Universidade estadual de campinas



Baixar 4.13 Mb.
Página24/83
Encontro29.11.2017
Tamanho4.13 Mb.
1   ...   20   21   22   23   24   25   26   27   ...   83

ETNOECOLOGIA E DIETA DE CENTROPOMUS SPP. [CENTROPOMIDAE] NA REGIÃO DE UBATUBA – SP


Luiz Eduardo Chimello de Oliveira (Bolsista PIBIC/CNPq), Msc. Priscila MacCord (Co-orientadora) e Profa. Dra. Alpina Begossi (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
Estudos em etnoecologia têm demonstrado que comunidades locais que dependem da pesca possuem relevantes conhecimentos a respeito da ecologia e biologia de muitas espécies de peixes. Este conhecimento, gerado através do contato direto com o recurso natural, pode ser usado como subsídio para programas de conservação e manejo. Este trabalho objetivou identificar aspectos da dieta das duas espécies de robalo mais abundantes do litoral brasileiro (Centropomus parallelus e C. undecimalis) e que são exploradas pela pesca artesanal, industrial e recreativa. Para tanto foram realizadas entrevistas com 14 pescadores artesanais de três comunidades do litoral de Ubatuba (Puruba, Almada e Picinguaba) e foram analisados os conteúdos de 75 estômagos cedidos pelos pescadores. Os itens alimentares mais citados pelos pescadores foram camarão (71,4%), sardinha (42,9%), parati (35,7%) e lambari (28,6%). A análise do conteúdo estomacal de 89 robalos mostrou que a dieta destes peixes é composta por peixes e crustáceos (75% e 23% do volume total das amostras, respectivamente). Da classe crustácea foram identificados representantes da espécie Callinectes danae (Portunidae) e outros decapoda, e dos peixes foram identificados representantes do gênero Astyanax spp.

Etnoecologia - Centropomus - Dieta


B0233

DESENVOLVIMENTO DE MARCADORES MICROSSATÉLITES POLIMÓRFICOS PARA A MOSCA DO BERNE, DERMATOBIA HOMINIS (DIPTERA: OESTRIDAE)


Bárbara Domingues Bitarello (Bolsista PIBIC/CNPq e FAPESP), Tatiana T. Torres e Profa. Dra. Ana Maria Lima de Azeredo-Espin (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
A mosca do berne, Dermatobia hominis, é um parasita obrigatório de mamíferos cuja distribuição geográfica estende-se do México à Argentina. Em bovinos, as infestações causadas por suas larvas representam prejuízos para a pecuária e comercialização do couro. Os microssatélites são marcadores moleculares altamente polimórficos e têm sido amplamente utilizados em estudos de estruturação genética de populações. Visando a obtenção destes marcadores para D.hominis, uma biblioteca genômica enriquecida em microssatélitesfoi construída após a seleção de fragmentos contendo regiões repetitivas através da hibridização com sondas complementares a motivos específicos. Foram seqüenciados 94 insertos clonados, dos quais 24 foram selecionados para a construção de “primers”. Dos 9 locos já testados em duas populações, a heterozigozidade esperada variou entre 0.482 e 0.905, com uma média de 11.6 alelos por loco. Pretende-se obter ao menos 10 marcadores microssatélites polimórficos, abrindo, assim, nova perspectiva para a geração de informações fundamentais sobre a estrutura de populações de D.hominis, que serão extremamente úteis no planejamento e implementação de programas de controle desta espécie.

Dermatobia hominis - Microssatélites - Mosca do berne

B0234

ÍNDICE DE CONDIÇÃO DE MYTELLA CHARRUANA (MOLLUSCA: BIVALVIA) INFESTADA POR POLIQUETAS POLIDORÍDEOS


Carolina Cardoso Taffarello (Bolsista SAE/UNICAMP), Dr. Fábio S. Mac Card, Leonardo Q. Yokoyama e Profa. Dra. Antônia Cecília Z. Amaral (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
Bancos de Mytella charruana comumente são infestados por poliquetas polidorídeos, os quais podem alterar o desenvolvimento do molusco. Índices de condição foram testados quanto à sensibilidade à taxa de infestação de polidorídeos em M. charruana. Foram coletados 120 indivíduos por estação do ano, e até o presente, analisados aqueles coletados em Maio e Agosto. Os parâmetros avaliados foram: altura, largura, comprimento, peso seco, volume total, e volume inter- valvar de cada indivíduo. A partir dos dados obtidos, foi calculada a taxa de infestação (sendo os indivíduos divididos em muito, médio, pouco e nada infestados). Em Maio ocorreu um número menor de indivíduos infestados, e não foi constatada influência da taxa de infestação dos polidorídeos. Já em Agosto, houve maior quantidade de bivalves infestados, o que pode ser atribuído à temperatura que foi alta no período, favorecendo o desenvolvimento e crescimento dos poliquetas; foi constatado também que dois índices sofreram influência da taxa de infestação.

Índice de condição - Mytella charruana - Polidorídeos


B0235

ANÁLISE MORFOMÉTRICA DE POLIQUETAS POLIDORÍDEOS, COM ÊNFASE EM DIFERENÇAS SEXUAIS


Rachel F. Daolio (Bolsista PIBIC/CNPq), Fábio S. Maccord e Profa. Dra. Antônia Cecília Z. Amaral (Orientadora), Instituto de Biologia - IB, UNICAMP
Os polidorídeos são poliquetas que ocorrem com freqüência em diferentes tipos de substratos calcários, como banco de mitilídeos. O objetivo deste trabalho é determinar o modelo (linear, quadrático ou cúbico) que melhor explica o padrão de crescimento corporal de Polydora neocaeca além de possíveis diferenças entre o padrão de crescimento dos indivíduos coletados sobre a superfície de conchas do bivalve Mytella charruana e aqueles que ocupam a parte interna destas, em bolhas de lama cobertas por nácar. Para isso, cinqüenta indivíduos de superfície e trinta de bolhas de lama, foram amostrados. Os polidorídeos inteiros foram analisados para que 16 variáveis fossem relacionadas com o comprimento total dos indivíduos. Em relação aos indivíduos de superfície, a variável de melhor relação com o comprimento total foi o número de setígeros (R²=0,890;p<0,05) sendo que o modelo que melhor explicou esse padrão de crescimento foi o modelo linear. Já no que diz respeito aos indivíduos de bolha, a variável de melhor relação foi a área do setígero 7 (R²=0,857;p<0,05) e o modelo de crescimento mais adequado foi o cúbico. Essas diferenças significativas na morfometria dos indivíduos coletados nestas duas condições sugerem forte influência do micro-habitat em seu padrão de crescimento corporal.

Morfometria - Polidorídeos - Micro-habitat


B0236



Compartilhe com seus amigos:
1   ...   20   21   22   23   24   25   26   27   ...   83


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal