Universidade estadual de campinas



Baixar 4.13 Mb.
Página54/83
Encontro29.11.2017
Tamanho4.13 Mb.
1   ...   50   51   52   53   54   55   56   57   ...   83

EFEITO DA SUPLEMENTAÇÃO DE GALACTOOLIGOSSACARÍDEO E POLIDEXTROSE SOBRE ABSORÇÃO DE CÁLCIO E FERRO EM RATOS GASTRECTOMIZADOS


Kathia Hitomi Tsuboi (Bolsista PIBIC/CNPq), Elisvânia Freitas dos Santos e Prof. Dr. Celio Kenji Miyasaka (Orientador), Faculdade de Engenharia de Alimentos - FEA, UNICAMP
A ressecção gástrica parcial ou total é a principal alternativa terapêutica para o câncer gástrico, podendo levar à deficiência na absorção de cálcio e ferro pela falta de acidez estomacal. Os galactooligossacarídeos (GOS) e a polidextrose (POLI) são compostos fermentáveis que diminuem o pH intestinal favorecendo a absorção de minerais. No presente estudo, verificamos o efeito da suplementação desses compostos na absorção do cálcio e ferro em ratos gastrectomizados. Ratos adultos foram gastrectomizados (G1) ou não (G2) (com ressecção da parte glandular do estômago e o compartimento não glandular ligado ao jejuno, associada à Vagotomia). Cada grupo foi dividido em 4 subgrupos que receberam respectivamente as suplementações: sem prébiótico, GOS 5%, POLI 5% e GOS 2,5% + POLI 2,5%. A gastrectomia diminuiu os níveis de cálcio sérico (G1*=6,10±0,44, G2*=7,28±0,34) e a excreção de cálcio urinário (G1*=134,10±9,27; G2*=94,68±9,62). Em G1 a POLI e GOS+POLI aumentou a absorção aparente de ferro (sem preb=0,42±0,07; POLI*=0,73±0,06; GOS+POLI*=0,84±0,05) e em G2 o tratamento GOS+POLI foi o que apresentou maior absorção aparente (sem preb=0,83±0,07; GOS+POLI*=1,26±0,04). Nos níveis de hemoglobina (g/dL), a POLI 5% apresentou os maiores valores em G1 e G2 (G1: sem preb=11,80±0,10; POLI*=13,72±0,40/ G2: sem preb=15,34±0,10; POLI=15,75±0,12). O mesmo ocorreu com os resultados de hematócrito (%) (G1: sem preb=43,28±0,31; POLI*=44,53±0,64/ G2: sem preb=38,90±1,00; POLI*=41,10±1,34). Na dosagem de ferro sérico (µ/dL), o tratamento com os dois prebióticos (GOS+POLI) aumentou os níveis de ferro sérico no G1 em 50% e G2 em 13% em relação ao sem preb do mesmo grupo (G1: sem preb=41,76±11,56; GOS+POLI*=81,34±15,01/ G2: sem preb=198,75±7,64; GOS+POLI*=228,22±10,48), sugerindo que os dois prebióticos têm um efeito potencializador na absorção de ferro.

Gastrectomia - Galactooligossacarídeo - Polidextrose


T0752

FENÓIS TOTAIS E ATIVIDADE ANTIOXIDANTE DE SUCOS DE UVAS


Laís Maciel Tarôuco (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Débora de Queiroz Tavares (Orientadora), Faculdade de Engenharia de Alimentos - FEA, UNICAMP
Compostos fenólicos de sucos de uvas variam com cultivo, maturidade e clima. Processamentos podem alterar os fenólicos totais (FT) destes sucos. O objetivo foi determinar a concentração de FT e atividades antioxidantes (AAO) de sucos de varietais Concord e Isabel durante as etapas de maceração, filtração e concentração; avaliou-se ainda o efeito da estocagem durante 10 meses. Compararam-se as variáveis FT e AAO com outros três sucos comerciais de uvas Bordeaux, Isabel e Concord. O teor de FT foi avaliado pelo método Folin-Ciocalteau e resultados expressos em mgEq.ac.gálico/L . A AAO foi determinada por DPPH (1,1-diphenyl-2-picrylhidrazil) e apresentada em mmol Trolox Equivalente (mmolTE). FT (mgEq.ac.gal/L) do suco de uva Concord pós-maceração foi 2365,5±71,7; pós filtração foi 2057,5±58,9 e pós concentração foi 2013±0,6. Durante estocagem variou de 2872,92±60,2 a 2587,64±32,2. O FT (mgEq.ac.gal/L) de suco Isabel pós maceração foi 1520,5±10,3; pós filtração 1361,5±37,1 e pós concentração1372,2±115,4. Durante a estocagem variou 1756,75±11,5 a 1428,94±54,7. Os três sucos comerciais usados para comparação obtiveram FT (mgEq.Ac.Gal/L), em A 2226,47±34,27; B 1881,64±3,95 e C 1690,59± 5,27. As AAO (mmol TE) do suco Concord foram pós maceração 10,19±0,03; pós filtração 8,61± 0,06; pós concentração 9,68±0,39 e durante estocagem variou de 9,68±0,39 à 7,45±0,35. Para o suco Isabel AAO (mmol TE), na mesma seqüência, foram 8,55±0,06; 7,08±0,09; 7,40±0,17 e durante estocagem variou de 7,4±0,17 a 6,33±0,27. A AAO (mmol TE) dos sucos (A,B,C) foram 8,56±0,09, 9,48±0,19 e 7,33±0,42. Conclui-se que os sucos Isabel e Concord conservaram a AAO durante processamento e estocagem. Os outros sucos comerciais (A,B,C) demonstraram semelhante AAO e superior teor de FT em relação à Isabel e Concord.

Suco de uva - Atividade antioxidante - Fenóis totais


T0753

MEDIDAS EXPERIMENTAIS E MODELAGEM DA VISCOSIDADE DE SOLUÇÕES AQUOSAS DE AÇÚCARES E ÁCIDOS POLICARBOXÍLICOS


Mariana de Souza Spirito (Bolsista PIBIC/CNPq), Dra. Roberta Ceriani (Co-orientadora) e Prof. Dr. Eduardo Augusto Caldas Batista (Orientador), Faculdade de Engenharia de Alimentos - FEA, UNICAMP
Propriedades físicas de sucos de frutas são de grande utilidade tanto em pesquisa quanto na esfera industrial. Devido ao crescente interesse comercial que os sucos têm despertado, dados experimentais dessas propriedades são cada vez mais relevantes. Este projeto de iniciação científica tem como principal objetivo a modelagem da viscosidade cinemática de soluções aquosas binárias de açúcares e ácidos policarboxílicos e a predição desta propriedade para soluções modelo. Foram medidas experimentalmente viscosidades de soluções aquosas binárias de ácidos cítrico e málico em viscosímetro de esfera descendente a diferentes concentrações e temperaturas na faixa de 20 a 90 °C. Os resultados apresentaram um comportamento assintótico decrescente com o aumento da temperatura e, para uma mesma temperatura com o aumento da fração mássica do soluto, houve um aumento de viscosidade. Estes dados, juntamente com as viscosidades de soluções aquosas de açúcares, obtidas da literatura, constituíram um banco de dados, ao qual os parâmetros da equação de Kumar foram ajustados. O modelo proposto mostrou-se adequado quanto à predição da viscosidade de soluções modelo.

Sucos de frutas - Viscosidade - Densidade


T0754

MEDIDAS EXPERIMENTAIS E MODELAGEM DA VISCOSIDADE E DENSIDADE DE MISCELAS ÓLEO VEGETAL/HEXANO


Priscila Bratfisch (Bolsista PIBIC/CNPq), Dra. Roberta Ceriani (Co-orientadora) e Prof. Dr. Eduardo Augusto Caldas Batista (Orientador), Faculdade de Engenharia de Alimentos - FEA, UNICAMP
O processo de extração do óleo de sementes oleaginosas pode ser feito pela adição de solventes, normalmente o n-hexano, formando uma mistura denominada miscela. A importância do conhecimento da viscosidade e da densidade de miscelas está diretamente relacionada ao projeto de equipamentos e processos. Este trabalho teve como principal objetivo determinar experimentalmente dados de densidade e viscosidade de miscelas de óleos de soja, de farelo de arroz e de milho com hexano nas temperaturas de 20 a 40°C, usando o densímetro DMA 58 e viscosímetro AMV 200, ambos da Anton Paar. Os resultados experimentais de densidade apresentaram comportamento linear e decrescente com o aumento da temperatura e também um aumento da densidade com o aumento da fração mássica de óleo na miscela. Quanto à viscosidade, o comportamento é decrescente com o aumento da temperatura, sendo que este efeito é mais pronunciado em micelas mais concentradas em óleo. Também realizaram-se testes com modelos baseados em contribuição de grupo para verificação da sua capacidade em predizer a viscosidade destas misturas.

Viscosidade - Densidade - Miscela


T0755



Compartilhe com seus amigos:
1   ...   50   51   52   53   54   55   56   57   ...   83


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal