Universidade estadual de campinas



Baixar 4.13 Mb.
Página9/83
Encontro29.11.2017
Tamanho4.13 Mb.
1   ...   5   6   7   8   9   10   11   12   ...   83

ESTUDO DA ANGIOGÊNESE EM CARCINOMA ADENÓIDE CÍSTICO (CAC) DE GLÂNDULA SALIVAR


João Felipe Leite Bonfitto (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Albina Messias de Almeida Milani Altemani (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
O CAC está entre as neoplasias malignas mais comuns da glândula salivar e apresenta um particular tropismo para invasão vascular e recidiva. Objetivo: avaliar a angiogênese intratumoral, comparando-a com aquela do tecido normal e correlacionando-a com parâmetros morfológicos do tumor. Material e Métodos: em 20 CAC a angiogênese foi avaliada através da microdensidade vascular (MVD), pelo anticorpo CD34 (marcador panendotelial) e CD105 (marcador de neoangiogênese). Resultados: em todos os casos o número de vasos CD 105+ era menor do aquele do CD 34, tanto no interior do tumor como no tecido normal. Comparando a MDV intratumoral com a do tecido normal, em 30,7% dos casos a MDV deste era igual ou maior que a intratumoral. Nos CAC padrão sólido (pobres em células mioepiteliais) a MDV intratumoral pelo CD 105 foi acentuadamente maior do que aquela encontrada nos tumores com arranjo tubular-cribriforme (rico em células mioepiteliais). Conclusão: O CAC estimula baixa neoformação vascular, sendo que as formas sólidas são as mais vascularizadas, o que, possivelmente, está relacionado à concentração de inibidores de angiogênese, que são normalmente produzidos pelas células mioepiteliais.

Carcinoma - Glândula salivar - Angiogênese


B0056

PERFIL DE GESTANTES ADOLESCENTES SUS-DEPENDENTES DA REGIÃO SUDOESTE DE CAMPINAS


Joyce de Brito Pupo (Bolsista PIBIC/CNPq), Celene Aparecida Ferrari Audi (Co-orientadora) e Profa. Dra. Ana Maria Segall Corrêa (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Este trabalho faz parte do estudo de coorte Violência Doméstica na Gravidez. Foram utilizados dados colhidos em entrevistas com 325 gestantes adolescentes atendidas nas Unidades Básicas de Saúde da região Sudoeste de Campinas, com o objetivo de traçar seu perfil. Após elaboração do banco de dados, procedeu-se a análise exploratória das variáveis referentes a: condições sócio-demográficas, história reprodutiva materna, perfil do pai da criança e contato prévio com violência pela gestante. A média de idade encontrada foi de 17,36 anos e da primeira relação sexual de 15 anos. O pai da criança também era adolescente em 27% (87) dos casos. Declararam serem negras ou pardas 41% (136). Apenas 24,3% (79) estavam estudando, sendo que 45,8% (149) tinham ensino fundamental, e 10,5% (34) trabalhando. Eram das classes econômicas D ou E 46,2% (150). União conjugal estável foi referida por 63,4% (206) e 50,2% (163) disseram ser católicas. Consideraram ser a responsável pela família 5,5% (18). Eram tabagistas 15,1% (49) das jovens. Iniciaram o pré-natal com até 12 semanas de gestação 80% (260) e 13,2% (43) queriam a gravidez. Foi constatada precocidade do início da vida sexual entre as entrevistadas, com 36,6% (119) tendo 14 anos ou menos nessa ocasião. A repetição de gravidez ocorreu em 19,7% (64) delas. Antes dos 15 anos, foi presenciada agressão física na família por 29,2% (95) das adolescentes, 13,8% (45) sofreram a agressão e 6, 2% (20) violência sexual.

Gravidez - Adolescente - Idade da primeira relação sexual


B0057

ESTUDO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE ANEMIA FERROPRIVA DURANTE A GESTAÇÃO E EM LACTENTES AO NASCIMENTO


Maria Deneb Tavares Machado (Bolsista PIBIC/CNPq) e Profa. Dra. Ana Maria Segall Corrêa (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
Segundo estudos, a etiologia de anemia que mais acomete os lactentes é a ferropriva. Um dos principais fatores que contribui para o declínio dos níveis de hemoglobina no primeiro ano de vida é a baixa reserva de ferro fetal, devido à anemia materna durante a gestação. O objetivo deste projeto é verificar a relação entre a anemia durante a gestação e os níveis de ferro sérico dos bebês ao nascimento. Esta pesquisa faz uma análise secundária, através do programa de computação EPI-INFO, versão 6.01, dos dados obtidos no projeto de doutorado intitulado “Anemia ferropriva em lactentes menores de 12 meses de idade e sua relação com: anemia materna na gestação, cuidados no campleamento do cordão umbilical e aleitamento materno, de Fabíola Silveira. O projeto desenvolveu-se no Hospital Estadual de Sumaré, onde foram selecionadas 933 crianças e suas respectivas mães. Realizaram-se exames de Hemograma e de Ferritina dos bebês e das mães, no momento do parto, entrevistas com as mesmas e coleta de dados antropométricos, bioquímicos e de intercorrências do cartão de pré-natal. Resultados preliminares revelaram que a prevalência da anemia ferropriva entre as mães no momento do parto foi de 21,3%, considerando hemoglobina menor ou igual a 11g/dl, sendo que 17,3% tiveram este diagnóstico no pré-natal. A avaliação final dos dados está em fase de preparação.

Anemia ferropriva - Anemia na gestação - Saúde materno-infantil


B0058

ESTUDO DO PADRÃO DE IMAGEM POR RM ESTRUTURAL NAS DOENÇAS INFECCIOSAS DO SNC NA AIDS: TOXOPLASMOSE, TUBERCULOSE E CRIPTOCOCOSE


Maurício de Angelo Andrade (Bolsista PIBIC/CNPq), Prof. Dr. Luciano de Souza Queiroz (Co-orientador) e Profa. Dra. Andréia Vasconcellos Faria (Orientadora), Faculdade de Ciências Médicas - FCM, UNICAMP
A incidência de doenças infecciosas no Sistema Nervoso Central (SNC) aumentou consideravelmente depois da AIDS e a Ressonância Magnética (RM) tem sido fundamental para definição do tamanho, topografia da lesão e suas relações com estruturas vizinhas. Objetivos e Metodologia: Definir possíveis padrões diagnósticos em imagens de RM das infecções do SNC mais freqüentes na AIDS, correlacionando-as com achados anátomo-patológicos da literatura. Foram analisados exames de 41 pacientes HIV+ com confirmação clínica ou laboratorial de infecção do SNC: toxoplasmose (22), tuberculose (10) e criptococose (9). Os achados foram classificados em 3 grupos: granulomas (G), meningite (M) ou outras lesões (H), incluindo pseudo-tumores, empiemas ou espaços de Virchow-Robin (EVR) dilatados. Resultados: Alguns pacientes apresentaram mais de um tipo de lesão: Toxoplasmose (16G), (4M), (4H); Tuberculose (3G), (8M), (1H); Criptococose (4G), (5M), (6H). Na toxoplasmose, os granulomas se apresentaram distribuídos pelo parênquima, principalmente na região subcortical e núcleos da base. Na tuberculose, o acometimento meníngeo preponderou na base. Na criptococose, EVR dilatados predominaram nos núcleos da base. Conclusão: Embora inespecíficas, as imagens de RM de lesões inflamatórias apresentam padrões sugestivos do agente etiológico mais provável, auxiliando o clínico para a escolha do tratamento inicial e o patologista em seu diagnóstico.

Radiologia - Neuropatologia - HIV/AIDS


B0059



Compartilhe com seus amigos:
1   ...   5   6   7   8   9   10   11   12   ...   83


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal