Universidade federal de mato grosso ufmt



Baixar 497.69 Kb.
Página6/9
Encontro24.12.2017
Tamanho497.69 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9

INSETO: SEU DOMÍNIO ETNOZOOLÓGICO PELOS MORADORES E ESTUDANTES DE SINOP, MT.

FONSECA, Michele Engel; FERNANDES, Hocelayne Paulino; BARRETO, Marliton Rocha

Instituição/Curso: Universidade Federal de Mato Grosso/Licenciatura Plena em Ciências Naturais e Matemática

APRESENTADOR: FONSECA, Michele Engel

Área: Educação 


O termo biodiversidade expressa à variedade de formas vivas atuais e extintas ao longo da evolução da vida na Terra e, também, as variações encontradas dentro de uma espécie determinada. A sua importância se dá em função das crescentes descobertas das possibilidades de uso da biodiversidade a favor dos interesses dos seres humanos, como também pelo acentuado grau de ameaças que se encontram as espécies e ecossistemas tropicais em todo o mundo, os principais detentores da biodiversidade. Devido à importância do tema, nos últimos anos alguns estudos têm analisado, no Brasil, os conhecimentos de estudantes de ensino fundamental e médio relativos à biodiversidade e à história natural das espécies. Dados revelam que o grau de conhecimento em relação à biodiversidade brasileira é baixo e que a percepção dos alunos é ainda influenciada por aspectos muitas vezes subjetivos e errôneos. No Brasil, apesar das orientações dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) apontarem para um ensino mais contextualizado, transversal e interdisciplinar, as temáticas botânica e zoologia são tradicionalmente ensinadas de modo fragmentado no ensino fundamental, particularmente na 6ª série (atual 7ª série). Os PCN destacam que os estudantes devem perceber, apreciar e valorizar a diversidade natural a fim de que adotem posturas de respeito aos diferentes aspectos e formas do patrimônio natural. Contudo, outros estudos já verificaram o reduzido tratamento da biodiversidade brasileira nos livros didáticos, e o conseqüente reduzido interesse e conhecimento dos estudantes nessa temática. Na região norte do Estado de Mato Grosso existe uma carência de estudos etnoentomológicos. Portanto, a presente proposta visa minimizar esta lacuna, trazendo relevantes informações sobre a percepção dos sinopenses quanto aos insetos da região. Este trabalho objetiva identificar e interpretar a percepção entomológica de alunos, professores e moradores no município de Sinop, MT. Trezentos questionários foram respondidos por alunos e professores dos ensinos fundamental, médio e Superior, visando verificar qual a percepção dada aos insetos e outros invertebrados de importância na saúde pública. Como resultado, 77% dos entrevistados informaram corretamente um exemplo de um inseto e 50% responderam não apresentar medo ou repulsa ao ver um inseto. 69% atribuíram aos insetos à característica de perigoso e 87% responderam que os insetos são importantes para o meio ambiente. Embora sem atribuírem uma causa aparente, 65% das mulheres entrevistadas afirmaram utilizar algum acessório contendo foto/figura de algum inseto.
Palavras Chaves: Insetos, Etnoentomologia, Sinop, Educação Ambiental
EDUCANDO PARA O MEIO AMBIENTE

FILHO, Nilton Nunes dos Santos; TIBOLA, Evandro Mauro; ANGELIN, Thuany Bittencourt; AZEVEDO, Fabio Ferreira; MIRANDA, Dirceu Lucio Carneiro; FERRARI, Ronaldo Augusto Dreher; LUCIANO, Anne Seidel ; CASTELO, Patrícia Aparecida Rigatto.

INSTITUIÇÃO/CURSO: Universidade Federal de Mato Grosso/Curso de Engenharia Florestal

APRESENTADOR: FILHO , Nilton Nunes dos Santos

ÁREA: Educação

Como já se sabe a EJA (Educação de Jovens e Adultos) ainda é considerada uma nova modalidade de ensino com parâmetros e diretrizes conhecidas. No entanto, a educação ambiental, assim como nas demais modalidades de ensino, ainda é incipiente. Dessa forma, o objetivo do projeto “reeducando para o meio ambiente” visa aproximar o conhecimento da comunidade científica para a realidade do público EJA, conscientizando o educando da importância da conservação do meio ambiente, proporcionando assim melhorias na qualidade de vida para a comunidade. Para tal objetivo, o projeto contará com a realização de palestras, debates e apresentações teatrais junto às escolas municipais e estaduais de ensino em EJA. Os temas trabalhados são referentes à educação ambiental, onde as ações são executadas por alunos de graduação do curso de engenharia florestal da UFMT, campus de Sinop. Dessa maneira, acredita-se desenvolver valores, conhecimentos e habilidades que ajudem o educando a compreender criticamente a realidade em que vivem e nela inserir-se de forma mais consciente e participativa. As ações realizadas no projeto visam desenvolver no educando a consciência da verdadeira importância do meio ambiente. Estão sendo abordados os seguintes temas: Importância da água, Poluição, Queimadas, Zoneamento agroecológico, Amazônia, Importância da Mata ciliar, Enchentes e Aquecimento Global. Observa-se como resultados parciais, o envolvimento e participação critica do público alvo (alunos do EJA), o que demonstra que o projeto proposto, permite suprir carências de certos conceitos e conhecimentos básicos, além de permitir a vivência, troca de informações e experiência entre os graduandos do curso de Engenharia Florestal e os alunos do EJA. O que permite maior diálogo entre posturas teóricas sobre o meio ambiente e sua adequação ao dia a dia do cidadão, consolidando seu aprendizado. Já o público alvo mantém contato com a comunidade científica, norteando suas ações como cidadão consciente e integrando assim uma sociedade mais critica e participativa.

PALAVRAS CHAVE: (Educação Ambiental, Engenharia Florestal, EJA, Educação )

Órgão financiador ou de apoio (se houver): PROCEV / CODEX



PROJETO OLIMPÍADAS DE MATEMÁTICA DA UNEMAT

BEZERRA, Rafael L.; FRANÇA, Paulo V. C.; DIAS, Chiara Maria S. L.; GONÇALVES, Rogério dos Reis.

INSTITUIÇÃO/CURSO: UNEMAT – Campus de Sinop, Licenciatura Plena em Matemática.

APRESENTADOR: BEZERRA, Rafael Lemes;

ÁREA: Educação

Uma das principais preocupações para os educadores é a existência de alunos de ensino fundamental e médio com desempenhos incompatíveis com o seu nível de escolaridade. Em especial, preocupamo-nos com esta problemática no ensino de Matemática. Por outro lado, sabemos que não podemos somente nos preocupar com os alunos que têm dificuldades de aprendizagem, mas sim, dedicar-nos aos alunos da rede pública ou particular com alto desempenho em Matemática, pois para estes alunos a Matemática se apresenta muito prazerosa e faz-se pertinente sugerir propostas para que suas potencialidades não fiquem limitadas aos conteúdos escolares. Diante destas realidades escolares, o Projeto Olimpíadas de Matemática da UNEMAT de Sinop teve início em 2005 com o objetivo de estimular o estudo da matemática para alunos de ensino fundamental e médio, incluindo a Educação para Jovens e Adultos, bem como identificar talentos latentes nessa área do conhecimento. Além disso, durante sua realização – divididas em três fases - tende a incentivar o aperfeiçoamento de professores, o que contribui com sua valorização profissional. No ano de 2010 o projeto já contou com a participação de aproximadamente 8.000 alunos, divididos em 13 escolas, que por sua vez se subdividem em municipais, estaduais e particulares. É freqüente relatos, por parte dos professores e diretores, de alunos que a partir da participação nas Olimpíadas tiveram considerável aprendizado, descobrindo assim seu potencial de raciocínio lógico-criativo. Na verdade, o projeto contribuiu para incentivá-los a evidenciar e desenvolver esse raciocínio. Este projeto também possibilita a aproximação dos acadêmicos do curso de Matemática ao ambiente escolar por meio das monitorias proporcionadas aos alunos que participam das provas das Olimpíadas. Tal vivência no ambiente escolar unida às teorias subjacentes estudadas na graduação tendem a estreitar os laços da teoria e prática, o que contribui no amadurecimento do acadêmico (bolsista ou voluntário) em relação a sua formação profissional. Por fim, acreditamos que o projeto oportuniza um espaço para a ação, observação e experimentação do ensino de matemática em nosso município.



Palavras-chave: olimpíadas de matemática, ensino de matemática, extensão universitária.

Órgão de apoio: FAPEMAT – Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Mato Grosso
II SEMINÁRIOS DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA

LIMA, Rafaeli Valério; ALVES JUNIOR, Valmir B.; CAVALHEIRO, Larissa; BARRETO, Marliton R.

INSTITUIÇÃO/CURSO: UFMT/CUS

Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais (ICAA) – Curso de Engenharia Florestal

Instituto de Ciências Naturais, Humanas e Sociais (ICNHS)

APRESENTADOR: LIMA, Rafaeli Valério

ÁREA: Educação


A Universidade desempenha um papel de conservatório vivo do patrimônio da humanidade, patrimônio esse renovado pelo uso que dele fazem professores, pesquisadores e alunos. Devido ao seu caráter multidisciplinar, permite a cada um ultrapassar os limites do seu meio cultural inicial. Neste sentido, o projeto de extensão “Seminários de Divulgação Científica” objetivou difundir a produção científica dos docentes da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Campus Universitário de Sinop, bem como de outras Instituições, trazendo à tona assuntos relevantes tanto da realidade local, como do cenário mundial. A segunda edição do projeto “Seminários de Divulgação Científica” foi realizada no período de março a novembro de 2009, com atividades quinzenais, com duração média de uma hora e trinta minutos, atendendo a um público de, aproximadamente, 200 inscritos, dentre alunos de todos os cursos de graduação existentes neste Campus universitário, alem de funcionários e docentes da UFMT e outras Instituições de ensino superior e de Ensino Médio localizados no município de Sinop. Dentre os resultados obtidos, está a concretização de um dos principais objetivos institucionais da UFMT, que é ampliar e consolidar a articulação com a sociedade e com os estudantes além de contribuir para o desenvolvimento regional. Professores de diferentes formações, Físico, Médico Veterinário, Biólogo, Enfermeiro, Engenheiro Agrônomo, Engenheiro Florestal, Zootecnista, Químico, Farmacêutico, Pedagoga, dentre outros, contribuíram para o sucesso do segundo Ciclo de “Seminários de Divulgação Científica” no ano letivo de 2009, perfazendo um total de 16 palestras. Nestas, foram abordados temas relacionados à evolução, doenças sexualmente transmissíveis, transgênicos, aplicações da matemática na genética, etc.

PALAVRAS CHAVE: Divulgação científica, interdisciplinalidade, seminários

Órgão financiador ou de apoio: PROCEV/ CODEX



MATO GROSSO PAISAGEM NATURAL E OCUPAÇÃO SOCIOECONOMICO: UMA CONTEXTUALIZAÇÃO FRENTE AO MUNDO GLOBALIZADO

SILVA, Luis Florentino.

INSTITUIÇÃO/CURSO: Minter UNEMAT/UNISINOS PPG Ciências Sociais APRESENTADOR:

APRESENTADOR: SILVA, Luis Florentino.

ÁREA: Educação.


Resumo: O mundo encontra-se cada vez mais integrado, sendo este o resultado dos avanços nas telecomunicações o que cada vez mais aproxima os povos, entre os mais distantes rincões. Com o acesso a uma vasta gama de informações, a escola dispõe de ferramentas, capaz de contribuir para a formação de cidadãos, apto a compreender que a sua ação é fundamental, para a preservação do meio ambiente, da cultura local e de uma economia sustentável e solidária. Tendo cada vez mais um papel preponderante na manutenção e resgate desses valores, pois além dos conteúdos formais que compõem as bases curriculares, a escola também destaca o conhecimento que o aluno traz ao chegar à mesma. Uma vez que for trabalhado essas noções básicas estará assim propiciando que seja ampliada a capacidade do educando elucidar no seu imaginário as diferentes conexões que há entre as ralações sociais, nos mais diferentes segmentos, sejam eles abstratos ou concretos criando assim os mecanismos essenciais para a formação de um indivíduo capaz de atuar em seu meio de forma a contribuir para o fortalecimento de uma sociedade mais justa e fraterna. Porém para que esses conceitos não ocorram por acaso, como meras informações, é essencial que o educador aprofunde esses princípios partindo da realidade local, inserindo-os no cotidiano do aluno como princípio do ensino, PCNs (1997). Com base nesses conceitos é interessante destacar que a população matogrossense é formada por uma adversidade de pessoas que vieram de outras regiões do Brasil e o Estado tem o seu meio natural composto por uma diversidade biótica. Sendo assim é necessário que se pense em um modelo de desenvolvimento socioeconômico que possibilite os avanços sociais, utilizando tecnologia de ponta com preservação ambiental, uma vez que a biosfera é uma adversidade de elementos interligados sendo que da harmonia destes depende a sobrevivência da espécie humana. Nessa lógica o trabalho desenvolvido com os docentes dos cinco primeiro anos de escolarização da Escola Estadual José Bejo e da Escola Municipal Rui Barbosa no município de Gloria D’Oeste, se pautou no método fenomenológico, por apresentar a melhor viabilidade para está pesquisa.

Partindo desse pressuposto ao desenvolver o trabalho como os educadores(as) se pautou em destacar a importância de se buscar dar ênfase nos planejamentos de práticas pedagógicas que possam fortalecer a sensibilização do individuo, levando-o a reconhecer que a partir de suas atitudes, é possível a consolidação de uma sociedade mais justa, tanto no que se refere às questões socioeconômicas, como ambientais.

Palavras chave: informações– educando – população – preservação.


OS PROFESSORES E A PROBLEMÁTICA DOS GÊNEROS DISCURSIVOS

SOUZA, Manoel Silva e



INSTITUIÇÃO/CURSO: Universidade Federal de Mato Grosso/Especialização em Lingüística e o Ensino da Língua Portuguesa

APRESENTADOR: SOUZA, Manoel Silva e

ÁREA: Linguagem/ Educação

Essa proposta de trabalho tem por objetivo discutir a relação dos professores de língua portuguesa no que se refere ao trabalho com os gêneros discursivos e o ensino da língua na escola. A mesma proposta faz parte de um projeto de pesquisa em andamento, sobre gêneros do discurso, na perspectiva do debate oral regrado. Para a presente discussão, toma-se como referência uma pesquisa realizada com professores de língua portuguesa na Escola Municipal de 1º e 2º Graus Prof. Ranulpho Paes de Barros, localizada em Cuiabá-MT. Tal investigação buscou compreender qual a concepção dos professores de língua portuguesa em relação aos gêneros discursivos no ensino da língua portuguesa para o Ensino Fundamental e Médio. A investigação realizada na escola questionou a forma como os professores de língua portuguesa do Ensino Fundamental e Médio abordam a diversidade dos gêneros discursivos em sala de aula. O presente trabalho busca num primeiro momento, fazer uma breve discussão sobre os gêneros discursivos na perspectiva bakhtiniana, onde o próprio Bakhtin é o precursor da teoria gêneros discursivos, por entender que, não se pode confundir gêneros textuais/literários com gêneros discursivos. Em seguida, abordar-se sobre os gêneros discursivos no ensino da língua portuguesa, no intuito de compreender como os gêneros discursivos são trabalhados na escola, tanto na perspectiva tradicional como em consonância com a proposta dos Parâmetros Curriculares Nacionais e as Orientações Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental e Médio. Num terceiro momento, analisa-se a forma como os professores de língua portuguesa do Ensino Fundamental e Médio da Escola pesquisada, na intenção de compreender como os diversos gêneros do discurso que são produzidos nas diversas esferas sociais. Diante da diversidade de gêneros do discurso que se pode trabalhar nas aulas de língua portuguesa, optou-se por analisar apenas a forma como os professores abordam a noção de gêneros em suas aulas, indagando se tais educadores atuam ou não na perspectiva do debate oral regrado.

PALAVRAS CHAVE: gêneros discursivos – língua – Ensino Fundamental e Médio.



PROJETO CORAL INFANTO JUVENIL

MANCINI, Anna Maria Penalva; BARACHO, Lucas Sousa; AQUINO,Mayara Leite de; MACIEL, Nayara Freitas; FONSCECA, Maggie Elaine Lima

INSTITUIÇÃO/CURSO: Universidade Federal de Mato Grosso/Curso de Enfermagem

APRESENTADOR: AQUINO, Mayara Leite de

ÁREA: Educação e Saúde

O Coral Infanto Juvenil “Professora Sonia Rezende” é um Projeto incluso no Programa Biblioteca Oficina de Leitura – PBOL - do Curso de Letras do Campus Universitário do Araguaia que tem andamento há 14 anos e tem como objetivo o trabalho de educação em saúde através da musica em crianças e jovens na faixa etária de 6-12 anos, de escolas da rede pública de Barra do Garças, Mato Grosso. Nessa perspectiva, esse projeto busca sensibilizar crianças e jovens para arte, leitura e interpretação de musicas, bem como promoção de saúde e prevenção de agravos, a interação social entre crianças/crianças, bolsistas/crianças e demais pessoas envolvidas no projeto. No ano de 2009, foi desenvolvida com estudantes da Escola Estadual “Irma Diva Pimentel” e contou com a participação de 30 alunos. Os encontros são realizados duas vezes por semana em horários diferentes das aulas dos coralistas, neles, alem dos ensaios, são abordados com as crianças de forma simples, assuntos como, higiene pessoal, alimentação, parasitoses, etc. No decorrer do ano foram feitas várias apresentações em eventos da Universidade, bem como nas festividades da escola, tais como: Mostra de Extensão, Abertura da Semana de Letras, Festa das Mães, Festas Natalinas entre outros. Observa-se que essa atividade propicia aos bolsistas envolvidos no Projeto, conhecimentos na área de linguagem, interpretação musical, bem como aprendizagem nos relacionamentos interpessoais com o publico alvo. Nesse sentido, compreende-se que esse Projeto pode agrupar bolsistas de todos os cursos do Campus Universitário do Araguaia, já que a competência em lidar com crianças e jovens é imprescindível a todos os estudantes que estão em formação.

Palavras Chave: Educação em saúde, Interação e Música

Órgão financiador/apoio: UFMT/ ADUFMAT
III SEMINÁRIOS DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA

BALDISSERA, Michael; CAVALHEIRO, Larissa; ARRUDA, Rafael

INSTITUIÇÃO/CURSO: UFMT/CUS

Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais (ICAA) – Curso de Agronomia

Instituto de Ciências Naturais, Humanas e Sociais (ICNHS)

Núcleo de Estudos da Biodiversidade da Amazônia Meridional (NEBAM)



APRESENTADOR: BALDISSERA, Michael

ÁREA: Educação

A Universidade desempenha um papel de conservatório vivo do patrimônio da humanidade, patrimônio esse renovado pelo uso que dele fazem professores, pesquisadores e alunos. Devido ao seu caráter multidisciplinar, esta permite a cada um ultrapassar os limites do seu meio cultural inicial. Neste sentido, o projeto de extensão "Seminários de Divulgação Científica" objetiva difundir a produção científica dos docentes da Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Universitário de Sinop (UFMT - CUS), bem como de outras instituições, trazendo à tona assuntos relevantes tanto da realidade local, como do cenário mundial. O projeto de extensão “Seminários de Divulgação Científica” vem sendo realizado desde 2006 com periodicidade quinzenal, com duração média de uma hora e trinta minutos, atendendo a um público constituído de alunos de todos os cursos de graduação existentes neste campus universitário: Agronomia, Enfermagem, Engenharia Agrícola e Ambiental, Engenharia Florestal, Farmácia, Licenciatura em Ciências Naturais e Matemática (com habilitação em Física, Química e Matemática), Medicina Veterinária e Zootecnia; além de funcionários e docentes da UFMT, bem como de outras Instituições de Ensino Superior e de Ensino Médio localizados no município de Sinop e adjacências. Dentre os resultados obtidos, está a concretização de um dos principais objetivos institucionais da UFMT, que é ampliar e consolidar a articulação com a sociedade e com os estudantes além de contribuir para o desenvolvimento regional e proporcionar a difusão do conhecimento para o público em geral. O ciclo de seminários é uma proposta de ação de extensão contínua, esperando ser desenvolvida em longo prazo na Instituição.

ALAVRAS CHAVE: Divulgação científica, interdisciplinaridade, seminários

Órgão financiador ou de apoio:

GEPI: GRUPO DE ESTUDOS EM EPIDEMIOLOGIA – UFMT/CAMPUS SINOP

GALHARDO, Juliana Arena; DREHER, Andrea; SILVA, David José Ferreira; COSTA, Felipe; MOTA, Gustavo Augusto Ferreira; SILVA, Jeana Pereira; COSTA, Kátia Possani; BUREMA, Mayara da Cruz; KAVASAKI, Mayara Lima; BRANDÃO, Samira Diviê Gomes; SOUZA, Sérgio Luiz Borges; ORTIZ, Tainah Juliê; RAMOS, Pâmila Nayana Ferreira; SOUZA, Fernando Luiz; SANTOS, José Henrique Hardt; SILVA, Liana

INSTITUIÇÃO/CURSO: Universidade Federal de Mato Grosso/Pró-reitoria CUS/ ICS/ Medicina Veterinária

APRESENTADOR: SILVA, David José Ferreira

ÁREA: Educação

Epidemiologia é uma ciência que visa à compreensão do processo saúde-doença no âmbito de populações e fundamenta-se no raciocínio causal e desenvolvimento de estratégias e ações voltadas à proteção e promoção da saúde humana e animal. O GEPI - Grupo de Estudos em Epidemiologia - foi criado em atenção aos acadêmicos da disciplina de Epidemiologia que manifestaram a necessidade de aprofundamento nos estudos em epidemiologia. Atualmente acadêmicos de Medicina Veterinária e Enfermagem e servidores técnico-administrativos participam diretamente do GEPI, através de reuniões quinzenais, utilizando os conceitos e aplicações da epidemiologia de forma diferenciada às aulas convencionais. Como metodologia de estudo, já foram abordados temas como “Urbanização da Malária” e “Stomoxys calcitrans: epidemiologia em plantações de cana e prejuízos à pecuária”, sempre utilizando a interpretação de artigos e textos técnicos, casos clínicos, legislação vigente e conceitos epidemiológicos, desenvolvendo o pensamento crítico. Além dos encontros quinzenais, para consolidar os estudos e a comunicação foi criado um grupo de relacionamento via internet em plataforma aberta para inscrição de qualquer interessado (http://groups.google.com.br/group/gepisinop), que facilita a inter-relação entre os participantes, promove maior discussão dos temas e contribui com a troca de arquivos e informações na área de epidemiologia. Uma das propostas de aplicação prática do Grupo, em fase de elaboração, é a construção do diagrama de controle para malária no município de Sinop, através do qual serão estabelecidas as freqüências esperadas da doença a cada mês do ano, sendo possível a determinação da magnitude da epidemia atual da doença no município e a detecção de epidemias futuras. Os dados para construção do diagrama serão obtidos através do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde / Sistema de Informação de Agravos de Notificação (DATASUS / Sinan) e da Secretaria Municipal de Saúde – Prefeitura Municipal de Sinop, e serão divulgados oportunamente como resultado do primeiro GEPI-Sinop.

PALAVRAS CHAVE: Epidemiologia, aprendizagem, pensamento crítico.

MicroEnsina: Treinamento Especializado em Diagnóstico Microbiológico Veterinário

GALHARDO, Juliana Arena; BARROS, Alexandre Có Mangoni; ZANATA, Carina; CARLI, Carla Betânia; DRESCH, Danieli; SILVA, Édija Pereira; RONDON, Eliezel Junio Fonseca; SILVA, Everton Cesar Santana; COSTA, Felipe; SANTOS, José Henrique Hardt; LOPES, Larissa Márcia Jonasson; GUAZINA, Marcelo Rosa; CAVALCANTE, Mayda Karine Mendes; OSSUNA, Mirella Fernandes; ORTIZ, Tainah Juliê; ANJOS, Taís Ramalho; SOUZA, Thainá Tavares; GODÓES, Thássia Caroline de Almeida; RAMOS, Pâmila Nayana Ferreira; SOUZA, Fernando Luiz

INSTITUIÇÃO/CURSO: Universidade Federal de Mato Grosso/Pró-reitoria CUS/ ICS/ Medicina Veterinária

APRESENTADOR: SANTOS, José Henrique Hardt

ÁREA: Educação


Considerando a lacuna de laboratórios especializados em diagnóstico veterinário em Mato Grosso e que o curso de Veterinária da UFMT - Campus Sinop está estrategicamente localizado no centro do Estado, a demanda pela atividade de treinamento de acadêmicos, médicos veterinários autônomos e comunidade interna da UFMT foi criada, em primeira instância, pela impossibilidade da realização de estágio voluntário extra-curricular intrainstitucional, dada a legislação vigente de estágios, além da inexistência de atividades de capacitação em microbiologia veterinária na região. Desta forma, com a implantação da primeira edição do MicroEnsina, realizada durante o período letivo 2010/01 no Laboratório de Microbiologia Veterinária, os 16 acadêmicos e dois servidores técnico-administrativos participantes tiveram a possibilidade de conhecer e vivenciar a rotina laboratorial, experiência não contemplada durante o curso regular de graduação. Nesta edição, os participantes tiveram também a oportunidade de aprendizagem e aprofundamento sobre a organização e disposição do ambiente laboratorial, noções de biossegurança, boas práticas laboratoriais, os principais métodos de coleta de material biológico e técnicas básicas e avançadas de diagnóstico microbiológico utilizadas em medicina veterinária. Durante o período, vivenciaram todas as atividades desenvolvidas no Laboratório, como preparação de aulas práticas e materiais de projetos de pesquisa e extensão, inclusive prestação de serviços à comunidade, realizados naquele momento. Como resultados do MicroEnsina, a capacitação dos participantes no exercício do diagnóstico microbiológico e na formação do pensamento e senso crítico permitiram que diversos acadêmicos continuassem a atuar no Laboratório durante o semestre letivo 2010/02, formando equipes de trabalho para desenvolvimento de projetos de pesquisa e extensão sem ônus à instituição. Estas equipes, além de escrever e executar os projetos, têm colaborado com o ensino de práticas em microbiologia à nova equipe de participantes do projeto MicroEnsina: 2010/02, que se encontra em andamento nos mesmos moldes do primeiro MicroEnsina, sendo composta por 12 participantes.

PALAVRAS CHAVE: Microbiologia, aprendizagem, pensamento crítico.




Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal