Universidade estadual de campinas



Baixar 4.13 Mb.
Página38/83
Encontro29.11.2017
Tamanho4.13 Mb.
1   ...   34   35   36   37   38   39   40   41   ...   83

QUANTIFICAÇÃO DO ESTOQUE DE MERCÚRIO NA VEGETAÇÃO E NO SOLO DE FLORESTA DA REGIÃO DE ALTA FLORESTA (MT)


Ana Carolina Demonte (Bolsista PIBIC/CNPq), Paula A. M. Michelazzo e Profa. Dra. Anne Hélene Fostier (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Neste trabalho o estoque de mercúrio na vegetação e no solo de floresta amazônica foi calculado. Os trabalhos foram realizados na região de Alta Floresta – MT (2004 e 2005) em duas áreas de 1 hectare de floresta onde foi realizado um inventário florístico das áreas e foi determinada a concentração de mercúrio no solo e nas 10 principais espécies de árvores (tronco, galhos e folhas) presentes no local. Nestas áreas o cálculo da biomassa foi realizado através da medida do diâmetro das árvores na altura do peito (DAP) e da altura do tronco. Foi também calculada a densidade do solo. As concentrações de Hg na vegetação e no solo foram determinadas por espectrometria de absorção atômica do vapor frio (CVAAS), após digestão das amostras em meio ácido e oxidante. A concentração média de mercúrio na vegetação (massa seca) foi de 8 ± 3 ng g-1 na madeira, 39 ± 11 ng g-1 nas folhas, 150 ± 98 ng g-1 na serrapilheira e de 90 ± 4 ng g-1 no solo. A biomassa média para o local foi de 35.6518 kg, distribuída em 90% madeira, 5,2% folhas e 4,8% serrapilheira. A partir destes dados foi possível estabelecer que o estoque de mercúrio foi de 6 g ha-1 na vegetação e 85 g ha-1 nos primeiros 10 cm de solo. Estes dados são necessários para poder avaliar as emissões de Hg para a atmosfera durante a queimada de floresta.

Estoque de mercúrio - Vegetação - Solo


E0417

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOS PROCESSOS DE GASEIFICAÇÃO E PIRÓLISE DA CASCA DE CASTANHA DE CAJU (Anacardium occidentale L.)


Juliana dos Santos Vizintim (Bolsista PIBIC/CNPq), Dra. Renata Andrade Figueiredo (Co-Orientadora) e Profa. Dra. Anne Hélene Fostier (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
A pirólise e a gaseificação são processos que podem servir como alternativas para a utilização da biomassa, visando o aproveitamento energético. Mediante o processo de pirólise, de acordo com o tipo de biomassa, a mesma pode ser transformada em líquidos combustíveis, resíduos carbonosos e gases não condensáveis em diferentes proporções. Na gaseificação obtém-se principalmente um gás combustível cuja composição e poder calorífico dependerá principalmente do agente gaseificante utilizado no processo. As principais impurezas que devem ser controladas nos processos são o alcatrão, cinzas volantes, resíduos carbonosos e compostos nitrogenados. O objetivo do presente estudo foi de caracterizar a casca de castanha de caju através de análise imediata, análise elementar, poder calorífico e espectrometria de fluorescência de raio-X. As cinzas e os resíduos carbonosos foram também analisados através de análise elementar e espectrometria de fluorescência de raio-X. De acordo com os resultados já obtidos, comparada com outras biomassas (casca de arroz e bagaço de cana), a casca de castanha de caju possui alto teor de voláteis, baixo teor de cinzas e alto poder calorífico. A caracterização dos resíduos sólidos permite definir as possibilidades para sua destinação final.

Casca de castanha de caju - Pirólise - Gaseificação


E0418

QUÍMICA DOS INVERTEBRADOS MARINHOS BRASILEIROS: ESTUDOS SOBRE OS METABÓLITOS SECUNDÁRIOS DA ASCÍDIA PHALLUSIA NIGRA


Leandro W. Hantao (Bolsista SAE/UNICAMP), Gustavo M. Dias, Luiz F. L. Duarte, João E. Carvalho e Prof. Dr. Antonio Claudio Herrera Braga (Orientador), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
Os metabólitos secundários de organismos marinhos têm sido alvo de muitos estudos devido às suas possíveis propriedades farmacológicas. Os objetivos deste trabalho são o isolamento, determinação estrutural e testes farmacológicos de metabólitos secundários da ascídia Phallusia nigra. Foram coletados 60 indivíduos, que foram separados em túnica e organismo, triturados e submetidos à extração com hexano, diclorometano e metanol. Os extratos de túnica e organismo não apresentam composições diferentes mas sim concentrações diferentes de componentes. Os extratos brutos foram enviados para testes farmacológicos, e as linhagens utilizadas nos ensaios antiproliferativos foram de leucemia, ovário, renal, próstata, cólon, pulmão, mama, mama resistente e melanoma, sendo que as melhores respostas foram dadas pelos extratos de hexano e diclorometano. O primeiro extrato a ser analisado foi o hexanico, do qual se isolou o produto principal que está sendo alvo de estudos espectroscópicos para sua elucidação estrutural e testes farmacológicos. O extrato de diclorometano está sendo tratado de maneira semelhante, na procura de substância com atividade biológica.

Produtos naturais - Animais marinhos - Ascídias


E0419

PREPARO E ESTUDO DO POLIBUTADIENO IMOBILIZADO SOBRE SÍLICA COMO SORVENTE PARA EXTRAÇÃO EM FASE SÓLIDA


Adriana Teixeira Godoy (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Carla Beatriz Grespan Bottoli (Orientadora), Instituto de Química - IQ, UNICAMP
O sucesso de muitas análises químicas depende, freqüentemente, de um pré-tratamento adequado da amostra, que possibilite melhor detecção e conseqüentemente uma quantificação mais precisa. Um procedimento bastante empregado para isto é a utilização da extração em fase sólida (SPE), uma técnica que permite extrair e concentrar o analito, além de limpar os interferentes do extrato. O projeto desenvolvido teve como objetivo principal a preparação de um novo cartucho para extração em fase sólida contendo como sorvente o polímero poli (butadieno) sorvido nos poros da sílica e entrecruzado a partir de um agente iniciador (peróxido de dicumila), através do tratamento térmico. A tentativa de preparação desse novo cartucho foi viabilizar um material que permita operações de extração simples, eficiente, com rapidez e de baixo custo. Com o cartucho desenvolvido testou-se a recuperação de pesticidas (imidaclopride, carbaril e diuron) presentes em água e a determinação destes através da cromatografia líquida de alta eficiência (CLAE). Foram encontrados níveis de recuperação próximos e superiores aos dos cartuchos comerciais do tipo C18, demonstrando a viabilidade do novo sorvente e sua exploração futura frente a outras situações analíticas.

Extração em fase sólida - Polibutadieno - Pesticidas


E0420



Compartilhe com seus amigos:
1   ...   34   35   36   37   38   39   40   41   ...   83


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal