTRÓFICOS DA LINHAGEM MDX


Adriana Fogagnolo Maurício (Bolsista IC CNPq), Profa. Dra. Elaine Minatel (Co-orientadora) e Profa. Dra. Maria Julia Marques (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
A distrofia muscular de Duchenne (DMD) é caracterizada pela falta de distrofina, proteína estrutural do sarcolema que promove a sua estabilização. Em ausência de distrofina, ocorre aumento da permeabilidade ao cálcio e mionecrose. No camundongo mdx, modelo experimental da distrofia muscular, os músculos da pata, diafragma e esternomastóide sofrem ciclos de necrose e regeneração. Os músculos extra-oculares (EOMs) não apresentam degeneração, sendo protegidos da falta da distrofina. Considera-se que o stress oxidativo também esteja relacionado à fisiopatologia da DMD. A lipofuscina resulta da degradação oxidativa de macromoléculas e serve como indicativo de stress oxidativo. Através de microscopia de fluorescência, observamos que os mdx possuem maior quantidade destes grânulos do que os controles (p<0.05). Os EOMs distróficos jovens apresentam menor quantidade de lipofuscina (p<0.05) do que o tibial anterior distrófico. Animais controle e mdx idosos apresentam maior quantidade de lipofuscina do que os jovens, possivelmente pelo fato da deposição destes grânulos ser acumulativa. Sugere-se que os músculos de animais distróficos são susceptíveis ao stress oxidativo. Mecanismos que modulem este tipo de stress podem ser potencialmente úteis para a proteção da fibra muscular distrófica.

Distrofina - MDX - Mionecrose


B0334

ANOMALIAS MITÓTICAS EM LINHAGENS CELULARES COM EXPRESSÃO DIFERENCIADA DE GENE LOX


Elenice Monte Alvarenga (Bolsista PIBIC/CNPq e FAPESP) e Profa. Dra. Maria Luiza Silveira Mello (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
Proteínas da família LOX, lisiloxidases responsáveis por formação de ligações cruzadas em colágenos e elastina, também realizam interações com a histona H1. Em células COS-7 transfectadas com construções de lox, a interação entre LOX recombinante e H1 resulta em descompactação da cromatina (células interfásicas). Supondo-se que alterações na organização dos complexos DNA-proteína, por ação de LOX, pudessem também afetar os cromossomos durante a divisão celular, foram aqui estudadas imagens mitóticas em células COS-7 (fibroblastos transformados) transfectadas com um gene lox e células NRK-49F (fibroblastos normais) transfectadas com uma construção antisense do mesmo gene. Detectou-se decréscimo na freqüência de metáfases anômalas e de pontes cromossômicas nas células COS-7 transfectadas em comparação ao controle não transfectado. Poucas anomalias mitóticas foram observadas nas células NRK-49F, transfectadas ou não pela construção antisense de lox. Sugere-se que para as células transformadas (COS-7), que já apresentavam alta freqüência de anomalias mitóticas, a interação H1-LOX possa reduzir sinais responsáveis por uma relação cromossomos-fuso mitótico anômala. Nas células normais (NRK-49F), com poucas mitoses defeituosas, a redução em LOX e de interações LOX-H1 possivelmente não afete a organização dos cromossomos.

Lisiloxidases - Cromossomos - Mitose


B0335

A ETHOSUXIMIDA AFETA O CICLO CELULAR EM CÉLULAS 3T3?


Flávia Gerelli Ghiraldini (Bolsista FAPESP), Maria Silvia V. Gatti e Profa. Dra. Maria Luiza Silveira Mello (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
A ethosuximida, conhecida droga anticonvulsiva, vem sendo usada experimentalmente no bloqueio de canais de cálcio do tipo T e sua ação também é pesquisada no retardo do envelhecimento em C. elegans. Em células Balb/c 3T3 submetidas ao teste MTT foi encontrado que em concentrações de 12,5 à 50 µg/mL a droga não induzia efeito citotóxico. Na concentração de 50 mg/mL um teste clonogênico foi sugestivo de que a droga pudesse, no entanto, induzir retardo na progressão do ciclo celular dessas células. Isto levou-nos a estudar, por análise de imagem por sistema vídeo, os padrões de distribuição de valores de conteúdo Feulgen-DNA e de graus de contraste entre cromatina condensada e não condensada em células 3T3 interfásicas. Estas foram tratadas por 2 h com ethosuximida (Sigma) nas concentrações de 25 e 50 mg/mL e coletadas 0, 24 e 48 h pós-tratamento. Foram encontradas alterações na distribuição de valores Feulgen-DNA (especificamente, redução na freqüência desses valores na classe 4 C) 48 h após tratamento com a droga na concentração de 50 mg/mL. Tal achado estaria de acordo com a hipótese de um retardo no avanço das fases S + G2, promovido pela droga, como preliminarmente suposto.

Ethosuximida - Ciclo celular - Células 3T3


B0336

CITOSINA METILADA ESTÁ ENVOLVIDA NA ORGANIZAÇÃO DA HETEROCROMATINA DE TRIATOMA INFESTANS?


James Alexandre Martins (Bolsista IC CNPq) e Profa. Dra. Maria Luiza Silveira Mello (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
A influência de mecanismos epigenéticos na organização e função da cromatina e em especial a metilação de DNA rico em CG tem sido relatada como influenciando a organização de cromatina condensada. O inseto Triatoma infestans apresenta corpos heterocromáticos conspícuos portadores de DNA rico em seqüências AT. Mesmo assim, investigou-se neste estudo a presença de DNA com sequências -CCGG- portadoras de citosina interna metilada, em áreas de cromatina com supra-organização específica em T. infestans. Foi feita avaliação de tais seqüências por análise de imagem microespectrofotométrica de varredura da resposta Feulgen positiva após tratamento in situ com as enzimas de restrição Msp I e Hpa II em túbulos de Malpighi. Ambas as enzimas clivam a sequência -CCGG-, porém Hpa II não cliva essa seqüência, se a citosina interna estiver metilada. Com os dados obtidos foram construídos diagramas de dispersão que possibilitaram a identificação de pontos associados a fenótipos nucleares específicos. Não se encontrou riqueza em CG em núcleos com vários corpos de cromatina condensada, porém em núcleos com um único desses corpos houve presença de seqüências CG e de citosinas não-metiladas em áreas de cromatina não condensada. Em T. infestans, portanto, a metilação de CG não parece estar envolvida na organização da heterocromatina.

Heterocromatina - DNA metilado - Triatoma infestans


B0337

ÁCIDO VALPRÓICO E A REMODELAÇÃO ESTRUTURAL DA CROMATINA EM CÉLULAS HELA


Marina Barreto Felisbino (Bolsista PIBIC/CNPq), Wirla M. S. C. Tamashiro e Profa. Dra. Maria Luiza Silveira Mello (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
O ácido valpróico (VPA), potente droga anticonvulsiva, em doses terapêuticas < 0,7 M, inibe deacetilases de histonas (HDAC) em células HeLa. Na suposição de que esse efeito epigenético pudesse afetar a supraorganização da cromatina, investigamos neste trabalho se o VPA promoveria remodelação estrutural da cromatina em células HeLa. Estas, crescidas por 24 h, foram tratadas por VPA nas concentrações de 0,05 mM, 0,5 mM e 1 mM nos tempos de 1 e 2 h, submetidas à reação de Feulgen e investigadas por análise de imagem por sistema microespectrofotométrico de varredura Zeiss. Dados referentes à área nuclear coberta por cromatina condensada (Sc%) e grau de contraste entre cromatina condensada e não condensada (AAR), plotados em diagrama de dispersão, permitiram concluir que a cromatina de células HeLa sofre descondensação significativa mesmo sob a ação de concentração baixa de VPA, que induz queda na atividade de HDAC1 de ~20%. A remodelação estrutural promovida pelo VPA leva a um aumento dos tamanhos nucleares, aparentemente afetando a cromatina de modo geral. A descompactação promovida, associada à inibição de HDAC, poderá estar afetando uma expressão gênica generalizada.

Cromatina - Epigenética - Ácido valpróico


B0338

BIOMONITORAMENTO DA ÁGUA DO LAGO HERMÓGENES FREITAS LEITÃO FILHO (CAMPINAS, SP) POR ANÁLISE DE ERITRÓCITOS DE PEIXES


Murillo Moreno Augusto (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Maria Luiza Silveira Mello (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
O Lago do Parque Ecológico Hermógenes Freitas Leitão Filho se encontra no interior de uma Área de Preservação Ambiental, tendo como limites a Cidade Universitária de Campinas, a Unicamp e a Funcamp. No ano de 1998 foi relatado um episódio indicativo de presença de agentes genotóxicos e citotóxicos nesse Lago, pela análise de células vegetais tratadas por sua água. É, pois, recomendável o monitoramento constante da qualidade da água desse Lago, ainda mais pelo mesmo se tratar de uma área de lazer da região. Neste trabalho estudamos a presença de micronúcleos em eritrócitos de tilápias do Nilo (Oreochromis niloticus) ali residentes e coletadas no período de novembro/2007 a janeiro/2008. Do sangue periférico dos peixes (n = 5) foram preparados esfregaços, os quais foram submetidos à reação de Feulgen e contracorados com fast green a pH 2,7. A pesquisa de alterações nucleares nos eritrócitos revelou freqüência de 0,53-1,29% de micronúcleos, acima do nível considerado tolerável (0,04%). Isto indica presença de agentes citotóxicos no corpo d’água, sendo um alerta para as autoridades competentes e reafirmando a necessidade de seu constante biomonitoramento.

Micronúcleos - Oreochromis niloticus - Lago Hermógenes F Leitão Filho


B0339

BIOLOGIA DA REPRODUÇÃO E DA POLINIZAÇÃO DE ELLEANTHUS BRASILIENSIS (ORCHIDACEAE) NA MATA ATLÂNTICA DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR


Carlos Eduardo Pereira Nunes (Bolsista PIBIC/CNPq), Prof. Dr. Christiano Franco Verola (Co-orientador) e Profa. Dra. Marlies Sazima (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
A despeito da relevância da família Orchidaceae nas comunidades das florestas tropicais como importante componente da flora desses ecossistemas e da urgente necessidade de conhecimentos para sua conservação, os estudos sobre a biologia reprodutiva de orquídeas, principalmente as polinizadas por beija-flores, são escassos. Elleanthus brasiliensis é uma espécie de orquídea ocorrente na Mata Atlântica, cujas flores apresentam características típicas de polinização por beija-flores. Estudos sobre a biologia reprodutiva desta espécie são essenciais para preencher as lacunas sobre o papel das orquídeas ornitófilas neste ecossistema. O presente estudo tem por objetivo investigar a fenologia, a biologia floral, o sistema reprodutivo, alguns aspectos da morfologia e da anatomia, além de determinar quais espécies de beija-flores atuam como polinizadores desta espécie de orquídea, visando à obtenção de informações para programas de conservação, aspecto de relevante importância diante da degradação dos ambientes naturais. Este estudo está sendo desenvolvido na Mata Atlântica do Núcleo Picinguaba - Parque Nacional da Serra do Mar. Para a obtenção dos dados serão feitas excursões mensais ao campo e as análises dos dados serão feitas nos laboratórios do Depto. de Botânica. O projeto está em andamento desde 03/2007 e resultados preliminares sobre a fenologia, a produção de néctar e os visitantes florais desta espécie de orquídea estão sendo apresentados.

Polinização - Orchidaceae - Beija-flores


B0340

CÂMARA NECTARÍFERA: BARREIRA SELETIVA AOS VISITANTES DE SOPHORA TOMENTOSA E CROTALARIA VITELLINA (LEGUMINOSAE)


Vinícius Lourenço Garcia de Brito (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Marlies Sazima (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
Para disponibilizar recursos apenas aos polinizadores, algumas flores possuem mecanismos que impedem visitantes ilegítimos de obtê-los. Sophora tomentosa e Crotalaria vitellina co-ocorrem na restinga da Praia da Fazenda, Núcleo Picinguaba-Ubatuba, SP e produzem néctar em câmara nectarífera acessível através de pequenos orifícios formados nos estiletes fundidos. Para descobrir se este é um mecanismo que disponibiliza o néctar apenas aos polinizadores, foram comprados o comprimento das câmaras nectaríferas com o comprimento das glossas das abelhas visitantes, bem como as dimensões florais com as dimensões do corpo destas abelhas. O comprimento das câmeras nectaríferas de S. tomentosa e C. vitellina é de 3,30mm e 3,22mm respectivamente. O comprimento do gineceu é de 17,56mm e 10,01mm e do androceu é de 19,42mm e 7,93mm respectivamente nestas flores. Os visitantes Trigona e Augochlora, com glossas menores que 3,0mm e comprimento do corpo menor que 6,5mm, não tem acesso ao néctar e não são polinizadores. Bombus, Centris, Megachile e Xylocopa, com glossa maior que 4,0mm e comprimento do corpo maior que 8,5mm, tem acesso ao néctar e são polinizadores. Assim as câmaras nectaríferas selecionam somente os visitantes que possuem glossa longa para alcançar o néctar e disponibiliza este recurso às abelhas que têm tamanho do corpo adequado para tocar o estigma e depositar pólen.

Câmara nectarífera - Abelhas - Leguminosae


B0341

AVALIAÇÃO DA REDUNDÂNCIA FUNCIONAL EXISTENTE ENTRE OS QUATRO FATORES DE TRANSCRIÇÃO DO TIPO BZIP DE ARABIDOPSIS THALIANA HOMÓLOGOS AO LÓCUS OPACO-2 DE MILHO


Daniela Feltrim (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Michel Georges Albert Vincentz (Orientador), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
O uso de silenciamento gênico permite uma análise direta da função dos genes de interesse. A observação dos fenótipos e análises moleculares de um organismo no qual um ou vários genes foram silenciados permite a principio caracterizar a função e o grau de redundância genética de genes parálogos. O presente trabalho tem por objetivo avaliar o grau de redundância funcional de quatro genes do grupo C em Arabidpsis thaliana: AtbZIP9, AtbZIP10, AtbZIP25 e AtbZIP63. Para tanto, o produto de PCR de cerca de 300bp de cada um dos genes foi inserido no vetor de clonagem pHannibal, permitindo a expressão de RNAds para indução de silenciamento. O cassete de expressão será finalmente clonado no vetor binário pFP100. As plantas utilizadas serão do tipo selvagem e mutantes knockout por inserção de T-DNA de AtbZIP9 (atbzip9-1). Plantas homozigotas serão selecionadas para análise de desenvolvimento e crescimento. Análises moleculares da inserção e silenciamento serão feitas através de PCR e RT-PCR. Caso as alterações fenotípicas não sejam visíveis, o tratamento sob diferentes condições de meio, como aplicação de hormônios e condições de estresse poderão ser utilizados.

Bzip - Transcrição - Silenciamento


B0342

AVALIAÇÃO DE SUSTENTABILIDADE EM UNIDADES DE PRODUÇÃO DE REFERÊNCIA EM AGROECOLOGIA - REDE REGIONAL DE AGROECOLOGIA MANTIQUEIRA-MOGIANA, NÚCLEO DE SUMARÉ, SP


Marcelo de Albuquerque Vaz Pupo (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Mohamed Ezz El Din Mostafa Habib (Orientador), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
Os Indicadores de Sustentabilidade, no âmbito da avaliação das atividades agropecuárias dos assentamentos rurais de Sumaré-SP, têm grande importância para contribuir na tomada de decisão dos agricultores envolvidos na pesquisa. Nos seis meses de investigação adicional, as atividades em Sumaré mantiveram como base metodológica o “Marco de Avaliação de Sistemas de Manejo de Recursos Naturais”, que propõem que toda avaliação de sustentabilidade seja uma atividade participativa que requer uma perspectiva interdisciplinar, devendo incluir tanto avaliadores externos quanto os envolvidos diretos com o objeto de estudo. Para o aprimoramento dos instrumentos de análise utilizados para coleta dos dados necessários aos Indicadores, foram utilizados planilhas para preenchimento de dados relacionados ao manejo dos agroecossistemas (insumos, mão de obra, etc.), gastos com a atividade agrícola e comercialização. Pesquisa de campo foi também elaborada para determinação da entomofauna presente nas unidades produtivas, principalmente nos cultivos de mandioca (Manihot esculenta) e mexirica (Citrus sp.), viabilizando assim Indicadores de Riqueza e diversidade de entomofauna para os três assentamentos estudados.

Agroecologia - Indicadores - Avaliação de sustentabilidade


B0343

EFEITO DE ANTIOXIDANTES NA MODULAÇÃO DO ESTRESSE OXIDATIVO EM ANIMAIS INDUZIDOS A QUEIMADURA


Flavia Brunale Vilela de Moura Leite (Bolsista PIBIC/CNPq), Iasmin Ferreira, Zaine Teixeira, Almeida, A.B.A. Neto, J.M.F.A., Raposo do Amaral, C.E., Raposo do Amaral, Nelson Durán e Profa. Dra. Patricia da Silva Melo (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
Estudos recentes têm mostrado inúmeras vantagens do emprego de nanopartículas poliméricas (NPs) no encapsulamento de ativos. Este trabalho foi realizado empregando os antioxidantes catequina, baicaleina e palmitato de retinila em sua formas livres e em NPs para a determinação dos possíveis efeitos contra danos oxidativos em órgãos distante da ferida original e no próprio tecido queimado. Sobre efeito de anestésicos, o dorso barbeado dos ratos foi exposto a um banho de 90ºC e outros a um banho de 25ºC por 10 segundos. As formulações dos ativos foram administradas no tecido queimado durante uma semana. Os ratos foram anestesiados para retirada de sangue através da veia porta-hepática com posterior deslocamento cervical, sendo as amostras de tecidos do fígado, rim e pele processadas para determinação dos níveis de substâncias reativas ao ácido tiobarbitúrico (TBARS) e níveis de glutationa, glutationa redutase, catalase e proteínas carboniladas. Os resultados mostraram se o trauma oxidativo induzido pela queimadura na pele, com reflexos em tecidos hepáticos e renais foi protegido pela administração das substâncias citadas devido aos efeitos antioxidantes das mesmas. A baicaleína mostrou efeito protetor, sendo um resultado promissor para o desenvolvimento de novas formulações para tratamento de queimaduras.
Estresse oxidativo - Antioxidantes - Queimaduras

B0344

NANOPARTÍCULAS DE PRATA SINTETIZADA POR FUSARIUM OXYSPORUM: AVALIAÇÃO DOS EFEITOS CITOTÓXICOS EM CÉLULAS V79


Iasmin Rosanne Silva Ferreira (Bolsista IC CNPq), Priscyla Marcatto, Nelson Durán e Profa. Dra. Patricia da Silva Melo (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
Nanopartículas metálicas obtidas através da produção extracelular do fungo Fusarium oxysporum têm sido estudadas devido a suas inúmeras aplicações, como na óptica não-linear, espectralmente seletiva de revestimento para absorção de energia solar e intercalação de material elétrico, como receptores ópticos e catálise em reações químicas. Os fungos inoculados foram preparados em um extrato malte 2% e levedura 0,5%, e extraídos a 28°C em placas Petri. A redução da prata foi realizada como descrito: cerca de 10 g de F. oxysporum foi adicionada a um erlenmeyer contendo 100 mL de água destilada, e mantida por 72 horas a 28°C. A seguir, adicionou-se AgNO3 (10-3 M) e separou-se as nanopartículas dos demais componentes por filtração. As nanopartículas de prata foram caracterizadas por microscopia eletrônica de transmissão (TEM) e imagem de elementos por espectroscopia (ESI). Além disso, a citotoxicidade das nanopartículas de prata foi avaliada em células V79. Para verificar a viabilidade celular foram utilizados dois parâmetros independentes: a redução do MTT e a incorporação do vermelho neutro. As nanopartículas de prata induziram citotoxicidade em uma forma dose-dependente, reduzindo em 50% a viabilidade celular em uma concentração de 10 μM. Estes resultados sugerem a utilização das nanopartículas de prata na veiculação de fármacos com o intuito de aumentar o efeito citotóxico de quimioterápicos e antibióticos.

Fusarium oxysporum - Nanopartículas - Citotoxicidade


B0345

INVESTIGAÇÃO DO EFEITO DA DESIDROCROTONINA E COMPLEXOS EM CICLODEXTRINAS EM CÉLULAS TUMORAIS: PAPEL DAS ESPÉCIES REATIVAS DE OXIGÊNIO NA MODULAÇÃO DA MORTE CELULAR POR APOPTOSE


Lucas Frungillo Lima (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Patricia da Silva Melo (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
O uso de polímeros biodegradáveis como sistema de liberação controlada de hormônios e fármacos desponta como uma promissora alternativa na terapia contra o câncer. Além de vantagens físico-químicas, o conjugado droga-polímero proporciona maior eficiência terapêutica e redução de efeitos colaterais. Este projeto visa o estudo da modulação da indução de apoptose em células tumorais através do tratamento com DHC livre, uma diterpeno lactona, e complexada a ßCD (DHC/ßCD, DHC/MeßCD e DHC/HPßCD). Para tal estudo usamos linhagens de células da leucemia humana (HL60, K562, K562 Lucena e U937). Resultados prévios de nosso grupo indicam a via mitocondrial como uma importante desencadeadora da morte celular após tratamentos com a DHC. Analisamos, então, o envolvimento de estresse oxidativo na indução de morte celular pela suplementação com anti-oxidantes ao meio de cultura e posterior avaliação do valor de IC50 pela técnica de redução do MTT; o intumescimento mitocondrial por espectrofotometria e, a transição de permeabilidade de membrana mitocondrial (TPM) e a formação de poros nesta membrana por citometria de fluxo. Nossos resultados indicam que a inclusão da desidrocrotonina em ciclodextrinas aumenta o efeito citotóxico através de um padrão diferente de indução de morte celular, as formas complexadas se mostraram mais eficientes na indução do estresse oxidativo quando comparadas a DHC livre, provavelmente devido a interações com a membrana e a liberação sustentada.

Desidrocrotonina - Apoptose - Complexos de inclusão


B0346

AVALIAÇÃO DE MORTE CELULAR POR APOPTOSE EM CÉLULAS DA LEUCEMIA HUMANA INDUZIDA POR TAXOL


Viviane Aparecido Queiroz, Lucas Frungillo, Maristella Conte Anazetti, Patricia Silva Melo e Profa. Dra. Patricia da Silva Melo (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
A leucemogênese é caracterizada por anomalias na proliferação e diferenciação celular, resultando em bloqueio de expansão clonal e maturação de células leucêmicas. O presente trabalho avaliou os efeitos da citotoxicidade e morte celular por apoptose em células da leucemia humana, HL60, K562 e U937, após tratamento com o TaxolÒ.Para comparar o efeito citotóxico do TaxolÒ em células leucêmicas foi avaliado ensaios tais como redução do MTT e atividade das fosfatases (PTP). A indução da apoptose em células HL60 foi analisada pela marcação com anexina V-FITC/PI por citometria de fluxo após 12, 24, 48 e 72 horas de tratamento na concentração em torno do valor Ic50 (0,8 ng/ml). Os valores de Ic50 da linhagem HL60 e U937 foram inferiores em relação a Ic50 da linhagem K562. Após 48 horas de tratamento com Taxol, 97% das células HL60 foram induzidas à morte celular por apoptose.Conclui-se portanto que o TaxolÒ é eficiente na indução morte celular por apoptose sobre as linhagens leucêmicas avaliadas.

Apoptose - Paclitaxel - Leucemia


B0347

ANTOCIANINAS DE COFFEA ARABICA VAR. PURPURASCENS: IDENTIFICAÇÃO E ESTUDOS DE ATIVIDADE


Adilson Pereira Domingues Junior (Bolsista PIBIC/CNPq), Milton Massao Shimizu e Prof. Dr. Paulo Mazzafera (Orientador), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
Antocianinas são compostos fenólicos relacionados à coloração de estruturas vegetais. Por absorverem luz em determinadas faixas do espectro visível, podem modificar significativamente a quantidade e a qualidade da luz incidente nos cloroplastos. Na espécie Coffea arabica, responsável por 70% da produção mundial de café, a variedade purpurascens apresenta folhas jovens com coloração purpúrea. Análises de espectrometria de massa de extratos de folhas revelaram que essa variedade possui duas antocianinas, derivadas de delfinidina. Cortes histológicos mostraram que as células ciânicas apresentam-se ao longo de toda epiderme adaxial, desaparecendo com a idade das folhas. A quantificação de pigmentos de folhas jovens de purpurascens e da variedade nacional (verde) demonstrou que a primeira apresenta maior quantidade de clorofilas totais e redução da razão clorofila a:b, semelhante ao encontrado em folhas de ambiente sombreado. Embora tenha sido observada uma menor taxa de fluorescência de clorofila em folhas de purpurascens, a taxa fotossintética mostrou que não há diferenças significativas entre essa variedade e a nacional, revelando não existir um comprometimento da fotossíntese como um todo no organismo purpúreo. Assim, este estudo abriu caminho para futuros estudos de melhoramento relacionando antocianinas e sua ação fotoprotetora em café.

Café - Antocianinas - Fotossintese


B0348

ESTUDO DE CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DA SÍNFISE PÚBICA DE CAMUNDONGOS FÊMEAS SWISS MULTÍPARAS EMPREGADAS COMO MATRIZ REPRODUTIVA


Sílvio Roberto Consonni (Bolsista FAPESP), Renata Giardini Rosa, Maria Amália Cavinato, Cristiane Mendes Vinagre e Prof. Dr. Paulo Pinto Joazeiro (Orientador), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
A sínfise púbica (SP) faz parte do sistema músculo-esquelético que suporta os órgãos pélvicos. Em alguns mamíferos, SP remodela durante a prenhez sob ação hormonal exibindo: 1) separação da articulação como resultado da “transformação” da fibrocartilagem em um ligamento interpúbico (LI); e 2) o “relaxamento” do LI antes do parto. Neste trabalho, caracterizamos o fenótipo celular e extracelular e a imunoexpressão de galectina-3 no LI de camundongos Swiss fêmeas multíparas e senescentes [MS (animais com sete partos ou mais e um ano de idade)]. Grupos de fêmeas virgens, primíparas e MS foram estudados através da análise morfológica (microscopias de luz e eletrônica de transmissão), imunohistoquímica e morfométrica. Os aspectos morfológicos evidenciaram a remodelação do LI durante e após a prenhez em camundongos primíparos. Neste grupo, a ausência de infiltrado granulocítico no LI e a imunomarcação de galectina-3 citoplasmática sugerem que a remodelação no pós-parto é dependente das células semelhantes a fibroblastos (CSF). No grupo MS, a SP dá lugar a um LI de arranjo similar aos tecidos 24h pós-parto, com fibras de colágeno arranjadas compactamente, decréscimo de crimp, fenótipo de CSF alongado, ausência de infiltrado granulocítico e de galectina-3. Assim, as características morfológicas do LI no grupo de fêmeas MS são sugestivas da perda da capacidade de remodelação e reparo tecidual sob estímulos como a multiparidade e/ou senescência.

Matriz Extracelular - Sínfise púbica - Biologia da reprodução


B0349

CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DE CISTOS DE GIARDIA DUODENALIS OBTIDOS DE AMOSTRAS CLÍNICAS E AMBIENTAIS NA CIDADE DE CAMPINAS, SÃO PAULO


Maurício Durigan (Bolsista PIBIC/CNPq), Anete Pereira de Souza, Jancarlo Ferreira Gomes, Romeu Cantúsio Neto, Nilson Branco e Profa. Dra. Regina Maura Bueno Franco (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
Giardia duodenalis é um protozoário parasita intestinal de humanos e outros animais, causador da giardiose, a mais comum doença de veiculação hídrica, que atinge milhões de pessoas em todo o mundo. A contaminação das principais bacias hidrográficas do estado de São Paulo constitui uma grande questão de saúde pública. A espécie Giardia duodenalis possui enorme diversidade genética e foi sub estruturada em sete assembléias genéticas. As linhagens “A” e “B” são as únicas isoladas de humanos e animais, possuindo potencial zoonótico. Os métodos tradicionais de pesquisa e identificação de cistos são capazes de identificar apenas a presença ou ausência do gênero Giardia. As metodologias moleculares exploram essa diversidade e têm vantagens como grande sensibilidade, especificidade e rapidez. O projeto teve como objetivo caracterizar molecularmente cistos de Giardia isolados de amostras clínicas e ambientais obtidos na cidade de Campinas, São Paulo. Foi também realizada morfometria dos cistos, avaliação de sua integridade, através de reação de imunofluorescência direta e quantificação de cistos em cada amostra. Esses dados permitiram a padronização de protocolos e, juntamente com a caracterização molecular, forneceram evidências que permitem avaliar aspectos da epidemiologia molecular do protozoário, bem como discutir aspectos sobre o possível potencial zoonótico de suas assembléias.

Caracterização molecular - Giardia - Campinas


B0350

COMPARAÇÃO DO EFEITO DA ARTEMISININA E ÁCIDO ARTESÚNICO ENTRE AS LINHAGENS BH E SJ DE SCHISTOSOMA MANSONI


Tamy Midori Banin (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Silmara Marques Allegretti (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
A esquistossomose mansônica é causada pelo trematódeo Schistosoma mansoni, atinge cerca 5 milhões de pessoas no Brasil e mais de 200 milhões no mundo. Estudos comprovam que há diferenças genéticas entre linhagens de uma mesma espécie do causador desta parasitose, bem como na patogenia gerada por ele. Assim sendo, fármacos podem atuar de maneira diferente de acordo com a linhagem do parasita. Ainda, nos últimos anos os medicamentos utilizados para o tratamento da esquistossomose têm enfrentado tolerância e resistência, justificando novas pesquisas em busca de fármacos para a cura desta doença. Uma vez comprovada a eficácia de Ácido Artesúnico e Artemisinina na redução da retenção de ovos da linhagem BH na parede do intestino de camundongos, este trabalho comparou tais resultados aos obtidos com a linhagem SJ, quando submetida aos mesmos tratamentos. Para experimentação, camundongos foram tratados aos 30 ou 45 dias de infecção, com 300mg/kg ou 500mg/kg de Artemisinina e Ac. Artesúnico. Observou-se que a redução da oviposição foi maior para a linhagem BH em todos os tratamentos com exceção da dose de 500mg/kg aplicada aos 45 dias de infecção. Estes resultados são relevantes pois a redução ou interrupção da postura de ovos pode significar que os princípios ativos têm atuação eficaz nos órgãos reprodutores do parasita e portanto na patogenia da esquistossomose.

Schistosoma - Linhagem BH e SJ - Artemisia


B0351

ESTUDO DA FORMAÇÃO DE BIOLFILME “IN VITRO” DE ESCHERICHIA COLI ENTEROPATOGÊNICA (EPEC) ISOLADA DE ÁGUA DE CONSUMO


Denise Quinta Malachias (Bolsista PIBIC/CNPq), Fernanda Soares Niemann, Ana Carolina Amaral Lopes, Ana Carolina Teles de Sousa e Prof. Dr. Tomomasa Yano (Orientador), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
Escherichia coli enteropatogênica (EPEC) é um bacilo Gram-negativo pertencente à família Enterobacteriaceae e está relacionada à gastroenterite humana. Associa-se a produção de biofilmes à virulência destas bactérias. A capacidade de formar biofilmes tem importância clínica, já que estes quando formados sobre ou dentro de aparatos médicos-hospitalares podem disseminar infeccões nosocomiais, constituindo uma séria ameaça à saúde pública. Este estudo visa observar a produção destes biofilmes por EPECs isoladas de água, correlacionando-os com a patogenicidade destes microrganismos. Para avaliar a formação de biofilmes foram realizados testes de formação de película em quatro meios de cultura diferentes, sendo: TSB, LB, Muller Hinton e BHI, dos quais o primeiro apresentou os resultados mais significativos. O ensaio em microplaca de 96 cavidades com meio TSB mostrou que 42% das amostras apresentaram formação de biofilme. Em função dos resultados obtidos pretendemos aprofundar as análises em relação à capacidade de formação de biofilme e o potencial de virulência destas bactérias.

Escherichia coli enteropatogên - Fator de aderência - Biofilmes


B0352

ESTUDO DA OCORRÊNCIA DE CIANOBACTÉRIAS EM AMBIENTES AQUÁTICOS DE ÁGUA DOCE, DE MANGUEZAL E MARINHO NOS MUNICÍPIO DE CAMPINAS, SP E PARATY, R


Laís Santos de Assis (Bolsista IC CNPq), Sandra Soares Martins, Lívia Fernanda Agujaro e Prof. Dr. Tomomasa Yano (Orientador), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
As cianobactérias são procariontes fotossintetizantes, produtoras primárias importantes dos ecossistemas aquáticos. Produzem cianotoxinas cianotoxinas quando em florações, representando grande risco para a biosegurança da água e para a saúde animal e humana. Este estudo teve por objetivo estudar a freqüência de cianobactérias em ambientes aquáticos de água doce no município de Campinas, SP, e de água doce, manguezal e marinho no município de Paraty, RJ. Fez-se duas coletas obtendo-se 13 amostras de água, que foram cultivadas em meio BG11. A identificação taxonômica ocorreu por análise morfológica e estrutural das células em microscópio ótico e registro por sistema de captura de imagem. Obteve-se 41 isolados, dentre os quais há espécies raras no Brasil e outras potencialmente produtoras de cianotoxinas. As espécies identificadas pertencem às ordens taxonômicas Chroococcales e Oscillatoriales. Estes resultados são importantes para investigação dos riscos que as cianobactérias oferecem decorrentes das pressões antrópicas, podendo interferir na balneabilidade dos ambientes aquáticos em estudo. Também permitirão realizar o estudo filogenético das espécies encontradas, e possibilitarão verificar seu potencial toxigênico e identificar cianotoxinas ainda não descritas.

Cianobactéria - Ambiente aquático - Taxonomia


B0353

ESTUDO DA FORMAÇÃO DE BIOFILME “IN VITRO” E AS PROPRIEDADES DE ADERÊNCIA DE PROTEUS MIRABILIS ISOLADOS DE TRATO URINÁRIO


Mario Sérvulo Izidoro Junior (Bolsista SAE/UNICAMP), Denise Quinta Malachias, Fernanda Soares Niemann, Ana Carolina Amaral Lopes, Ana Carolina Teles de Souza, Luciano Moura Martins, Marilucia Santos Ludovico e Prof. Dr. Tomomasa Yano (Orientador), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
O microrganismo Proteus mirabilis é uma bactéria Gram-negativa, bastonete, anaeróbio facultativo. Uma das bactérias mais associadas às infecções do trato urinário humano.Neste estudo foram utilizadas 20 amostras de Proteus mirabilis isoladas de trato urinário na Faculdade de Medicina, R.Preto, USP. As amostras foram analisadas quanto a capacidade de formação de biofilme “in vitro” relacionando este como fator de aderência do microrganismo. A formação de biofilme em microplacas de 96 cavidades foi verificada utilizando os meios TSB, BHI e LB sendo as leituras realizadas em 570nm revelaram que as bactérias crescidas no meio TSB formaram mais biofilme. A formação de película de biofilme em tubos nos meios TSB, BHI, LB e Mueller Hinton também foi observado e que quanto maior o tempo de cultivo das amostras às condições do teste maior a película formada. Mais estudos são necessários para confirmar que a capacidade de formação de biofilme auxilia na patogenicidade desse microrganismo.

Proteus mirabilis - Aderência - Biofilmes


B0354

ESTUDO DE HEMAGLUTININA SOLÚVEL (HS) PRODUZIDA POR ESCHERICHIA COLI


Paulo Andre Kayano (Bolsista PIBIC/CNPq), Ana Carolina Teles de Souza, Ana Carolina Amaral Lopes, Fernanda Soares Niemann, Marilucia Santos Ludovico, Luciano Moura Martins e Prof. Dr. Tomomasa Yano (Orientador), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
A disenteria bacilar em criança causada por Escherichia coli enteroinvasora (EIEC) é um problema de saúde pública em diferentes regiões do mundo, sendo mais significativo em países em desenvolvimento. As infecções por EIEC ocorrem geralmente através de água e alimentos contaminados, embora a infecção pessoa-a-pessoa possa ocorrer. Este estudo teve como objetivo avaliar a formação de biofilme “in vitro” das amostras de EIEC e associar esta hemaglutinina como um possível fator de aderência. A hemaglutinina solúvel (HS) foi preparada extraindo das células de E. coli (EIEC) por sonicação e blender. A HS hemaglutinou hemácias humanas e de cobaia. Este resultado sugere que a HS é um possível fator de aderência deste grupo de bactérias.

Escherichia coli - Hemaglutinina - Fator de aderência


B0355

IMUNOLOCALIZAÇÃO DOS RECEPTORES ANDROGÊNICO E DE IGF-1 NA GLÂNDULA DE COAGULAÇÃO DE RATOS (UCHB) FRENTE AO ALCOOLISMO CRÔNICO EXPERIMENTAL


Fabio Montico (Bolsista FAPESP), Eduardo Marcelo Cândido, Wagner José Fávaro, Francisco Eduardo Martinez e Profa. Dra. Valéria Helena Alves Cagnon Quitete (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
O alcoolismo exerce efeitos prejudiciais sobre as diferentes glândulas sexuais acessórias. Os objetivos desse estudo foram analisar as alterações na glândula de coagulação de ratos submetidos ao uso crônico de álcool, bem como possíveis recuperações. Trinta ratos (10 Wistar e 20 UChB) foram divididos em três grupos: controle, que recebeu água ad libitum; alcoolista, que recebeu etanol a 10º G.L.; e abstinente que recebeu dieta similar por 120 dias e, em seguida, água. Após 150 dias, os animais foram sacrificados e amostras da glândula foram coletadas para análises de microscopia de luz e imunolocalização de AR e IGF-1R. Nos animais alcoolistas e abstinentes houve diminuição do pregueamento da mucosa, atrofia epitelial e hipertrofia estromal. Nos animais controles, detectou-se intensa marcação de AR em células luminais, basais e estromais; já nos outros grupos houve marcação fraca, predominantemente nos dois últimos tipos celulares. O IGF-1R mostrou-se intensamente marcado no estroma dos animais alcoolistas e abstinentes, comparados aos controles. Portanto, o uso crônico de álcool causou alterações morfológicas e moleculares na glândula de coagulação, demonstrando diminuição dos receptores androgênicos e aumento de IGF-1R tanto nos grupos alcoolista quanto abstinente. Tal fato aponta o álcool como estimulante de proliferação celular no órgão, favorecendo a patogênese.

Morfologia - Glândula de coagulação - Alcoolismo


B0356

TERAPIA INSULÍNICA NO DIABETES EXPERIMENTAL ASSOCIADO À REPOSIÇÃO HORMONAL SOBRE A GLÂNDULA DE COAGULAÇÃO DE CAMUNDONGOS DIABÉTICOS ESPONTÂNEOS NOD


Gabriella Novelli Oliveira (Bolsista FAPESP), Wagner José Fávaro e Profa. Dra. Valéria Helena Alves Cagnon Quitete (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
O diabetes é uma doença que compromete as glândulas sexuais acessórias, causando prejuízo à reprodução masculina. O presente estudo teve como objetivo caracterizar a morfologia do epitélio secretor e do estroma da glândula de coagulação de camundongos diabéticos frente ao controle glicêmico associado à reposição hormonal. Foram utilizados 25 camundongos machos diabéticos (NOD) e 05 camundongos machos controles (BALB/c). Os animais foram divididos em seis grupos; controle, diabético controle, diabético insulina, diabético estrógeno, diabético testosterona e diabético insulina-estrógeno-testosterona. Os animais receberam tratamento com as substâncias que deram origem aos nomes dos grupos, exceto o grupo controle e grupo diabético. Após 20 dias de tratamento, todos os animais foram sacrificados e amostras da glândula de coagulação foram coletadas para análises macroscópicas e de microscopia de luz. Os resultados demonstraram drásticas alterações morfológicas no grupo diabético, as quais foram minimizadas frente à administração dos hormônios esteróides e insulina, concluindo-se que o diabetes comprometeu a homeostase glandular e que a associação da insulina-testosterona-estrógeno foi elemento fundamental na recuperação do órgão, apontando a complexidade do funcionamento glandular.

Morfologia - Glândula de coagulação - Diabetes


B0357

ESTRUTURA E MORFOMETRIA DA GLÂNDULA DE COAGULAÇÃO DE RATOS (RATTUS NORVEGICUS) SUBMETIDOS AO USO CRÔNICO SIMULTÂNEO DE ETANOL E NICOTINA


Marina Akemi Shinya Fuzita (Bolsista FAPESP), Wagner José Fávaro e Profa. Dra. Valéria Helena Alves Cagnon Quitete (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
O uso simultâneo de álcool e nicotina acarreta impotência, perda da libido, ejaculação precoce e infertilidade a seus usuários. Assim, o objetivo do presente estudo foi caracterizar a morfologia da glândula de coagulação frente ao uso crônico concomitante de nicotina e etanol, além de estabelecer correlações entre as possíveis alterações caracterizadas à patogênese glandular. Um total de 20 ratos machos (Rattus norvegicus), com 90 dias de idade foi dividido em quatro grupos experimentais de 5 animais:controle recebeu água; álcool recebeu etanol (10% v/v); nicotina recebeu doses diárias de 0,125mg/100g de peso corpóreo de nicotina via subcutânea; álcool-nicotina recebeu tratamento simultâneo de etanol e nicotina, nas mesmas concentrações que nos grupos álcool e nicotina. Após 90 dias de tratamento, os animais foram sacrificados e amostras da glândula de coagulação foram coletadas para análises de microscopia de luz, morfométricas e estatísticas. Os resultados demonstraram que os animais dos grupos álcool, nicotina e álcool-nicotina apresentaram alterações glandulares tanto epiteliais quanto estromais como:diminuição do volume celular, hipertrofia de fibras colágenas e reticulares. Assim, pode-se concluir que, tanto o álcool quanto a nicotina, bem como a associação dessas drogas prejudicaram o equilíbrio estrutural da glândula de coagulação, sendo o álcool uma droga mais nociva à estrutura glandular.

Morfologia - Glândula de coagulação - Alcoolismo


B0358

NÚMERO DE RAINHAS E ACASALAMENTOS EM CAMPONOTUS CRASSUS (MAYR, 1862)


Renê Alvarez Rocha (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Vera Nisaka Solferini (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
A organização sociogenética, o número, a distribuição e o parentesco dos indivíduos reprodutivos de uma sociedade animal têm profundos efeitos na ecologia e comportamento da espécie. Hamilton explicou a evolução e manutenção da eussocialidade em himenópteros pela teoria da seleção de parentesco. O grau de parentesco das operárias em uma colônia é afetado pelo número e parentesco das suas rainhas e pelo número e contribuição genética de cada macho com que cada rainha acasalou. Em formigas o número de progenitores responsáveis pela formação das colônias pode variar de um único casal até situações em que as operárias são oriundas de diversas rainhas e diversos machos. No gênero Camponotus as colônias geralmente possuem uma rainha, a dispersão ocorre durante um vôo nupcial longo e colônias são fundadas independentemente. Camponotus crassus é uma espécie de hábitos diurnos, que nidifica em galhos de árvores, amplamente encontrada no bioma de cerrado e ambientes urbanos. O trabalho teve como objetivo determinar o número de rainhas em colônias de C. crassus no ambiente de cerrado. Foram coletadas colônias de C. crassus no cerrado de Itirapina; as operárias foram separadas e seu DNA foi extraído. O grau de parentesco foi estimado com 3 loci de microssatelites. Foi determinado o número de rainhas e machos que contribuiram geneticamente para a prole. Os resultados indicam uma situação de monoginia e monoandria.

Camponotus - Microssatélites - Eussocialidade


B0359

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO CLONAL DE LINHAGENS DE ESCHERICHIA COLI PATOGÊNICAS PARA AVES (APEC)


Víctor Goncalves Maturana (Bolsista SAE/UNICAMP) e Prof. Dr. Wanderley Dias da Silveira (Orientador), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
A bactéria Escherichia coli contribui para a manutenção da fisiologia intestinal de muitos animais, mas pode causar grande variedade de doenças dependendo da presença de genes de virulência e de condições ambientais. Linhagens de E coli associadas à patogenicidade em aves (APEC) causam grande variedade de doenças, levando a grandes perdas econômicas na produção de aves domésticas para a alimentação. Buscam-se, portanto, formas de combater essas infecções, mas muitos dos métodos empregados, como vacinação e uso de drogas antimicrobianas, têm-se demonstrado ineficientes devido à grande diversidade molecular existente dentro das linhagens APEC. É necessário, portanto, a caracterização dessas, para que relações filogenéticas possam ser estabelecidas, possibilitando melhores métodos de controle e tratamento gerais ou específicos para a linhagem presente no hospedeiro. Nesse sentido, o objetivo desse trabalho foi caracterizar e estabelecer relações filogenéticas entre linhagens APEC causadoras de diferentes quadros patológicos, além de linhagens comensais como controle, através da comparação de seqüências do gene codificador de flagelina (fliC). Obtivemos, como resultado, dois grandes grupos: um composto em maior parte por linhagens patogênicas (82%) e outro composto, em maior parte, por linhagens comensais; além da indicação de grande similaridade genética entre linhagens aviárias e humanas, o que levanta a possibilidade de APECs atuarem como reservatório de genes de virulência para humanos.

Patogenicidade - Escherichia coli - Caracterização


B0360

PEGANDO AS FÊMEAS PELO ESTÔMAGO: TERRITORIALIDADE BASEADA EM RECURSOS NA BORBOLETA PARYPHTHIMOIDES PHRONIUS (SATYRINAE) (BUTLER 1867)


Danilo Germano Muniz da Silva (Bolsista PIBIC/CNPq), Paulo Enrique C. Peixoto e Prof. Dr. Woodruff Whitman Benson (Orientador), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
Machos de P. phronius tipicamente defendem manchas de sol em bordas de mata como tática de acasalamento. Observações esporádicas, porém, sugeriram que eles podem defender manchas de sol contendo frutas em decomposição como tática alternativa. Para investigar se machos são induzidos a defender territórios em áreas com frutas em decomposição, colocamos iscas de banana fermentada em manchas não ocupadas na borda da mata e verificamos se estas passavam a ser defendidas. Como a maioria dos locais contendo iscas foi ocupado por machos territoriais, capturamos então os residentes destes territórios e também defensores de manchas de sol sem recursos para comparações morfológicas. Os machos dos territórios com iscas não apresentaram diferenças de tamanho ou quantidade de gordura corporal, mas foram mais pesados que os das manchas de sol sem recurso. Para analisar se esta diferença era devido à presença da isca, fizemos outro experimento adicionando banana fermentada às manchas de sol, mas cobrindo metade delas com uma peneira para impedir o acesso dos machos à isca. Os defensores das manchas sem peneira foram mais pesados, indicando que os machos localizados em sítios contendo recursos podem se alimentar deles. Resta averiguar se essa tática alternativa aumenta o sucesso reprodutivo dos machos quando comparado com a defesa de sítios sem recursos.

Territorialidade - Sistemas de acasalamento - Lepidoptera


B0361

DINÂMICA POPULACIONAL E VARIAÇÃO COMPORTAMENTAL DE HERMEUPTICHYA HERMES (FABRICIUS, 1775)


Simone Garcia Silva (Bolsista PIBIC/CNPq), Paulo Enrique C. Peixoto e Prof. Dr. Woodruff Whitman Benson (Orientador), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
A dinâmica populacional de artrópodes é afetada tanto por variações de temperatura quanto de pluviosidade. Por outro lado, a variação na abundância populacional é um fator que, associado à razão sexual e distribuição de recursos, deve afetar as táticas de acasalamento empregadas por machos e fêmeas. Sistemas de acasalamento com defesa territorial seriam esperados em populações com baixa abundância, locais conspícuos para a defesa e alta proporção de machos em relação a fêmeas. Espécies de borboletas são muito utilizadas em estudos de dinâmica populacional e em trabalhos sobre sistemas de acasalamento. No entanto, existem poucos trabalhos que relacionam a variação anual de abundância com alterações nas táticas de encontros entre os sexos. Neste trabalho investigamos a relação entre a variação de abundância da borboleta Hermeuptychia hermes e fatores climáticos ao longo do ano. Adicionalmente, avaliamos possíveis alterações nas táticas de acasalamento exibidas pelos machos e sua relação com a variação mensal de abundância. Não foram observadas variações comportamentais em relação às variações de abundância entre os meses. Da mesma forma as variáveis climáticas, temperatura, evapotranspiração e disponibilidade de alimento, não estiveram relacionadas com a dinâmica populacional dessa espécie. Resta ainda avaliar a existência de uma defasagem temporal entre as variáveis climáticas e a abundância populacional bem como investigar diferenças entre a população estudada e uma população, atualmente em estudo, que apresenta machos territoriais.

Dinâmica de populações - Sistemas de acasalamento - Lepidoptera






Compartilhe com seus amigos:
1   ...   40   41   42   43   44   45   46   47   ...   101


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal