Universidade estadual de campinas



Baixar 4.13 Mb.
Página21/83
Encontro29.11.2017
Tamanho4.13 Mb.
1   ...   17   18   19   20   21   22   23   24   ...   83

Faculdade de Engenharia de Alimentos

B0181

A INFLUÊNCIA DA SUPLEMENTAÇÃO DE PROTEÍNAS DE SORO DO LEITE NO DESEMPENHO FÍSICO E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE ATLETAS


Larissa Scattolini (Bolsista SAE/UNICAMP), Pablo Lollo (Co-orientador) e Prof. Dr. Celio Kenji Miyasaka (Orientador), Faculdade de Engenharia de Alimento - FEA, UNICAMP
As proteínas de soro de leite são excelente fonte de BCAA e possuem alto valor biológico, sendo uma alternativa para atletas, que possuem elevada necessidade protéica.Objetivo:verificar efeitos da suplementação com proteínas de soro de leite em futebolistas. Metodologia:48 futebolistas juvenis submetidos a 2 experimentos. O primeiro submeteu 24 atletas à suplementação protéica diária e carboidrato por 8 semanas com:caseína (CAS), proteína do soro de leite isolada (PSLI1) e proteína do soro de leite hidrolisada (PSLH1). O segundo submeteu 24 atletas à suplementação diária por 12 semanas com: maltodextrina (MALTO), (PSLI2) e (PSLH2). Foram realizados testes antropométricos (composição corporal), de desempenho físico e parâmetros bioquímicos. Resultados: os grupos CAS e PSLI2 aumentaram a massa muscular em 2,83% e 3,36%. Observou-se que os grupos PSLI2 e PSLH2 aumentaram a distância percorrida em 4,44% e 3,41% no teste 4 minutos contra o relógio. No teste de 3200m o tempo dos grupos PSLI2 e PSLH foi aumentado em 5,48% e 6,8%. Verificamos queda nas enzimas indicadoras de lesão muscular nos grupos PSLH2 e aumento no ácido úrico nos grupos, PSLI1, MALTO, PSLI2 e PSLH2.

Futebol - Proteínas do soro de leite - Caseínas




Faculdade de Educação Física

B0182

O corpo de criança na Educação Infantil


Liane Aparecida Roveran Uchôga (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Elaine Prodócimo (Orientadora), Faculdade de Educação Física - FEF, UNICAMP
Este trabalho centrou-se em entender qual o significado que os profissionais que atuam na educação infantil dão para o corpo/movimento das crianças durante a rotina neste ambiente. Acreditamos que o movimento e a linguagem corporal da criança são essenciais nesta faixa etária, portanto, devem estar integrados ao projeto pedagógico destas instituições e ser reconhecidos por todo o corpo docente. A metodologia adotada foi à observação com “olhar” etnográfico do campo em questão, utilizamos como instrumento o diário de campo e entrevista semi-estruturada com a professora e coordenadora pedagógica. A análise dos dados desenvolveu-se sobre a perspectiva dos estudos de Foucault a respeito da disciplinarização dos corpos. Através das situações encontradas em campo e leitura do referencial bibliográfico foram destacadas as práticas cotidianas que permitiram entender as questões iniciais da pesquisa. Assim, destaca-se os seguintes pontos: ausência de trabalho específico que envolvesse movimento e/ou expressão do corpo; a professora “arriscava” brincadeiras apenas para preencher tempos ociosos; excesso de filas durante toda a rotina, exceto nos momentos de parque, no qual as crianças podiam movimentar-se livremente. Ações corporais como correr e pular eram sinais de bagunça e indisciplina. Para controlar tais comportamentos a professora utilizava “parabéns” para quem ficava sentado e ameaça de retirada do parque para quem não obedecia a esta regra. Diante do exposto foi ressaltado que o corpo/movimento ainda é vistos como sinônimo de indisciplina pelos docentes da educação infantil. Por este motivo tenta-se a todo instante conter as ações do corpo da criança e ao longo do tempo, isto é incorporado pelas crianças, que aprendem como comportar-se corporalmente em cada espaço.

Corpo - Educação Infantil - Educação Física


B0183

ANÁLISE DA TÁTICA DEFENSIVA, DA SELEÇÃO BRASILEIRA ADULTA DE HANDEBOL FEMININO, NA MARCAÇÃO DO PIVÔ


Carla Abrahão Verginelli (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Heloisa Helena Baldy dos Reis (Orientadora), Faculdade de Educação Física - FEF, UNICAMP
O jogo de handebol é caracterizado pela “busca de uma clara chance definição da jogada, através da criação de espaços ou de superioridade numérica” (GRECO, 1998). Para facilitar as ações que resultam em superioridade numérica e produção de espaços, contamos com um jogador denominado no handebol de pivô. Taticamente essa posição pode ser determinante para a escolha da trajetória do ataque e do local do arremesso. Outro fator é a localização do pivô entre a defesa adversária, tendo uma posição privilegiada para bloqueios e cortinas, facilitando as finalizações dos outros atacantes. Esta pesquisa teve como objetivo analisar a tática defensiva da Seleção Brasileira Adulta Feminina de Handebol no Campeonato Mundial Adulto de 2005 na marcação do pivô.O método usado é qualitativo com a utilização de dados quantitativos. A coleta de dados foi realizada por meio da observação dos jogos gravados em fitas de vídeo, sendo que as observações foram anotadas em planilhas especificamente desenvolvidas para tal. As variáveis analisadas foram: Sistema defensivo (Seleção Brasileira); Sistema ofensivo adversário (1:5, com um pivô ou 2:4, com dois pivôs); Marcação do pivô (técnicas e táticas defensivas individuais e coletivas); Tática e recursos ofensivos do pivô adversário; Substituições de atletas durante a partida (pivô e defensoras).

Handebol - Análise de jogo - Pivô


B0184

ESTUDO DA APLICAÇÃO DE JOGOS SITUACIONAIS E REDUZIDOS NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM E TREINAMENTO DO HANDEBOL PARA ADOLESCENTES ENTRE 12 E 14 ANOS


Giuliano Salera Ricci (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Heloisa Helena Baldy dos Reis (Orientadora), Faculdade de Educação Física - FEF, UNICAMP
Esta pesquisa tem como objetivo avaliar o desenvolvimento das capacidades técnicas-táticas de alunos de doze a catorze anos no handebol, eles foram submetidos a um processo de ensino–aprendizagem-treinamento baseado no método situacional e nos jogos reduzidos. Para a avaliação do nível de conhecimento técnico-tático dos alunos foram aplicados um pré e um pós teste, que consistiram na análise de elementos técnico-táticos do handebol. Os alunos foram submetidos a um processo pedagógico que possibilitou a vivência por parte deles de situações próprias do jogo de handebol, as quais possibilitaram experimentar uma grande variedade de soluções para os problemas dos jogos. Essas vivências criaram um bom repertório de soluções de problemas para a prática do handebol o que reafirma os estudos atuais da Pedagogia do esporte da pertinência desses novos procedimentos pedagógicos no ensino dos esportes coletivos esportivizados.

Pedagogia do esporte - Jogos situacionais - Handebol


B0185

OS NEGROS NO FUTEBOL CAMPINEIRO NO INÍCIO DO SÉCULO XX


Renan Almeida Barjud (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Heloisa Helena Baldy dos Reis (Orientadora), Faculdade de Educação Física - FEF, UNICAMP
A chegada do futebol como um esporte no Brasil foi muito próxima à data da abolição da escravatura no país. E em pouco espaço de tempo o futebol, inicialmente adotado pela elite branca brasileira como forma de lazer, promovendo acontecimentos sociais, passou a ser praticado por diferentes classes e grupos de pessoas. Foi nesse contexto que o negro começou a praticar esse esporte. Esta pesquisa busca uma maior compreensão da inserção dos negros no futebol campineiro nas três décadas iniciais do século XX, período em que entendemos estar presente os processos de difusão e uma crescente profissionalização do futebol. Para tanto, procuramos observar as diversas relações que se configuram nesse tempo e espaço, tais como: a relação entre negros e brancos, entre negros e a prática do futebol, entre a sociedade campineira e o negro. Elegemos como fontes principais os jornais da época, particularmente as matérias sobre futebol e/ou negros, e literatura a respeito da participação dos negros no futebol. A pesquisa se insere em uma concepção de esporte como espaço de atuação social dos indivíduos, considerando-se que as relações estabelecidas no futebol são indissociáveis das relações sociais como um todo.

Futebol - Negro - Sociedade


B0186

Reflexões propositivas acerca da pedagogia do futebol para a categoria sub 17: indicativos metodológicos e estratégicos


Gabriel Dambros e Prof. Dr. Hermes Ferreira Balbino (Orientador), Faculdade de Educação Física - FEF, UNICAMP
O presente estudo foi elaborado tendo em vista a inerente e constante necessidade de estudos sobre as modalidades esportivas e, dentro delas, temos o futebol como maior expoente. Diante deste cenário de suma importância, temos como objetivo aqui visualizar os procedimentos pedagógicos, através das idéias da Pedagogia do Esporte e dos Jogos Desportivos Coletivos, para a iniciação e treinamento do futebol para jovens, especialmente aqueles pertencentes à categoria sub 17. Assim, realizamos uma pesquisa bibliográfica buscando fontes relevantes no cenário nacional e internacional referentes aos assuntos considerados importantes, como fases de desenvolvimento para o processo de ensino-aprendizagem-treinamento. O texto foi construído através da apresentação dos temas considerados indispensáveis para a discussão, com a posterior elaboração de estratégias que verificamos relevantes e deveriam ser consideradas para o ensino e treinamento do futebol para indivíduos, que estão especialmente na categoria sub 17, com a ótica dos autores estudados, através do planejamento de um processo esportivo de longo prazo.

Futebol - Pedagogia do esporte - Procedimentos pedagógicos


B0187

REFLEXAO SOBRE OS BENEFÍCIOS DO PROGRAMA DE KUNG FU PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL A PARTIR DA PERSPECTIVA DA TEORIA DE ERIK ERIKSON


Liana Garcia Ferreira Rocha (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. José Júlio Gavião de Almeida (Orientador), Faculdade de Educação Física - FEF, UNICAMP
O objetivo principal da pesquisa foi encontrar na teoria do desenvolvimento psicossocial de Erik Erikson, subsídios que possibilitassem a reflexao sobre as contribuições do programa de Kung Fu para pessoas com deficiência visual no desenvolvimento global de seus participantes. A metodologia utilizada baseou-se na revisão de literatura sobre os temas: teoria psicossocial do desenvolvimento humano de Erik Erikson e a psicologia da cegueira, assim como no registro das aulas ministradas ao longo do projeto citado anteriormente. O ambiente no qual está inserido o sujeito exerce grande influência no desenvolvimento e na teia de relaçoes que estabelece ao longo de sua existência e as quais determinam seu nível de realizaçao e aceitaçao pessoal e social. Através do conhecimento dos estágios do desenvolvimento psicossocial do ser humano podemos compreender a influência dos conteúdos formais e informais presentes na situaçao pedagógica no desenvolvimento bio-psico-social dos alunos. Desta forma, constatamos que o conhecimento da psicologia do desenvolvimento conjugado com os conhecimentos da Educaçao Física podem contribuir significativamente para a avaliaçao da atuaçao profissional de educadores conscientes da influência de suas açoes pedagógicas no desenvolvimento pleno das pessoas.

Deficiência visual - Erik Erikson - Kung Fu


B0188

CARACTERIZAÇÃO DE ATLETAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL DE ATLETISMO EM NIVEL INTERNACIONAL


Vivian Marina Redi Pontin (Bolsista PIBIC/CNPq), Prof. Dr. Ciro Winckler de Oliveira Filho (Co-orientador) e Prof. Dr. José Júlio Gavião de Almeida (Orientador), Faculdade de Educação Física - FEF, UNICAMP
A pessoa com deficiência visual apresenta um grau de desenvolvimento de acordo com os estímulos a que lhe é oferecida e/ou é submetida. O esporte pode servir como um campo fértil para o desenvolvimento motor, cognitivo, de relacionamento social e moral dessa população. Nossa pesquisa traçou um perfil da performance de atletas com deficiência visual de alto rendimento esportivo (modalidade atletismo – provas de pista), possibilitando uma caracterização destes a partir de suas condições da visão. Esses atletas são divididos em três classes visuais, uma para atletas cegos (T11) e as demais para atletas com baixa visão (T12 e T13). A metodologia utilizada foi a análise documental e estatística dos rankings de atletismo da IBSA1, nas provas de corrida, nos anos de 2000/2001 e 2003/2004, correspondendo a um ciclo paraolímpico. A ferramenta estatística que optamos foi o teste T-student e o programa Bioestat versão 3.0, devido às características da população. Os resultados obtidos mostraram diferenças significativas apenas nas provas de velocidade no gênero masculino, nas classes T11 e T12, em que houve uma melhora nos resultados médios do começo para o final do ciclo. No gênero feminino, os resultados não apresentaram diferença estatística. Concluímos que esse comportamento nos resultados pode indicar que o desempenho atlético atingiu um nível alto, tornando o progresso mais lento e que os modelos de treinamento esportivo devem adequar-se às características das classes visuais de modo a que possibilitem uma evolução da performance dos atletas como tem ocorrido nas corridas de velocidade.

1A Federação Internacional de Desportos para Cegos manteve a sigla de identificação, mesmo após a mudança de Associação para Federação no ano 2000.

Atletismo - Deficiência visual - Classificação visual


B0189

EFEITOS DO TREINAMENTO COM PESOS SOBRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL, A FORÇA MUSCULAR E A FLEXIBILIDADE: COMPARAÇÃO ENTRE HOMENS DE MEIA-IDADE E HOMENS IDOSOS


Débora de Campos Vilas Boas (Bolsista PIBIC/CNPq), Jonas G. Giglio, Diego C. R. Silva, Thiago G. Costa, Tatiana V. Giacomello, José Rocha, Áurea M. O. Silva, Vera A. Madruga Forti, Claudinei F. Santos (Co-orientador) e Profa. Dra. Mara Patrícia Traina Chacon-Mikahil (Orientadora), Faculdade de Educação Física - FEF, UNICAMP
Dentre as alterações fisiológicas induzidas pela idade podemos citar a perda da massa muscular, diretamente relacionada à redução da força necessária para a realização das atividades quotidianas. Este estudo objetivou comparar a composição corporal, a força muscular e a flexibilidade de 20 homens saudáveis, não-ativos subdivididos em dois grupos: grupo meia-idade (G40, n=9, 49,5±6,4anos) e grupo idoso (G60, n=11, 64,9±3,1anos) que realizaram treinamento com pesos (TP) durante 12 semanas (2 sessões semanais, 10 exercícios, 3 séries, 15 repetições). Resultados: na análise intragrupos pré e pós TP, apesar de ocorrerem aumentos na força máxima em todos os testes, só houve significância no leg press para o G60 (p=0,01). Para este teste também foi observado valor de 1RM significativamente superior para o G60 quando comparado ao G40 no pré TP (p=0,011). Quanto aos indicadores de composição corporal, ambos os grupos apresentaram redução (NS) na massa gorda nas análises inter e intragrupos. Para a flexibilidade, as articulações avaliadas praticamente não mostraram alterações. Conclusões: Os grupos estudados mostraram que: 1) para a comparação entre as faixas etárias (intergrupos) as diferenças obtidas entre os parâmetros analisados não foram significativas a ponto de expressarem as perdas decorrentes do avançar da idade; 2) provavelmente o tempo de TP não foi suficiente para provocar mudanças significativas na maioria dos dados obtidos em ambos os grupos.

Envelhecimento - Treinamento com pesos - Composição corporal


B0190

EFEITO DO TREINAMENTO COM PESOS SOBRE INDICADORES DE FLEXIBILIDADE E PARÂMETROS FISIOLÓGICOS DE HOMENS IDOSOS


Diego Cerqueira Rodrigues Silva (Bolsista PIBIC/CNPq), Thiago G. Costa, Débora C. Vilas Boas, Jonas G. Giglio, José Rocha, Áurea M. O. Silva, Vera A. Madruga Forti, Claudinei F. Santos (Co-orientador) e Profa. Dra. Mara Patrícia Traina Chacon-Mikahil (Orientadora), Faculdade de Educação Física - FEF, UNICAMP
Em decorrência das alterações estruturais e orgânicas observadas com o envelhecimento, buscam-se hoje propostas para minimizar os prejuízos e limitações impostas a esta fase da vida. Desta forma, o presente estudo analisou o efeito do treinamento com pesos (TP) sobre a flexibilidade em homens acima de 60 anos de idade. Paralelamente foram analisadas alterações relacionadas à composição corporal e a força muscular. Métodos: participaram o estudo 23 indivíduos do sexo masculino, com hábitos de vida não-ativos, subdivididos em grupo treinamento (GT, n=13, 64,2±3 anos) e grupo controle (GC, n=10, 61,3±3 anos). O GT foi submetido a um programa de TP com duração de 16 semanas, enquanto que o GC não realizou nenhuma rotina de exercícios físicos durante o experimento. Os grupos foram avaliados nos momentos pré, 8 e 16 semanas de TP. Resultados: os dados obtidos demonstram que o GT não mostrou alterações significativas em relação aos níveis de flexibilidade, % de gordura e massa gorda, ocorrendo aumentos significativos em relação à força muscular (p<0,001) e massa magra (p<0,001). Ocorreu também aumento significativo na %gordura do GC (p<0,004). Desta forma, apesar deste tipo de treinamento não ter influenciado a flexibilidade dos indivíduos estudados, adotar um programa de TP para a faixa etária em questão contribuiu para a melhora da capacidade de força muscular e também para a redução dos fatores de risco de doenças cardiovasculares ligados ao aumento da gordura corporal (Nature, 2006).

Envelhecimento - Treinamento com pesos - Flexibilidade


B0191

ESTUDO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL EM HOMENS ACIMA DE 60 ANOS DE IDADE SUBMETIDOS A UM PROGRAMA DE TREINAMENTO COM PESOS


Jonas Garcia Giglio (Bolsista SAE/UNICAMP), Débora C. Vilas Boas, Diego C. R. Silva, Thiago G. Costa, José Rocha, Áurea M. O. Silva, Celso D. Ramos, Fernando V. Viana; Fabiana B. Barros, Vera A. Madruga Forti, Claudinei F. Santos (Co-orientador) e Profa. Dra. Mara Patrícia Traina Chacon-Mikahil (Orientadora), Faculdade de Educação Física - FEF, UNICAMP
A parcela da população mundial considerada idosa cresceu nas últimas décadas associada ao aumento da expectativa de vida. Considerando as alterações decorrentes da prática de exercícios físicos regulares e suas relações com as mudanças na composição corporal, o objetivo deste estudo foi avaliar o efeito de 16 semanas de treinamento com pesos sobre a composição corporal de homens idosos. Foram selecionados voluntários não-ativos, sem patologias limitantes ou uso de medicações (idade=64,9±3,1anos) que foram subdivididos em: Grupo Treinamento - GT (n=11) submetido a um programa orientado de treinamento com pesos (freqüência de três sessões semanais) e Grupo Controle - GC (n=8) que não realizou nenhuma atividade física sistemática no período do estudo. A avaliação da composição corporal foi realizada por meio da técnica de Absortometria Radiológica de Dupla Energia (DEXA). Para o GT nos momentos pré e pós treinamento com pesos foram constatadas reduções significativas no % gordura (-4,7%) e na gordura absoluta (-4,4%), e um aumento na Massa Isenta de Gordura (+2,5%). Nosso estudo indica que o programa e período de treinamento utilizados foram suficientes para controlar alguns dos fatores de risco de doenças crônico-degenerativas no grupo estudado como aumento da massa magra e redução dos indicadores de sobrepeso e obesidade, fatores estes desencadeadores de doenças cardiovasculares (Nature, 2006).

Idosos - Treinamento com pesos - Composição corporal


B0192

PADRÃO DAS EXPERIÊNCIAS E EXPECTATIVAS EM PRÁTICAS DE ATIVIDADES FÍSICAS DE PESSOAS COM ANOREXIA NERVOSA


Gisele C. Cumming (Bolsista PIBIC/CNPq), Msda. Ângela N. N. B. Campana, Dr. Celso Garcia Júnior e Profa. Dra. Maria da Consolação Gomes C. F. Tavares (Orientadora), Faculdade de Educação Física - FEF, UNICAMP
O exercício físico e a Anorexia Nervosa (A.N.) têm um grande fator em comum: ambos se inscrevem no corpo do sujeito. Pessoas com Anorexia Nervosa (A.N.) impõem ao corpo uma rotina de privação e controle, utilizando-se de métodos para redução de peso, como a diminuição auto-imposta da alimentação, uso de laxantes e diuréticos, indução ao vômito e a atividade física excessiva. Objetivo: Investigar o histórico de atividades físicas de portadoras de A.N., identificando as brincadeiras infantis, a experiência de educação física escolar, atividades desenvolvidas no âmbito esportivo e as praticadas para controle de peso. Verificar quais seriam as atividades físicas que pessoas com Anorexia Nervosa têm interesse de praticar e o que pretendem alcançar com esta experiência motora. Metodologia: Estudo exploratório-descritivo em uma abordagem qualitativa, procedendo-se com uma análise analítica dos dados. Os dados obtidos nos questionários foram organizados em atividades preferidas e preteridas antes e depois da A.N., além daquelas praticadas para controle de peso, e das experiências corporais significativas que tiveram relação com o início da doença. Resultados e conclusões: até o presente momento, a análise geral das respostas não mostrou diferenças significativas entre as atividades preteridas e preferidas antes ou depois da A.N.. Assim, prosseguimos com a análise individual de cada caso.

Anorexia nervosa - Atividade física - Experiências corporais


B0193

O FUTEBOL NO COMPORTAMENTO DO INDIVÍDUO: CONHECENDO A MENTE DO TORCEDOR FANÁTICO


Daniel Orsini Martinelli (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Pedro José Winterstein (Orientador), Faculdade de Educação Física - FEF, UNICAMP
O futebol tem uma grande importância na cultura brasileira e se manifesta de várias formas na sociedade. O fanatismo por parte dos torcedores e suas atitudes, tais como violência, agressões verbais, brigas, estupros e mortes são parte destas manifestações. O objetivo desta iniciação científica foi estudar o fanatismo a partir de manifestações verbais de torcedores de futebol, buscando identificar causas e formas de manifestação. Nesta pesquisa, foram feitas leituras sobre o fanatismo em geral, estudos sociológicos e psicológicos no futebol. Baseada nestas teorias, foi elaborada uma entrevista semi-estruturada e aplicada via internet em torcedores associados à torcidas organizadas do Estado de São Paulo. Chegou-se à conclusão de que o indivíduo participa de torcidas organizadas por motivos psicológicos como a sua identidade, sua auto-estima e a necessidade de participar de grupos. Além dessas razões, encontram-se causas sociais como uma ausência de ações benéficas do Estado, fazendo com que o torcedor encontre no futebol uma fuga de uma dura rotina.

Psicologia do esporte - Fanatismo - Futebol


B0194

ANÁLISE CINEMÁTICA TRIDIMENSIONAL COMPARATIVA DE LANÇADORES BRASILEIROS DE MARTELO DE ALTO NÍVEL


Thomaz Persinotti Martini (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Ricardo Machado Leite de Barros (Orientador), Faculdade de Educação Física - FEF, UNICAMP
A análise biomecânica nos esportes de alto nível pode fornecer informações sobre a técnica e o desempenho dos atletas. A distância alcançada no lançamento do martelo depende das variáveis preditoras, altura, ângulo e velocidade da cabeça do martelo no instante da saída das mãos do atleta. Neste estudo foram coletados 160 lançamentos em três competições oficiais da Federação Paulista de Atletismo, e analisados 53 entre os melhores de cada atleta em cada etapa. Foram registradas seqüências de imagens a 60 Hz utilizando três câmeras de vídeo digitais conectadas a dois computadores para armazenamento on-line. Os valores médios nos lançamentos dos três primeiros colocados de cada competição foram: distância 55.38 ±3.01 m, ângulo 37.2 ±2.7 º, altura 1.34 ± 0.21 m e velocidade de saída 24.6 ±0.9 m/s no masculino e 52.05 ±4.91m, 38.9 ±3.2 º, 1.38 ±0.31m e 23.6 ±1.6m/s respectivamente no feminino. Comparando com os resultados da competição internacional realizada em Sevilha em 1999, verificou-se que as médias das variáveis nacionais são menores do que as obtidas com os atletas internacionais, como o esperado. A variável que apresenta maior diferença é a velocidade de saída do martelo que é a principal variável do lançamento.

Biomecânica - Análise cinemática - Lançamento do martelo


B0195

O DESPERTAR PARA A CONSCIÊNCIA CORPORAL NA TERCEIRA IDADE


Denise Cristina Tordin (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Vera Aparecida Madruga Forti (Orientadora), Faculdade de Educação Física - FEF, UNICAMP
Este estudo teve como objetivo entender quais são os benefícios que um trabalho de desenvolvimento da consciência corporal, realizado através do toque e da massagem, proporciona a uma população pertencente à terceira idade. Este trabalho resgata a visão holística que se deve ter em relação ao idoso, uma vez que o mesmo precisa ser entendido considerando todos os aspectos – físico, biológico, psíquico, espiritual, afetivo, cultural, social, histórico – que envolvem a condição humana. Para realizar este estudo, comparamos e analisamos o significado da massagem e do toque corporal para indivíduos que ocupam lugares sociais distintos: o idoso que convive com seus familiares (grupo 1) e o idoso residente no asilo (grupo 2). Cada grupo foi composto por dez idosos de ambos os sexos, na faixa etária de 65 a 85 anos. Com estes grupos, foram realizadas atividades de toque e massagem durante oito semanas. Para a coleta de dados, aplicou-se um questionário, antes e após a realização do programa proposto, a partir do qual se abordavam aspectos físicos, psíquicos e sociais. A partir da análise dos dados, concluímos que devido à atividade da massagem foi possível despertar, em ambos os grupos, um novo olhar para alguns elementos que compõem a condição humana, elementos estes intrínsecos à conscientização corporal. No entanto, a maneira com que cada indivíduo organizou estes elementos despertados através do programa de massagem e toque corporal diferencia-se. Assim, morar com a família, manter as responsabilidades da casa, fortalecer os laços afetivos e praticar atividades físicas regularmente são os fatores que mais influenciaram no despertar da consciência corporal.

Idoso - Corpo e mente - Massagem






Compartilhe com seus amigos:
1   ...   17   18   19   20   21   22   23   24   ...   83


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal