Universidade estadual de campinas



Baixar 4.13 Mb.
Página7/83
Encontro29.11.2017
Tamanho4.13 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   83

Instituto de Artes

A0005

ÁLBUM MELODIAS BRASILEIRAS DE JOSÉ AMAT: UMA ANÁLISE POÉTICO MUSICAL PARA PERFORMANCE


Beatriz Benesi Emboaba Moreira (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Adriana Giarola Kayama (Orientadora), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
Este projeto está baseado em uma coleção de doze canções compostas por Dom José Zapata y Amat, publicadas no ano de 1851, e visa sua compreensão poética, musical, harmônica e histórica. Também tem como objetivo a performance da obra e sua divulgação nos meios artísticos. A primeira etapa do trabalho constituiu-se em recuperar as fotos das partituras originais, obtidas na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. Como as partituras são muito antigas, fez-se necessário tornar as imagens mais legíveis com softwares adequados para este fim. Na segunda etapa transcrevemos as partituras utilizando o software “Finale”, mantendo-as como elas se apresentam na forma original. Foi necessária uma nova consulta na Biblioteca Nacional, para solucionar questões de texto e indicações da partitura. Na terceira etapa foram feitas as análises poéticas: escansão dos versos, esquema de rima e análise semântica. Também se estudou o esquema formal das músicas, analisando tonalidades, harmonias, texturas melódicas, fórmulas de compasso, ritmos e tessituras. A última fase foi a preparação do repertório para o recital. Trabalharam-se questões técnicas e interpretativas das músicas, bem como, a forma de acompanhamento.

José Amat - Canções brasileiras - Música brasileira


A0006

UM ESTUDO ANÁLITICO-INTERPRETATIVO DAS CANÇÕES DO ÁLBUM “MAURICINAS – COLEÇÃO DE CANÇÕES E VALSAS DEDICADAS À MEMÓRIA DO Pe. e Mo. JOSÉ MAURÍCIO NUNES GARCIA”


Clayton Júnior Dias (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Adriana Giarola Kayama (Orientadora), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
O repertório para canto e piano composto no século XIX é pouco conhecido e executado, seja pela falta de informação sobre os próprios compositores da época, seja pela inexistência ou inacessibilidade de suas obras. Um desses destaques é o “Mauricinas: coleção de canções e valsas dedicadas à memória do Pe. Mo. José Maurício Nunes Garcia”, publicado em 1849 pelos editores Heaton e Rensburg. Trata-se de uma coletânea de canções e valsas compostas pelo Dr. José Maurício Nunes Garcia, em memória de seu pai, Pe. José Maurício Nunes Garcia. Neste trabalho, procurou-se investigar estas canções, seu compositor, seus poetas, suas poesias. Inicialmente as partituras foram recuperadas, através de digitação, utilizando-se o software musical “FINALE”. Em seguida, foi elaborada uma breve biografia do compositor e dos poetas que contribuíram para a referida coletânea de canções, bem como uma análise musical e poética das peças. Por fim, foi realizado um recital do próprio pesquisador, oferecendo ao público essa curiosa publicação do século XIX, que faz parte da nossa memória musical.

Canto - Música brasileira - Canção


A0007

UM ESTUDO COMPARATIVO DAS CANÇÕES “TREM DE FERRO” DOS COMPOSITORES JOÃO DE SOUZA LIMA, JOÃO NUNES E JOSÉ ANTÔNIO DE ALMEIDA PRADO


Rafael Keidi Kashima (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Adriana Giarola Kayama (Orientadora), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
O projeto visa o estudo comparativo, para fins interpretativos, de três canções brasileiras compostas por João Nunes, João de Souza Lima e José Antônio de Almeida Prado, a partir do poema Trem de ferro de Manuel Bandeira. O poema é um elemento fundamental para a canção, pois é a partir dele que o compositor se inspira para criar sua obra. O estudo de diferentes obras musicais contendo o mesmo poema é bastante enriquecedor, não apenas pelo olhar analítico (musical e poético) de uma canção, mas ainda, como coloca Vasco Mariz: “Aspectos dos mais curiosos se apresentam quando tentamos apreciar as diversas versões de um poema, musicado por personalidades por vezes díspares, dotados do preparo técnico desigual, ou orientadas por correntes estéticas que se cruzam”. Através do estudo dos aspectos poéticos (conteúdo e forma poética), biografias do poeta e compositores e aspectos musicais (harmônica, ritmo, prosódia, textura, forma, estrutura melódica e estilo de acompanhamento) obtivemos elementos que ajudaram e enriqueceram nossa prática interpretativa dessas três canções, contribuindo para a divulgação da música vocal brasileira.

Análise interpretativa - Trem de ferro - Música vocal


A0008

O GESTO NA DRAMATURGIA CORPORAL


Vinícius de Almeida Carvalho (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Alice Kiyomi Yagyu (Orientadora), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
O gesto é uma linguagem, um instrumento de comunicação que existe desde sempre no universo humano e que, no teatro, tornou-se sua ferramenta principal. Em nosso dia-a-dia, sempre vemos e realizamos gestos cotidianos, como um aperto de mãos, um acenar de adeus, ou um balanço do pé enquanto o ônibus não chega; são atitudes corporais conscientes ou inconscientes que denunciam um sentimento, uma emoção, uma idéia. Porém, no palco, esses gestos precisam ganhar um desenho preciso, uma intenção clara, um nível de energia específico, um foco, enfim, precisam ser detalhados para tornarem-se eficientes cenicamente. Assim sendo, esta pesquisa trata da investigação prática do gesto teatral na criação de uma dramaturgia corporal, sem fazer uso da palavra falada. Questões como “o que é o gesto teatral?”, “como criá-lo?”, “quando ele deixa de ser um gesto cotidiano para se tornar teatral?”, “qual sua relação com movimento e ação física?” são pontos que nortearam a pesquisa. Em um grupo de estudos, foram feitos laboratórios de criação do gesto a partir de estímulos: imagens, músicas, vídeos, jogos e improvisações com objetos e temas, o que resultou em uma cena teatral cujo tema é “a espera”. Os atores, a partir daqueles estímulos, criaram uma seqüência lógica de ações gestuais que conta a história de uma família esperando pelo pai que jamais voltará, e essa ausência acaba revelando uma desestrutura que até então estava “abafada” pela presença do pai. O fato de não se usar a palavra falada focou a Pesquisa na investigação do gesto enquanto atitude corporal pura e primeira. O estudo evidenciou uma maneira de abordar a criação desse gesto, evidenciou a importância do corpo humano como instrumento universal de comunicação e o potencial expressivo do corpo do ator.

Gesto - Dramaturgia corporal - Linguagem


A0009

UM ESTUDO DAS TÉCNICAS PARA ‘TROMPETISTA LÍDER’ DE UMA BIG BAND, VISANDO A EXECUÇÃO DE MÚSICAS BRASILEIRAS, NA OBRA DE EDGAR BATISTA DOS SANTOS: TRANSCRIÇÕES E ANÁLISES DE PERFORMANCES


Héber Olivetti (Bolsista FAPESP) e Prof. Dr. Antônio Rafael Carvalho dos Santos (Orientador), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
Este trabalho se constitui na transcrição e análise de gravações selecionadas de quatro obras brasileiras para Big Band, em que Edgar está atuando na função de Trompetista Líder, e no levantamento de informações sobre a vida e obra dele. A análise das gravações selecionadas conseguiu mostrar como Edgar utilizou sua técnica e estilo interpretativo nesse repertório através da enumeração de padrões de técnica e de interpretação fraseológica. O levantamento das informações sobre Edgar foi realizado a partir da coleta de material escrito sobre ele e também de entrevistas com ele e seus ex-alunos, onde foram verificadas suas referências musicais brasileiras e internacionais, obtendo como resultado uma Biografia, um Histórico das Big Bands que realizaram as gravações selecionadas e um Referencial Teórico sobre a técnica elaborada por Edgar.

Trompete - Música brasileira - Big Band


A0010

O PALCO CONTAMINADO - A TRANSFORMAÇÃO DE ELEMENTOS DA LINGUAGEM TELEVISIVA PELO TEATRO


Vanessa Ribeiro Medeiros Neves (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Cassiano Sydow Quilici (Orientador), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
A presente pesquisa propôs uma criação teatral a partir de matéria-prima extraída da televisão. Propôs-se a abrangência do estudo desde a fase de ensaios até as apresentações encerradas por debates com o público e conseqüentes reformulações na cena. Foi preocupação constante manter um espaço de abertura onde múltiplas potencialidades pudessem ser atualizadas (PELBART, Peter Pál. Vida Capital: Ensaios de Biopolítica. São Paulo, Iluminuras, 2003, p. 88). Durante o desenvolvimento do projeto alternaram-se duas fases bem distintas, ocupando cerca de seis meses cada. A primeira pode ser chamada de FLUXO, onde muito material cênico foi levantado. Colecionou-se elementos da linguagem televisiva através da gravação em vhs de trechos da programação. Em grupo, usando de improvisações teatrais, tal material foi recombinado e transformado (através da modificação de ritmo, intensidade, velocidade etc) buscando assim um efeito crítico de estranhamento. Obteve-se uma seqüência de cenas, a qual foi apresentada algumas vezes atingindo em grande parte o estranhamento proposto e uma avaliação bastante positiva do público. Na segunda etapa, ORGANIZAÇÃO, preocupou-se em estabelecer motivos condutores para o conjunto de cenas, que antes se encadeavam aleatoriamente. O material concreto e o subjetivo, levantados no FLUXO, mostraram-se difíceis de domar por inexperientes “encenadores”. Dessa dificuldade, felizmente, instaurou-se o espaço de abertura almejado no início, de onde surgiram novas perspectivas para a cena e para o aprendizado dos artistas envolvidos.

Criação teatral - Televisão - Recombinação


A0011

GEORGE LOVE E O CONTEXTO ARTÍSTICO EM SÃO PAULO NOS ANOS 70 E 80


Beatriz Rinaldi (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Claudia Valladão de Mattos (Orientadora), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
O projeto visa resgatar a trajetória e a produção do artista George Love (1937-1995), fotógrafo, professor e curador do Museu de Arte de São Paulo e editor de revistas de fotografia nos anos 70 e 80. Love desempenhou papel importante como formador de uma nova geração de profissionais e artistas, mas permanece desconhecido pelo público. Durante a pesquisa, o tema da paisagem – urbana e natural – revelou-se um aspecto central na obra deste norte-americano. A São Paulo, cidade para a qual se mudou nos anos 60, Love dedica um livro de fotos, São Paulo Anotações, que dialoga com seu trabalho de restauração do acervo de imagens da Eletropaulo (publicado em São Paulo Registros). Em paralelo, o fotógrafo documenta a bacia amazônica como uma forma de mostrar o “outro lado” do desenvolvimento industrial brasileiro. Love ressaltava em entrevistas a necessidade de se promover uma fotografia paisagística no país, que serviria como estímulo à preservação da natureza. A preocupação ambientalista e a documentação (autoral e profissional) da metrópole e da Amazônia fazem parte desta relação arte-cidade-natureza que discutimos em sua obra, através da análise de seus livros de fotografia (São Paulo Anotações, Alma e Luz, Amazônia e de textos teóricos sobre o tema).

George Love - Fotografia - Paisagem


A0012

A ESCULTURA EM ESPAÇO PÚBLICO NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS: SUA RESTAURAÇÃO E PRESERVAÇÃO COMO PATRIMÔNIO CULTURAL HISTÓRICO E ARTÍSTICO


Vivian Palma Braga dos Santos (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Claudia Valladão de Mattos (Orientadora), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
A pesquisa foi realizada com o objetivo colocar em pauta uma discussão sobre a importância de um acervo escultórico; incentivando seu restauro e preservação, garantindo a compreensão de nossa memória social dentro do abrangente repertório de componentes do Patrimônio Cultural. Contíguas ao levantamento de documentações referente às obras foram realizadas entrevistas qualitativas com os artistas, como melhor forma de compreendê-las, bem como sua história de criação e instalação no campus. Trata-se de um total de 15 obras, oriundas do Projeto Artes no Campus, do Programa de Artistas Residentes e ainda, obras adquiridas em regime de doação. Após um minucioso levantamento, os dados da documentação compilada foram analisados individualmente de acordo com a obra a que faziam referência. Textos informativos a respeito de cada trabalho foram realizados, somados a uma ficha técnica e precedidos de uma introdução que apresenta a proposta da pesquisa e os projetos que deram origem aos trabalhos abrangentes nesta. A dissertação final, posteriormente, foi formatada como dossiê, sendo cópias entregues à reitoria, à Galeria de Arte e ao arquivo do Instituto de Artes do campus como meio de proliferar o conhecimento à comunidade universitária.

Preservação - Catalogação - Arte pública


A0013

AMBIENTE SONORO EM JOGOS: USOS E FUNÇÕES EM UM ESTUDO DE CASO


Natália Monti (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Claudiney Rodrigues Carrasco (Orientador), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
A música, os efeitos sonoros e os diálogos, que compõem o ambiente sonoro de um jogo eletrônico, interferem significativamente no resultado final do jogo e oferecem bom potencial exploratório se tomados como parte de uma composição audiovisual interativa. Considerando que os jogos da época antiga inauguram procedimentos característicos e específicos da produção de jogos, esta pesquisa se concentra em um estudo de caso que compreende a análise dos jogos produzidos entre 1980 e 1990 para o console Master System da Sega, e mostra de que modo as informações transmitidas pelo ambiente sonoro se relacionam com as informações fornecidas pelas telas e com o conteúdo musical. Dentre os 75 jogos experimentados foram escolhidos 10 segundo critérios de qualidade, como o nível de entretenimento, funcionalidade, variedade de músicas e gênero. A partir desta nova amostra são feitas as descrições das telas/situações existentes, a captação do material sonoro e a identificação das funções da música, que podem ser resumidas em imersão, acompanhamento de ações, promoção de unidade, fornecimento de sentido para a tela e clima emocional. Os elementos musicais são extraídos das funções e usos da música segundo as telas, especificidades do jogo e limitações tecnológicas. A comparação entre as trilhas de um mesmo jogo e o ambiente sonoro de jogos diferentes entre si sugere a identificação de soluções musicais padronizadas para cada tela ou problema específico de jogo.

Jogos - Ambiente sonoro - Função da música


A0014

A MÚSICA DE JOHN WILLIAMS NAS DUAS TRILOGIAS STAR WARS: UMA ANÁLISE DO USO DE LEITMOTIV E SEUS RECURSOS NARRATIVOS


Samuel Henrique Pedrozo Ferrari (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Claudiney Rodrigues Carrasco (Orientador), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
Este projeto consiste na análise da música das duas trilogias de filmes Star Wars, composta por John Williams: Star Wars (1977) , The Empire Strikes Back(1980), The Return of the Jedi(1983), Star Wars - Episode I: The Phanton Menace(1999), Star Wars – Episode II: The Attack of The Clones (2002) e Star Wars Revenge of the Sith(2005).O objetivo principal do trabalho é o estudo de uma técnica de composição chamada Leitmotiv, que foi desenvolvida por Richard Wagner nos fins do século XIX, aplicada à música de toda a seqüência de filmes. A metodologia consiste em: assistir os filmes e separar as seqüências de maior interesse; ler a bibliografia; analisar a construção dos temas, sua orquestração e suas relações ao plano imagético; comparar a música da primeira e da segunda trilogia e, por fim, montar um CD de exemplos. Dentre os resultados obtidos estão seis tabelas que mostram as recorrências dos Leitmotivs principais em cada filme.

Trilha sonora - John Williams - Leitmotiv


A0015

RECUPERAÇÃO, PRODUÇÃO E RESTAURO DAS PARTES ELETROACÚSTICAS DAS OBRAS MISTAS DE GILBERTO MENDES


Clayton Rosa Mamedes () e Profa. Dra. Denise Hortência Lopes Garcia (Orientadora), , UNICAMP
A presente pesquisa esteve associada projeto "Faces da música eletroacústica: o grupo Música Nova e seu pioneirismo na utilização de recursos tecnológicos", da Profª. Drª. Denise Garcia, orientadora deste. Trata-se da realização das partes eletroacústicas das obras mistas do compositor santista Gilberto Mendes, compostas entre as décadas de 1960 e 1970, que utilizam-se de recursos eletrônicos como gravadores e toca-discos, associados a instrumentistas e cantores. Essas partes eletroacústicas possuem apenas um texto escrito, contendo indicações para sua realização. A complexidade envolvida na montagem desse material é certamente um fator que dificulta o trabalho dos intérpretes, razão provável pela qual os registros discográficos de algumas dessas obras são realizados sem a presença da parte de tape, ou sejam poucas as apresentações das obras nas quais sua presença é imprescindível. Contemplamos nesta pequisa as obras Cidade, Vai e Vem, Nascemorre e Santos Football Music. Nossa pesquisa envolveu, além do estudo histórico e técnico dos processos composicionais utilizados, a realização prática de montagem dessas partes de tape, através da atualização das mídias originais por uma versão faciltadora da performance, no âmbito de cada obra. O resultado final de nosso trabalho foi a produção de quatro aplicativos desenvolvidos sobre a plataforma MaxMSP, que gerenciam a performance da obra.

Música eletroacústica - Música contemporânea - História da música


A0016

ROLF GELEWSKI: REFLEXÕES E MATERIAL DIDÁTICO-PEDAGÓGICO COMO BASE PARA UMA COMPOSIÇÃO COREOGRÁFICA


Juliana Cunha Passos (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Elisabeth Bauch Zimmermann (Orientadora), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
Rolf Gelewski (1930-1988) veio para o Brasil em 1960 para lecionar na Escola de Dança da Universidade Federal da Bahia, onde permaneceu até 1975 ocupando também os cargos de Diretor da Escola e coreógrafo do Grupo de Dança Contemporânea. Desenvolveu muitas pesquisas na área de dança, produzindo textos e reflexões sobre a dança e seus elementos (corpo, espaço e tempo), e na área pedagógica estruturou o primeiro Curso de Dança de nível superior do país e criou métodos e apostilas didáticas, abordando temas como improvisação, espaço, forma, rítmica, técnica corporal, entre outros. Este trabalho de iniciação científica consistiu em uma pesquisa teórica-prática sobre Rolf e seus estudos relacionados ao espaço, à forma e às relações entre música e dança. Inicialmente foi realizado um resgate histórico de seu trabalho artístico-pedagógico, através da leitura de parte de sua bibliografia, entrevistas com alguns de seus ex-alunos, além da visita à Escola de Dança da UFBA com acesso a documentos de imprensa, programas de espetáculos e fotos da época. Num segundo momento, foram realizados laboratórios de exploração e criação de movimentos baseados no método de improvisação estruturada de Rolf e em exercícios propostos em seu material didático que resultaram em estímulos para a elaboração de uma composição coreográfica.

Rolf Gelewski - Improvisação estruturada - Composição coreográfica


A0017

DIVERTIMENTO PARA MARIMBA E ORQUESTRA DE CORDAS – RADAMÉS GNATTALI (1973) - ANÁLISE INTERPRETATIVA


Humberto Ramos Teixeira (Bolsista FAPESP) e Prof. Dr. Emerson Di Biaggi (Orientador), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
Esta obra composta por Radamés Gnattali em 1973 foi a primeira composição do gênero em nossa país, sendo dedicado ao percussionista Luiz d´Anunciação, percussionista da Orquestra Sinfônica Brasileira da cidade do Rio de Janeiro. Gnattali foi verdadeiramente um experimentador, suas obras musicais refletem influencias do jazz, que chegavam pelas ondas dos rádios ao som de big bands norte americanas, no período em que trabalhou na Rádio Nacional como arranjador. A obra composta por Radamés Gnattali traz elementos da música regional brasileira e tem caráter nacionalista. O compositor faz uso de ritmos sincopados e acentuações característica da música nordestina. A análise estilística do Concerto seguindo procedimentos sugeridos por Jan LaRue em seu livro Guidelines for Style Analysis, no qual propõe uma análise abrangente das obras por meio do estudo de sua contextualização histórica e cada um de seus elementos musicais (som, harmonia, melodia, ritmo e forma) em vários níveis de profundidade; o autor procura o entendimento das funções desses elementos na obra por meio de suas inter-relações. Isso possibilitará avaliar questões técnicas de execução da obra, extensão do instrumento usado, forma, duração aproximada, harmonia, elementos de expressão e outros.

Radamés Gnattali - Percussão - Análise interpretativa


A0018

PROCESSO CRIATIVO: COMPOSIÇÃO COREOGRÁFICA DO GRUPO DE ESTUDOS LACUNA, “O TEMPO”


Carina Nagib Gonçalves da Silva (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Eusébio Lobo da Silva (Orientador), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
A pesquisa se propõe a estudar a produção coreográfica do grupo de estudos Lacuna, dirigido pela professora Holly Cavrell, focando os principais componentes do seu processo de criação e a relação com a poética na construção cênica pela corporalidade. O estudo de composição Coreográfica, partindo das aulas de Introdução à Composição coreográfica e Composição Coreográfica I, da criação artística do Lacuna, bem como a pesquisa teórica sobre elementos que são utilizados no desenvolvimento do seu trabalho. Estes elementos foram investigados por meio da pesquisa de campo com o grupo, que engloba acompanhamento de todos os ensaios e apresentações do Lacuna e desenvolvimento do trabalho de assistente de coreografia do espetáculo Lacuna, assumido junto à figura da diretora Holly Cavrell. A investigação do material bibliográfico da pesquisa do grupo e das aulas de Composição Coreográfica do curso de Artes do Corpo do Instituto de Artes da Unicamp somado ao processo criativo particular deste grupo torna possível o confrontamento de dados e atende as questões levantadas no projeto positivamente, uma vez que um possível caminho de composição em dança teve suas etapas detalhadas e investigadas no projeto.

Processo criativo - Dança - Composição coreográfica


A0019

ESTUDO DA FUNÇÃO ESTÉTICA E EXPRESSIVA DA LUZ, NO ESPETÁCULO DE DANÇA, EM PALCOS ITALIANOS


Cláudia Regina Garcia Millás (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Eusébio Lobo da Silva (Orientador), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
A iluminação cênica é um rico instrumento plástico e expressivo que pode ser usado para transformar o trabalho de dança, complementando-o ou integrando-o. Sem a luz, os elementos da cena não poderiam ser vistos, portanto, sentidos esteticamente. Esta pesquisa buscou estudar a iluminação cênica no espetáculo de dança em palcos italianos, analisando a função estética e expressiva da luz a partir de cinco instrumentos convencionais de iluminação: Par, Fresnel, Plano-convexo, Elipsoidal e Ciclorama. A primeira etapa constou da análise da funcionalidade de cada equipamento, segundo seus desenhos (características físicas e lâmpadas) e o estudo desses desenhos em relação ao ambiente da criação em dança (expressão e visualidade), procedendo-se a revisão bibliográfica e documental e a aplicação de questionários a profissionais da área. A segunda etapa constou da preparação de ambientes simulados no programa 3Ds Max, que possibilitaram a visualização dos conceitos e funções (estética e expressiva da luz) dos cinco instrumentos. Concluiu-se que o conjunto das lâmpadas e demais características físicas de cada um dos equipamentos apresenta determinado comportamento da luz sobre superfícies diversas que resulta em grande diversidade de composição da cena.

Luz - Dança - Palco italiano


A0020

A PERIFERIA NOS CANTOS DA INTERNET


Diego da Costa (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Fernando Cury de Tacca (Orientador), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
A Periferia nos cantos da Internet é um estudo sobre inclusão digital no Brasil. Quais são as comunidades que acessam e têm acesso à rede mundial de computadores? Como a população dessas comunidades constrói a sua imagem na Internet? Ao procurar a existência de sítios com esse perfil, percebemos que há poucos portais de comunidades, de nível social mais baixo em vigor na Internet. O portal mais expressivo é o premiado Viva Favela, voltado a “contribuir com a democratização da comunicação, mostrar a favela e o que pulsa dentro dela para além das informações das mídias convencionais, valorizar os espaços populares”, e que hoje, busca expansão tecnológica e de linguagem. Seu acesso acontece também por parte de jornalistas a procura de pautas endógenas e de pesquisadores. Utilizando das diretrizes estabelecidas por Jakob Nielsen e Marie Tahir no livro Homepage: Usabilidade, 50 websites desconstruídos, adaptando-as à realidade das comunidades dos morros e periferias, propõe construir um modelo de website atualizado, contribuindo para essa democratização, para que as pessoas que vivem nessas comunidades busquem inclusão e auto-representação na rede.

Periferia - Internet - Viva Favela


A0021

PRODUÇÃO DOCUMENTÁRIA ESTATAL NO DOCTV: LEVANTAMENTO DE DADOS E FORMAÇÃO DE ACERVO


Verena Carla Pereira (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Fernão Vitor Pessoa de Almeida Ramos (Orientador), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
O Programa de Fomento à Produção e Teledifusão do Documentário Brasileiro, DOCTV desenvolve-se a partir da parceria entre a TV Pública e a produção independente. É coordenado pela Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura, pela TV Cultura/FPA e pela Associação Brasileira das Emissoras Públicas Educativas e Culturais (ABEPEC) e apoiado pela Associação Brasileira de Documentaristas (ABD) e pelas Secretarias Estaduais de Cultura. Este projeto articula-se em torno do levantamento de dados sobre o DOCTV proporcionando corpus para futuras pesquisas na área audiovisual. A pesquisa também levantou informações sobre o investimento no DOCTV, qual o valor total do financiamento e como este ocorre; como a iniciativa se dá em cada Estado; quais as emissoras envolvidas; e o impacto do programa na programação da TV aberta. Um dos objetivos da pesquisa é viabilizar a doação do conjunto dos documentários produzidos no DOCTV I, II, III e IB permitindo o acesso e o visionamento dos filmes por parte dos estudantes, professores e pesquisadores da UNICAMP. As informações foram coletadas nos sites do Ministério da Cultura, da TV Cultura e Fundação Padre Anchieta, da ABEPEC, das TVs públicas e educativas, participantes do programa e através da coordenação do DOCTV.

DOCTV - Documentário - Produção estatal


A0022

O REINADO TEMPORÁRIO DO MARACATU RURAL


Carolina Nóbrega Silva (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Grácia Maria Navarro (Orientadora), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
O Maracatu Rural e o teatro apresentam ambos a possibilidade de criar um tempo/espaço diferenciado em meio ao tempo/espaço cotidiano, através da sonoridade, de objetos trabalhados e ressignificados e do corpo e das ações bem determinadas de seus componentes, distintas das ações da vida comum: a instauração de uma realidade ficcional pela ação do coletivo torna possível a saída da duração temporal ordinária. Trata-se de uma recusa de viver unicamente o “presente histórico” contínuo e ininterrupto. Essa necessidade de ruptura, da afirmação de um poder de pausa, parte de uma busca de transcendência da experiência humana de finitude – uma fuga do nada e da morte – ao mesmo tempo em que reiteram a possibilidade de ancorar-se na realidade objetiva para apontar realidades possíveis. Através do mapeamento de pontos de encontro e afastamento entre essas duas manifestações artísticas – tanto no que diz respeito aos princípios e à encenação, quanto, mais especificamente, ao corpo do dançante e do ator – o Maracatu esclarece princípios fundadores dessa ruptura: de como se realizam as ações ficcionais da dança e da necessidade dessa “permissão de pausa” para os brincantes – trabalhadores da Zona da Mata Norte, no interior de Pernambuco.O trabalho se desenvolveu através de um estudo teórico, de laboratórios corporais e de pesquisas de campo realizadas em Pernambuco, especialmente no Maracatu Leão de Ouro da cidade de Condado.

Teatro - Festa popular - Realidade ficcional


A0023

POÉTICAS DAS REDES ARTÍSTICAS E TELEMÁTICAS: A ARTE POSTAL COMO PRECURSORA DOS EVENTOS DE TELECOMUNICAÇÕES E ARTE E AS EXPERIÊNCIAS BRASILEIRAS


Liene Nunes Saddi (Bolsista SAE/UNICAMP) e Prof. Dr. Hermes Renato Hildebrand (Orientador), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
A Arte Postal como primeiro tipo de rede artística a trabalhar com conceitos de difusão, criação compartilhada, interatividade e intercâmbio cultural. Análise das poéticas envolvidas nos postais, precursores das redes telemáticas. Registro fotográfico e digitalização de parte do acervo de Arte Postal da Galeria de Arte da Unicamp. Pesquisa por acervos na Pinacoteca Municipal do Centro Cultural São Paulo. Entrevistas com artistas que já foram relacionados a esse movimento. Criação de website com material pesquisado e reflexões acerca do tema. Relação do movimento com as vanguardas artísticas instauradas ao longo do século XX. Desenvolvimento da arte como produto de comunicação. Estética dos eventos onde se dão as trocas entre os artistas de Arte Postal. Ativismo político envolvendo as motivações da existência desse tipo de rede. Importância da criação coletiva na sociedade contemporânea, essencialmente interligada por redes e fluxos. Novas formas de subjetivação, em redes onde a possibilidade de intervenção é reflexo de uma democratização da arte, permitem que o artista se volte ao seu processo de criação mais do que ao sentido visual de sua obra, fundindo arte à técnica, política e comunicação.

Arte postal - Redes artísticas - Arte e política


A0024

PERSPECTIVAS DE MODELOS MAIS EFICIENTES DE PUBLICIDADE NA INTERNET A PARTIR DA ANÁLISE DO BANNER E DO ADWORDS NO CONTEXTO DOS PERSONAL MEDIA


Tassia Emili Mantelatto (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Hermes Renato Hildebrand (Orientador), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
O objeto de análise desta Iniciação Científica é um instrumento de comunicação e informação que estrutura-se a partir da lógica do hipertextual na Internet: os links patrocinados (no caso, o adwords). A análise do objeto travou uma metodologia que buscou na fonte de algumas teorias da comunicação, da informação, da semiótica e da semiologia referencias, principalmente em relação à lógica do hipertexto. A significação e a contextualização do objeto como parte integrante e representativa de um universo social, político, econômico, histórico é outro foco da pesquisa desta Iniciação Cientifica. Através da ótica de algumas teorias de Comuncação de Massa (tomando como uma das referências McLuhan), bem como as teorias mais recentes de transformação dos paradigmas de mídia e comunicação (Castells e Lévy) pretendeu-se organizar um breve panorama do contexto em que este tipo de publicidade se insere e quais os sentidos e significações que este objeto representa neste universo. A contextualização e a comparação com outros formatos de comunicação publicitários, tanto da Internet quanto de outros meios e veículos comunicacionais, traça um quadro comparativo para a análise do objeto da pesquisa. A análise comparativa, no caso, foi um instrumento importante de sistematização de hipóteses. A análise da tecnologia de produção dos links patrocinados está inserida nesta pesquisa para esboçar uma noção geral do sistema, que tipo de aparatos técnicos e instrumentos informacionais fazem o link patrocinado funcionar na rede. A entrevista com profissionais da área e empresas que atuam na venda e na distribuição de espaços de exposição na web a partir dos links patrocinados busca dar conta da análise da estrutura de mercado que este objeto comunicacional cria, de que maneira que é inserido no contexto mais amplo e como afeta a estratégias de divulgação e penetração de mercado das empresas que se utilizam deste formato de comunicação.

Links patrocinados - Banner - Publicidade na Internet


A0025

FOTOGRAFIA ENTRE ARTE E TÉCNICA


Alexandre Nakahara (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Iara Lis Franco Schiavinatto (Orientadora), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
Desde 1839, quando Daguerre patenteou um dos primeiros dispositivos fotográficos, a fotografia gerou na sociedade uma outra maneira de compreender o real e, inclusive, reproduzi-lo. As artes e as ciências eram os principais campos de debate e inserção do fotográfico nos oitocentos. A fotografia era capaz de produzir imagens artísticas e, supunha-se, obter o registro exato de que necessitavam os estudos científicos. É dentro desta discussão sobre a fotografia como técnica ou arte legitimada em diferentes tipos de textos como críticas de jornais, manuais e palestras dos mais diversos autores, que a minha pesquisa está situada. A metodologia baseia-se na escolha de textos que acredito possuírem aspectos variados e reflexivos sobre a função que a fotografia tinha na sociedade e a fotografia como arte ou técnica. A relevância de alguns autores também foi levada em conta, como Walt Whitman, Peter Henry Emerson e Oliver Wendell Holmes. Após escolhidos os textos, eles foram traduzidos, discutidos e comparados entre si. Desta maneira, objetivou-se obter a tradução dos textos seguidos de uma discussão sobre a fotografia entre a arte e a técnica. Pontos discutidos variam tanto em torno do processo de tradução, como este ilumina ou obscurece o trabalho, quanto dos próprios textos, diferenças e semelhanças. No final, temos os textos traduzidos acompanhados de uma nota introdutória em que serão apresentadas algumas questões que me chamaram a atenção. Procuro oferecer um conjunto abrangente e uno que contribui para o entendimento da fotografia no século XIX.

Fotografia - Século XIX - Crítica


A0026

ENTRE A ESCRITA E O AUDIOVISUAL: UMA INTRODUÇÃO À OBRA DE GUEL ARRAES


Maíra de Abreu Martinez (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Iara Lis Franco Schiavinatto (Orientadora), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
Considerado pela crítica recente em televisão, um dos carros-chefe da renovação dramatúrgica da Rede Globo, o pernambucano Guel Arraes inaugurou uma série de caminhos na produção televisiva e cinematográfica do país. Do conjunto de obras assinadas pelo diretor/roterista/produtor, pode-se recortar a elaboração de três obras em particular: O Auto da Compadecida (1999), A Invenção do Brasil (2000), e Lisbela e o Prisioneiro (2003). Neste projeto, atenta-se para estas três obras, que se moldam por uma releitura de obras literárias e uma transposição de formatos e narrativas caracterizados, grosso modo, pelo trânsito entre o literário e o audiovisual e vice-versa. O Projeto trata também do contínuo diálogo entre esta produção audiovisual e a obra do escritor paraibano Ariano Suassuna. O objetivo da pesquisa reside na análise das três obras principais de Guel Arraes e da dramaturgia de Ariano Suassuna, se preocupando com os modos pelos quais o texto literário é convertido em texto audiovisual e com as aproximações estilísticas dos dois autores, principalmente no que toca a cultura popular, o humor, a oralidade e a identidade nacional. Essa análise tem como método o fichamento de uma bibliografia abrangente e um levantamento de crítica, assim como a decupagem dos produtos cinematográficos e televisivos.

Audiovisual - Literatura - Guel Arraes


A0027

EM ÁGUAS ABUNDANTES UM ESTUDO SOBRE AS DIFERENTES ESCRITURAS DO CORPO CÊNICO A PARTIR DAS MATRIZES CORPORAIS DAS DANÇAS KAYAIA


Franciane Salgado de Paula (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Inaicyra Falcão dos Santos (Orientadora), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
O presente trabalho dispôs a estudar o corpo cênico correlacionado às danças de Kayaia – divindade da tradição religiosa africano-brasileira de nação angola associada às águas dos mares – como meio para uma criação cênica em dança que possa refletir aspectos de uma ancestralidade feminina ligada ao tempo mítico das águas profundas. A realização da pesquisa foi orientada por dois focos: 1. o campo, para observar como a dança se faz presente no espaço do terreiro de tradição africano-brasileira de origem banto e nos corpos dos mona Kayaia (filhos de Kayaia), e 2. o teórico-prático, com levantamento bibliográfico dialogando com meus pares e os laboratórios de dança, para a estruturação do corpo cênico. É o entrelaçamento das imagens e percepções do campo, que se dividiu em três ciclos: descoberta do campo, imersão e elementos estéticos, com a história corporal da artista criadora/interprete que permitem a transformação do seu fazer artístico e a construção de uma identidade individual na dança. Desta forma, as diferentes escrituras do corpo cênico foram estudadas e organizadas, pois as diferentes qualidades das danças de Kayaia se dão pelos diferentes corpos que a dançam – suas histórias de vida e corporal.

Dança - Corpo cênico - Tradição africano-brasileira


A0028

O FEMININO NO TRÁGICO


Fábio Henrique Suave do Vale (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Isa Etel Kopelman (Orientadora), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
O trágico se alimenta do universo mítico. O mito – a matéria-prima da tragédia a que se refere Aristóteles – apresenta-se residualmente em nossa imaginação. Suas poderosas imagens persistem em nosso inconsciente coletivo. Muitos desses mesmos mitos ainda se insinuam em nossos sonhos, nossos impulsos, exibindo as fontes de nossas ações. Manifestando-se em fábulas não-lineares e fragmentárias, essas formas alternativas de fabulação mítica integram nossa leitura da textualidade trágica, incorporando-se à criação do personagem trágico. Nessa perspectiva, o herói considerado nesta pesquisa, diferentemente do herói clássico antigo, é aquele que no âmbito dos valores públicos se movimenta em uma cena de “subjetividade”. A saga dos Átridas é o objeto de fabulação no qual se movem as personagens desse estudo. Electra, a personagem investigada especificamente aqui, é filha de Agamêmnon e Clitemnestra. Persuade seu irmão Orestes a vingar-se contra sua mãe, que matara Agamêmnon, com o auxílio de Egisto. Convencendo Orestes a “limpar o sangue de seu pai”, Electra e o irmão matam Egisto e Clitemnestra. Tal feito resulta na perseguição das Fúrias vingadoras de crimes consangüíneos a Orestes. Num processo de dramaturgização intertextual das versões de Ésquilo, Sófocles e Eurípedes, investigamos, na escritura cênica, a construção não-realista e ampliada da personagem, afirmando a poética trágica no espírito da cena contemporânea.

Tragédia Grega Clássica - Dramaturgia na cena - Heroína


A0029

A EXIBIÇÃO DE VIDEOCLIPES NA TV CULTURA ENTRE OS ANOS DE 1973 E 1993: A HISTÓRIA DOS PROGRAMAS TV2 POP SHOW E DE SEUS SUCESSORES RTC POP SHOW E SOM POP


Bárbara Crepaldi Jardim (Bolsista SAE/UNICAMP) e Prof. Dr. José Eduardo Ribeiro de Paiva (Orientador), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
Em 1973, no Brasil, surge o “TV2 Pop Show”, programa dedicado à exibição de videoclipes. Após alguns anos, o programa passa a se chamar “RTC Pop Show” e, em 1981, “Som Pop”. O “Som Pop” foi exibido pela TV Cultura até 1993 e seu antecessor, “TV2 Pop Show”, é considerado o pioneiro na exibição de videoclipes no Brasil. O objetivo da pesquisa é traçar a trajetória da exibição de videoclipes na TV Cultura neste período, através da descrição da história destes programas. Foi consultado o acervo do “Centro de Memória Audiovisual”, da TV Cultura, e os boletins de programação lá encontrados, bem como outros documentos, foram lidos e digitalizados. Também foram realizadas entrevistas com algumas pessoas envolvidas na produção do “TV2 Pop Show”, do “RTC Pop Show”, e também do “Som Pop”. Com estes dados, pôde-se formar a história destes três programas. Eles evoluiram durante os vinte anos de existência, passando da simples utilização do formato de rádio com imagens para uma linguagem mais televisiva. Sempre exibidos semanalmente, ajudaram a contar a história de videoclipes da música pop para os telespectadores brasileiros ao longo dos anos.

TV Cultura - Programa de videoclipe - Som Pop


A0030

A HISTORIOGRAFIA DO SOM NO CINEMA BRASILEIRO: AS TECNOLOGIAS APLICADAS E A EVOLUÇÃO DO SOM NA CONSTRUÇÃO DE SENTIDO NA LINGUÀGEM CINEMATOGRÁFICA


Rodrigo Silva Machado (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. José Eduardo Ribeiro de Paiva (Orientador), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
O cinema, herdeiro direto da fotografia, era tido como uma arte estritamente visual. Com a introdução do som na narrativa cinematográfica essa máxima foi quebrada e a partir de um processo de adaptação o cinema incorporou o som a sua linguagem. Neste trabalho, a partir dos dados coletados na literatura disponível, nas entrevistas realizadas, na análise de uma filmografia específica e na aplicação de um questionário criado a partir da bibliografia estudada, foi possível demonstrar como a introdução do som no cinema e o avanço das tecnologias aplicadas influenciaram na construção da estrutura narrativa cinematográfica do cinema brasileiro (que dispunha de recursos muito mais modestos e não possuía uma organização industrial consolidada, a não ser em momentos específicos como no caso da "Vera Cruz") comparando com os processos ocorridos nos EUA, além da criação de um método de análise crítica da linguagem sonora no cinema em geral. A partir deste trabalho foi possível concluir que o cinema brasileiro ainda esta aquém do cinema norte americano no que diz respeito à utilização do som.

Cinema - Som no cinema - Cinema nacional


A0031

OS RITMOS E SEUS ORIXÁS


Matheus Alvisi de Oliveira (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. José Roberto Zan (Orientador), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
Esta pesquisa tem como propósito compreender, através de uma abordagem etnomusicológica, possíveis relações que ritmos executados no candomblé mantém com os deuses dessa religião, chamados de orixás. Através do acompanhamento de cerimônias públicas, estudos bibliográficos, entrevistas com o “povo-de-santo”, transcrições e de análises de quatro ritmos do rito queto, coletados ao longo da pesquisa na Comunidade da Tradição do Culto Afro Ilesin Ogun LaKayie Osinmole, situado na cidade de Campinas, estamos chegando à conclusão de que embora os toques não comuniquem objetivamente características dos orixás, possuem sutilezas que se relacionam aos arquétipos dessas divindades. De uma maneira mais ampla, também estão sendo investigados o papel exercido pelos sons nas cerimônias públicas e na inserção dos terreiros no espaço urbano.

Música - Etnomusicologia - Candomblé


A0032

DANÇA E MEMÓRIA NO PROCESSO DE CRIAÇÃO


Natália Augusto Silva (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Julia Ziviani Vitiello (Orientadora), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
A pesquisa aborda a relação entre dança e memória no processo de criação. Procuramos entender como a memória se estabelece no corpo, suas contribuições e interferências no mecanismo de criar e interpretar a dança. Inicialmente fizemos um estudo teórico, levantando uma bibliografia sobre o tema. Na segunda etapa partimos para o estudo prático, realizando laboratórios de improvisação. Nestes laboratórios, identificamos uma forma de resgatar as memórias no corpo e transformá-las em movimento: trazer estímulos através dos sentidos. Delimitamos o livro A Menina e o Pássaro Encantado de Ruben Alves como suporte, por ser uma parte importante das memórias da infância. Utilizamos os recursos videográficos e do “diário de notas” para registrar o processo de criação. Espera-se como resultado deste entrelaçamento, da pesquisa corporal e bibliográfica- a criação cênica de um solo e uma reflexão escrita dos processos desenvolvidos. Concluímos que ambos, teoria e prática, estão interligados e inseparáveis e apontam para o fato que o processo de recordar pode ajudar e contribuir para o processo de criação, sendo uma ferramenta para acessar imagens, sensações e sentimentos armazenados na memória corporal. Pois cada indivíduo traz consigo imagens singulares e autênticas, e ao buscar essas imagens repletas de significados, surge uma dança que pode chegar e tocar quem a vê em suas próprias inquietações e recordações: um dos objetivos importantes desta troca entre o artista e o público.

Dança - Memória - Criação


A0033

DA CARTOGRAFIA ANÍMICA À CONSTRUÇÃO DO ESPAÇO PELA COR


Natália Fernandes Brescancíni (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Lygia Arcuri Eluf (Orientadora), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
O estudo consistiu no uso e discussão das linguagens gráfica e pictórica, concentrando-se na construção do espaço pela cor. Inicialmente as linguagens foram abordadas individualmente, interagindo apenas na medida em que assimilaram questões propostas uma pela outra. Em seu desenvolvimento, a pesquisa leva a uma nova abordagem: desenho e pintura construindo a mesma imagem. As linguagens passam a ser pensadas de maneira mais abstrata e não apenas em sua manifestação concreta, no uso de seus elementos para a construção da imagem. a-) Partir das imagens para discutir as questões de linguagem. Discutir os princípios das linguagens, seus elementos constitutivos e a estruturação da imagem em relação ao meio em que se constrói, à sua concepção e à intenção da construção. b-) Cerca de 100 desenhos e 50 pinturas, sua análise e proposta de uma nova abordagem conceitual. c-) Os princípios das linguagens não são os únicos a reger a construção da imagem e não são necessariamente pensados apenas visualmente. Pode-se servir das linguagens como meios, mantendo-se dentro dos limites destas ou diluindo-os, quando a intenção é clara e a estruturação da imagem consistente.

Cor - Linguagem pictórica e gráfica - Construção do espaço


A0034

COMENTÁRIO CRÍTICO SOBRE A PRODUÇÃO DE ARTE BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA APRESENTADA PELA FUNDAÇÃO NACIONAL DE ARTE DO RIO DE JANEIRO (FUNARTE/RJ) NAS DÉCADAS DE 70 E 80


André Guilles Troysi de Campos Andriani (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Marco Antônio Alves do Valle (Orientador), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
Esta pesquisa executou o levantamento do programa de exposições de artes plásticas ocorridas nas galerias Macunaíma, Sérgio Milliet e Rodrigo Mello Franco de Andrade, espaços da FUNARTE/RJ na cidade do Rio de Janeiro durante os anos 70 e 80. O levantamento da programação destas galerias possibilitou constatar preferências de determinados grupos artísticos na política do Instituto Nacional de Artes Plásticas (INAP). Nestas galerias foi escrita a história da arte contemporânea brasileira, pois ocorreram importantes mostras de artistas hoje consagrados: Antonio Manuel, Cildo Meirelles, Iole de Freitas,Tunga, José Resende, Marco do Valle, Jack Leiner, entre outros. Para a efetivação desta pesquisa, consultei os arquivos do Cedoc (Centro de Documentação da Funarte) na cidade do Rio de Janeiro, levantando documentos e recortes de periódicos. Esta pesquisa revelou que a atuação da Funarte gerava disputas e descontentamentos em diversos setores do universo artístico principalmente na Associação dos Artistas Plásticos Profissionais (ABBAP) onde artistas cariocas e paulistas lutaram a partir de 79 por uma nova atuação da FUNARTE, no sentido de democratizá-la, o que se conseguiu a partir de 1981.

FUNARTE - Políticas culturais - Artes Plásticas


A0035

PROPOSTA DE ENSINO DE IMPROVISAÇÃO NA GUITARRA


Emiliano Cardoso Sampaio (Bolsista SAE/UNICAMP), Prof. Dr. Antônio Rafael Carvalho dos Santos (Co-orientador) e Prof. Dr. Marcos Siqueira Cavalcante (Orientador), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
O objetivo deste trabalho é mostrar um dos caminhos para o estudo da improvisação na guitarra em música popular, organizando o material numa ordem cronológica para o aprendizado e mostrando os processos de estudo da improvisação na guitarra do mais fácil para o mais complicado. Para fazer uma pesquisa mais aprofundada, todo o trabalho foi baseado nas escalas pentatônicas, por serem um material musical mais simples e muito utilizado em diversos estilos musicais internacionais como o blues, country, rock, jazz e na música brasileira. Uma consulta bibliográfica sobre o assunto resultou numa compilação que mostra o estudo da improvisação utilizando essas escalas e também diversas abordagens estilísticas para esse material musical. Além do estudo da bibliografia, foram feitas várias transcrições musicais de artistas consagrados da música popular internacional como BB King, Stevie Ray Vaughan e Jimmy Page, entre outros, para exemplificar cada trecho da pesquisa. Como resultado desta pesquisa, obtivemos além de um trabalho sobre as escalas pentatônicas, um caminho para assimilar novos materiais musicais para a improvisação.

Guitarra - Improvisação - Escalas pentatônicas


A0036

EGAS FRANCISCO - CATALOGAÇÃO DA OBRA PICTÓRICA DO ARTISTA PLÁSTICO EGAS FRANCISCO, EM PARTICULAR AS PINTURAS A ÓLEO SOBRE TELA


Fernando Passos dos Santos (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Maria de Fátima Morethy Couto (Orientadora), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
Este trabalho de iniciação científica refere-se à catalogação de parte da obra do artista Egas Francisco, mais especificamente às pinturas a óleo sobre tela, presentes em seu acervo particular, em sua casa-ateliê, em Campinas. As obras encontram-se em condições inadequadas e correm o risco de extraviar-se, por isso existe a preocupação de iniciar a catalogação da obra do artista, visto sua importância para o cenário artístico de Campinas. A catalogação resultante permitirá uma importante visão geral da obra de Egas Francisco. Sobre cada uma das obras, estão sendo efetuados os procedimentos de catalogação, como a medição da largura e da altura das telas, o registro da data e do local em que esta foi realizada, então é feito um registro da imagem digital e também foi criado um banco de dados, que está em fase de levantamento das informações, que são: título, data, local, medidas, técnica e procedência. Estão sendo documentadas importantes obras, e o banco de dados conta com mais de duzentas inserções, com dados completos de catalogação. Chegamos a um método eficiente de catalogação, que está sendo empregado com sucesso na obra de Egas Francisco, o que promoverá um melhor acesso a futuros estudos sobre a obra de um artista muito importante para Campinas.

Catalogação - Egas Francisco - Pintura


A0037

A PINTURA DE PAISAGENS DA “ESCOLA FRANCESA” DO FINAL DO SÉCULO XIX E INÍCIO DO SÉCULO XX A PARTIR DA ANÁLISE DE OBRAS DO ACERVO DO MASP


Luana Damasceno Valeriano (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Maria de Fátima Morethy Couto (Orientadora), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
Esta pesquisa trata da análise de 16 obras de diferentes pintores realizadas entre 1860 e 1942 e dedicadas ao tema da paisagem. Estas obras são um recorte de uma coleção de mais de 20 pinturas de paisagem da “Escola Francesa”, pertencentes ao acervo do MASP, do final do século XIX e início do XX. O recorte foi estabelecido a fim de se possibilitar a discussão da importância da pintura de paisagem para o rompimento das convenções vigentes no século XIX e sua constituição como tema de grande valor, até o início do século XX, com destaque, nesse processo, para o movimento impressionista. Alguns dos pintores selecionados para a pesquisa pertenceram a este movimento, como Renoir e Monet, e outros foram conhecidamente influenciados pelos princípios impressionistas como Cézanne, Van Gogh, Martin e Marquet. Corot aparece como antecessor e importante nome para esses pintores. Matisse, Martin, Friesz e Vlaminck são renomados pintores que alavancaram suas carreiras após a experiência fauve, onde a paisagem também teve papel importante. Nossa proposta foi a de realizar uma análise elaborada das obras escolhidas, buscando estabelecer paralelos entre elas. Mesmo sendo de épocas diferentes, essas pinturas ainda mantêm um diálogo entre si, não só pelo tema como também pela técnica, algumas pelo uso expressivo da cor, outras pelo tipo de pinceladas ou mesmo pela composição da tela.

Pintura de paisagem - Arte francesa do Século XIX - MASP


A0038

PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARTÍSTICO: MAPEAMENTO DOS BENS MÓVEIS TOMBADOS PERTENCENTES AO PERÍODO DO BARROCO BRASILEIRO


Viviane Bosso Pancheri (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Maria José de Azevedo Marcondes (Orientadora), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
O Mapeamento dos bens móveis do período do Barroco Brasileiro teve como objetivo estudar e ampliar o conhecimento na área de mapeamento do patrimônio nacional móvel, identificando seus atuais locais de permanência, seus originais locais de produção hegemônica, sua documentação e importância, fazendo uma breve análise das condições sobre o estado físico que se encontram e quais são os artistas envolvidos com estas produções. Para o desenvolvimento da pesquisa foi realizado um recorte no tempo, focalizando o século XVIII. De acordo com o Arquivo Noronha Santos do IPHAN, Minas Gerais (Ouro Preto, Sabará e Mariana), Bahia e Rio de Janeiro são hoje os três estados com mais tombamentos de bens móveis e integrados deste período. O Livro do Tombo com o maior número dessas inscrições é o Livro das Belas Artes. Neste livro encontramos diversos nomes de artistas, como: Antônio Francisco Lisboa, Bernardo Pires da Silva, Jerônimo Feliz Teixeira, Manoel Ferreira de Matos, Manuel da Costa Athaíde, Manuel Antônio da Fonseca, Manuel Francisco Lisboa, Manuel Ribeiro Rosa, Manuel Rodrigues Coelho, Manoel Victor de Jesus, Romão dias Pereira Cardoso, Salvador de Oliveira, Silvestre, Mestre Valentim e frei Ricardo do Pilar, José Joaquim da Rocha, José Teófilo de Jesus e Frei Agostinho da Piedade, entre outros.

Barroco - Bens móveis - Patrimônio nacional


A0039

INTRODUÇÃO A ANÁLISE CINEMATOGRÁFICA


Patrícia Paula de Castilho (Bolsista PIBIC/CNPq) e Prof. Dr. Mauricius Martins Farina (Orientador), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
O projeto analisa a fotografia do filme “O Baile” de Ettore Scola, a fim de estudar as técnicas, composições de luz e efeitos produzidos no espectador. Através da leitura de livros, artigos, decupagem do filme e uma conversa, por correio eletrônico, com o diretor de fotografia: Ricardo Aronovich. Nessa conversa foi possível dar início ao desenvolvimento de um estudo o qual pode resultar em um artigo. As conclusões variam pela análise de cada cena e apresentam certo sucesso ao serem confirmadas pelo diretor de fotografia do filme.

Cinema - Fotografia - Arte


A0040

ARTE AMBIENTAL BRASILEIRA NOS ANOS 1960 E 1970


Carla Zarotti Guideroli (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Regina Helena Pereira Johas (Orientadora), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
A pesquisa consiste no mapeamento das obras de arte brasileiras de caráter ambiental, concebidas e realizadas fora dos espaços dos museus e das galerias entre os anos 1960 e 70. O ponto de partida para tal estudo é dado através crise de conceitos que a arte sofreu ao longo dos anos 60; e na descrição e principais características movimento artístico norte-americano denominado Land Art da mesma época, fio-condutor para a pesquisa das obras brasileiras. Os objetivos da pesquisa consistem: 1 - No mapeamento e levantamento das obras ambientais produzidas no Brasil realizadas fora dos espaços dos museus e das galerias; 2 – No apontamento das principais características e questões contidas no movimento Land Art norte-americana; 3 – Na contextualização do levantamento das obras brasileiras e norte-americanas, destacando as similaridades e diferenças contidas entre as mesmas.A pesquisa obteve resultados ao levantar as intervenções urbanas realizadas no Brasil no referido período, muitas delas pouco ou nada citadas em bibliografias, o que demandou uma pesquisa em catálogos de exposições da época; e ao descrever a Land Art norte-americana, que não possui nenhuma publicação específica traduzida. Além disso, o estudo contribuiu para minha produção artística pessoal, já que meu trabalho dialoga com o assunto pesquisado.

Arte ambiental brasileira - Land Art - Arte contemporânea


A0041

ANÁLISE CRÍTICA DE ASPECTOS ORGÂNICOS DA DRAMATURGIA DE ATOR: ESQUETES E ESPETÁCULOS CÔMICOS


Carolina Martins Delduque (Bolsista FAPESP) e Prof. Dr. Renato Ferracini (Orientador), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
Integrando o Projeto Jovem Pesquisador (FAPESP) sobre Dramaturgia de Ator este núcleo de pesquisa conta com quatro frentes de análises distintas, sendo elas: de entrevistas, esquetes e espetáculos cômicos, espetáculos históricos e espetáculos do LUME. No estudo deste material propõe-se refletir e analisar, em um plano prático-conceitual, alguns aspectos orgânicos do processo nomeado "dramaturgia de ator". Para o procedimento de análise de espetáculos, na primeira etapa do trabalho a equipe elaborou um método de análises gráficas que possibilita uma forma de visualização do desenvolvimento das ações que compõem cada espetáculo. A construção dos gráficos se baseia em conceitos estudados e redimensionados neste projeto, como: ação física, ritmo espacial, punctum, repetição e virtualidade. No trabalho com esquetes e espetáculos cômicos foram selecionados dois esquetes do Festival de Charles Ravel (O Violino, do palhaço Grock e A Bicicicleta, de Joe Jackson Jr), além de dois espetáculos clownescos do LUME (Cravo, Lírio e Rosa e La Scarpetta). A partir da construção de gráficos, foram elaboradas análises críticas destes esquetes e espetáculos buscando verificar e refletir sobre alguns aspectos orgânicos da dramaturgia de ator pautados nos conceitos descritos neste trabalho.

Dramaturgia - Organicidade - Ator


A0042

BUSCA DE ELEMENTOS ORGÂNICOS EM DRAMATURGIA DE ATOR OBSERVADOS NOS ESPETÁCULOS DO LUME TEATRO


Luciano Mendes de Jesus (Bolsista FAPESP) e Prof. Dr. Renato Ferracini (Orientador), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
A pesquisa se baseou na investigação de princípios criativos utilizados pelos atores na construção dos espetáculos “O que seria de nós sem as coisas que não existem”, “Shi-Zen – 7 Cuias”, “Café com Queijo” e “Sopro”, todos do Lume Teatro. O objetivo do estudo era averigüar os procedimentos que um artista cênico pode se utilizar na criação de um estado orgânico de representação visando a tecedura de uma dramaturgia de um corpo-em-arte, paralela àquela que é gerada pela encenação e pelo texto. Foram utilizados como pontos de apoio na investigação a tese de doutoramento do ator Renato Ferracini, do Lume Teatro, onde novos conceitos como punctuns, zona de turbulência e corpo-subjétil são expostos, sendo posteriormente por esta presente pesquisa aprofundados em seu entendimento e aplicação prática. As análises dos espetáculos foram realizadas a partir da criação de gráficos que buscaram demonstrar as curvas variativas da das ações físicas, sonoridades e ritmos espaciais presentes nas obras. Esses procedimentos resultaram em um sistema de análise que além de ter o ator e seu corpo como foco da criação passou a considerar sua relação com o espetáculo e seus componentes técnicos (luz, música, cenário), concluindo que um sistema de interações dramatúrgicas existe e que a busca da organicidade deve objetivar a projeção do corpo ficcional em direção ao espectador.

Organicidade - Dramaturgia - Ator


A0043

ANÁLISE CRÍTICA DE ASPECTOS ORGÂNICOS DA DRAMATURGIA DE ATOR: ENTREVISTAS


Suellen de Souza Leal (Bolsista FAPESP) e Prof. Dr. Renato Ferracini (Orientador), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
Pertencente ao Projeto Jovem Pesquisador (FAPESP) sobre Dramaturgia de Ator este núcleo de pesquisa conta com quatro frentes de análise distintas, sendo elas: de entrevistas, de esquetes e espetáculos cômicos, de espetáculos históricos e espetáculos do LUME. No estudo deste material propõe-se refletir e analisar, em um plano prático-conceitual, alguns aspectos orgânicos do processo nomeado “dramaturgia de ator”. Para as análises de entrevistas foram selecionados em uma primeira etapa vídeos do acervo do LUME, seguidos da realização de entrevistas específicas para este projeto com a finalidade de investigar, na visão de profissionais que pensam e fazem teatro, como se desenvolvem os conceitos apresentados e analisados nesta pesquisa, como: ação física, ritmo espacial, punctum, repetição e virtualidade.

Dramaturgia de ator - Organicidade - Entrevistas


A0044

A CORPOREIDADE NA NARRAÇÃO II


Gisele Alves Nunes (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Sara Pereira Lopes (Orientadora), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
Este é um estudo sobre o processo de construção poética de uma cena, propondo a continuação da investigação sobre o universo da cultura popular relacionado à narração iniciado em agosto de 2005 através do projeto de pesquisa intitulado “A Corporeidade na Narração”, que resultou na construção de uma personagem narradora tipicamente popular. Os princípios e procedimentos sistematizados na primeira pesquisa foram organizados sob a ótica de Paul Zumthor no que diz respeito às estratégias utilizadas pelos narradores na cultura popular da Idade Média; num primeiro momento no nível do discurso estudando estâncias de permanência como o canto a rima, o refrão. Em seguida algumas das fórmulas encontradas neste campo discursivo (fórmulas de chegada, de introdução e apresentação de personagens e situações, de arremate dos acontecimentos) foram transportadas para o campo da representação. Constatou-se que matrizes gestuais encontradas nas danças brasileiras podem vir a compor o argumento da narrativa exercendo funções semelhantes às das fórmulas supracitadas (uma vez que existe, no universo da danças, uma infinidade de elementos semelhantes aos que compõem o universo da literatura oral no Brasil) de forma a enriquecer a utilização do espaço na representação. Portanto, esta pesquisa amplia os estudos sobre a figura do performer que desempenha o papel de narrador, atentando para sua capacidade de se apropriar de formas poéticas preexistentes em outras linguagens.

Narração oral - Ação poética - Representação teatral


A0045

O POEMA NO TRABALHO DE CRIAÇÃO VOCAL/CÊNICA DO ATOR


Liana Ferraz Diniz (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Sara Pereira Lopes (Orientadora), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
A obra escrita possui um forte caráter de acabamento, de fechamento. No entanto, tal fechamento não impede a criação cênica a partir de um texto literário. Em sua nova condição teatral, ocorre a inclusão de uma “vagabundagem ativa, uma errância erótica, o texto ocupa, então, o limite entre o oficial e o inoficial” (Amalio Pinheiro - colóquio Paul Zumthor). Neste trabalho de iniciação científica, investiguei teoricamente as relações entre poema e trabalho vocal do ator e a possibilidade de uma transcriação cênica partindo desta relação. Ao ler os pedagogos teatrais e suas buscas por um suporte para a representação, percebi uma constante necessidade de fugir de métodos mecânicos, arbitrários e generalistas. Mesmo que com diferentes formas de entender o teatro, tais teóricos possuem como referência comum a questão do artista “estar no mundo”. Estes teóricos e os poetas têm em comum uma tensão em explicar o surgimento da cena e do poema, respectivamente. Ambos concordam que a técnica é algo fundamental, mas não basta. A técnica tem função de treinamento e não de resultado artístico por si só. Em arte, há sempre uma parte que é de doação, de entrega do artista. No trabalho vocal do ator, é comum perceber a busca por um método, uma técnica infalível do “bem falar”. No entanto, qualquer vogal pronunciada deve trazer, além da técnica, ou apesar dela, uma vibração ligada à profundidade do ser, ligada diretamente ao seu corpo. Não é possível acessar tal profundidade sem a utilização de imagens. Tais imagens podem ser fruto tanto da própria memória quanto emprestadas de outras vistas e almas, inclusive as dos poetas.

Vocalidade - Poema - Criação cênica


A0046

PRODUÇÃO SONORA VOCAL EM CONSTRUÇÃO POÉTICA


Natasha de Almeida Souza Goulart Machado (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Sara Pereira Lopes (Orientadora), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
Visando a produção de um texto cuja maior pretensão é a de tentar construir uma estrutura de pensamento que sustente uma prática, esta pesquisa inicialmente debruçou-se sobre uma definição de conceitos e sobre o conhecimento de princípios, para então eleger procedimentos práticos e apontá-los como sugestões. Da busca por um embasamento teórico estudou-se grandes teatrólogos que apresentam um pensamento consistente sobre produção vocal em construção poética. A pesquisa também contemplou estudiosos de outras áreas de conhecimento, na interdisciplinaridade necessária para estabelecimento da dialética desejada. O trabalho prático foi desenvolvido com Fernando Aleixo e Fátima Barros, além dos colegas com quem apliquei aquecimentos vocais de grupo. Conclui-se que o ator deve se dispor a um processo constante, pessoal, de elaboração e reelaboração de um repertório técnico individual que lhe aponte chaves criativas e que estabeleça condições corporais favoráveis para a manifestação plena da voz, que, compreendida como construção, responde mais propriamente à sua função na representação, à medida que se desprende dos significados abstratos contidos na palavra para se ligar à concretude da materialidade sonora.

Produção vocal - Construção poética - Representação teatral


A0047

A PALAVRA NO TRABALHO DO ATOR: FUNÇÕES HISTÓRICAS E SISTEMATIZAÇÕES PEDAGÓGICAS ACERCA DE SEU USO


Wallyson Piedade Rodrigues (Bolsista SAE/UNICAMP) e Profa. Dra. Sara Pereira Lopes (Orientadora), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
Pretendeu-se investigar a palavra. A pesquisa se dividiu em duas etapas: a primeira, em que se levantou um breve panorama histórico sobre as funções que a ela teve ao longo da história do teatro, e a segunda, em que foram estudados os conceitos que os pedagogos teatrais do século XX ofereceram a respeito de seu uso. Teve desenvolvimento teórico. A primeira preocupação foi a de entender as especificidades da voz, para que depois pudesse compreender melhor a palavra. Para tal, foi estudada parte da obra do poeta e teórico Paul Zumthor. Em seguida foi iniciada leitura sobre a história do teatro, a fim de que então fosse possível alcançar a bibliografia dos grandes encenadores do século XX. Pretendi aprofundar-me no estudo da palavra para obter embasamento sobre sua funções. Queria entender como seu uso adequado pode ajudar na verossimilhança de uma representação. Ao final deste período de pesquisa consegui ampliar meu repertório técnico-poético com a formatação de um corpo teórico, que contempla tanto a palavra psicologizada de Stanislavski quanto a palavra material pura desejada por Artaud. Uma fatia histórica contraditória, o século XX fez surgir singulares propostas pedagógicas referente ao manuseio deste elemento teatral. O grande aprendizado foi o de reconhecer o valor e a contribuição deles para a arte do ator.

Palavra - Panorama - Pedagogos teatrais


A0048

INTERATIVIDADE EM OBRAS MUSICAIS PROPICIADA POR AMBIENTE COMPUTACIONAL


Adriano Claro Monteiro (Bolsista FAPESP) e Prof. Dr. Silvio Ferraz Mello Filho (Orientador), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
O presente estudo objetiva o entendimento, contextuliazação e aplicação dos conhecimentos obtidos em duas obras do compositor Karlheinz Essl, quais são definidas como instalações interativas, arquitetadas em ambiente MAX/MSP. Para tanto, a pesquisa se presta a compreensão do software MAX/MSP - tipo de ambiente de programação voltado principalmente à produção musical; o estudo das obras: “Lexicon-Sonate” e “Amazing Maze”, tanto no que as define em nível de programação computacional, quanto sua contextualização às idéias musicais vigentes, conseqüências e correspondências na esfera ideológica. Se têm como objetivos, uma compreensão apurada de tal conceito de obra musical e a feitura de algumas com concepção similar, refletindo as conclusões obtidas. Até o momento, temos como resultado um estudo conceitual a respeito de interatividade, o estudo pormenorizado do software MAX/MSP, assim como, de um conjunto de “objetos” desenvolvidos por Essl que caracterizam rotinas usuais em suas obras – RTC-library – tendo como produto a realização de um manual para tais. Como produtos finais e em andamento objetivamos a descrição pormenoriza da das obras de Essl, assim como a produção de algumas. Espera-se um acréscimo na paleta do aluno, assim como sua colocação crítica sobre tais recursos.

Música - Interatividade - Computacional


A0049

TIGOR STRAVINSKY E SUA ESCRITA COMPOSICIONAL NO INÍCIO DO SÉCULO XX: ESTUDO DE SUA OBRA LES NOCES, ABORDANDO DIFERENTES TÉCNICAS DE ANÁLISE


Anderson Fabiano de Oliveira (Bolsista FAPESP) e Prof. Dr. Silvio Ferraz Mello Filho (Orientador), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
O objetivo do projeto é o estudo das duas versões da peça Les Noces do compositor Igor travinsky, visando com isto não só a compreensão da escrita rítmica e harmônica do compositor, mas também instrumental. A escrita para piano, o plano orquestral e a escrita para vozes estão fortemente presentes nesta obra, já que a primeira versão foi escrita para voz e orquestra de 1914 a 1917 e logo em seguida sua versão original para quatro pianos, voz e percussão em 1923. Esta obra é significativa por ser a última peça baseada no período folclórico Russo do compositor Igor Stravinsky. Para tanto, iremos usar diversas ferramentas analíticas. O resultado a ser alcançado é o domínio sobre as ferramentas de análise musical, que também poderão ser utilizados como base para criação musical própria, bem como estabelecer um contato mais profundo com a obra do compositor Igor Stravinsky . O estudo visa também uma pesquisa de adequação de ferramentas de análise frente as obra escolhida.

Stravinsky - Composição - Análise


A0050

A COMPOSIÇÃO COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA: ESTUDO DE CASO “TECA OFICINA DE MÚSICA”


Rossely Spejo Ferreira (Bolsista SAE/UNICAMP) e Prof. Dr. Silvio Ferraz Mello Filho (Orientador), Instituto de Artes - IA, UNICAMP
A idéia para o desenvolvimento desse projeto nasceu na carência de atividades práticas propostas existentes que utilizassem a composição como ferramenta pedagógica, para trabalhar com ensino musical na escola. Um dos objetivos é fazer um levantamento de atividades práticas plásticas e musicais, para a construção de um pequeno banco de dados, e o outro o estudo da questão da composição como estratégia pedagógica. Essas atividades buscam através da prática conjunta, o desenvolvimento da criatividade, da improvisação, da percepção e da psicomotricidade. Além disso, é também objetivo desse projeto reunir material melódico e rítmico para trabalhar paralelamente com a criação, gerando assim um repertório rico e dinâmico. Para alcançar os objetivos e tentar sanar a carência existente em relação a esse repertório (apesar de existir vasto material teórico, não há material prático que explore a criação e que se adapte ao contexto escolar do século XXI), foi adotada uma metodologia que consiste em alguns processos básicos como: levantamento de uma bibliografia indicada, imersão e leitura do mundo educacional, compreensão do processo educativo e por fim, estudo de caso “Oficina da Teca”. Além de alcançar os objetivos propostos, espera-se também uma pequena reflexão sobre alguns conceitos como: composição e música na escola. Concluiu-se que a composição como ferramenta pedagógica ainda é pouco utilizada e que existem muitas limitações em relação as partituras feitas pelas crianças, ou seja, a passos lentos, a composição vem desenvolvendo papel bastante importante na educação musical.

Música - Educação - Composição






Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   83


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal