Universidade estadual de campinas



Baixar 4.13 Mb.
Página20/83
Encontro29.11.2017
Tamanho4.13 Mb.
1   ...   16   17   18   19   20   21   22   23   ...   83

PERFIL DAS DOSAGENS DE DÍMERO D EM PACIENTES ONCOLÓGICOS


Carolina Cavalcante de Oliveira (Bolsista PIBIC/CNPq), Lyvia Tomé Monteiro (Bolsista PIBIC/CNPq), Aparecida Satiko Nagamati e Profa. Dra. Maria de Fátima Sonati (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
A hemostasia normal é um conjunto de processos bem regulados que, se desequilibrado, quando as funções fisiológicas do organismo estão alteradas, resulta clinicamente em trombose venosa profunda (TVP) e embolia pulmonar (EP), com quadros muito inespecíficos. Em pacientes oncológicos especialmente, são complicações comuns. Laboratorialmente, pacientes com TVP/EP apresentam marcadores trombóticos plasmáticos, como o dímero-D, um produto de degradação da fibrina. Esse marcador apresenta-se alterado em casos oncológicos. O objetivo do presente estudo é então determinar, através de método imunoenzimático (ELFA - BioMérieux), o perfil das dosagens séricas de dímero D em pacientes adultos, de ambos os sexos, sem distinção de origem étnica, com câncer, com e sem TVP ou EP, buscando uma diferenciação que possa auxiliar o diagnóstico clínico. Cinqüenta e seis amostras de plasma foram obtidas e já analisadas, sendo 6 de casos positivos para TVP/EP e 50 de casos negativos, de acordo com pesquisa em prontuário médico no Serviço de Arquivo Médico do HC e do CAISM / UNICAMP, tendo como referência os resultados de US Doppler ou de cintilografia pulmonar. Os dados são ainda preliminares e não permitiram comparação estatística, particularmente devido ao pequeno número de casos de TVP/EP confirmados. Uma tabela com os dados obtidos até o momento será apresentada.

Dímero D - Câncer - Tromboembolismo


B0141

USO DO DÍMERO D NA EXCLUSÃO DIAGNÓSTICA DE TVP E TEP


Lyvia Tomé Monteiro (Bolsista PIBIC/CNPq), Carolina Cavalcante de Oliveira (Bolsista PIBIC/CNPq), Aparecida Satiko Nagamati e Profa. Dra. Maria de Fátima Sonati (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Trombose venosa profunda (TVP) e tromboembolismo pulmonar (TEP) apresentam sinais e sintomas inespecíficos, o que dificulta e encarece o diagnóstico. Assim, é importante realizar um exame laboratorial rápido, eficaz e de menor custo, como o dímero-D (DD), um produto de degradação da fibrina que em baixas concentrações, obtidas em testes com alta sensibilidade e alto valor preditivo negativo, podem excluir TVP e TEP, evitando-se a necessidade de exames de imagem. Nosso objetivo é avaliar a eficácia da determinação dos níveis plasmáticos de DD, por método ELFA - enzyme linked fluorescent assay, na exclusão de TVP e TEP, e verificar os valores de corte adequados à população atendida no HC-UNICAMP. Concentrações de DD foram determinadas em pacientes com suspeita clínica de TVP ou TEP; os prontuários médicos foram checados quanto à confirmação ou exclusão da suspeita, através dos resultados de US Doppler, cintilografia pulmonar e tomografia computadorizada. Até o momento, 24 dos 55 prontuários corresponderam a pacientes com real suspeita clínica; desses, 18 tiveram a suspeita confirmada, sendo a média da dosagem de DD nesse grupo de 2906,715 ng/mL, contra 214,51 ng/mL do grupo controle normal, anteriormente constituído (n=41). Nossos resultados são ainda parciais.

Trombose venosa profunda - Tromboembolismo pulmonar - Dímero D


B0142

LEITURA, ESCRITA NO COTIDIANO DE ESCOLARES COM BAIXA VISÃO


Daniela F. Ferreira Costa (Aprimoranda FUNDAP), Sonia Maria de P. C. Arruda (Co-orientadora) e Profa. Dra. Maria Elisabete Rodrigues Freire Gasparetto (Orientadora), CEPRE, Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
A Intervenção com crianças com baixa visão, no processo de habilitação/reabilitação desencadeou projetos que privilegiam o uso da leitura e escrita. O objetivo deste trabalho é apresentar dois estudos de caso, com crianças com baixa visão em idade escolar, atendidos no CEPRE, visando propiciar o uso da visão residual e o acesso aos conteúdos escolares e culturais. Realizou-se a coleta de dados mediante análise de registros de produções escritas e lidas obtidas nas sessões individuais de atendimento. Adaptações de materiais, modificações ambientais, recursos ópticos e não ópticos, softwares sonoros e com ampliação foram adequados a cada criança, de forma a propiciar-lhes melhor funcionamento visual. Os resultados indicaram melhoria do desempenho nas produções de leitura e escrita, quantitativa e qualitativamente. Verificou-se que a tecnologia assistiva utilizada atuou como facilitadora no uso da leitura e escrita favorecendo as interações com as produções escolares e culturais. Concluindo observou-se que a intervenção com os sujeitos do estudo ressaltou a importância do planejamento de ações no cotidiano, a fim de suprir as dificuldades visuais provocadas pela baixa visão. A tecnologia assistiva para baixa visão e a mediação pedagógica favorecem a construção e formalização dos conhecimentos no processo de leitura e escrita.

Deficiência visual - Leitura e escrita - Tecnologia assistiva


B0143

MONITORAMENTO AUDIOLÓGICO DE LACTENTES COM INDICADORES DE RISCO PARA PERDA AUDITIVA PROGRESSIVA E/OU TARDIA


Ana Luíza Wuo Maia (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Maria Francisca Colella dos Santos (Orientadora), CEPRE, Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
No primeiro ano de vida ocorre a maturação do SNC e pode ser considerado como o período crítico para o desenvolvimento da audição, e desvios neste percurso podem provocar alterações de linguagem e do aprendizado. Este trabalho busca analisar o desenvolvimento auditivo no primeiro ano de vida de lactentes que tiveram resultados normais na triagem auditiva, mas que possuem indicadores de risco para perda auditiva de aparecimento tardio e/ou progressivo ou para alterações no processamento auditivo. Foram avaliados 33 lactentes aos 4 meses, 31 aos 8 meses e 23 aos 12 meses, os quais participaram das três etapas do monitoramento audiológico. A avaliação constituiu-se por anamnese, observação das respostas comportamentais a sons instrumentais e verbais, audiometria com reforço visual e avaliação das condições da orelha média (Imitanciometria). Na avaliação comportamental verificamos resultados dentro do padrão esperado aos 4 meses em 75,8% dos lactentes, aos 8 meses em 71% e aos 12 meses em 60,9%. Na Imitanciometria encontramos respostas alteradas (curvas timpanométricas tipos B e C, ausência de reflexos acústicos) aos 4 meses em 21,3% das orelhas, aos 8 meses em 38,3% e aos 12 meses em 42,8%. Pudemos concluir que não foram detectadas perdas auditivas, porém atraso no desenvolvimento das funções auditivas em 39,1% dos lactentes, aos 12 meses.

Desenvolvimento - Lactentes - Perda auditiva


B0144

CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL AUDIOLÓGICO EM ESCOLARES PORTADORES DE DEFICIÊNCIA VISUAL


Natacha Fregnani (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Maria Francisca Colella dos Santos (Orientadora), CEPRE, Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
A comunicação humana se apóia principalmente nos sentidos da visão e audição. Portadores de deficiência visual recebem, por meio da audição, informações valiosas, tornando esse um sentido decisivo para seu desenvolvimento e aprendizagem. Nesse trabalho, objetivamos avaliar o perfil audiológico de escolares portadores de deficiência visual (baixa visão e cegueira). O estudo foi realizado na Clínica de Fonoaudiologia do Centro de Estudos e Pesquisas em Reabilitação – Prof. Dr. Gabriel O. S. Porto. Os dados foram colhidos por meio de anamnese, meatoscopia, audiometria tonal liminar por via aérea e óssea, logoaudiometria e imitânciometria. Avaliamos seis escolares portadores de deficiência visual, sendo que cinco (83,4%) apresentaram resultados normais em todas as etapas da avaliação; e um (16,6%) apresentou perda auditiva de grau leve na orelha direita Quanto à imitânciometria, esta criança apresentou curva Tipo C na orelha esquerda, indicativo de disfunção tubária e reflexos contra e ipsilaterais presentes. Podemos concluir que os portadores de deficiência visual estão susceptíveis à perdas auditivas, enfatizando assim, a necessidade do monitoramento, já que essa é a principal via de aprendizagem desses indivíduos.

Audição - Deficiência visual - Escolares


B0145

IMITANCIOMETRIA EM LACTENTES COM TOM DE SONDA DE 226 E 1000 HERTZ


Suelen de Almeida Cazelatto (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Maria Francisca Colella dos Santos (Orientadora), CEPRE, Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
A triagem auditiva neonatal é a principal forma de detecção precoce da perda auditiva. Testes objetivos, como, as Emissões Otoacústicas ou o Potencial Evocado Auditivo de tronco Encefálico são os mais recomendados. Se houver falha num desses procedimentos, faz-se necessário à aplicação da imitânciometria, a fim de avaliar as condições de orelha média. Na prática clínica, o tom de sonda mais utilizado é o de 226 Hertz; no entanto, estudos da literatura mostram que a timpanometria com este tom de sonda pode fornecer resultados falsos positivos. Assim sendo, o objetivo deste estudo foi analisar os resultados da timpanometria com tom de sonda de 226 Hertz e 1000 Hertz em lactentes a termo, sem indicadores de risco para a perda auditiva e compará-los com o resultado do teste de Emissões otoacústicas aplicado como procedimentos de triagem auditiva, além de verificar os resultados obtidos na pesquisa do reflexo acústico. Para tanto, foram avaliados recém-nascidos, do Centro de Atendimentos Integrado a Saúde da Mulher (CAISM/ UNICAMP). Os procedimentos foram realizados no CEPRE/FCM/UNICAMP, após realização da triagem auditiva. Utilizamos o Otoscópio marca KOLE e imitanciometro Interacoustics 235 H. Os resultados obtidos não possibilitaram verificar a aplicabilidade do tom de sonda de 1000 Hz.Este estudo terá prosseguimento e a avaliação de um número maior de lactentes que propiciará uma melhor análise do uso do tom de 1000Hz.

Imitânciometria - Lactentes - Audição


B0146

ADESÃO AO TRATAMENTO MEDICAMENTOSO E QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES PORTADORES DE DIABETES MELLITUS


Raquel Curcio (Bolsista PIBIC/CNPq), Maria Cecília Bueno Jayme Gallani (Co-orientadora), Roberta Cunha Rodrigues Colombo (Co-orientadora) e Profa. Dra. Maria Helena de Melo Lima (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Verificar a correlação entre adesão ao tratamento medicamentoso e a qualidade de vida (QV) em pacientes com DM tipo 2, com diagnóstico há > 1 ano e tratamento medicamentoso há ≥ 6 meses, atendidos ambulatorialmente em hospital universitário. São apresentadas as análises preliminares dos dados obtidos junto a 100 pacientes com idade média de 59 anos (± 8,0), predominantemente do sexo feminino (67%) com tempo de diagnóstico médio de 13,8 anos (± 7,7), e níveis médios de glicemia e hemoglobina glicada (Hbglica) de 137 mg/dl e 8,3%, respectivamente. Foi realizada analise descritiva e correlação de Spearman. Resultados parciais: houve correlação significativa entre: domínio psicológico-WHOQOL e os itens 1 Morisky (r= - 0,223), item 2 Morisky (r= - 0,218) e escore total Morisky (r= -239); domínio Ambiente-WHOQOL com item 1 Morisky (r= - 0,210) e escore total (r= -273) e correlação significativa entre o item 4 Morsiky e níveis de glicemia e Hbglica (r= 0,217; r= 0,291 respectivamente). Conclusão: Os dados mostram que quanto menor a pontuação nos domínios Psicológico e Ambiente maior o descuido e o esquecimento no uso dos medicamentos e que os níveis glicêmicos foram mais elevados quanto mais o paciente deixa de tomar os medicamentos quando se sente mal. Tais achados trazem implicações importantes para a prática clínica e educativa junto a pacientes diabéticos.

Diabetes mellitus - Adesão ao tratamento - Qualidade de vida


B0147

PERSPECTIVAS DE ADOLESCENTES DE UMA ESCOLA ESTADUAL DE CAMPINAS QUANTO À VISÃO DE FUTURO RELACIONADA AO TRABALHO/PROFISSÃO


Jussara Pereira de Oliveira (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Maria Inês Monteiro (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
A importância desta pesquisa reside na análise das perspectivas dos jovens quanto ao trabalho e a visão de futuro, observado e retratado no universo no qual estão inseridos. Trata-se de um estudo quantiqualitativo realizado na escola estadual Castinauta B. M. Albuquerque localizada no Jardim Campineiro - Campinas, com alunos do ensino fundamental e médio. Foi aplicado um questionário com perfil sociodemográfico e estilo de vida, além de questões abertas. O estudo possibilitou através dos depoimentos coletar vários planos para a vida, desde casar e ter filhos uma profissão, faculdade, até o sonho de poder ter um emprego. Com relação à importância da escola as opiniões estão divididas, enquanto uns acham que é essencial para atingir os objetivos profissionais outros consideraram perda de tempo e pensava em desistir.

Adolescentes - Trabalho - Perspectivas para o futuro


B0148

PROJETO DE VIDA DE JOVENS TRABALHADORES EM UM MERCADO DE FLORES


Stênio Trevisan Manzoli (Bolsista PIBIC/CNPq), Prof. Dr. Emílio C. E. Baracat (Co-orientador) e Profa. Dra. Maria Inês Monteiro (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
No Brasil, nota-se grande número de adolescentes inseridos no mercado de trabalho sem nenhum tipo de preparo e desconhecendo suas reais perspectivas para o futuro. Esta pesquisa teve por objetivo identificar os planos para o futuro e a percepção de riscos/problemas no trabalho entre jovens trabalhadores (16 – 24 anos), que atuavam em um Mercado de Flores de um entreposto comercial, em Campinas; através de estudo quantiqualitativo. Para a realização da pesquisa foi utilizado um questionário com dados sociodemográficos, estilo de vida e trabalho e um roteiro para atividades em grupo. A maioria era do sexo masculino, com emprego formal, concluiu pelo menos o ensino fundamental, tinha vínculo formal de trabalho, praticava atividade física e de lazer. Os principais riscos relatados foram: ruído e posição cansativa (100%); transporte e deslocamento de peso e movimentos repetitivos. Os jovens apreciam o trabalho, mas, devem exercer suas atividades em ambiente adequado e seguro.

Trabalho de adolescentes - Promoção da saúde no trabalho - Projeto de vida


B0149

PERFIL DO OPERADOR DO PROCESSO DE ESTERILIZAÇÃO NAS UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE E PARALELO COM DIRETRIZES MÍNIMAS NECESSÁRIAS E LEGISLAÇÃO VIGENTE


Julice de Paula Scanavachi (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Maria Isabel Pedreira de Freitas Ceribelli (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Nas rotinas das Unidades Básicas de Saúde (UBS), procedimentos invasivos são realizados nos usuários que acorrem ao Sistema Único de Saúde, em busca de assistência em instituições que tenham instalações adequadas e recursos humanos treinados para atender o público. Para a realização destes procedimentos são utilizados artigos médico-hospitalares, livres de qualquer microorganismo, para que se possa evitar possíveis infecções e oferecer atendimento seguro ao usuário. O processo de desinfecção/reprocessamento a que o artigo é submetido, deve ser realizado por recursos humanos treinados e capacitados para se obter bons resultados e não expor o usuário ao risco de infecções. Esta pesquisa tem como objetivo conhecer o perfil do profissional de saúde que está atuando nos Centros de Material e Esterilização (CME) que processam os artigos médico-hospitalares nas UBS. Os dados estão sendo obtidos por meio de visita às UBS dos Distritos Norte e Leste do município de Campinas, em um total de 15 unidades. Após a anuência do Secretario Municipal de Saúde e dos coordenadores distritais, estão sendo realizadas as entrevistas com um questionário dirigido. Estes dados serão analisados em contraposição aos dados presentes na legislação específica e na literatura publicada. Com estes dados, poderão ser realizados treinamentos específicos para estes ocupacionais, garantindo assim a melhoria da qualidade de trabalho e um melhor atendimento aos usuários do serviço público em questão.

Sistema Único de Saúde - Central de Material e Esterilização - Unidades Básicas de Saúde


B0150

ESTUDO PROSPECTIVO DE ACOMPANHAMENTO DA DOR E COMPLICAÇÕES RELACIONADAS À ANESTESIA E AO PROCEDIMENTO DE ASPIRAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA EM DOADORES


Beatriz Helena Cermaria Soares da Silva (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Maria José Nascimento Brandão (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
O transplante de medula óssea é um procedimento que consiste na infusão de medula óssea por via intravenosa, visando reconstruir o sistema hematopoiético enfermo. A aspiração de medula óssea é dolorosa e traumática, e há pouca informação quanto à prevalência, intensidade, fatores predisponentes e prevenção da dor. OBJETIVOS: Avaliar complicações durante os períodos de aspiração e pós-aspiração, e a analgesia após o procedimento. METODOLOGIA: Entrevista e acompanhamento dos pacientes submetidos à anestesia para aspiração de medula óssea, no HC-UNICAMP, desde 08/2005. Os dados levantados foram: anestesia, complicações anestésicas e no período pós-aspiração, tempo de coleta, níveis de hemoglobina pré e pós-aspiração, permanência na recuperação pós-anestésica e na enfermaria, uso de hemoderivados, avaliação da dor, consumo de medicamentos e satisfação dos doadores. RESULTADOS: As complicações mais freqüentes foram: hipotensão, taquicardia, bradicardia, dor, náuseas e vômitos, retenção urinária, anemia, prurido, sangramento no local da aspiração. CONCLUSÃO: As complicações observadas não comprometeram de maneira significativa a recuperação imediata dos doadores.

Dor - Anestesia - Transplante de medula óssea


B0151

ATIVIDADE DE CÉLULAS NATURAL KILLER EM PACIENTES COM IMUNODEFICIÊNCIA PRIMÁRIA HUMORAL


Beatriz Mariana Abramczuk (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Maria Marluce dos Santos Vilela (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Imunodeficiência humoral representa o maior grupo dentre os defeitos primários do sistema imune. Clinicamente caracteriza-se por infecções bacterianas de repetição, doenças autoimunes e tumores. Estudamos a atividade de natural killer (NK) em 14 pacientes com Imunodeficiência Comum Variável (4- 59 anos), 5 com Agamaglobulinemia Ligada ao X (10 meses a 30 anos), um com Agamaglobulinemia autossômica (23 anos) e 34 controles saudáveis (15 a 59 anos de idade). As células mononucleares do sangue periférico (CMSP) foram incubadas em estufa de CO2 por 2 horas à 37ºC com células alvo K562. A porcentagem de lise foi adquirida no citômetro de fluxo (Epics XL-MCL, Beckman-Coulter, USA) e analisada no EXPO-USA. Todas as análises com SPSS® for Windows (versão 7.5.1, USA) não demonstraram diferença significativa na atividade NK entre pacientes e controles (teste de Mann-Whitney, p>0,05). Também não houve diferença significativa entre a atividade de NK entre pacientes crianças (10 meses a 12 anos) e pacientes adultos (15 a 59 anos) (teste de Mann-Whitney, p>0,05). Adição de IgG humana (11,5 mg/ml) in vitro reduziu esta atividade (teste Wilcoxon, p<0,01).

Imunodeficiência primária - Atividade de NK - Citometria de fluxo


B0152

DOADORES RENAIS PÓS NEFRECTOMIA: FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR E ALTERAÇÕES ADAPTATIVAS À PERDA DE MASSA RENAL


Paulo Roberto de Jesus Barros (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Marilda Mazzali (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
O transplante de rim é um procedimento que permite a um portador de insuficiência renal livrar-se dos inconvenientes da hemodiálise. Porém, o doador muitas vezes não tem o acompanhamento necessário a médio e longo prazo necessário para avaliar e tratar complicações. O projeto teve como objetivos caracterizar a população de doadores renais em acompanhamento desde 1985, e avaliar a incidência de alterações de função renal e sistêmicas. A análise de dados foi realizada por meio de coleta de dados de prontuários e preenchimento de tabelas construídas para o estudo. Foi realizada análise estatística quantitativa e qualitativa dos dados. Dos 305 pacientes analisados, 166 vieram a desenvolver algum tipo de complicação a curto, médio ou longo prazo. Hipertensão desenvolveu-se em 65 pacientes (21% do total), sendo 33 com mais de 10 anos de transplante e 32 até 10 anos. A microalbuminúria desenvolveu-se em 37 pacientes. Conclui-se que é significativa a incidência de alterações funcionais e médio e longo prazo e o acompanhamento regular vai diminuir a progressão a maiores complicações

Doadores renais - Hipertensão - Microalbuminúria


B0153

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS HOMICÍDIOS EM CAMPINAS: ANÁLISE DAS DISTÂNCIAS ENTRE O LOCAL DE RESIDÊNCIA E OCORRÊNCIA RELATIVOS AOS ANOS DE 2003 A 2006 I


Hugo Trevizan Paggiaro (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Marilisa Berti de Azevedo Barros (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FMC, UNICAMP
Trata-se de um trabalho que objetivou analisar a distância entre o local de residência e de ocorrência relacionados às vitimas de assassinato residentes no município de Campinas. Foram elaborados mapas digitais dos locais de residência da vítima, dos locais de ocorrência da fatalidade, bem como mapas temáticos dos fluxos percorridos pela vitimas, separados por fronteiras administrativas. Foram georreferenciados os óbitos por homicídios ocorridos entre os anos de 2003 e 2006 no território campineiro, sendo o banco de dados alimentado pelas Declarações de Óbitos. Os dados socioeconômicos foram baseados nas informações contidas na base de municípios, elaborada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística com os dados do Censo Demográfico de 2000. Demonstrou-se nos mapas a existência de padrões de localização diferenciados quando se compara os moradores e os não-moradores de Campinas. Esses concentrados no centro da cidade e aqueles mais na periferia. Constatou-se que quanto menor o nível socioeconômico do local de residência da vítima, menor é a distancia percorrida até o local de ocorrência do assassinato. Observou-se que as pessoas com mais de 40 anos tendem a ser assassinadas na própria residência.

Homicídio - Georreferenciamento - Perfil epidemiológico


B0154

TRATAMENTO COM ANTI-SENSE DO TOLL-LIKE RECEPTOR 2 (TLR2) PROTEGE CONTRA RESISTÊNCIA À INSULINA INDUZIDA POR DIETA HIPERLIPÍDICA


Andréa M. Caricilli (Bolsista FAPESP), Paula H. Nascimento, Daniela M. Tskumo, José Rodrigo Pauli e Prof. Dr. Mário José Abdalla Saad (Orientador), Faculdade de Ciência Médica - FCM, UNICAMP
Estudos demonstram que o estado de inflamação sub-clínica e a ativação do sistema imune inato estão envolvidos na patogênese da resistência à insulina (RI) associada ao diabetes tipo 2 (DM2) e à obesidade. O TLR2 reconhece alguns componentes da parede celular bacteriana, incluindo lipoproteínas, ativando a resposta imune com suas vias inflamatórias relacionadas à indução da RI. Objetiva-se investigar os efeitos do tratamento com anti-sense para TLR2 em tecidos insulino-sensíveis em camundongos obesos na sensibilidade à insulina e ativação de proteínas da via inflamatória nos tecidos muscular, adiposo, hipotalâmico e hepático.  Camundongos Swiss (SW) receberam dieta controle ou hiperlipídica (DH). Aplicou-se anti-sense para TLR2 por 5 dias. Realizou-se avaliação ponderal e teste de tolerância à insulina. A sinalização molecular da insulina e a ativação de proteínas da via inflamatória foram avaliadas por imunoblot.  A expressão de TLR2 está aumentada nos tecidos supracitados em SW tratados com DH. Os tratados com DH e com anti-sense apresentaram maior sensibilidade à insulina em relação aos tratados apenas com DH. Sugere-se que a inativação do TLR2 em SW submetidos ao tratamento com anti-sense protege estes animais da RI induzida por DH, melhorando a sinalização insulínica no músculo e fígado. Sugere-se que o TLR2 tem papel importante na interligação entre o sistema imune inato e a regulação da sensibilidade à insulina, sendo possível alvo terapêutico para obesidade, RI e DM2.

TLR2 - Resistência insulínica - Inflamação


B0155

A AÇÃO DO VERAPAMIL NA SINALIZAÇÃO INTRACELULAR DA INSULINA EM TECIDO MUSCULAR E HEPÁTICO DE RATOS WISTAR


Rafael Santos Zacchia (Bolsista SAE/UNICAMP) e Prof. Dr. Mário José Abdalla Saad (Orientador), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
O tratamento com anti-hipertensivos torna-se uma variável importante na determinação dos níveis glicêmicos e de resistência à insulina em pacientes com diabetes tipo 2 e hipertensos. O verapamil, um antagonista dos canais de cálcio, é uma droga utilizada, principalmente, no tratamento de arritmias cardíacas, que também tem uma ação redutora dos níveis pressóricos, podendo não interferir ou até melhorar a resistência à insulina, segundo estudos já realizados. Entretanto, o efeito do verapamil na via de sinalização da insulina não foi estudado. O objetivo do presente estudo é investigar a sensibilidade à insulina e a via de sinalização desse hormônio em ratos tratados com verapamil. Métodos: Os ratos Wistar foram divididos em 2 grupos, sendo um que recebeu tratamento com verapamil (20mg/Kg/dia) e outro que recebeu tratamento apenas com soro fisiológico durante 3 dias seguidos. Foi realizado teste de tolerância à glicose(GTT), teste de sensibilidade à insulina(ITT) e extração de tecidos para avaliação da sinalização molecular da insulina por imunoblotting. Resultados e Conclusão: Os ratos tratados com verapamil apresentaram uma maior tolerância à glicose e maior sensibilidade à insulina em relação aos controles. Foi evidenciada uma menor fosforilação em IRS-1 ser 307 em ambos os tecidos estudados. No entanto, ainda não sabemos como o verapamil afeta a porção mais distal da via de sinalização da insulina, já que não houve alteração na fosforilação da p-ERK, p-JNK e p-AKT. Portanto, o nosso estudo demonstra que o uso de verapamil, mesmo que por curto-prazo, pode melhorar a tolerância à glicose e a sensibilidade à insulina, bem como a via de sinalização intracelular da insulina.

Verapamil - Sinalização intracelular da insulina - Diabetes tipo 2


B0156

EFEITOS DO PROPRANOLOL E ATENOLOL NA SENSIBILIDADE E VIA DE SINALIZAÇÃO INSULÍNICA EM TECIDOS MUSCULAR E HEPÁTICO DE RATOS WISTAR


Roberto D. Pacheco Pinto (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Mário José Abdalla Saad (Orientador), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Estudos epidemiológicos sugerem uma estreita associação entre hipertensão e diabetes, sendo demonstrado que a hipertensão, por si só, é um estado de resistência à insulina. Entre os fármacos utilizados na hipertensão, estão os Beta Bloqueadores. Estudos anteriores indicam que os Beta Bloqueadores pioram a sensibilidade à insulina. Porém, os mecanismos moleculares pelo quais os Beta Bloqueadores exercem os efeitos descritos ainda não estão elucidados. Métodos: Os ratos wistar foram divididos em 3 grupos, sendo administrado as drogas e feito o teste de tolerância a insulina e teste de tolerância a glicose. O tecido hepático e muscular foi extraído desses animais para avaliação da sinalização molecular da insulina por imunoblotting. Resultados e Discussão: No teste de tolerância à insuliana, os animais tratados com propranolol e atenolol apresentaram piora dos níveis glicêmicos e sensibilidade à insulina quando comparados com o grupo controle, tendo o propranolol piores resultados que o atenolol. No teste de tolerância a glicose, a média de glicemia no tempo 120 min. é maior nos grupos propranolol e atenolol em relação ao controle, e maior do propranolol em relação ao atenolol. Foi mostrada maior expressão em IRS1-ser307 nos grupos atenolol e propranolol em ambos tecidos, assim como uma menor expressão de AKT de propranolol em tecido hepático e de atenolol em tecido muscular.

Sinalização da insulina - Propranolol - Atenolol


B0157

ESTUDO DO CICLO VIGILIA SONO E CRONOTIPO EM ESTUDANTES UNIVERSITARIOS DE ENFERMAGEM


Valéria Nasser Figueiredo (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Milva Maria Figueiredo De Martino (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Este estudo teve como objetivo fazer uma análise do padrão de sono dos estudantes universitários,(n=40) e o cronotipo , bem como analisar as características dos padrões de sono nos dias da semana desta população, comparando com os finais de semana. Para tanto, foram convidados a participar desta pesquisa os estudantes do 1º ano do curso de graduação em enfermagem da Universidade Estadual de Campinas . Foram utilizados tres questionários, um para coleta de informações pessoais, profissionais e dados relativos ao estado geral de saúde , outro para avaliação do ciclo vigília-sono (diário de sono) coletados durante 15 dias e cronotipo , com a finalidade de classificar os sujeitos quanto aos hábitos de sono. Os resultados mostraram que os alunos pertencem a seguinte classificação : cronotipo Indiferente (46,87%) , Moderamente Matutino (28,12%),Moderamente Vespertino(21,87%) e Definitivamente Vespertino (3,2%). Os resultados referentes as caracteristicas de sono mostraram uma boa qualidade de sono. Conclusão- Podemos inferir devido a maioria ter um cronotipo do tipo indiferente é possivel que haja uma flexibilidade nos habitos de sono , o que colabora de certa forma para que ele não tenha um sono de má qualidade e suas repercussões no seu cotidiano.

Sono - Cronotipo - Estudantes


B0158

USO DE PRÁTICAS ALTERNATIVAS E COMPLEMENTARES POR PACIENTES EM TRATAMENTO CONVENCIONAL DE CÂNCER DE MAMA EM UM SERVIÇO PRIVADO DE CAMPINAS


Cíntia Tavares Cruz (Bolsista SAE/UNICAMP) e Prof. Dr. Nelson Filice de Barros (Orientador), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Os tratamentos convencionais são os métodos comprovados como eficazes para o tratamento do câncer de mama, no entanto, causam muitos efeitos colaterais. O uso de Práticas Alternativas e Complementares (PAC), constituídas pelas chamadas Medicina Alternativa e Complementar (MAC) e Medicina Tradicional (MT), pode ser benéfico se usado junto ao tratamento convencional, aliviando sintomas sem causar novos prejuízos. Este estudo realizado em uma instituição de tratamento de neoplasias mamárias, de caráter privado, dá continuidade à investigação sobre uso de PAC por pacientes, iniciado em 2005, no CAISM/FCM/UNICAMP. Foram realizadas entrevistas por telefone, com 82 pacientes, seguidas de entrevistas em profundidade com dez pacientes que afirmaram usar PAC. Predominaram mulheres na faixa etária entre 50 e 59 anos de idade (39,6%), casadas (70,4%), brancas (81,7%), católicas (75,6%), com renda familiar mensal acima de 15 salários mínimos (26,8%) e nível de escolaridade de 12 a 15 anos de estudo (45,6%). Das entrevistadas, 34,1% declararam usar alguma PAC, todavia, no decorrer do questionário, constatou-se o aumento deste número para 98,8%. Entre as que declararam o uso, foi mais comum: oração (91,5%), dieta (41,1%), ervas (33,3%), massagem (23,2%), homeopatia (15,9%), reiki (15,9%), florais (13,4%) e meditação (12,2%). Conclui-se que há forte relação entre nível sócio-econômico e uso de PAC. As mulheres de baixa renda usam predominantemente as MT, enquanto as de nível sócio-econômico maior usam muitas MAC, além de MT.

Medicina Alternativa e Complementar - Câncer de mama - Pesquisa quantitativa e qualitativa


B0159

O CONHECIMENTO POPULAR SOBRE HOMEOPATIA


Sheila Tatsumi Kimura (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Nelson Filice de Barros (Orientador), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Apesar do aumento da demanda pelas chamadas “Medicinas Alternativas e Complementares”, da qual a Homeopatia faz parte, ainda falta informação para usuários, profissionais e administradores do sistema de saúde. Nesse sentido, este estudo procurou analisar o conhecimento e a atitude da comunidade frente à Homeopatia. Foram entrevistados 61 participantes da Feira de Saúde realizada anualmente no Largo de Rosário, em Campinas, que responderam perguntas sobre a homeopatia e o uso que já fizeram, a percepção da eficácia e aplicação dos tratamentos, bem como o interesse em aprender mais a respeito. A média de idade dos participantes foi de 50 anos; 57% é do sexo feminino; 38% tem ensino médio completo; 95% já ouviu falar em homeopatia, mas o termo “Medicina de plantas/fitoterapia” foi relacionado com homeopatia por 77% deles; 60% relatam já ter usado, sendo 29% para transtornos psiquiátricos e psicológicos; daqueles que já usaram, 48% consultaram médico homeopata e nenhum relata ter sido atendido em servico da rede publica de saúde; e 64% dos entrevistados mostram-se interessados em aprender mais sobre Homeopatia. Conclui-se, por um lado, que uma porcentagem relativamente alta dos usuários já usou homeopatia (60%), embora muitos deles associem-na com a fitoterapia; por outro lado, que se faz necessário informar a população, para que esta amplie sua compreensão sobre a Homeopatia e possa beneficiar-se do tratamento homeopático no SUS.

Medicina alternativa e complementar - Homeopatia - SUS


B0160

COLETA DE DADOS DE QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM PSORÍASE EM TRATAMENTO NO AMBULATÓRIO DE DERMATOLOGIA DO HC - UNICAMP


Rafael Augusto Tamasauskas Torres (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Paulo Eduardo Neves Ferreira Velho (Orientador), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
A psoríase é uma dermatose inflamatória crônica que pode atingir extensas áreas da pele, comprometendo a qualidade de vida (QV) dos pacientes e interferindo na vida pessoal, no relacionamento com amigos e familiares e nas atividades diárias. O tratamento permite um bom controle clínico, mas a impressão do paciente geralmente é pouco valorizada. Nosso objetivo foi avaliar a QV de pacientes portadores de psoríase ao longo do tratamento. Para tanto foram empregados questionários de QV já validados para língua portuguesa (PDI e DLQI) nos pacientes em tratamento e em seus retornos subseqüentes. Os dados obtidos foram analisados e comparados com os dados clínicos do índice PASI. Obtivemos uma amostra de 93 pacientes, sendo 54 homens, com idade média de 50 anos. Ao cruzar os dados houve correlação entre os questionários. Ocorreu um declínio brusco dos scores no primeiro retorno, sendo que estes valores se mantiveram constantes no segundo. Concluímos, então, que os questionários PDI e DLQI e o índice PASI estão relacionados, mostrando que alterações clínicas se refletem na QV. O resultado global obtido dos pacientes que retornaram indica que o tratamento está sendo eficaz.

Psoríase - Qualidade de vida - Terapia


B0161

PROMOÇÃO DA SAÚDE E RELAÇÕES DE TRABALHO: O CONHECIMENTO QUE OS PROFESSORES TÊM DA PRÓPRIA VOZ E DOS SEUS EDUCANDOS


Aline Garcia Iredia (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Regina Yu Shon Chun (Orientadora), CEPRE, Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Existe um grande número de pesquisas sobre voz do professor, mas ainda são escassos os trabalhos sobre a percepção que este tem da própria voz bem como da dos seus educandos. Os objetivos foram realizar levantamento da literatura sobre a consciência do professor em relação à sua própria voz e a dos educandos com foco na promoção da saúde e nas relações de trabalho e subsidiar elaboração de pesquisa de campo nesse enfoque. Para tanto foi feita revisão da literatura no período de 1986 a 2006 nas bases de dados MEDLINE, LILACS e SCIELO, complementando-se a busca nas Bibliotecas da UNICAMP, PUCCAMP e no Acervo do CEPRE/UNICAMP. Utilizaram-se as palavras-chave: voz do professor, voz e condições de trabalho e voz e educação. Encontrou-se 172 artigos nessas bases de dados, sendo que em torno de 10% aborda-se de modo mais explicito as relações de qualidade de vida e promoção da saúde. A percepção da voz é abordada de diferentes maneiras pelos autores, porém, todos destacam a importância da consciência vocal. Os resultados representam contribuição relevante para a Fonoaudiologia por buscar identificar propostas com foco na promoção da saúde e relações de trabalho, abrangendo não só a categoria apontada por autores como de alto risco de alterações vocais, o professor como também aqueles aos quais seu trabalho é direcionado, ou seja, os alunos.

Fonoaudiologia - Voz do professor - Qualidade de vida.


B0162

CARACTERÍSTICAS DO DESENVOLVIMENTO OROMOTOR DE CRIANÇAS DE 0 A 24 MESES COM HISTÓRIA DE PREMATURIDADE NA PERSPECTIVA DAS MÃES/ CUIDADORAS


Camila Colussi Madruga (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Regina Yu Shon Chun (Orientadora), CEPRE, Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
A atuação fonoaudiológica vem se ampliando com bebês pré-termos, cuja maturação neurológica para se alimentar ainda não está completa. Seu desenvolvimento motor oral trata-se de tema pouco explorado na literatura, ainda mais na perspectiva das mães/ cuidadoras, o que justifica a relevância do estudo. Os objetivos são: investigar as características da transição alimentar de prematuros e o significado da amamentação materna na perspectiva das mães/cuidadoras. Trata-se de pesquisa quali-quantitativa, cujo corpus são 50 crianças de 0-24 meses com tempo de gestação inferior a 37 semanas, nascidas no CAISM/UNICAMP. Coletaram-se os dados por meio de entrevistas, nas quais se levantou a história do desenvolvimento alimentar e motor-oral e o significado da amamentação para as cuidadoras. Os achados indicam que 84% das crianças foram amamentadas no seio materno por tempo variado e 62% não utilizaram chupeta. Observou-se predomínio da alimentação líquida em 91% das crianças de 0-4 meses e em 80% das de 4-6 meses. O alimento pastoso é introduzido a partir dos 5 meses. Para a maioria das cuidadoras a amamentação é fundamental para a saúde física, para uma pequena parcela para a saúde física e vínculo afetivo e para um índice menor para o vínculo afetivo. Os achados mostram evidências de que os bebês do estudo apresentam características próximas às de bebês a termo, e acima de 8 a 24 meses não se observam diferenças significativas. O estudo contribui para preencher importante lacuna nesse campo.

Fonoaudiologia - Neonatologia - Amamentação


B0163

ESTUDO DA GAGUEIRA SOB A PERSPECTIVA GENÉTICA


Carina Dantas Mendes (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Regina Yu Shon Chun (Orientadora), CEPRE, Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
A gagueira trata-se de tema amplo e controvertido, em que se procura explicar suas causas sob diferentes perspectivas teóricas, porém não se observa um consenso na literatura sobre sua etiologia. Considerando-se esse panorama, a incidência significativa da gagueira na população em geral bem como os avanços das pesquisas genéticas e a carência de estudos nessa direção assume grande importância investigar a gagueira sob a perspectiva genética, objetivo desta pesquisa. Para tanto, foi feito levantamento bibliográfico dos estudos da gagueira que abordassem aspectos genéticos no âmbito da Fonoaudiologia no período de 1996 a 2006. Foram pesquisadas as bases: MEDLINE, LILACS e SCIELO e fontes disponíveis nas Bibliotecas – Central e da FCM da UNICAMP, no Acervo Bibliográfico do CEPRE/UNICAMP e na PUCCAMP. No LILACS encontrou-se 45 artigos, sendo que 25 se repetiram em outra fonte e somente 8, faziam referência aos aspectos genéticos. No MEDLINE, para a palavra-chave gagueira encontrou-se 609 artigos, porém refinando-se os filtros com as palavras-chave gagueira e genética, chegou-se a 6 artigos. No SCIELO encontrou-se 3 artigos para a palavra-chave “gagueira”, porém, nenhum referente aos aspectos genéticos ou causas da gagueira. Os resultados mostram que vários autores discutem a interação entre fatores ambientais e hereditários. Os achados evidenciam um campo de estudo ainda pouco explorado, porém, que se revela como área promissora para pesquisas no enfoque aqui abordado.

Gagueira - Genética - Fonoaudiologia


B0164

USO DO PORTFÓLIO NA FONOAUDIOLOGIA COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO E APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS CRÍTICOS E REFLEXIVOS


Mariana Mendes Bahia (Bolsista FAPESP) e Profa. Dra. Regina Yu Shon Chun (Orientadora), CEPRE, Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Muito tem se questionado sobre as formas de avaliação no Ensino Superior e, principalmente, a contribuição para a formação social do aluno. Em busca de uma prática processual e qualitativa de avaliação, com vistas a subsidiar o processo ensino-aprendizagem na Fonoaudiologia foi proposto o portfólio como instrumento reflexivo de avaliação na disciplina História da Fonoaudiologia. Trata-se do conjunto de produções acadêmicas que permitem avaliar o aluno, incorporando experiências significativas e atividades reflexivas. É uma prática, pouco explorada no Ensino Superior, não tendo sido encontradas referências na área de Fonoaudiologia. O objetivo é investigar o uso do portfólio como instrumento reflexivo de avaliação e aprendizagem em um Curso de Fonoaudiologia. Trata-se de pesquisa retrospectiva e qualitativa, cujo corpus se constitui de 24 sujeitos, alunos do 1º ano de Fonoaudióloga, que cursaram a disciplina História da Fonoaudiologia. Os dados foram coletados por meio dos portfólios e de depoimentos escritos. Os resultados indicam mudanças quanto à compreensão e expectativas da profissão. Espera-se que o portfólio contribua para o aprimoramento do processo ensino-aprendizagem, bem como para o desenvolvimento das práticas educativas numa perspectiva de atenção integral à saúde com vistas à promoção da saúde e qualidade de vida das populações atendidas no âmbito da Fonoaudiologia.

Fonoaudiologia - Avaliação - Portfólio


B0165

GRUPO DE MÃES NA REABILITAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL


Carolina C. Gerelli (Aprimoranda FUNDAP), Profa. Dra. Maria Inês R. S. Nobre (Co-orientadora) e Profa. Dra. Rita de Cássia Ietto Montilha (Orientadora), CEPRE, Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Introdução: O Cepre atende crianças com deficiência visual em processo de reabilitação. A mãe acompanha a criança sendo atendida, semanalmente em grupo pela terapia ocupacional favorecendo a expressão e elaboração de sentimentos decorrentes da deficiência visual, proporcionando maior conhecimento a respeito dela e do desenvolvimento de seu filho. Objetivos e metodologia: identificar reações de mães em relação ao diagnóstico da deficiência visual e a contribuição da sua participação no grupo para o processo de reabilitação de seu filho. O tipo de pesquisa realizado é um “survey” descritivo. A amostra é constituída por mães de crianças com deficiência visual, inseridas no Cepre. A coleta de dados é realizada aplicando-se questionário por entrevista. Resultados preliminares: referem-se aos encontros dos grupos de março e abril de 2007. Em relação aos sentimentos frente ao diagnóstico destacaram-se: tristeza (71,0%), dúvida e medo (64,0%). As mães relatam que o grupo ajuda a esclarecer dúvidas (78%) referentes à deficiência de seus filhos e outras questões por eles trazidas aos encontros. Conclusão: As mães declararam que o grupo contribuiu para expressão de sentimentos, troca de experiências e compreensão do potencial de seus filhos.

Mães - Terapia ocupacional - Grupo


B0166

AS PRINCIPAIS INFRAÇÕES ÉTICAS ENTRE OS MÉDICOS PROCESSADOS NO CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO (CREMESP)


Fernando dos Ramos Seugling (Bolsista PIBIC/CNPq), Moacyr Esteves Perche e Prof. Dr. Roberto Teixeira Mendes (Orientador), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
É conhecida a ocorrência de denúncias, processos e condenações por especialidade médica no âmbito do CREMESP, mas não há estudos que estabeleçam comparação entre as especialidades tomando por base as situações em que ocorrem os fatos geradores dessas demandas ao CREMESP para cada especialidade. Foram coletados da base de dados do CREMESP os processos ético-disciplinares instaurados entre os anos de 1995 e 2003, totalizando 4806 médicos processados. Foram definidos a especialidade do profissional processado e os artigos do Código de Ética Médica (CEM) que mais motivaram as instaurações dos processos ético-disciplinares no geral e em cada especialidade. Os artigos do CEM mais citados foram: 2º, 29, 4º, 57, 5º, 17, 9º, 69, 142 e 31. A análise dos artigos do CEM citados nos processos ético-disciplinares mostrou diferenças importantes entre as especialidades médicas.

Ética médica - Processos ético-disciplinares - Especialidades


B0167

Prevalência de dor recorrente em escolares no município de Campinas


Flávia Corrêa Christensen (Bolsista PIBIC/CNPq), Eduardo Hoehne (Co-orientador) e Prof. Dr. Roberto Teixeira Mendes (Orientador), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Uma das queixas mais comuns em serviços de saúde entre crianças de idade escolar são as dores recorrentes. O presente trabalho é teste-piloto de uma pesquisa que tem por objetivo estudar a queixa de dores recorrentes em escolares no município de Campinas. Foi realizado um estudo transversal, observacional, em uma escola pública de Ensino Fundamental de Campinas. Um questionário foi entregue aos alunos de 1ª a 4ª série e preenchido com a assistência dos familiares (n=201). O presente estudo buscou observar a localização, intensidade e duração mais freqüentes da dor por faixa etária e relacionar essa queixa com variáveis, tais como prejuízo de atividades e diferenças socioeconômicas. Resultados: Foi encontrada uma prevalência de queixa de dor recorrente de 31,1% entre os escolares estudados. Não houve associação estatisticamente significativa entre a queixa de dor recorrente e sexo, nível socioeconômico e escolaridade do chefe da família. Porém foi observada associação entre a faixa etária e a prevalência da queixa de dor recorrente (p<0.05). Entre 8 e 9 anos foi observada 44,15% de queixa de dor recorrente, enquanto na faixa de 6 a 7, 18,18% e na de 10 a 11, 21,73%. Conclusão: A dor recorrente é queixa muito freqüente nas crianças estudadas nessa escola (31,1%), principalmente na faixa etária de 8 a 9 anos. Permanece necessária a realização de estudos da associação entre a queixa de dor recorrente e variáveis distintas como fatores culturais, socioeconômicos e abordagem terapêutica.

Dor recorrente - Socioeconômico - Escolares


B0168

SIGNIFICAÇÕES ATRIBUÍDAS PELOS MÉDICOS ACERCA DAS ATIVIDADES LÚDICAS HOSPITALARES PARA CRIANÇAS COM CÂNCER-UM ESTUDO CLÍNICO-QUALITATIVO


Rafaela Pinto de Toledo (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Roberto Teixeira Mendes (Orientador), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
O câncer infantil apresenta peculiaridades na abordagem terapêutica, como lidar com familiares e as próprias angústias e frustrações como médico, procurar minimizar a imagem de dor associada ao profissional de saúde e criar vínculo com o paciente. Assim, há busca constante por tratamento mais humano e acessível, integrando a medicina científica (paradigma biológico e experimental) com as Terapias Complementares e Adjuvantes. Este trabalho buscou estudar as representações para os médicos sobre atividades lúdicas desenvolvidas no Centro Infantil Boldrini com o objetivo de constatar possíveis diferenças nos aspectos psicológicos e/ou culturais do lúdico entre os médicos que atuam com base no seguimento das crianças e os que atuam apenas realizando procedimentos. Utilizamos o método clínico-qualitativo, com sujeitos submetidos ao critério de saturação de dados obtidos nas entrevistas semidirigidas de questões abertas. Os procedimentos foram gravações em fitas cassetes de entrevistas com os médicos da equipe multidisciplinar e a técnica de tratamento dos dados, a da Análise Qualitativa de Conteúdo. Concluímos que não há diferenças significativas, entre as classes de médicos de seguimento e de procedimentos, no que se refere aos significados atribuídos à prática da ludoterapia em seu ambiente de trabalho.

Terapia lúdica - Câncer - Pediatria


B0169

VIABILIDADE DA UTILIZAÇÃO DO SCORE DE GRAVIDADE EM PACIENTES INTOXICADOS POR ORGANOFOSFORADOS ATENDIDOS PELO CENTRO DE CONTROLE DE INTOXICAÇÕES DA FCM-UNICAMP


Ednaldo Y. Shono (Bolsista PIBIC/CNPq), Mendonça DMD (Colaborador) e Prof. Dr. Ronan José Vieira (Orientador), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
As intoxicações por organofosforados são freqüentes em nosso meio. O Centro de Controle de Intoxicações da UNICAMP (CCI) atende e auxilia o atendimento de intoxicados. Informações padronizadas sobre a gravidade contribuem para aprimorar o atendimento. O Score de Gravidade de Intoxicação (PSS)1-2 é baseado no quadro clínico e na evolução classificando os pacientes em 5 categorias: assintomáticos-PSS 0, leve-PSS 1, moderado-PSS 2, grave-PSS 3 e fatal-PSS 4 e foi utilizado por alguns autores na avaliação da gravidade de intoxicados. Objetivo: Verificar a viabilidade da aplicação do PSS nos pacientes intoxicados por organofosforados atendidos pelo CCI-UNICAMP. Método: Coleta de dados das fichas de 224 pacientes intoxicados por organofosforados do CCI/UNICAMP de janeiro de 2003 a dezembro de 2006 e preenchimento das tabelas do PSS. Resultados: PSS 0- 75 (33,5%), PSS 1- 89 (39,7%), PSS 2- 28 (12,5%), PSS 3- 23(10,3%) e PSS 4- 9 (4%). Conclusão: É possível aplicar o PSS utilizando as fichas do CCI-UNICAMP. Referências: 1. Persson HE, Sjoberg GK, Haines JA, Pronczuk de Garbino J. Poisoning severity score. Grading of acute poisoning. J Toxicol Clin Toxicol 1998;36(3):205-13. 2. Bilgin TE, Camdeviren H, Yapici D, Doruk N, Altunkan AA. The comparison of the efficacy of scoring systems in organophosphate poisoning. Toxicol Ind Health 2005;21(7-8):141-6.

Organofosforados - Intoxicação - Score de gravidade


B0170

SOBRE A TRANSFERÊNCIA DA LESÃO DÉRMICA PROVOCADA PELA LITHRAEA MOLLEOIDES PARA A PELE NORMAL POR CONTATO. LESÃO CARIMBO


Lenamaris Mendes Rocha (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Ronan José Vieira (Orientador), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Lithraea molleoides (aroeira), árvore natural do Brasil, causa lesão de pele com eritema, micropápulas, vesículas e prurido nas áreas expostas ao contato, provocada pelos urushiois (catecois) e mediada por células T, em pessoas sensibilizadas. Verificar se a lesão de pele por aroeira passa para a pele sã por contato. Uma folha de aroeira foi colocada em contado, durante um minuto, com a face interna do braço de um voluntário sensibilizado. O contato da pele exposta com o tórax foi evitado pelo uso de camisa espessa. Diariamente, foi tomado banho de chuveiro com sabão. Dois dias após a exposição, foi mantido contato da pele lesada do braço com a do tórax durante o sono. Oito meses após, foi repetido o experimento nos dois braços, em um deles, permitindo o contato da lesão com o tórax no 2º dia e no outro braço, no 4º dia. Um mês depois, o experimento foi novamente repetido, permitindo o contato no 2º e 5º dia. Acompanhamento fotográfico das lesões. No primeiro experimento, as lesões do braço se desenvolveram no tórax na região do contato. No segundo, passaram para o tórax após dois dias e não passaram após quatro. No terceiro, as lesões passaram novamente no segundo dia, mas não passaram no quinto. As lesões de pele, provocadas por aroeira, passam da pele lesada para a pele sã por contato (lesão carimbo), porém esta passagem depende do estágio de evolução da lesão.

Aroeira - Lithraea molleoides - Lesão carimbo


B0171

DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DA INFECÇÃO ATIVA PELO HERPESVÍRUS HUMANO 6 (HHV-6) PELA ANTIGENEMIA E NESTED- PCR: IMPACTO CLÍNICO E CORRELAÇÃO COM O CITOMEGALOVÍRUS (HHV-5) EM TRANSPLANTADOS HEPÁTICOS


Allan Nobuyuki Sasaki (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Sandra Cecília Botelho Costa (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
A infecção por herpesvírus (HHV-5 e HHV-6) tem sido correlacionada com importantes taxas de morbi-mortalidade em pacientes transplantados hepáticos e seu diagnóstico precoce tem grande importância prognóstica. Padronizar a técnica de antigenemia em sangue periférico para a detecção do HHV-6 em pacientes transplantados hepáticos e compara-lo ao método de PCR e correlacionar o impacto clínico da co-infecção pelos herpesvírus estudados nestes pacientes. Foram utilizadas as técnicas de antigenemia e nested-PCR para a detecção dos vírus HHV-5 e HHV-6 a partir do sangue periférico dos pacientes, e feito o acompanhamento clínico a partir do levantamento de dados de prontuários. Os 15 pacientes foram incluídos. Detectou-se infecção ativa em 10/15 e 7/15 dos pacientes para o HHV-5 e HHV-6, respectivamente, e co-infecção em 4/15, sendo que 12 em 15 apresentaram infecção ativa por algum desses vírus. Destes, apenas um não apresentou complicações durante o seguimento. Há clara evidência do impacto causado pela infecção por estes vírus nesta casuística, porém mais pacientes devem ser incluídos para comparação dos métodos.

HHV-6 - Nested-PCR - Citomogalovirus


B0172

ASSOCIAÇÃO ENTRE POLIMORFISMOS DO GENE KLOTHO E MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS DAS DOENÇAS FALCIFORMES


Wesla Packer Pfeifer (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Sara Terezinha Olalla Saad (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
As doenças falciformes consistem em hemoglobinopatia que resulta na formação das hemoglobinas S que, sob condições de hipóxia, sofrem falcização. Essas doenças incluem diversos genótipos (SS; SC e Sβ talassemia) As manifestações clínicas são variáveis incluem: anemia, episódios dolorosos de vaso-oclusão, ataque isquêmico transitório; AVC espontâneo; Priapismo; Necrose asséptica de cabeça de fêmur e Úlcera de Perna. Tais manifestações, decorrentes do vaso-oclusão têm a deficiência de óxido nítrico sido sugerida como uma de suas causas. Estudos mostram que polimorfismos do gene Klotho humano podem levar a uma redução na síntese de NO e agravar tais manifestações. Para comprovar a relação entre os polimorfismos do gene Klotho e as manifestações clínicas acima citadas, foi investigada a presença destes por meio de amplificação por PCR seguida de digestão enzimática, em pacientes portadores de doenças falciformes, acompanhados no Hemocentro da UNICAMP, além de análise em banco de dados dos mesmos. Foram selecionados 140 pacientes, sendo 112 com genótipo SS; 16 Sβ talassemicos e 12 com hemoglobinopatia SC. Foi observado maior prevalência de úlcera de perna, alterações em sistema nervoso central e priapismo em portadores do genótipo AA para o polimorfismo rs211234† do gene klotho.

Anemia falciforme - Klotho - Polimorfismo


B0173

AÇÕES ASSISTENCIAIS DE SAÚDE EMPREGADAS NA PREVENÇÃO E CONTROLE DA DESNUTRIÇÃO INFANTIL EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE


Álida Maria de Oliveira (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Silvana Denofre Carvalho (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
A desnutrição infantil continua a ser um dos problemas mais importantes de saúde pública do mundo, devido a sua magnitude e conseqüências desastrosas para o crescimento, o desenvolvimento e sobrevivência das crianças. O predomínio das formas leves e moderadas aumenta a importância do atendimento realizado ao nível primário nas Unidades Básica de Saúde (UBS), que mantêm uma grande responsabilidade na prevenção e recuperação desta doença nutricional. O objetivo é reconhecer quais as ações de saúde empregadas na prevenção e controle da desnutrição infantil em uma UBS. Como metodologia utilizou-se a entrevista semi-estruturada com a equipe multiprofissional que assiste a criança desnutrida. Analisando os dados percebeu-se que a UBS oferece apoio através de grupos de puericultura, grupo de desnutridos e também conta com o apoio da comunidade, porém, não há uma ação organizada entre as equipes de saúde, havendo pouca troca de conhecimentos e experiência entre elas. Enfim, para que as ações na prevenção e no controle a desnutrição infantil sejam efetivas é preciso ter programas organizados em conjunto com estratégias de educação, assistência em saúde e vigilância alimentar.

Desnutrição infantil - Programas de saúde - Vigilância alimentar


B0174

PROFISSIONAIS DA EQUIPE DE ENFERMAGEM E OS CUIDADOS PRESTADOS À CRIANÇA DESNUTRIDA E SUA FAMÍLIA


Angelita de Paula e Silva (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra Silvana Denofre Carvalho (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
A desnutrição infantil é um problema preocupante de saúde pública, visto que em todo o mundo o número de crianças desnutridas chega a oitocentos milhões. Este trabalho foi realizado num Centro de Saúde do município de Campinas e seu principal objetivo foi pesquisar a existência de intervenções realizadas pela equipe de enfermagem, considerando o problema da desnutrição infantil. Para isso utilizou-se a entrevista semi-estruturada e o estudo do tipo qualitativo exploratório descritivo. Na análise dos dados foi utilizado o referencial teórico metodológico qualitativo e os dados obtidos foram confrontados com a literatura. Os resultados encontrados nas entrevistas foram que não existem intervenções eficazes para evitar a desnutrição, a maioria das pessoas não comparece no grupo se não receberem benefícios como a multimistura ou alimentos em troca de sua presença; a gravidez precoce, a falta de perspectiva de vida e o baixo nível de escolaridade da população agravam o problema. Pode-se concluir que as intervenções realizadas pela equipe de enfermagem são pouco eficazes, considerando a fala dos profissionais e o grande número de desnutridos presentes neste local. A ação sugerida é a educação em saúde das mulheres, antes mesmo de pensarem em ser mães, podendo assim, dar suporte à relação familiar dessas crianças.

Desnutrição infantil - Intervenções - Profissionais da equipe de enfermagem


B0175

Importância das orientações na Doença de Parkinson e a absorção do medicamento levodopa


Juliana Turno da Silva (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Silvana Denofre Carvalho (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Atualmente o medicamento mais eficaz no tratamento da Doença de Parkinson é a levodopa, medicamento este, que ao ser administrado concomitantemente a ingestão de proteínas interfere em sua absorção. Isso acontece porque tanto os aminoácidos quanto a levodopa utilizam o mesmo mecanismo de transporte para serem absorvidos, ocasionando uma “competição” na qual os aminoácidos levam vantagem, diminuindo a eficácia do medicamento. O objetivo dessa pesquisa é ressaltar a importância das orientações medicamentosas oferecidas pela equipe de saúde sobre o hábito alimentar e a ingestão do medicamento levodopa. A metodologia utilizada foi a entrevista semi-estruturada, contendo 14 questões abertas, e o estudo foi do tipo qualitativo exploratório descritivo. Os resultados parciais encontrados demonstraram ausência de conhecimento dos portadores da doença de Parkinson ou de seus cuidadores em relação à eficácia do medicamento a ser ingerido antes ou após as refeições; falta de orientações prestadas pela equipe de saúde em relação à interação levodopa/proteína e também deficiência de compreensão pelos pacientes quanto às orientações recebidas.

Alimentação - Doença de Parkinson - Levodopa


B0176

AVALIAÇÃO DO ACESSO AO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DO CÂNCER DE MAMA NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS - SP, NO PERÍODO DE 2000 A 2002


Debora Recchi (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Silvia Maria Santiago (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
No Brasil, o câncer de mama é a principal causa de óbitos por neoplasias na população feminina, principalmente na faixa etária entre 40 e 69 anos. Um dos fatores que dificultam o tratamento e conseqüentemente pioram o prognóstico da doença é o estágio avançado em que ela é diagnosticada. O objetivo do trabalho é conhecer aspectos relacionados ao acesso ao diagnóstico e tratamento de pacientes com câncer de mama, residentes no município de Campinas, atendidas no CAISM/UNICAMP no período de 2000 a 2002. Partiu-se da hipótese de que as mulheres de Campinas teriam seus casos de câncer de mama diagnosticados mais precocemente, visto que o município conta com uma rede de cuidados a saúde bem estruturada. Foram analisados 294 prontuários, correspondentes a 81,67% dos casos de câncer de mama registrados pela Fundação Oncocentro de São Paulo (FOSP) neste período, demonstrando a relevância do CAISM/UNICAMP no cuidado da doença em Campinas. Para armazenagem e tratamento dos dados utilizou-se o programa Epinfo versão 6.04b. Dos casos analisados, 71,20% foram detectados em estágios não iniciais da doença e apenas 20% da pacientes iniciaram o tratamento em menos de um mês desde o diagnóstico. Até o momento concluímos que apesar de uma rede de saúde bem estruturada, as mulheres de Campinas ainda têm diagnósticos tardios, piorando significativamente o prognóstico da doença, sobrevida e qualidade de vida destas pacientes.

Câncer de mama - Diagnóstico - Tratamento


B0177

ANÁLISE DAS CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS, FATORES DE RISCO E ADESÃO AO CUIDADO DAS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA ATENDIDAS NO CAISM/UNICAMP, PROCEDENTES DO MUNICÍPIO DE CAMPINAS-SP, NO PERÍODO DE 2000 A 2002


Fiorentino Fonte Neto (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Silvia Maria Santiago (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
O câncer de mama é, atualmente, o segundo mais freqüente em mulheres em todo o mundo. É o mais temido por elas, pelos fatores psicológicos envolvidos com a sexualidade e com a imagem pessoal. O INCA (Instituto Nacional do Câncer) estima um risco de 71:100.000 mulheres para a região Sudeste. Com isso, vê-se que este é um problema grave e de grande relevância, exigindo um conhecimento mais aprofundado das populações locais. Utilizou-se as metodologias quantitativa (dados de prontuários médicos) e qualitativa (dados obtidos por meio de entrevistas), manipulados por meio do programa Epinfo versão 6.04b. Confirmou-se a grande importância do CAISM dentro do município de Campinas em termos do cuidado ao câncer de mama, perfis etários e étnicos mais detalhados acerca da incidência desse câncer, além da freqüência com que fatores de risco específicos se distribuem na população estudada. Espera-se, enfim, que o estudo permita uma maior compreensão dos problemas abordados visando à implementação de ações de saúde que melhorem a qualidade da assistência às mulheres.

Mama - Câncer - Epidemiologia


B0178

CARACTERÍSTICAS E SOBREVIDA DAS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA DO MUNICÍPIO DE CAMPINAS-SP, NO PERÍODO DE 2000 A 2002


Guilherme Machado de Carvalho (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Silvia Maria Santiago (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
O câncer de mama é uma das neoplasias de maior incidência no Brasil e a 2ª causa de morte entre as mulheres brasileiras. Assim, constitui-se um grave problema de saúde e é necessário um maior conhecimento sobre o comportamento desse agravo na população brasileira para subsidiar as medidas de gestão dos serviços. Este estudo objetiva conhecer o acesso ao diagnóstico, tratamento, seguimento e à sobrevida de pacientes com câncer de mama, residentes em Campinas, SP, atendidas no CAISM/UNICAMP, entre 2000-2002, através de análise de prontuários. Foram encontrados 294 casos no período e 14% das pacientes tinham até 39 anos no diagnóstico, sendo que 35% delas estavam entre 45-55 anos, a faixa etária mais comum. Em 25% dos casos o tumor estava num estado avançado (IIIb,V). Encontrou-se demora de mais de 2 meses para o início do tratamento após o diagnóstico em 25% das pacientes. Espera-se que o estudo permita a implementação de ações que melhorem o acesso a diagnósticos em estágios mais precoces da doença e início do tratamento, com qualidade assistencial, o mais precoce possível. Enfatiza-se o papel da rede básica de saúde como potencial desencadeadora desses processos e aumentando, assim, as chances de cura.

Câncer de mama - Sobrevida - Rede de saúde


B0179

GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: “UMA QUESTÃO DESAFIADORA PARA O SERVIÇO E PROFISSIONAIS DE SAÚDE


Gabriela Souza Scriptore (Bolsista FAPESP) e Profa. Dra. Solange L’Abbate (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Diante do crescente número de adolescentes grávidas no Brasil, o presente trabalho tem por objetivo investigar, junto a um grupo de adolescentes, grávidas ou puérperas, que realizam ou realizaram pré-natal em um serviço público sendo escolhidas as jovens inseridas regularmente no Centro de Saúde de Barão Geraldo. A vivência da maternidade e os diversos aspectos a ela relacionados foram analisados bem como algumas dimensões da vida social, sexual e afetiva da adolescente. além das aspirações da adolescente em relação ao futuro (continuidade dos estudos, perspectiva profissional antes e depois da maternidade). A metodologia utilizada é qualitativa, sendo adotada a técnica de entrevistas semi-estruturada. A partir da compreensão do fenômeno da gravidez na adolescência em seus aspectos mais amplos, evitando reduzir o fenômeno a números ou estatísticas, pretendemos buscar alternativas de intervenção para o serviço e profissionais da saúde, que sejam mais eficazes no tocante à gravidez indesejada na adolescência.

Gravidez na adolescência - Sexualidade - Gravidez na adolescência/serviço de saúde público


B0180

ALTERAÇÕES NO SISTEMA CITOCROMO P450 E NA ATIVIDADE DA SUPERÓXIDO DISMUTASE EM RINS DE RATOS TRATADOS COM A PEÇONHA DE BOTHROPS ALTERNATUS (URUTU CRUZEIRO)


Isabele Nicolau Cadorin, Thomaz A. A. Rocha e Silva, Alessandra Linardi e Prof. Dr. Stephen Hyslop (Orientador), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
O envenenamento por serpentes do gênero Bothrops resulta em dano renal. Neste trabalho avaliamos o efeito da peçonha de B. alternatus no sistema monooxigenase e na atividade da superóxido dismutase (SOD) em rins de ratos tratados com 0,8 mg de peçonha/kg, i.v., após 1, 3, 6, 12, 24, 48 e 72 h. Após 1 h, ocorreu o menor nível de citocromo P450 e a maior atividade da citocromo P450 redutase e superóxido dismutase (SOD). Esta última, após 3 h, apresentou redução significativa em relação ao tempo anterior e ao controle. Após 6 h, houve aumento nas concentrações de citocromo P450 e redução significativa da atividade citocromo P450 redutase (que permaneceu após 12 h e 24 h). Em relação ao citocromo b5, houve redução importante em 12 h, com retorno após 24 h. Após 72 h ocorreu o maior decréscimo na atividade da SOD, significativamente diferente do grupo controle e de 1 h. Estes dados indicam que a peçonha de B. alternatus pode modular os componentes do sistema citocromo P450 e a atividade da SOD.

Superóxido dismutase - Bothrops alternatus - Citocromo P450






Compartilhe com seus amigos:
1   ...   16   17   18   19   20   21   22   23   ...   83


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal