Universidade estadual de campinas



Baixar 4.88 Mb.
Página55/101
Encontro29.11.2017
Tamanho4.88 Mb.
1   ...   51   52   53   54   55   56   57   58   ...   101

APLICAÇÃO DO POLI(BUTADIENO) IMOBILIZADO SOBRE SÍLICA NA EXTRAÇÃO DE AGROTÓXICOS EM UVA


Adriana Teixeira Godoy (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Carla Beatriz Grespan Bottoli (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
A extração em fase sólida é uma das ferramentas mais poderosas e mais empregadas para a extração e/ou concentração de analitos presentes em matrizes complexas. Este trabalho teve como objetivo principal a preparação de um novo cartucho contendo como sorvente o polímero poli(butadieno) sorvido nos poros da sílica e entrecruzado com um agente de entrecruzamento (peróxido de dicumila) através do tratamento térmico. O objetivo na preparação desse novo cartucho foi viabilizar um material que permitisse operações de extração simples, eficiente, com rapidez e de baixo custo. A potencialidade desse novo material foi avaliada através da sua aplicação na extração multirresíduo de agrotóxicos em uva, e posterior determinação por cromatografia líquida de alta eficiência (CLAE). As espécies de agrotóxicos estudadas foram o carbaril, a ametrina e o diurom. Procedimentos de extração foram otimizados a fim de minimizar interferentes e concentrar os resíduos de agrotóxicos dentro dos limites máximos de resíduos (LMR) permitidos. Os níveis de recuperação obtidos com esse novo sorvente foram comparados com os obtidos pela utilização dos cartuchos comerciais do tipo C18 a fim de demonstrar a viabilidade do novo sorvente para sua exploração na extração de agrotóxicos.

Extração fase sólida - Cartucho com polibutadieno - Agrotóxicos


E0515

AVALIAÇÃO DE MONOLITOS DO TIPO C18 PARA USO EM ELETROCROMATOGRAFIA CAPILAR


Valeska Soares Aguiar (Bolsista FAPESP) e Profa. Dra. Carla Beatriz Grespan Bottoli (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
A Eletrocromatografia Capilar (CEC) é uma técnica de separação promissora que combina a seletividade da Cromatografia Líquida e a alta eficiência da Eletroforese Capilar. Um dos tipos de fases estacionárias cujo desenvolvimento tem se mostrado promissor em CEC são os monolitos, que podem ser baseados em sílica como também em polímeros orgânicos. No presente trabalho, monolitos foram preparados com uma mistura de octadecilmetacrilato (monômero precursor), etilenodimetacrilato (agente de entrecruzamento) e ácido 2-acriloilamido-2-metilpropanosulfóxido (monômero carregado) em diferentes solventes. A essa mistura foi adicionada azobisisobutironitrila, que é um agente iniciador do processo de entrecruzamento feito por aquecimento. Diferentes solventes foram avaliados, buscando uma composição que proporcionasse uniformidade no preenchimento do monolito ao longo do capilar e separação adequada de uma amostra quando a coluna fosse avaliada no equipamento de Eletroforese Capilar. Este trabalho mostrou a viabilidade no preparo de colunas monolíticas para uso em CEC.

Eletrocromatografia capilar - Fases estacionárias - Monolitos


E0516

COLUNAS MONOLÍTICAS BASEADAS EM 2-DIETILAMINOETILMETACRILATO E BUTILMETACRILATO PARA USO EM ELETROCROMATOGRAFIA CAPILAR


Walkyria Moraes de Aquino (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Carla Beatriz Grespan Bottoli (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
A eletrocromatografia capilar (CEC), uma técnica híbrida de eletroforese capilar (CE) e cromatografia líquida de alta eficiência (HPLC), é considerada uma técnica de separação bastante promissora, porém ainda existem muitos estudos a serem feitos, principalmente relacionados às fases estacionárias (FE) contidas nas colunas capilares. As colunas monolíticas são uma das categorias de FE amplamente estudadas para uso em CEC por possuírem vantagens como a facilidade de preparo, uma vez que o monolito é feito in situ, além do que, propriedades como porosidade, área de superfície e funcionalidade podem ser controladas. Neste trabalho, a síntese dos monolitos está sendo avaliada a partir de uma mistura contendo o 2-dietilaminoetilmetacrilato, monômero que contem grupos carregados positivamente e que ajudam na geração do fluxo eletroosmótico, o butilmetacrilato, monômero responsável pelos grupos funcionais hidrofóbicos C4, o etilenodimetacrilato, como agente de entrecruzamento, o azobizisobutironitrila (AIBN) como agente iniciador e diversos tipos de solventes como agentes porogênicos. Diversas colunas capilares foram recheadas com esta mistura, em diferentes proporções, sendo a caracterização dos monolitos feita com técnicas microscópicas e a avaliação da eficiência das colunas feita em um equipamento de eletroforese capilar.

Eletrocromatografia - Fases estacionárias - Monolitos


E0517

INTERAÇÃO ENTRE PEQUENAS MOLÉCULAS E A CHAPERONA MOLECULAR HSP90 HUMANA


Juliana Canto Duarte (Bolsista IC CNPq), Lisandra Marques Gava e Prof. Dr. Carlos Henrique Inácio Ramos (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
A função biológica das proteínas está diretamente ligada à sua estrutura tridimensional obtida através do processo de enovelamento protéico. Neste contexto, proteínas denominadas genericamente de chaperonas moleculares exercem papel fundamental atuando tanto no auxílio ao enovelamento correto de algumas proteínas, como no reenovelamento sob condições de estresse e dissociação de agregados protéicos. A chaperona molecular Hsp90 emergiu recentemente como um foco de interesse devido ao seu papel na regulação e manutenção de proteínas que são responsáveis por transformações malignas. A atividade celular de muitas proteínas que dependem da chaperona molecular Hsp90 para o enovelamento, é marcadamente diminuída por inibidores. Esses inibidores se ligam ao fragmento N-terminal no domínio de ligação de ATP/ADP da Hsp90 e interrompem a atividade ATPásica da Hsp90 que é essencial para sua função.

Hsp90 - Inibidores - Chaperona


E0518

ESTUDO DA REAÇÃO DE HECK DE ESTIRENOS COM SAIS DE DIAZÔNIO. SÍNTESE DO RESVERATROL E SEUS ANÁLOGOS


Flávio Sêga Pereira Cardoso (Bolsista FAPESP), Angélica Venturini Moro e Prof. Dr. Carlos Roque Duarte Correia (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
O resveratrol é uma fitoalexina, uma classe de compostos denominados antibióticos naturais, produzida pela uva como resposta ao stress causado por ataques de fungos e pragas. Essa substância é um polifenol presente em abundância no vinho tinto. Essa pequena molécula apresenta atividade contra diversos tipos de câncer, atividade anti-viral, antiinflamatória e antioxidante. Além disso, tem se apresentado como a molécula da longevidade por apresentar proteção contra doenças cardíacas. O DMU-212 é um análogo sintético do resveratrol que possui destacada atividade quimioprotetora e parece ser um agente anti-cancer superior ao resveratrol. Nossa estratégia para a síntese dos estilbenos de interesse envolve a reação de Heck catalisada por paládio entre estirenos e sais de arenodiazônio. A vantagem dessa proposta é o emprego de sais de diazônio em reações de Heck, que são mais reativos e baratos, quando comparados com os haletos correspondentes. Visando a síntese das moléculas alvo, fez-se necessário um estudo metodológico da reação com diferentes catalisadores, bases, solventes e temperaturas. As melhores condições reacionais foram utilizadas na síntese régio- e estereosseletiva do resveratrol e do DMU-212 obtendo rendimentos globais de 72% e 93%, respectivamente.

Resveratrol - Reação de Heck - Paládio


E0519



Compartilhe com seus amigos:
1   ...   51   52   53   54   55   56   57   58   ...   101


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal