Universidade estadual de campinas



Baixar 4.13 Mb.
Página42/83
Encontro29.11.2017
Tamanho4.13 Mb.
1   ...   38   39   40   41   42   43   44   45   ...   83

Faculdade de Educação

H0484

OS ASPECTOS AFETIVOS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DA FÍSICA NO ENSINO MÉDIO


Maria Clara Igrejas Amon (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Ana Archangelo (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
Dificuldades e estereótipos relativos ao aprendizado de Física são muito conhecidos. Porém pouco se fala sobre o fato de que a aprendizagem depende dos relacionamentos nos quais tal processo se situa. Sendo assim, a dimensão afetiva coloca-se como determinante do sucesso e/ou do fracasso de alunos, principalmente nos ensinos Fundamental e Médio. Dessa forma, é fundamental que a relação professor-objeto de conhecimento e a dinâmica da relação professor-aluno sejam investigadas. Mediante o uso de ferramentas da psicanálise e metodologia de estudo de caso em uma escola de ensino Médio da rede Pública, esse projeto dá continuidade ao do semestre anterior, no qual foi observada uma sala de aula de Física e percebeu-se uma dinâmica afetiva peculiar em relação ao comportamento da professora frente aos alunos. Uma das possibilidades de interpretação das atitudes da professora foi que ela atravessava um processo de luto. A atual pesquisa tem como objetivo comprovar ou refutar as hipóteses levantadas anteriormente. Para tanto, a mesma professora vem sendo observada, porém inserida em outra turma de alunos. Como análise preliminar, pode-se afirmar que a superação do estado de luto vem permitindo um melhor relacionamento da professora com a sala e, conseqüentemente, dos alunos com o conhecimento.

Psicanálise e educação - - Ensino da Física - Relação professor-aluno.


H0485

A ELABORAÇÃO COLETIVA DA MEMÓRIA: NARRATIVAS E LEMBRANÇAS DOS ALUNOS DE UMA 4ª SÉRIE


Hanna Araújo (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Ana Luiza Bustamante Smolka (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
O presente estudo visou compreender as formas de elaboração coletiva da memória, a partir das contribuições de Halbwachs, na Sociologia e Vigotski, na Psicologia. Vivenciando o cotidiano escolar numa 4ª. série de uma EMEF em Campinas, SP, no 1º.semestre/06, desenvolvemos com os alunos projetos de literatura infantil, registrando em diário de campo diversos aspectos das relações de ensino. Ao final do ano letivo, retornamos à escola para conversar com os alunos sobre os acontecimentos vividos no ano. As conversas coletivas, os livros produzidos pelos alunos, e o diário de campo da pesquisadora constituíram o material empírico analisado nesse estudo. Após uma organização temática e quantitativa do que se apresentou como memorável para as crianças, procedeu-se à análise das narrativas (inter)individuais. A análise mostrou o caráter social da formação dos sujeitos e da produção de sentidos nas relações de ensino. A (re)construção coletiva da memória mostrou o que se tornou significativo na trama das relações naquela 4ª. série. Os modos como as crianças narraram as memórias apontam ainda para as possibilidades que o ser humano enquanto ser histórico e criativo tem para (re)criar os momentos vividos em conjunto.

Memória coletiva - Modos de narrar - Significação


H0486

JUVENTUDE E TRABALHO – UMA ANÁLISE DE TEXTOS E INTERTEXTOS


Ricardo Normanha Ribeiro de Almeida (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Ana Luiza Bustamante Smolka (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
Esta pesquisa enfocou o trabalho infanto-juvenil, seus sentidos e impactos para os jovens na contemporaneidade.Tomando como locus da investigação as três turmas de 6ª série de uma Escola Municipal de Campinas, SP, tentamos conhecer e refletir sobre os sentidos do trabalho para os jovens. Dando prosseguimento a uma pesquisa realizada em 2005 com esses alunos, solicitamos a eles que respondessem um breve questionário com 5 perguntas, das quais uma foi tomada como foco principal de análise - O que é trabalho para você? - e a partir das respostas desta questão pudemos elaborar uma sistematização que nos levou à construção de algumas categorias de análise: a) trabalho doméstico; b) trabalho como investimento para o futuro e fonte de conhecimento; c) trabalho como negação ao ócio e oposição ao crime; d) trabalho relacionado a algum tipo de contrapartida; e) trabalho numa perspectiva idealizada e, finalmente, f) o trabalho definido por termos específicos. Com isso pudemos verificar que o trabalho enquanto atividade humana assume diversas significações e sentidos para este grupo de cerca de 60 jovens: fonte de renda, espaço de novas vivências, aprendizado e alternativa ao crime. Além disso, foi possível perceber que as teorias clássicas sobre o trabalho, sobretudo às ligadas ao marxismo ortodoxo, ainda não abraçam todas as possibilidades que o trabalho representa em sua concretude.

Juventude - Trabalho - Atividade humana


H0487

AS AÇÕES AFIRMATIVAS NA UNIVERSIDADE: UM ESTUDO DAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS ACERCA DO ALUNO NEGRO


Caroline Felipe Jango da Silva (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dra. Ângela Fátima Soligo (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
O presente trabalho visa ampliar a análise e contribuir com o debate acerca das Ações Afirmativas nas Universidades, que tentam promover melhores oportunidades para o ingresso do segmento negro. Este trabalho foi feito a partir da perspectiva da Teoria das Representações Sociais, e tem por objetivo investigar, descrever e analisar as representações sociais de professores e alunos da Unicamp acerca do aluno negro e da política de ações afirmativas para este meio acadêmico, uma vez que estas medidas afirmativas foram implantadas recentemente. Foram entrevistados 10 professores e 10 alunos da Universidade Estadual de Campinas, escolhidos aleatoriamente, independente da cor declarada. Procedeu-se então à análise de conteúdo do material, optando-se nesta fase pela análise temática das respostas. O estudo representa uma parcela de um projeto mais amplo, que abarca as dimensões históricas do racismo no Brasil, as manifestações do preconceito na sociedade brasileira, a inserção das ações afirmativas no discurso e práticas contemporâneas e o estudo do estudante universitário negro e suas formas de integração à universidade.

Negro - Ação afirmativa - Representação social


H0488

AS AÇÕES AFIRMATIVAS NA UNIVERSIDADE: UM ESTUDO SOBRE A INTEGRAÇÃO DO ALUNO NEGRO NA UNIVERSIDADE


Tamyris Proença Bonilha (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Ângela Fátima Soligo (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
O tema central da pesquisa é a integração do estudante universitário da Unicamp que ingressou por meio do PAAIS. O objetivo deste estudo é discutir e analisar uma política de ação afirmativa para inserção do negro na universidade; identificar os elementos que compõem o processo de integração do estudante universitário negro na Unicamp; analisar a visão do aluno negro a respeito da Universidade e seus métodos de inserção. O desenvolvimento consistirá na aplicação, em primeira fase, a 40 alunos que ingressaram na Unicamp pelo programa PAAIS, um instrumento que investiga fatores de integração; na segunda fase será realizada uma entrevista com cinco desses estudantes, acerca de suas impressões sobre a experiência universitária, com o instrumento de análise de integração, QVA (Questionário de Vivências Acadêmicas). Os resultados e conclusões serão organizados a partir da análise do conteúdo das entrevistas, segundo a perspectiva de Bardin (1977).

Racismo - Integração do estudante universitário - Preconceito


H0489

O LUGAR DA MATEMÁTICA NOS CURRÍCULOS DOS CURSOS DE PEDAGOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULO


Fabio Dieusis Batista (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Anna Regina Lanner de Moura (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
Esta pesquisa foi aprovada em março deste ano, portanto, encontra-se em andamento. Realiza um estudo sobre o lugar da matemática nos cursos de pedagogia do estado de São Paulo para caracterizar a formação para o ensino de matemática do professor das séries iniciais do ensino fundamental. Para tanto, analisa a ocorrência e a abordagem à formação para o ensino de matemática no currículo desses cursos. O estudo se constitui de uma pesquisa bibliográfica com base em documentos do MEC e do Conselho Estadual de Educação do Estado de São Paulo e da análise comparativa das abordagens sobre a formação para o ensino de matemática das ementas de seis instituições selecionadas da amostra total. O referencial teórico para a análise das informações terá por base a literatura sobre a formação inicial para o ensino fundamental, as diretrizes curriculares para os cursos de pedagogia, os documentos curriculares oficiais para o ensino fundamental de matemática. Serão consultados, também, os dados do SAEB sobre o rendimento de matemática dos alunos das séries iniciais. Até o momento temos levantado um total de 305 cursos de pedagogia no Estado de São Paulo em 193 instituições de ensino superior. Identificamos que destas, 13 são de instituições públicas e 180 particulares, e que ainda, 144 tem fins lucrativos e 49 fins filantrópicos, 119 são faculdades, 29 universidades e 32 outras. Da totalidade, 156 indicam em seu currículo disciplina relacionada à formação matemática. Número este que julgamos ser pequeno tendo em vista a importância da disciplina.

Currículo de Pedagogia - O lugar da Matemática - Formação inicial


H0490

NATUREZA E CULTURA EM PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O CASO DO BOSQUE DOS JEQUITIBÁS, CAMPINAS - SP


Eugênia Carolina Barioni (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Antonio Carlos Rodrigues de Amorim (Orientador), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
Dedicando-se ao estudo dos registros de estágio de formação docente e à análise de imagens, buscamos articulações entre natureza e cultura, na produção de novos conhecimentos e sensibilidades para o ambiente, visando à interpretação de questões que envolvam a biologia como um discurso sobre a natureza. O Bosque dos Jequitibás - campo de nossa pesquisa - foi fundado em 1888 e constitui uma das mais antigas áreas de lazer da cidade de Campinas. Sua contribuição ao conhecimento e à cultura da cidade é evidente, mas a pluralidade de discursos que abrigou durante quase todo o século XX já não existe hoje. Investigamos, através de vivências, registros, entrevistas e imagens, de que maneira surgiu, no Bosque dos Jequitibás, uma univocidade discursiva aglutinada pela associação entre natureza e biologia. Segundo os graduandos de licenciatura e os profissionais de um dos espaços educativos, este ambiente naturalizado permite, inclusive, um novo processo de seleção dos conhecimentos para se ensinar biologia, embora a ordem da organização não seja diferente da escolar. A reflexão sobre o delineamento do espaço e do discurso no Bosque dos Jequitibás evidencia uma história cultural - hoje naturalizada - e o papel fundamental da educação neste processo.

Discurso - Natureza - Cultura


H0491

PROFESSORES DA ESCOLA ESTADUAL CULTO À CIÊNCIA: PROFISSÃO E TRABALHO


Susana Doro Rizzato (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Aparecida Neri de Souza (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
O projeto tem por objetivo a análise das relações de trabalho e formação de professores em uma escola pública na cidade de Campinas. Ele pretende contribuir para o maior entendimento da profissão e trabalho de professores de escolas públicas, a partir do conhecimento da atual organização e relações de trabalho dos docentes da Escola Estadual Culto à Ciência. A pesquisa observou o cotidiano de trabalho dos professores, indagou sobre as características sócio-de mográficas destes docentes e investigará suas trajetórias profissionais e de formação. O referencial analítico apóia-se na noção de trajetórias construída à partir de Pierre Bourdie. O poster apresentará os resultados parciais da pesquisa, isto é, das observações e dos questionários respondidos. A pesquisa encontrou professores efetivos, na sua totalidade, com licenciatura e ministrando aulas na sua área de formação, 65% têm entre 40 e 50 anos, há um equilíbrio entre o número de docentes do sexo feminino e masculino; entretanto, no conjunto dos 43 professores da Instituição, 53% são mulheres. Dos professores efetivos, 45% ministram aulas há mais de dez anos na escola e 60% têm vinte ou mais anos de magistério. Tais professores efetivos, que atuam na escola há vários anos, proporcionam à Instituição uma estabilidade no trabalho do corpo docente, fator que pode ser assimilado à qualidade do ensino ministrado na escola.

Educação e trabalho - Relações de trabalho - Professores de escolas públicas


H0492

UM CASO DE INTERAÇÃO ENTRE O OLHAR QUALITATIVO E O QUANTITATIVO NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DE JOVENS E ADULTOS


Gilberto da Silva Liberato (Bolsista FAPESP) e Profa. Dra. Dione Lucchesi de Carvalho (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
Este artigo se refere à questão teórico-metodológica de a possível interação entre um olhar qualitativo e um olhar quantitativo na pesquisa em Educação Matemática vertentes investigativas que tínhamos como excludentes. Acreditamos que a prontidão do pesquisador em refletir e questionar sobre as informações produzidas, sua disposição em disponibilizar estas reflexões para os sujeitos envolvidos são fatores muito mais importantes para a possibilidade de uma ação emancipatória do que a escolha da técnica empregada. Trazemos, a guisa de exemplificação, a narração do processo de desenvolvimento de uma pesquisa sobre as relações entre os alunos em aulas de Matemática em classes do 2o. segmento do Ensino Fundamental e do Ensino Médio da EJA (Educação de Jovens e Adultos) nas quais haja heterogeneidade etária. Finalizamos o texto com algumas considerações sobre contribuições, problemas e limitações de cada olhar investigativo.

Pesquisa em educação - Pesquisa em educação matemática - Educação Matemática na EJA


H0493

ENSINO E APRENDIZAGEM DE GEOMETRIA E ARTE ATRAVÉS DE UM TRABALHO CONJUNTO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E EDUCAÇÃO ARTÍSTICA E PESQUISADORA


Juliana Miquiluchi (Bolsista FAPESP) e Profa. Dra. Dione Lucchesi de Carvalho (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
O objetivo deste projeto de Iniciação Científica, apoiado pela Fapesp, consistiu em pesquisar os saberes sobre a relação Geometria e Arte e sobre a própria Geometria que os alunos produzem quando participam de aulas exploratório-investigativas. Nossas questões de investigação foram: “Quais saberes sobre a relação Geometria e Arte são produzidos por alunos da 6ª série do Ensino Fundamental quando participam de aulas exploratório-investigativas? Qual a influência destas atividades nas concepções dos alunos relativamente à Matemática escolar?”. As ações previstas foram: elaboração e desenvolvimento, em conjunto com os professores de Matemática e Educação Artística, de atividades em sala de aula de 5ª série de uma escola estadual do interior do estado de São Paulo; elaboração e aplicação de dois questionários a serem respondidos pelos alunos antes e depois de desenvolvidas todas as atividades de sala de aula; entrevistas periódicas com as professoras envolvidas para avaliação do trabalho. Consideramos três eixos de análise: 1 – as mudanças do conteúdo de Matemática e Arte, 2 – alterações de atitudes manifestadas nas respostas ao dois questionários e 3 – desenvolvimento profissional das professoras em uma proposta de transformação curricular inserindo Matemática e Artes de forma integrada.

Educação Matemática - Ensino de geometria - Relação geometria


H0494

educação física escolar: para além do esporte


Thiago Sales Claro (Bolsista PIBIC/CNPq), Prof. Dr. Jocimar Daolio (Co-orientador) e Profa. Dra. Eliana Ayoub (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
Considerando que a área da educação física tem priorizado hegemonicamente o esporte no contexto escolar, esta pesquisa acompanhou, por meio de entrevistas, o trabalho desenvolvido por professores que estão iniciando sua atuação na rede estadual de ensino do Estado de São Paulo, com a intenção de conhecer os fatores que permeiam a construção de uma prática pedagógica que vá além do esporte. Foram realizadas, ao longo do ano de 2006, três entrevistas com cada um dos quatorze professores participantes. Nossos objetivos foram conhecer e compreender as dificuldades e facilidades encontradas por docentes que procuram abordar em suas aulas conhecimentos não esportivos e identificar e analisar as estratégias por eles adotadas para superar as dificuldades, a fim de que possamos pensar em alternativas para a prática pedagógica em educação física, as quais possam vir a contribuir para modificar a realidade encontrada atualmente em nossas escolas. As entrevistas mostraram-nos que diversas dificuldades podem ser encontradas por professores que se propõem a tratar outros conhecimentos, além do esporte. No entanto, tais dificuldades, no caso dos sujeitos da pesquisa, não impediram a realização do trabalho. A diversidade de conhecimentos abordados ao longo do ano pelos professores entrevistados nos permite vislumbrar efetivas mudanças na educação física escolar, na direção de uma prática pedagógica que possa ampliar as possibilidades de aprendizado de nossos alunos.

Educação Física - Escola - Conhecimentos


H0495

INTEGRAÇÃO DO ESTUDANTE INGRESSANTE AO ENSINO SUPERIOR: ANÁLISE DE PROPOSTAS CURRICULARES


Thaissa Helena Fattori (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Elizabeth Nogueira Gomes da Silva Mercuri (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
Em função da importância da integração do estudante ao ensino superior, o presente trabalho teve como objetivos: identificar e analisar as características das disciplinas de primeiro ano, presentes nos programas de cursos de graduação, que são voltadas para a integração do estudante à universidade; e analisá-las conforme as áreas de ensino-pesquisa e a natureza administrativa da instituição. Foi realizado um estudo de natureza documental, a partir dos programas de graduação de duas instituições de ensino superior do estado de São Paulo, uma pública e outra privada. A análise consistiu em: levantamento das disciplinas propostas ao primeiro ano de todos os cursos, identificação das disciplinas de integração e agrupamento de acordo com suas características. As disciplinas de integração foram classificadas em: Modelos de Socialização Acadêmica, disciplinas organizadas em torno de um assunto acadêmico, acessível aos ingressantes, que enfatizam tópicos sobre valores e atitudes; Modelos de Estratégias de Aprendizagem, que direcionam para a adoção de habilidades metacognitivas, mecanismos de auto-regulação e estratégias de aprendizagem; Modelos de Introdução ao Curso/Carreira, disciplinas sobre o objeto de estudo da área e atuação profissional; e Modelos Mistos, incluem características de mais de um Modelo. Observou-se que os quatro modelos de disciplinas estão presentes nas diferentes áreas de ensino-pesquisa e instituições pesquisadas.

Estudante ingressante - Integração, - Ensino superior


H0496

ATUAÇÃO DA INSPEÇÃO MÉDICA ESCOLAR DE SÃO PAULO EM DEBATE


Carolina Toshie Kinoshita (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Heloísa Helena Pimenta Rocha (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
Esta pesquisa visa oferecer elementos para a compreensão da criação e atuação da Inspeção Médica Escolar em São Paulo, no período compreendido entre 1911 e 1930, por meio do levantamento, catalogação e análise dos artigos publicados nos periódicos médicos, bem como dos trabalhos apresentados nos principais congressos médicos realizados na época. Para tanto, realizamos a revisão bibliográfica e o rastreamento destas publicações nas bibliotecas da Faculdade de Saúde Publica e da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Após a seleção do material, analisamos detalhadamente as publicações, procurando selecionar os textos relevantes para a pesquisa, e através disso, ficou evidente a importância da higiene individual dos estudantes, antes mesmo da criação da Inspeção Médica Escolar em 1911; que veio para responder aos problemas gerados pelo crescimento da capital. De modo geral, observamos que nos primeiros anos da atuação deste órgão, foram publicados diversos artigos que traziam ao público os resultados dos trabalhos realizados pelos inspetores escolares, bem como os modelos de fichas utilizados para avaliação dos prédios escolares e dos alunos. Entre o final da década de 1910 e a década de 1930, predominam as publicações de folhetos que procuravam orientar os professores no ensino de hábitos de higiene. Assim, podemos concluir que a escola foi vista pelos médicos-sanitaristas, como lugar privilegiado para a difusão dos hábitos de higiene, visando a constituição de alunos saudáveis, sob o ponto físico, intelectual e moral.

História da educação - Higienismo - Inspeção médica escolar


H0497

ENTRE A SAÚDE E A EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E ATUAÇÃO DA INSPEÇÃO MÉDICA ESCOLAR EM SÃO PAULO


Patrícia Pinto Braga (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Heloísa Helena Pimenta Rocha (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
Entre os finais do século XIX e o início do século XX, a escola passou a ocupar um lugar de destaque nas preocupações dos médicos-higienistas, envolvidos em um amplo projeto de higienização do social. Suas intervenções visaram configurar a escola em espaço de saúde e, ao mesmo tempo, em local apropriado para a difusão dos preceitos higiênicos. Visando compreender as estratégias de intervenção acionadas por esses “homens de ciência”, a pesquisa buscou examinar a criação da Inspeção Médica Escolar (IME) em São Paulo e a sua atuação na capital, no período entre 1911 e 1930, por meio do levantamento, catalogação e análise de documentos produzidos por esse órgão. Já que as pesquisas realizadas não possibilitaram localizar a destinação do fundo documental da IME, buscou-se rastrear, nas séries “Documentos Manuscritos” e “Documentos Avulsos” do Arquivo do Estado de São Paulo, a existência de documentos produzidos por esse órgão. A análise já realizada dos relatórios presidenciais e dos relatórios produzidos pela Secretaria dos Negócios do Interior e pelo Serviço Sanitário permite situar a criação da IME em São Paulo no conjunto das intervenções que visaram conformar o cotidiano dos habitantes da cidade aos imperativos da higiene. Incidindo sobre as crianças e seus mestres, suas iniciativas se voltaram para os propósitos de sanear o espaço escolar, além de incutir nas crianças hábitos higiênicos e práticas associadas à saúde físico-moral. Em sua atuação, essa instituição teve como objetivo central a preservação da saúde e a constituição de corpos fortes, sadios, disciplinados e aptos a contribuir para o engrandecimento da pátria.

História da Educação - Inspeção médica escolar - Higienização


H0498

PROGRAMA BIBLIOTECAS ESCOLARES DA REDE MUNICIPAL DE CAMPINAS/SP (1993-2002): UM ESTUDO DAS AVALIAÇÕES FEITAS PELAS UNIDADES ESCOLARES EM 1997


Renata Aliaga (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Lilian Lopes Martin da Silva (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
Este trabalho tem como tema a Biblioteca Escolar em sua relação com a rede escolar do município de Campinas/SP e uma política pública desenvolvida pela Secretaria de Educação entre os anos de 1993 e 2002. Esta ação buscou instituir um Programa que desse não só maior condição de instalação e funcionamento das bibliotecas escolares em todas as unidades educativas da rede, como creches, escolas infantis e de ensino fundamental, como também maior articulação e sustentação teórica e metodológica para os professores envolvidos no trabalho com esse espaço e a leitura. Trata-se de pesquisa que procura construir uma visão deste programa a partir de elementos trazidos pelos 135 relatórios de avaliação feitos pelas unidades escolares no ano de 1997, encaminhados a coordenação do programa. Busca uma sistematização e problematização dos dizeres dos professores e de suas concepções acerca do programa, da biblioteca e da leitura.

Leitura - Biblioteca - Professores


H0499

A ADOÇÃO DOS PORTFÓLIOS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DOCENTE: LÓGICAS AVALIATIVAS E PERCEPÇÕES DOS ALUNOS


Maria Cecília Cerminaro (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Mara Regina Lemes de Sordi (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
A busca de inovação no campo da avaliação tem sido alvo de preocupação de inúmeros estudiosos da área educacional. Algumas propostas surgem com um caráter inovador e voltam sua atenção para o processo de ensino-aprendizagem como um todo. Dentre estas aparecem os portfólios, como um instrumento de avaliação condizente com as propostas de avaliação formativa. Neste estudo procuramos saber as razões da inserção deste instrumento, como uma forma de avaliação e acompanhamento do processo de ensino-aprendizagem, em um curso de pedagogia, bem como conhecer as percepções dos alunos envolvidos nesta prática. Utilizamo-nos de entrevistas para compreender as lógicas avaliativas acionadas pelos professores e de questionários para compreender os significados e as aprendizagens que este procedimento trouxe aos alunos que vivenciaram a produção dos portfólios. Constatamos que os atores identificam o potencial reflexivo do instrumento como texto possibilitador do repensar da prática pedagógica. Ressaltam ainda sua possibilidade como forma de expressão da criatividade dos estudantes. As fragilidades identificadas são decorrentes da inexperiência com o uso e da falta de tempo para a elaboração e acompanhamento do material produzido. Concluímos que a inserção do portfólio pode e deve ser estimulada pelo enriquecimento que traz aos atores com destaque para os significados de seu uso nos cursos contribuindo para uma formação docente de qualidade.

Portfólio - Avaliação - Formação docente


H0500

O MARXISMO E A PRODUÇÃO EDUCACIONAL BRASILEIRA DAS DÉCADAS DE 1970-80


Ricardo Pereira (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Mara Regina Martins Jacomelli (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
Em meados da década de 1970 observamos uma incidência mais sistematizada do pensamento marxista na educação. Este influxo se dá no contexto da retomada do debate marxista, no âmbito acadêmico, sob forte influência das chamadas teorias da reprodução. Tais estudos refletiam as condições de sua produção: de um lado, a formação teórico-política forjada na militância e, de outro, a incorporação dos modelos teóricos em voga na academia. A questão colocada para os educadores, naquele momento, era a interpretação e a crítica da política educacional do regime militar. Na passagem da década de 1970, observa-se um momento de inflexão, com a produção educacional de inspiração marxista mudando de interlocução, motivada pela perspectiva já iminente de alternância no poder. Do combate aos governos militares e suas políticas para a educação, passa-se a criticar determinadas tendências teórico-políticas situadas no interior do campo educacional mesmo. O núcleo dessa transformação será o Programa de Pós-Graduação da PUC-SP, em especial o programa de doutorado centralizado na figura de Dermeval Saviani. Evidentemente parece inquestionável que houve um avanço na forma de operação com o referencial teórico-metodológico marxista. Do ponto de vista do domínio do arcabouço teórico marxista, com não poucos problemas formais e algumas arestas não aplainadas no tocante à produção do apelo a Marx, o conhecimento alusivo cede lugar ao conhecimento efetivo.

Educação - Marxismo - Pensamento educacional brasileiro


H0501

"O TEATRO ESTÁ NA ESCOLA? - A COMPREENSÃO DO ENSINO DE ARTE DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO BÁSICA DA REGIÃO DE CAMPINAS


Gustavo Antonio Valezi Veloso () e Profa. Dra. Marcia Maria Strazzacappa Hernandez (Orientadora), , UNICAMP
O projeto teve como objetivo analisar se o teatro é entendido pelos professores atuantes nas escolas públicas e/ou privadas da região de Campinas como uma das quatro linguagens artísticas presentes na escola. Para isso, analisamos as respostas à questão de ARTE do vestibular do PEFOPEX – Programa Especial de Formação de Professores em Exercício, da Faculdade de Educação do ano de 2004. Primeiramente, numa abordagem quantitativa, tabulamos quantas vezes o teatro aparece como opção diante do universo de respostas ao terceiro item da questão. E, num segundo momento, numa abordagem qualitativa, analisamos nas respostas positivas, se dentre as atividades propostas pelos professores para o exercício do teatro, quais de fato condiziam com o fazer teatral. Pautamo-nos em autores como Porcher e Barbosa. De 600 provas analisadas, a maioria (93,5%) respondeu à questão de arte, e dentro deste universo, um pouco mais de 1/3 (36%) apontou o teatro como linguagem artística. A pesquisa revelou que o conceito de Ensino de Arte como sinônimo de artes plásticas é o que ainda prevalece, com 39% das respostas. Chamou-nos a atenção constatar que 8% das provas identificou o teatro como componente da Educação Física. Pudemos concluir também pela leitura das atividades propostas que realizar uma apresentação pública de teatro na escola ainda é tido como o principal objetivo de seu ensino no espaço escolar.

Arte educação - Teatro - Teatro-ensino


H0502

VISÕES E CRENÇAS SOBRE O ENSINO DE ARTE DAS PROFESSORAS DA REDE DE ENSINO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS


Lúcia Yumiko Kakazu (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Marcia Maria Strazzacappa Hernandez (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
O projeto teve como objetivo analisar a compreensão que as professoras do curso PROESF- Programa Especial de Formação de Professores em Exercício da Região Metropolitana de Campinas da Faculdade de Educação da UNICAMP, tinham acerca do ensino de arte. Desenvolvemos a pesquisa por meio da análise das respostas à questão de arte da prova do vestibular específico do curso, que foi reaplicada às professoras na disciplina “Teoria Pedagógica e Produção em Arte”. Além disso, entrevistamos duas Auxiliares Pedagógicas do curso e acompanhamos algumas aulas magnas ministradas nesta disciplina. Como fundamentação teórica, baseamo-nos em autores que discutem a arte educação, como Ana Mae Barbosa, Sueli Ferreira, Ana Angélica Albano e Louis Porcher. Estudamos também Paulo Freire por detectarmos na arte educação problemas ligados à maneira como tem sido vista a relação ensinar/aprender. Chegamos a conclusão que, muitas vezes, o ensino de arte nas escolas é tratado de forma incoerente não só em conseqüência das visões equivocadas sobre a arte, mas também pela falta de vivência artística por parte dos professores. Percebemos assim a importância de uma formação que ajude a suprir essa deficiência estética (principalmente no campo da prática), e da arte como agente questionador e, portanto, como ponto fundamental na construção do saber.

Arte-educação - Ensino de arte - Formação de professores


H0503

A IMPORTÂNCIA DA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO ESCOLAR ARTICULADA À HISTÓRIA DO PRIMEIRO GRUPO ESCOLAR DE CAMPINAS


Ana Karolina Miranda (Bolsista FAPESP) e Profa. Dra. Maria Cristina Menezes (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
O presente projeto situa-se no Primeiro Grupo Escolar de Campinas, atual EE ‘Francisco Glicério’, compreendendo o período de 1897 a 1971, e objetiva a preservação da memória da educação campineira, sobretudo dessa instituição. Para tal, investiu-se na preservação e na organização do acervo histórico do 1º Grupo Escolar, articulando esse trabalho àquele de reconstrução da história da instituição. Dessa forma, pretende-se continuar com o trabalho que já vem sendo realizado, com o apoio da FAPESP, no qual as fontes documentais, agora em fase de identificação e descrição, conforme as normas e padrão internacionais da ISAD-G, poderão ser disponibilizadas aos sujeitos escolares e demais interessados, facilitando a consulta com a construção de instrumentos de pesquisa. Como resultados, já se têm o material completamente desinfetado e higienizado, acondicionado em TNT e em fase final de identificação. As fontes estão armazenadas no porão da Escola Estadual Francisco Glicério, espaço que foi adequado para tal finalidade, onde as atividades atuais do projeto estão sendo realizadas, com as precauções devidas e a utilização de material de segurança pelo pesquisador: luvas descartáveis, máscaras descartáveis, jaleco e touca. Acredita-se que o trabalho contribuirá para a preservação da memória educativa, como também para a salvaguarda do patrimônio escolar de Campinas.

Cultura escolar - Memória - Fontes documentais


H0504

DO ARQUIVO “MORTO” AO ARQUIVO HISTÓRICO: ORGANIZAÇÃO DO ARQUIVO DO 3º GRUPO ESCOLAR DE CAMPINAS


Elizabeth Carmonário (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Maria Cristina Menezes (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
A Escola Estadual Artur Segurado, fundada com a denominação de 3º Grupo Escolar de Campinas, completará em 2010, o seu centenário de existência e de atividade permanente. Originada no contexto da política educacional republicana, essa instituição de ensino vem, ao longo desse período, gerando, recebendo e acumulando documentos decorrentes de suas práticas administrativa e pedagógica, constituindo, através do seu acervo documental, fontes potenciais de informação sobre a história da escola pública em Campinas. É proposta dessa pesquisa, a organização do arquivo histórico dessa instituição quase centenária, a qual estará baseada em dados oficiais colhidos em outros locais de pesquisa e na descrição dos itens documentais existentes, realizada em consonância com as Normas Internacionais de Descrição Arquivística (ISAD-G), visando futura disponibilização de dados através de instrumentos de pesquisa a serem desenvolvidos. Prossegue o processo de higienização e desinfestação dos documentos, como procedimento técnico que objetiva dar maior estabilidade ao suporte material das informações dispostas no acervo, estas, importantes pistas e vestígios de fazeres ordinários que não costumam deixar rastros.

História da educação - Arquivo escolar - Memória


H0505

O ARQUIVO HISTÓRICO DO PRIMEIRO GRUPO ESCOLAR DE CAMPINAS: FONTES PARA A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO


Lisiara do Amaral Ramires Relvas (Bolsista FAPESP) e Profa. Dra. Maria Cristina Menezes (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
Este trabalho trata da preservação do acervo documental do primeiro Grupo Escolar de Campinas, fundado em 1897. A pesquisa tem grande importância na a (re)construção da história da instituição, e pretende disponibilizar as fontes primárias para a pesquisa científica. Para isso objetiva a recuperação e a organização das fontes documentais e iconográficas do arquivo da escola, com efetiva ação de preservação documental, dentro das normas da arquivística. Adequadamente a isso segue as ações de desinfestação, higienização, acondicionamento, identificação e plano de arranjo para a posterior descrição das fontes, segundo a ISAD-G, norma internacional de descrição arquivística, agregada ao trabalho de armazenamento definitivo do material. Toda a documentação encontrada até o momento já foi higienizada e identificada, e se encontra acondicionada em TNT em espaço provisório. Também as fontes iconográficas foram identificadas e digitalizadas. Dentre o material encontrado existem fotografias de professores, de alunos, de festividades, do prédio, além de documentos como livros de matrículas, atas de reuniões, livros ponto, livros de despesas, mapas do movimento, fichas de exercício, entre outros datados desde 1897 até 1971. Preservar essa história é guardar uma parte importante da história da educação campineira.

Grupo escolar - História da Educação - Arquivo escolar


H0506

GALERIA DE IMAGENS: O VIRTUAL E O MATERIAL NA RECONSTRUÇÃO DA HISTÓRIA E NA PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA DA INSTITUIÇÃO ESCOLAR


Marcela Rodrigues Borba (Bolsista FAPESP) e Profa. Dra. Maria Cristina Menezes (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
No âmbito do Projeto “Preservação do patrimônio histórico institucional: Escola Estadual Carlos Gomes de Campinas”, com o apoio da FAPESP, insere-se esse subprojeto. Diante de fotos tiradas no começo do século XX, percebe-se que é possível, no cruzamento com outras fontes, reconstruir relações entre os sujeitos e entre estes e o contexto em que viveram. Assim, parece possível compreender e interpretar tais relações, tendo como fonte primeira a fotografia, ao analisar seus elementos e suas disposições. O objetivo deste subprojeto está em garantir a preservação, organização e identificação dos documentos iconográficos, a partir da criação e manutenção de lugares que contribuam para tal, como o arquivo escolar, enquanto lugar privilegiado e possibilitador de novas leituras do passado e de novos entendimentos do presente. Até o momento, foi possível uma organização da documentação e início da descrição das fontes documentais, de acordo com a Norma de Descrição Arquivística Internacional. Com o material iconográfico, iniciou-se o processo de digitalização das imagens, para a organização de um banco de imagens concomitante às preocupações com a preservação dos suportes originais. Aposta-se na guarda apropriada do suporte e na ampla divulgação das fontes, pensando em outras formas de dispô-las ao público.

História - Arquivo escolar - Fotografia


H0507

AS CIÊNCIAS NATURAIS EM FOCO: A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA DAS PRÁTICAS EDUCACIONAIS NO COLÉGIO ‘CULTO À CIÊNCIA’ DE CAMPINAS


Vanessa de Fátima Faria (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Maria Cristina Menezes (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
Esse trabalho desenvolve ações de preservação e organização do acervo do Colégio Culto à Ciência, atual EE Culto à Ciência, de Campinas. Trata-se de subprojeto, articulado ao projeto maior, coordenado pela orientadora, que tem como objetivo a organização dos acervos históricos, compostos por documentos, livros e material museológico, tais como mobiliário e material de ensino, com a intenção de preservar e garantir lugares para a memória educacional de antigas escolas públicas, da cidade de Campinas. Para tal, foram necessárias leituras específicas no âmbito da arquivística e da história da instituição. Este subprojeto guarda a pretensão de deter-se, sobretudo, em documentos que apresentam possibilidades de rastrear pistas que permitem, no cruzamento com outras fontes, perscrutar mudanças ocorridas no currículo da escola, em especial, quanto ao enfoque humanista e a sua abertura para a entrada das ciências naturais. Documentos, tais como: livros de compras, livro de correspondências, livros de ponto e matérias discriminadas, entre outros, apontaram para leituras que se articulam àquelas realizadas em manuais pedagógicos da época e documentos oficiais como os anuários de ensino. Tal trabalho tem evidenciado as possibilidades de novas fontes para as recentes pesquisas sobre as práticas pedagógicas.

Práticas escolares - Memória - História da Educação


H0508

MEMÓRIAS DA ESCOLA CAMPINEIRA: CULTURA MATERIAL E ORGANIZAÇÃO DE ARQUIVOS ESCOLARES


Bianca J. Caetano (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Maria do Carmo Martins (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
O projeto articula-se às linhas de investigação do Centro de Memória da Educação, especialmente no que diz respeito à história das instituições escolares da Região Metropolitana de Campinas. Nele realizo a organização do arquivo histórico da Escola Estadual Orosimbo Maia, tendo como objetivo debater possibilidades preservacionistas do patrimônio material das escolas. Insere-se nos atuais debates sobre memória e preservação patrimonial educacional. Antigo 4° Grupo Escolar da Cidade de Campinas iniciou suas atividades em 1923, sendo transferida para o atual edifício escolar, em 1925. Contava com uma equipe de 13 professoras adjuntas, diretor e serventes. Em seus livros de matrículas, os alunos que freqüentavam as aulas eram filhos de funcionários da Estação Mogiana, e também operários, alfaiates, carpinteiros, comerciantes, ferreiros e serventes, moradores da região central e dos Bairros do Botafogo, Bonfim, Castelo e Vila Industrial. A escola chegou a ter 24 turmas de alunos, separados por meninos e meninas nos início dos anos 30, constituindo-se como a maior escola primária de Campinas na época. Na organização do arquivo histórico da escola realizamos o levantamento, a identificação das funções dos documentos na instituição e a definição de uma tipologia documental, além da definição do organograma do arquivo. Simultanamente desenvolvemos uma pesquisa histórica sobre a instituição e a descrição, em bases de dados, dos resultados obtidos.

Memória educacional - Arquivo histórico - História da instituição


H0509

BRINCADEIRAS E TELEVISÃO: UM ESTUDO SOBRE A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA INFÂNCIA


Letícia de Almeida Morelato (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Maria Evelyna Pompeu do Nascimento (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
Atualmente a mídia através dos meios de comunicação difunde e impõe formas de viver. Entendendo a infância como uma construção social, conforme apontam Ariès e Steimberg & Kincheloe, obviamente o público infantil não se encontra excluído deste processo, tudo lhes é mostrado pela tela da TV. O objetivo geral desta pesquisa foi examinar as relações que as crianças, estabelecem em suas brincadeiras com o conteúdo televisivo que assistem, seja este especificamente ou não destinado à infância. De que forma a televisão estaria influenciado o brincar? Do ponto de vista metodológico, utilizou-se o grupo focal como melhor forma de atingirem-se os objetivos. Foram entrevistadas seis crianças, meninos e meninas de uma 3ª série do ensino fundamental da rede pública de ensino, com roteiro semi-dirigido, onde a atenção esteve voltada para o diálogo e o debate entre os participantes. As crianças apresentaram em suas falas vontade de possuir/consumir os produtos anunciados e parecer-se com os personagens televisivos, salientando as características físicas e o sucesso que os mesmos obtêm junto ao sexo oposto. Os sujeitos desta pesquisa demonstraram que os elementos apresentados através da mídia televisiva não têm influenciado necessariamente o lúdico das crianças, porém a TV lhes designa uma maneira de pensar e agir, formando cada vez mais cedo suas mentalidades para o consumo e erotização.

Infância - Brincadeiras - Televisão


H0510

O CURRÍCULO DA ESCOLA BÁSICA NA ÁREA DAS CIÊNCIAS DA NATUREZA – PRÁTICAS CONSTITUÍDAS PELO IMAGINÁRIO


Daniele H. Oliveira (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Maria Inês Petrucci Rosa (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
Este trabalho investiga elementos do imaginário presentes nos discursos sobre o ensino de Ciências da Natureza na escola básica brasileira contemporânea. Tal foco se justifica à medida que são constatadas na literatura, hibridismos e recontextualizações nas disciplinas escolares, depois das reformas curriculares promovidas pelas políticas públicas nos anos 90. Para a identificação de discursos presentes na escola sobre as disciplinas da área de Ciências da Natureza, a metodologia utilizada teve inspiração principal em teóricos do imaginário. A investigação foi realizada em três escolas públicas estaduais que oferecem ensino médio, nas quais foram entrevistados aluno(a)s que produziram imagens sobre as disciplinas da área de Ciências da Natureza, através de desenhos. O(a)s aluno(a)s fizeram comentários acerca de suas representações iconográficas, que foram registrados em áudio. Como resultados dessa pesquisa, constatou-se simultaneamente no conjunto de imagens produzidas, traços relacionados com a cultura escolar – especialmente do livro didático - , com o caráter elitista do ensino de algumas dessas disciplinas e também com a formação de determinadas identidades no contexto do ensino médio.

Currículo - Disciplina escolar - Imaginário


H0511

INCLUSÃO NA UNIVERSIDADE: UM ESTUDO SOBRE AÇÕES AFIRMATIVAS/INCLUSIVAS NA UNICAMP


Paloma de Oliveira Fernandes da Silva (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Maria Teresa Eglér Mantoan (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
Esta pesquisa foca o problema do Atendimento Educacional Especializado no ambiente da Universidade Estadual de Campinas – Unicamp tendo por objetivos: a) avaliar se as ações afirmativas/inclusivas vigentes nesta Instituição atendem às reais necessidades de seus alunos com deficiência e b)contribuir para que esta IES amplie tais iniciativas, visando tornar-se uma Universidade plenamente acessível. A pesquisa foi desenvolvida com um grupo de alunos com algum tipo de deficiência, usuários do Laboratório de Acessibilidade da Biblioteca Central César Lattes – LAB e com pessoas que convivem com esses alunos, no campus. Os dados levantados provêm de entrevistas semi-estruturadas com os sujeitos, visitas ao LAB e acompanhamento das atividades do projeto “Todos Nós – Unicamp Acessível”. O estudo mostra que os alunos com deficiência enfrentam mais problemas de acessibilidade relacionados aos aspectos psicopedagógicos e psicossociais do que aos ambientais/estruturais. Também revela que a Unicamp vem gradativamente cumprindo com seu dever em relação à acessibilidade desses alunos, embora falte muito ainda a ser feito nesse sentido.

Atendimento educacional especializado - Acessibilidade ao conhecimento - Alunos com deficiência


H0512

O SAMBA NA REGIÃO DE CAMPINAS: DAS FAZENDAS DE CAFÉ AOS CORDÕES CARNAVALESCOS (1850 – 1950)


Eduardo Fiorussi () e Profa. Dra. Olga Rodrigues de Moraes Von Simson (Orientadora), , UNICAMP
O objetivo da pesquisa é estudar as transformações mais importantes ocorridas nas diferentes manifestações ligadas ao samba em Campinas (dos batuques, praticados nas fazendas, passando pelos cordões e chegando às escolas de samba). Essas mudanças estão concentradas entre 1850 e 1950, fase em que a cidade passou por um grande processo de modernização, marcado tanto pela repressão contra negros e pobres, que teve como resposta a resistência do povo negro através de diferentes estratégias, que conseguiu manter e difundir sua cultura e se inserir na sociedade urbana de mercado.Os dados reunidos permitem sustentar a hipótese de que o batuque formou-se na região a partir do jongo, que já era dançado nas fazendas, e do samba de roda trazido pelos escravos crioulos vindos do Nordeste. Essa troca de influências culturais ocorreu em alguns espaços do estado de São Paulo e deu origem ao samba rural paulista e, especificamente em Campinas, ao samba de bumbo, que futuramente serviria como base para a formação dos cordões carnavalescos e das subseqüentes escolas de samba. Para reconstruir a memória do samba, utilizamos a metodologia qualitativa, baseada na coleta e análise de depoimentos orais, completados com pesquisa bibliográfica, com imagens fotográficas e outros documentos, como jornais locais, livros de memória, crônicas, almanaques e inventários, criticamente analisados.

Samba - Carnaval - Memória


H0513

COMO AS CRIANÇAS QUE APRESENTAM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM ENTENDEM OS CONTEÚDOS DE MATEMÁTICA E PORTUGUÊS QUE SÃO ENSINADOS PELA ESCOLA?


Lígia Bruna Sbrana Alves de Souza (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Orly Zucatto Mantovani de Assis (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
Este projeto tem por objetivo identificar como as crianças que apresentam dificuldades de aprendizagem, atendidas pelo SAIP – Serviço de Avaliação e Intervenção Psicopedagógica entendem os conteúdos trabalhados pela escola. Para alcançar os objetivos propostos e responder ao problema formulado pelo trabalho foram feitas uma entrevista inicial (pré-teste) com as crianças, utilizando o método clínico de Jean Piaget, com o objetivo de investigar as noções que elas possuíam a respeito dos conteúdos escolares. Em seguida, foram planejadas atividades pedagógicas dos conteúdos escolares para a realização da intervenção psicopedagógica e por fim realizamos uma entrevista (pós-teste) para investigar se houve ou não uma evolução no desempenho apresentado pelas crianças do SAIP. As crianças apresentaram, inicialmente, dificuldades relacionadas à alfabetização e ao letramento. São crianças ainda em um estágio inicial de alfabetização, o que nos levou a trabalhar primeiramente este processo, para posteriormente investigar as dificuldades apresentadas por elas em determinados conteúdos. Sendo assim, chegamos à conclusão de que essas crianças não entendem os conteúdos escolares e sim memorizam-nos, vendo o ato de aprender como um exercício árduo o que as desestimula em relação a freqüentar a escola.

Dificuldades de aprendizagem - Psicopedagogia - Conteúdos escolares


H0514

PAIS NO CONSELHO DE ESCOLA: O PESO DE SUA PARTICIPAÇÃO


Fabiana Cristina Amgarten (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Pedro Ganzeli (Orientador), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
A pesquisa foi realizada ao longo do segundo semestre de 2006, tendo por objetivo analisar a atuação dos representantes de pais no Conselho de Escola na Escola Municipal de Ensino Fundamental “Prof. Vicente Ráo”, localizada na cidade de Campinas. Durante esse período, foi realizado estudo bibliográfico na Revistas Educação e Sociedade dos anos de 2004, 2005 e 2006, sendo selecionados para estudo 10 artigos que se relacionavam diretamente com o nosso tema de pesquisa. Foram feitas no período observações de duas reuniões do Conselho de Escola e da reunião de Avaliação do Projeto Pedagógico. Verificamos que os representantes de pais possuem outros interesses para além do pedagógico. Percebi que dentre o grupo de pais do Conselho da Escola havia um candidato a cargo público, que estava sempre à frente das decisões; como também uma mãe que trabalha com transporte escolar, posicionando-se contrária a qualquer mudança de horários. Assim a pesquisa mostrou que, no processo de participação, devem-se criar oportunidades para que a dinâmica oculta seja revelada e compreendida; pois, com isso será possível articular as visões de mundo e os interesses individuais com aquilo que o grupo pretende para a escola.

Gestão Escolar Democrática - Participação de pais na escola - Conselho de Escola


H0515

O trabalho da gestão escolar na perspectiva democrática: desafios e possibilidades


Paula Fernanda dos Santos (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Pedro Ganzeli (Orientador), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
A presente pesquisa teve por objetivo analisar o processo de democratização do espaço escolar, com foco nas ações da equipe gestora durante os processos de elaboração, implementação e avaliação do projeto político-pedagógico na Escola Municipal de Ensino Fundamental “Professor Vicente Ráo”, situada no município de Campinas. Buscou-se conhecer quais as posturas dessa equipe favoreceram ou dificultaram a efetivação de uma organização democrática. Para tal, partiu-se do embasamento teórico, feito através do levantamento bibliográfico das Revistas Educação e Sociedade, dos últimos dez anos, das quais selecionamos 15 textos que abordavam a temática, dentre os 45 textos encontrados. Foram realizadas observações de três reuniões de planejamento, nos meses de dezembro de 2006, janeiro e fevereiro de 2007. Verificou-se que a equipe gestora da escola motivou a participação e engajamento de todos os segmentos com as tarefas escolares. Propostas foram colocadas em discussão entre os professores, demonstrando a disposição para o diálogo. Algumas vezes as decisões foram tomadas após votação e não pelo consenso de idéias, evidenciando-se a existência de conflitos. Essa foi uma condição para a construção do trabalho integrado.

Gestão escolar - Democratização - Projeto político-pedagógico


H0516

EDUCAÇÃO DE SURDOS: “DA ESCOLA QUE TÊM PARA A ESCOLA QUE QUEREM”


Fernanda Mazutti Papini (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Regina Maria de Souza (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
A educação dos surdos sempre foi um tema muito polêmico na área educacional, pois é diferenciado pela sua especificidade lingüística. Após a promulgação do Decreto 5626 (dezembro de 2005) que regulamentou a lei 10.436 (abril de 2002) reconheceu-se e oficializou-se a Libras como a primeira língua dos surdos, ou seja, deu o direito ao surdo a uma educação bilíngüe, inserindo o intérprete de língua de sinais na sala de aula. No presente trabalho, buscamos refletir as conseqüências da atual promulgação do Decreto 5626 sobre a educação dos sujeitos surdos, tendo por objetivo, discutir como se poderia pensar uma escola que fosse inclusiva para eles, não apenas sob o ponto de vista dos pesquisadores ouvintes, mas dos próprios surdos. Através do trabalho (que está ainda com apenas 3 meses de solicitação da bolsa CNPq), e também da vasta análise bibliográfica analisada até o momento, se pôde verificar, que tal promulgação trás grandes implicações na educação das pessoas com necessidades educacionais especiais, como: a complexa relação estabelecida entre intérprete de língua de sinais, aluno surdo e professor ouvinte, a questão da exclusão dos surdos dentro da política inclusiva colocada hoje nas escolas, a LIBRAS inserida como disciplina obrigatória nos cursos de formação de professores, e portanto, acarretando, conseqüentemente, a formulação de novos cursos universitários. O trabalho viabiliza tais reflexões.

Educação de surdos - Inclusão - Decreto 5626


H0517

AFETIVIDADE E CONDIÇÕES DE ENSINO: EFEITOS AVERSIVOS DA MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA


Isabel Bueno de Almeida (Bolsista FAPESP) e Prof. Dr. Sérgio Antônio da Silva Leite (Orientador), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
Até recentemente entendia-se que as práticas pedagógicas voltavam-se apenas para o aspecto cognitivo, desprezando a dimensão afetiva. Essa visão dualista de homem entendendo-o como um ser dividido entre corpo/mente, afeto/cognição, que tem servido como base para os estudos sobre o comportamento humano há séculos, tem impedido uma compreensão do ser humano em sua totalidade. Este trabalho tem como objetivo compartilhar os resultados parciais da pesquisa em desenvolvimento a qual tem buscado analisar o possível papel da afetividade no processo de mediação pedagógica do professor, enfocando seus efeitos aversivos na relação aluno - objeto de conhecimento, neste caso, a Língua Inglesa. Com base nos estudos de autores sócio-interacionistas como Wallon (1968,1978) e Vygotsky (1993), os quais possuem uma visão monista de homem, considerando-o como um ser que pensa e sente, ao mesmo tempo, assume-se que a natureza da interação que se estabelece entre professor, aluno e língua inglesa, não se limita à dimensão cognitiva, mas é fortemente marcada pela afetividade. Para isso, foram realizadas entrevistas recorrentes com quatro alunos que vivenciaram uma experiência afetivamente negativa com a língua Inglesa. As entrevistas foram transcritas e estão sendo analisadas à luz da abordagem histórica cultural.

Afetividade - Língua Inglesa - Condições de ensino


H0518

Ampliando as discussões acerca das ideologias que sustentaram os projetos de lei e que sustentam a Nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei nº 9394 de 20/12/1996


Danielle Mangabeira de Jesus (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Sérgio Eduardo Montes Castanho (Orientador), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) apresenta-se como o documento legal que define e regula o sistema educacional escolar no país. A análise histórica e política do processo de tramitação que culminou na aprovação da atual LDB (Lei nº 9394/96) permitiu a aproximação com as ideologias e com os jogos de interesses mais marcantes no período de discussão dos projetos de lei. No trabalho, buscamos analisar a influência da atuação de diferentes personagens com diferentes visões políticas e educacionais, muitas vezes antagônicas, e que acabaram determinando os rumos e o encaminhamento para o processo de estabelecimento da redação final da ”Nova Lei”. A partir de vasta análise bibliográfica e de entrevistas com autores envolvidos com a temática, a investigação, adotando uma perspectiva histórica, identificou distintas expressões de interesses no plano de fundo da construção e discussão desses projetos de lei, em consonância com o contexto histórico do momento em análise, repleto de novas perspectivas nos mais variados campos, inclusive o educacional. A educação, servindo como um terreno fértil para a expressão de concepções ideológicas diversas, acaba sendo usada, nesse contexto, para camuflar interesses via legislação educacional. O trabalho rastreia essas camuflagens, desnudando-as.

LDB - Ideologias - Projetos de Lei


H0519

DESENHO ANIMADO UMA NOVA PROPOSTA METODOLOGICA DE ENSINO


Claiton Alexandre Silva (Bolsista SAE/UNICAMP) e Prof. Dr. Sérgio Ferreira do Amaral (Orientador), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
Utilizar a animação como recurso pedagógico foi o foco do presente projeto de pesquisa, tendo em vista ser essa uma importante ferramenta para dinamizar os conceitos trabalhados em sala de aula. Tendo como base as considerações de Maria Felisminda de Rezende Fusari, reforçamos que o desenho animado esta presente no cotidiano da quase totalidade de nossas crianças, que dedicam longas horas do dia diante da televisão como receptores (na maioria das vezes passivos) de diversas mensagens ali transmitidas. E nesse contexto a animação em sala de aula vem promover o resgate da motivação do estudante. A técnica de animação com massa de modelar consiste em uma seqüência de fotos dos personagens, cenários, etc. que, posteriormente serão capturadas pelo microcomputador e editadas em programas específicos. O roteiro da história, os personagens e o cenário são criados pelos próprios estudantes sob a coordenação da professora. Todas as atividades seguem os objetivos do projeto pedagógico da professora. Cabem a nos instruir os estudantes durante as fotos para gerar movimento aos personagens, posicionamento de cenário, câmera e uma breve orientação sobre a edição das imagens. Ao chegarmos na escola para o organização das atividades deparamo-nos com uma equipe de estudantes e professora muito motivados, uma vez que eles próprios tomaram a iniciativa de elaborar todos os cenários e personagens das historias. Observamos que a atividade de animação com massa de modelar pode ser uma grande ferramenta que a professora pode estar utilizando em suas aulas para conseguir ampliar o dialogo com os estudantes bem como trabalhar conteúdos que estão dentro de seus objetivos pedagógicos.

Educação - Animação - Projeto pedagógico


H0520

CONSOLIDAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR DIGITAL MEDIATIZADA POR COMPUTADOR CONECTADO A INTERNET


Mônica Cristina Garbin (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Sérgio Ferreira do Amaral (Orientador), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
A Biblioteca Escolar Digital é um ambiente na Rede Internet contendo um acervo com todos os trabalhos produzidos no interior das instituições escolares. Este trabalho teve como objetivo a construção de um Kit para que fosse possivel a ampliação de tal ambiente para todas as instituições de ensino. Para tanto, nossa metodologia contou com três etapas: a primeira corresponde a pesquisa de materiais que poderiam ser utilizados na construção do ambiente; a segunda diz respeito a construção do material, de forma fácil de ser utilizada e implementada; a terceira relaciona-se ao período de testes e finalização do material. Como resultados alcançados tivemos a produção de um kit contendo um manual de como utilizar e instalar o ambiente, os softwares necessários, assim como o próprio ambiente, que foi construído em PHP e Banco de Dados. Dessa maneira, podemos concluir que o objetivo proposto pôde ser alcançado e tivemos a produção de um ambiente interativo on-line para o desenvolvimento da Biblioteca Interativa, que fosse de fácil utilização e aplicável à todas as escolas. Além disso, é importante ressaltarmos que o ambiente é bastante flexível, tendo outras possibilidades de uso, além da Biblioteca Interativa.

Biblioteca Escolar Digital - Tecnologia educacional - Educação


H0521

MODELOS DE DISCIPLINAS DE INTEGRAÇÃO DO PRIMEIRO ANO: IMPACTO NA FORMAÇÃO DE UNIVERSITÁRIOS


Mariana Coralina do Carmo (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Soely Aparecida Jorge Polydoro (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
Dada a importância da experiência do primeiro ano de graduação no processo de formação do estudante, buscamos analisar a relação entre os aspectos de disciplinas oferecidas aos ingressantes e o impacto que produziram na sua formação. Foram selecionadas, dentre as disciplinas identificadas como de integração, duas representantes do Modelo de Socialização Acadêmica; três do Modelo de Estratégias de Aprendizagem; três do Modelo de Introdução ao Curso/Carreira e duas do Modelo Misto. As informações sobre a experiência na disciplina foram obtidas por meio de entrevistas individuais semi-estruturadas com dez estudantes do segundo ano de diferentes áreas do conhecimento de uma instituição pública de ensino superior do estado de São Paulo. A partir da análise de conteúdo, foram estruturadas categorias relacionadas às expectativas iniciais e avaliação da disciplina; impacto na integração, envolvimento com o curso, compreensão sobre carreira, desenvolvimento de estratégias de aprendizagem e decisão de permanência no curso; e condições propiciadoras. Observou-se que, de maneira geral, o impacto foi positivo, principalmente relacionado ao foco de integração identificado na ementa da disciplina. As condições propiciadas foram predominantemente relacionadas à atuação do professor e textos utilizados. Os resultados destacam a relevância de ações de natureza curricular que objetivem a integração do estudante ao seu processo de formação, de forma a potencializar o sucesso acadêmico e desenvolvimento integral.

Ensino Superior - Integração - Estudante ingressante


H0522

COMENTÁRIOS LIVRES DE UNIVERSITÁRIOS SOBRE A INTEGRAÇÃO AO ENSINO SUPERIOR


Priscila Aparecida da Silva (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Soely Aparecida Jorge Polydoro (Orientadora), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
O presente trabalho está integrado às ações propostas para o Programa Bolsa Trabalho desenvolvido no grupo de pesquisa Psicologia e Educação Superior (PES) da Faculdade Educação. Procura contribuir para a discussão sobre o processo de formação e as experiências vivenciadas pelos universitários no período de graduação. Considerando o objetivo de analisar a natureza dos comentários livres apresentados por estudantes ao final do preenchimento do Questionário de Vivências Acadêmica reduzido (QVA-r), foi desenvolvido um estudo de natureza documental, a partir das respostas de 245 estudantes de uma instituição pública. Deste total, 69 estudantes apresentaram comentário ao final do instrumento e constituíram a amostra do estudo. A análise dos textos foi realizada mediante o agrupamento em classes de respostas, atendendo à similaridade do conteúdo e à literatura da área. Em uma perspectiva geral, o espaço foi aproveitado para: justificar resposta(s) indicada(s) na escala; complementar informação sobre aspectos não abordados anteriormente; descrever uma percepção global sobre a experiência universitária; apresentar considerações sobre características do instrumento. Quanto ao conteúdo, foram observados comentários sobre os domínios: acadêmico, interpessoal, social, de carreira e institucional. A diversidade do conteúdo abordado e a presença de comentários positivos e negativos indicam a singularidade da formação superior vivida por cada um dos discentes e evidencia a complexidade desta temática.

Ensino Superior - Integração - Estudante


H0523

A água imaginada: as persistências da água alquímica nos espaços de Magic: The Gathering


João Francisco Diel de Sousa (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Wenceslao Machado de Oliveira Junior (Orientador), Faculdade de Educação - FE, UNICAMP
Magic: The Gathering é um jogo de fantasia em cards jogado em mais de cinqüenta países e por milhões de pessoas. A pesquisa se deu por mais de 6.000 cards de Magic disponíveis no site da Wizards of The Coast. Esse projeto tem como objetivo investigar a imaginação material do elemento (alquímico) água, pensada pelo filósofo Gaston Bachelard, nos cards de Magic e criar, à partir desse estudo, novos lugares imaginados dentro de uma obra literária. Mapeando os lugares da água no jogo, encontraram-se marcas dos sentidos alquímicos da água em nossa cultura contemporânea. Ao final, embasado no que Bachelard diz sobre a imaginação, criou-se uma obra literária assentada na imaginação material do elemento água, observando-se as imagens presentes nos cards. Observando a forma das cartas, pude notar a persistência de motivos medievais nas imagens e criaturas, nos monstros e arquiteturas; pude notar a estabilidade de certo enquadramento imagético; notei também a permanência dos sentidos da purificação, dissolução, das águas profundas primordiais permeando diversos cards, entre outras permanências.

Magic: the Gathering - Imaginação material - Alquimia




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   38   39   40   41   42   43   44   45   ...   83


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal