Universidade estadual de campinas



Baixar 4.13 Mb.
Página18/83
Encontro29.11.2017
Tamanho4.13 Mb.
1   ...   14   15   16   17   18   19   20   21   ...   83

ACOMPANHAMENTO DO DESENVOLVIMENTO DA FUNÇÃO AUDITIVA DE LINGUAGEM DE LACTENTES COM ALTERAÇÃO NO PEATE


Jacqueline Gomes Pereira (Bolsa SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Maria Cecília Marconi Pinheiro Lima (Orientadora), CEPRE, Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
A deficiência auditiva é caracterizada como um problema sensorial não visível, acarretando dificuldades na detecção e percepção dos sons. O diagnóstico precoce em crianças é altamente desejável, preferencialmente nos primeiros seis meses de vida, visto que as deficiências auditivas podem levar a alterações irreversíveis do processo de aquisição da linguagem oral. O Potencial Evocado Auditivo de Tronco Encefálico (PEATE) possibilita a avaliação da audição em recém-nascidos e lactentes e oferece a identificação precoce de perdas auditivas, possibilitando a intervenção fonoaudiológica imediata. O objetivo deste projeto foi acompanhar, de 4 em 4 meses, durante o primeiro ano de vida, o desenvolvimento da função auditiva e da linguagem em lactentes com PEATE alterado. Foi utilizada a Escala ELM como avaliação do desenvolvimento da linguagem, instrumentos sonoros e o Audiômetro Pediátrico para avaliação do desenvolvimento da função auditiva. No período de agosto de 2006 a maio de 2007, foram avaliados 4 lactentes aos 4 meses, 2 aos 8 meses e um aos 12 meses de idade. Dos 4 lactentes avaliados aos 4 meses, um não respondeu da maneira esperada para sua faixa etária nas áreas Expressiva, Receptiva e Visual. Os 2 lactentes avaliados aos 8 meses e o lactente avaliado aos 12 meses não apresentaram qualquer alteração significativa. Com a Escala ELM podemos observar que dos lactentes avaliados, um não respondeu da maneira esperada para sua faixa etária

Potencial auditivo evocado do tronco encefálico - Desenvolvimento auditivo - Acompanhamento


B0133

ACOMPANHAMENTO DO DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM, SITEMA SENSÓRIO MOTOR ORAL E DA FUNÇÃO AUDITIVA EM LACTENTES COM ALTERAÇÃO NO PEATE


Maria de Lourdes Regina Gomes (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Maria Cecília Marconi Pinheiro Lima (Orientadora), CEPRE, Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
O diagnóstico precoce de alterações na função auditiva é de vital importância, uma vez que a comunicação oral é uma forma importante de inserção social do indivíduo. A utilização do Potencial Evocado Auditivo de Tronco Cerebral (PEATE), conjuntamente com a observação do desenvolvimento da função auditiva e da linguagem auxiliam no diagnóstico de alterações auditivas em populações de recém-nascidos e lactentes. A identificação precoce da deficiência auditiva aumenta a probabilidade de otimizar o potencial de linguagem receptiva e expressiva da criança. O desenvolvimento da linguagem está intimamente ligado ao desenvolvimento adequado do Sistema Sensório Motor Oral. O objetivo deste projeto foi acompanhar o desenvolvimento da função auditiva, da linguagem e do sistema motor oral, em lactentes que apresentaram alteração no exame PEATE. Os sujeitos convidados a participar foram avaliados aos 12, 18 e 24 meses, com a Escala ELM e os instrumentos sonoros guizo, sino e agogô, foram aplicados também questionários para avaliação do sistema motor oral. Foram avaliados oito lactentes. Não foram observadas alterações no desenvolvimento sensório motor oral. Um apresentou quadro sugestivo de déficit nas áreas auditiva expressiva e auditiva receptiva, o que caracteriza o caráter preventivo do projeto.

Audiometria de tronco cerebral (PEATE) - Alterações da função auditiva - Desenvolvimento da linguagem


B0134

IMPORTÂNCIA DA REABILITAÇÃO AUDITIVA APÓS O RECEBIMENTO DO APARELHO DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAL (AASI)


Mayla M. B. Monteiro (Aprimor. FUNDAP), Nubia Garcia Vianna (Aprimor. FUNDAP) e Profa. Dra. Maria Cecília Marconi Pinheiro Lima (Orientadora), CEPRE, Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
A perda auditiva, em decorrência do envelhecimento do sistema auditivo, é uma realidade cada vez mais evidente em nossa população. Deve-se pensar em métodos que minimizem os impactos que uma perda auditiva provoca. Objetivo: Avaliar a mudança do handicap auditivo antes e após a participação de usuários de AASI em um Grupo de Reabilitação Auditiva. Método: Participaram dessa pesquisa usuários de AASI fornecidos pelo HC-UNICAMP, participantes do Grupo de Reabilitação Auditiva. Os prontuários dos pacientes foram consultados e foi aplicado o questionário HHIE com entrevista semi-estruturada. Os questionários e as entrevistas foram aplicados antes do 1º dia e depois do último dia de participação dos usuários no Grupo de Reabilitação Auditiva. Resultados: Foi observado redução do handicap auditivo em todos os sujeitos do estudo após participarem do Grupo de Reabilitação Auditiva. Houve melhora da compreensão da fala de todos os indivíduos. Conclusão: Para minimizar as dificuldades decorrentes da deficiência auditiva no idoso, é necessária a inclusão do mesmo em Programas de Reabilitação Auditiva que visam trabalhar estratégias suplementares que contribuirão para uma melhor qualidade de vida.

Idosos - Perda auditiva - Reabilitação


B0135

IMPORTÂNCIA DA REABILITAÇÃO AUDITIVA APÓS O RECEBIMENTO DO APARELHO DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAL (AASI)


Nubia Garcia Vianna, Mayla M. B. Monteiro (Aprimor. FUNDAP) e Profa. Dra. Maria Cecília Marconi Pinheiro Lima (Orientadora), CEPRE, Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
A perda auditiva, em decorrência do envelhecimento do sistema auditivo, é uma realidade cada vez mais evidente em nossa população. Deve-se pensar em métodos que minimizem os impactos que uma perda auditiva provoca. Objetivo: Avaliar a mudança do handicap auditivo antes e após a participação de usuários de AASI em um Grupo de Reabilitação Auditiva. Método: Participaram dessa pesquisa usuários de AASI fornecidos pelo HC-UNICAMP, participantes do Grupo de Reabilitação Auditiva. Os prontuários dos pacientes foram consultados e foi aplicado o questionário HHIE com entrevista semi-estruturada. Os questionários e as entrevistas foram aplicados antes do 1º dia e depois do último dia de participação dos usuários no Grupo de Reabilitação Auditiva. Resultados: Foi observado redução do handicap auditivo em todos os sujeitos do estudo após participarem do Grupo de Reabilitação Auditiva. Houve melhora da compreensão da fala de todos os indivíduos. Conclusão: Para minimizar as dificuldades decorrentes da deficiência auditiva no idoso, é necessária a inclusão do mesmo em Programas de Reabilitação Auditiva que visam trabalhar estratégias suplementares que contribuirão para uma melhor qualidade de vida.

Idosos - Perda auditiva - Reabilitação


B0136



Compartilhe com seus amigos:
1   ...   14   15   16   17   18   19   20   21   ...   83


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal