Universidade federal de minas gerais



Baixar 61.44 Kb.
Encontro22.06.2018
Tamanho61.44 Kb.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS


DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA E IMUNOLOGIA

PROJETO DE PESQUISA:



ESTUDO INTEGRADO DOS COMPONENTES DO VENENO DE ARANHAS DO GÊNERO LYCOSA


-MAIO, 2000-
Tópicos de Pesquisa:

Caracterização das espécies coletadas; Biblioteca genômica de um veneno selecionado de uma das espécies; Rastreamento de atividades biológicas em canais iônicos; Atividade inseticida; Atividade tóxica para camundongos; Purificação de componentes ativos; Estudo do modo de ação dos componentes ativos; Pesquisa de atividade proteolítica do veneno.
Equipe:

- Prof. Dr. Carlos Ribeiro Diniz.(Prof. Emérito UFMG; Centro de Pesquisa e Desenvolvimento, Fundação Ezequiel Dias, Belo Horizonte – MG).

- Prof. Dr. Carlos Salas Bravo (Depto.Bioquímica e Imunologia, ICB – UFMG);

- Profa. Dra. Glória Regina Franco (Depto.Bioquímica e Imunologia, ICB – UFMG);

- Prof. Dr. Jader dos Santos Cruz (Depto.Bioquímica e Imunologia, ICB – UFMG); - Prof. Dr. Marcelo Matos Santoro (Depto.Bioquímica e Imunologia, ICB– UFMG);

- Prof. Dr. Marcelo Porto Bemquerer (Depto.Bioquímica e Imunologia, ICB– UFMG);

- Profa. Dra. Maria Elena de Lima Perez Garcia (Depto.Bioquímica e Imunologia, ICB – UFMG);

- Prof. Mário de Maria (Depto. de Zoologia, ICB- UFMG)

- Prof. Dr. Paulo Sérgio Lacerda Beirão (Depto.Bioquímica e Imunologia, ICB– UFMG);

INTRODUÇÃO




Propriedades bioquímicas e farmacológicas de toxinas de aranha

As toxinas constituem uma classe bastante diversa de biomoléculas, que têm sido muito investigadas devido à importância biológica em defesa e predação. Entre as toxinas de natureza peptídica ou protéica, muitas atuam sobre canais iônicos (Darbon et al., 1999; Oliveira, 1997; Possani et al., 1999), outras podem atuar como enzimas proteolíticas (Hati et al., 1999) ou como antibióticos (Andreu, 1998; Batista et al., 1999; Yan & Adams, 1998). Outras toxinas continuam sendo investigadas, pois o mecanismo de ação ainda não foi esclarecido (Walker et al., 1999). As toxinas que atuam sobre canais iônicos são bastante interessantes, uma vez que muitas delas apresentam seletividade elevada para tipos e sub-tipos de canais. Oliveira et al. (Oliveira, 1997; Walker et al., 1999) têm investigado toxinas do veneno de moluscos do gênero Conus e já encontraram uma diversidade de peptídeos com ação farmacológica altamente seletiva. Toxinas de outros organismos, como escorpiões, aranhas e anfíbios (Andreu, 1998; Darbon et al., 1999) também podem atuar sobre canais iônicos e têm despertado grande interesse de grupos de pesquisa.

De acordo com Grishin (1999), mais de 40.000 espécies de aranhas são conhecidas, das quais apenas um pequeno número foi investigado quanto à composição e às propriedades dos venenos. Os mesmos são constituídos de uma grande variedade de toxinas protéicas e peptídicas (Schulz, 1997), muitas das quais possuem pontes dissulfeto múltiplas, de 3 a 7 (Grishin, 1999; Sabatier, 1999).

O gênero Lycosa é representado por aranhas popularmente conhecidas como aranhas-lobo ou aranhas de jardim, que tem hábitos predatórios. Os componentes do veneno de aranhas do gênero Lycosa continuam pouco estudados. O veneno da Lycosa erythrognatha foi primeiramente estudado por Diniz (1963) que mostrou que o mesmo tem baixa toxicidade, contém histamina, serotonina e polipeptídeos capazes de contrair o íleo de cobaia. Cruz et al. (1994) mostraram pela primeira vez que o veneno da Lycosa erythrognatha contém uma fração neurotóxica com efeito semelhante ao das toxinas alfa de escorpião, isto é o de inibir a inativação dos canais de sódio dependentes de voltagem. Segundo Lucas (1988) a picada por esta aranha causa dor local transitória e não necessita de medicação. O aparecimento de edema e de eritrema são descritos. Os casos relatados no Instituto Butantan (Lucas, 1988) não apresentaram necrose. Segundo Lucas (1988) o número de espécies descritas é alto e a sistemática do gênero na América do Sul necessita de revisão.

A partir do veneno de outra espécie (Lycosa carolinensis), Yan & Adams (1998) isolaram peptídeos de cerca de 30 resíduos, os quais mostraram ação antibacteriana e são capazes de promover a liberação de cálcio de sinaptosomas. Esta não é uma descoberta surpreendente uma vez que existe uma grande semelhança estrutural entre algumas toxinas e uma classe de peptídeos antimicrobianos (Dimarcq et al., 1999).

A investigação de componentes bioativos de venenos animais é uma área de plena atividade científica. Podemos citar como exemplo a investigação de Marvin et al. (1999) . Estes autores isolaram, seqüenciaram e estudaram a estrutura secundária de uma toxina da aranha Scodra griseipes. Foi a primeira toxina isolada do veneno desta espécie, a qual se mostrou uma inibidora de canais de potássio. Considerando-se a biodiversidade de animais venenosos, novas toxinas podem ser descobertas, as quais podem atuar nos sistemas imune, nervoso ou circulatório ou ainda atuar como antibióticos. Propomo-nos a investigar os componentes da Lycosa erithroghnata, uma vez que seu veneno ainda é pouco investigado e esta é uma espécie amplamente distribuída.


Genética molecular das toxinas de aranha

Em adição aos estudos bioquímicos e farmacológicos das toxinas de aranhas, que incluem a elucidação de sua seqüência primária, tipo de atividade e especificidade, recentemente foi iniciada a genética molecular dessas toxinas com o objetivo de conhecer a estrutura dos genes que as codificam, assim como de determinar a seqüência completa de muitas delas. Estes estudos devem levar a um maior entendimento da relação estrutura/função das toxinas de aranha.

Para isto, foram construídas bibliotecas de cDNA a partir de RNA mensageiro obtido de glândulas de veneno de aranhas. Clones de cDNA codificadores de uma variedade de toxinas foram isolados e seqüenciados, revelando informações significativas sobre a possível estrutura dessas proteínas. Como exemplo temos os clones de cDNA selecionados de biblioteca do veneno da aranha viúva negra Latrodectus mactans tredecimguttatus codificadores da -latrotoxina, ou -LTx (uma toxina seletiva para vertebrados, que age em terminais pré-sinapticos induzindo a liberação em massa de neurotransmissores), da subunidade  da -LTx (uma proteína de baixo peso molecular, que é co-purificada com a -LTx e é semelhante a uma neurotoxina pós-sinaptica da serpente marinha Laticauda semifasciata), da -latroinsectotoxina, ou -LIT (uma toxina ativa em insetos, que possui um domínio contendo repetições do tipo anquirina, que pode ser responsável pela ligação dessa toxina a receptores pré-sinapticos) e da -latroinsectotoxina, ou -LIT, a qual é também ativa em insetos (Kiyatkin et al., 1990, 1992, 1993; Dulubova et al., 1996). Também como exemplo temos a clonagem, seqüenciamento e caracterização de precursores de um peptídeo bloqueador de canal de cálcio do veneno da aranha Agelenopsis aperta -Aga IA (Santos et al., 1992) e dos peptídeos ativos em insetos da aranha Plectreurys tristis PltVI e PltXI (Leisy et al., 1996).

Estudos moleculares dos genes codificadores de toxinas da aranha armadeira Phoneutria nigriventer tem sido realizados por integrantes deste grupo de pesquisa na UFMG e por outros pesquisadores. A toxina Tx1 foi a primeira a ser clonada e seqüenciada por Diniz e colaboradores (1993). A análise da seqüência do clone demonstrou que Tx1 é sintetizada como uma pré-protoxina contendo um peptídeo sinal N-terminal, um peptídeo intermediário rico em glutamato, seguido da seqüência codificadora de Tx1 e dois resíduos de glicina na extremidade C-terminal. A toxina funcional não contém o peptídeo sinal, o peptídeo intermediário e as duas glicinas terminais, que são removidos durante o processamento do precursor à forma ativa. Mais recentemente, foi construída uma biblioteca de cDNA da glândula de veneno dessa aranha com o intuito de isolar clones codificadores de peptídeos neurotóxicos. Foram isolados com sucesso desta biblioteca, após seleção de clones ao acaso, os cDNAs codificadores de Tx2-1 (toxina ativa em mamíferos, agindo em canais de sódio) e duas novas isoformas de Tx2-1 e Tx2-5: as Pn2-1A e Pn2-5A (Kalapothakis et al., 1998a), o cDNA da toxina Tx3-2 (bloqueia canais de cálcio) e uma isoforma desta, a Pn3A (Kalapothakis et al., 1998b), o cDNA de Tx3-1 (bloqueia canais de potássio) (Kushmerick et al., 1999), o cDNA da toxina Tx4(6-1) (com atividade neurotóxica em insetos) e suas isoformas Pn4A e Pn4B (Penaforte et al., 1999) e, finalmente, os cDNAs das toxinas Tx2-6 e Tx2-9 (Penaforte et al., 2000). Todas estas toxinas são produzidas como precursores que contêm o peptídeo sinal, o peptídeo intermediário e, no caso de Tx2-1, Tx3-1 e Tx3-2, também um aminoácido ou um peptídeo terminal que são clivados e não estão presentes na toxina madura (Penaforte et al., 2000).

O veneno das aranhas tem sido fonte de produtos naturais com diversas atividades biológicas. A maioria conhecida dos peptídeos tóxicos do veneno são neurotoxinas. Estas moléculas podem ser consideradas “neurosondas” naturais, podendo fornecer informações importantes nos campos da farmacologia, bioquímica e eletrofisiologia. Além disso, neurotoxinas podem vir a ser importantes modelos para a indústria farmacêutica, agricultura e saúde pública.

Entretanto, a utilização dessas neurotoxinas nativas para estudos é muitas vezes inviável já que a separação do veneno em seus componentes tóxicos isolados é um processo árduo e dispendioso. As alternativas são a obtenção por síntese química ou por clonagem e expressão (Sabatirer, 1999). Assim, a clonagem de toxinas aparece como uma etapa fundamental deste trabalho, pois possibilitará, no futuro, a expressão de grandes quantidades do produto recombinante em um sistema heterólogo (em procariotos, por exemplo), além de permitir estudos sobre a estrutura e função dessas proteínas.

Em Lycosa sp. os estudos de genética molecular dos componentes peptídicos do veneno ainda não foram iniciados e muito pouco se sabe sobre as substâncias bioativas (neurotoxinas, enzimas processadoras, etc) presentes neste veneno. Com o objetivo de caracterizar, de forma geral, os genes expressos na glândula de veneno da aranha será construída uma biblioteca de cDNA desta glândula. Clones poderão ser obtidos após seleção aleatória e utilizados para a produção de Etiquetas de Seqüências Transcritas (ESTs) por seqüenciamento em passo único em seqüenciador automático de DNA. Esta técnica foi descrita por Adams e colaboradores (1991) para o estudo de cDNAs de cérebro humano e tem sido usada extensivamente em nosso departamento em um projeto de descoberta gênica no parasita Schistosoma mansoni (Franco et al., 1995, 1997, 2000). A técnica se baseia no seqüenciamento apenas das extremidades de cDNAs obtidos por seleção ao acaso de uma biblioteca. Estas seqüências, ou etiquetas dos cDNAs, possuem em torno de 500 nt e são úteis para pesquisas de homologia em bancos de dados com seqüências de DNA ou proteína. Se houver homologia entre a seqüência submetida à pesquisa e as depositadas nos bancos de dados, é possível sugerir uma provável identificação para o gene em questão. Desta forma, pretendemos uma caracterização geral dos transcritos expressos na glândula de veneno da Lycosa, com especial atenção para aqueles que codificam prováveis toxinas presentes neste veneno. Desde que sejam isolados cDNAs de interesse, estes podem, posteriormente, ser completamente seqüenciados e até expressos em um sistema heterólogo de expressão de proteínas recombinantes. Em vista da conservação de seqüências das toxinas de aranhas também será possível a utilização de sondas de toxinas de outros gêneros de aranhas para a triagem desta biblioteca na tentativa de se isolar genes homólogos em Lycosa.


JUSTIFICATIVA


O gênero Lycosa, embora não seja considerado potencialmente perigoso para a espécie humana, tem alta frequência de casos de acidentes relatados na literatura, com descrição principalmente de dor no local da picada (Lucas, 1988). Este veneno é pouco estudado e o conhecimento de seus componentes, farmacologicamente ativos, pode ser interessante para a revelação de novos fármacos ou mesmo de moléculas que sirvam como sondas para estudos bioquímicos envolvendo estrutura e função de novos polipeptídeos.

A nossa proposta é a de investigar extensivamente os componentes do veneno da aranha Lycosa, reunindo competências de diversos pesquisadores de nosso departamento, do Departamento de Zoologia, da Funed e de outras eventuais colaborações externas. O estabelecimento deste grupo deverá, sobretudo, permitir a reunião de competências e das condições, criando-se um núcleo, para o estudo sistemático de outros venenos de interesse de nossa, e de outras regiões do país. O grupo pretende com isto se consolidar e buscar resolver outros desafios envolvendo produtos naturais, especialmente venenos, dos quais nosso país é um detentor natural e cujos estudos necessitam de investimento de forma integrada e contínua.


OBJETIVOS ESPECÍFICOS

1. Caracterização bioquímica dos venenos de Lycosa, com vistas à contribuir para a classificação dos espécimens coletados na região de Santa Bárbara e de Belo Horizonte.

2. Isolamento dos componentes peptídicos e protéicos do veneno da aranha Lycosa sp. através da utilização de técnicas cromatográficas tais como filtração molecular, troca iônica, interação hidrofóbica e fase reversa.

3. Caracterização dos compostos isolados, por análise de aminoácidos, espectrometria de massas e seqüenciamento N-terminal.

4. Investigação da atividade dos componentes da toxina sobre canais iônicos, como canal de sódio, de potássio ou de cálcio.

5. Investigação de possíveis componentes com atividade proteolítica,através de ensaios de hidrólise de substratos naturais protéicos ou de substratos sintéticos cromogênicos ou fluorogênicos.

6. Estudo da importância da atuação de enzimas proteolíticas eventualmente presentes no veneno, no processamento de componentes sintetizados como pré-pro-peptídeos.

7. Verificação da possível ação inseticida do veneno e de seus componentes isolados.

8. Verificação de ação tóxica em mamífero (camundongos) do veneno e de seus componentes isolados.


  1. Construção de uma biblioteca de cDNA a partir do mRNA das glândulas veneníferas.

  2. Sequenciamento em um único passo das extremidades de cDNAs obtidos aleatoreamente da biblioteca para a geração das ESTs.

  3. Utilização das ESTs para pesquisas de homologia em bancos de dados de sequências de DNA e proteínas.

  4. Produção das toxinas que se mostrarem mais promissoras quanto à atividade biológica pela técnica de clonagem e expressão de seu gene, ou por síntese química em fase sólida.

MATERIAIS E MÉTODOS




1. Coletas dos animais


As aranhas serão coletadas nos arredores de Belo Horizonte e de Santa Bárbara e mantidas em criatório no Laboratório de Zoologia do Prof. Mário de Maria. Este trabalho terá a participação de alunos graduandos do curso de Biologia.


2. Extração do veneno


Será feita uma vez por mês, utilizando-se um estimulador elétrico (choque de ....volts?). O veneno será coletado com o auxílio de um tubo capilar, congelado e armazenado. Posteriormente será liofilizado.

3. Perfil cromatográfico e eletroforético dos venenos de diversas espécies


As amostras de venenos extraídos de aranhas cujas características morfológicas sugiram diferentes espécies ou sub-espécies, serão submetidas à cromatografias (fase reversa ou filtração molecular), de modo que os perfis obtidos pelo método escolhido possam ser comparados quanto à suas composições, viabilisando-se dados complementares para o agrupamento ou não de espécies, ou sub-espécies. O perfil eletroforético (gel de poliacrilamida 10%) servirá ao mesmo objetivo.

4. Purificação de componentes peptídicos e protéicos do veneno


Os componentes peptídicos do veneno serão isolados através de uma combinação de técnicas cromatográficas (Janson & Rydén,1998.). Inicialmente, fracionaremos o veneno por cromatografia de filtração molecular. Os componentes de maior peso molecular serão submetidos a outros processos cromatográficos, tais como troca iônica e interação hidrofóbica. Os componentes peptídicos serão purificados por cromatografia de fase reversa.

5. Caracterização dos componentes peptídicos e protéicos do veneno

As proteínas e os peptídeos isolados dos venenos serão caracterizados por seqüenciamento N-terminal, análise de aminoácidos e determinação de massa molecular por espectrometria de massas. As seqüências obtidas serão comparadas com outras seqüências já depositadas em bancos de dados. As purezas serão avaliadas por cromatografia de fase reversa, eletroforese em gel e eletreforese capilar. Quando possível, o conteúdo de estrutura secundária será determinado através de Dicroismo Circular.




6. Ensaios de atividade proteolítica

Ensaios de atividade endopeptidásica serão feitos de acordo com Sarath et al. (1989).

Os diferentes ensaios poderão detectar diferentes atividades proteolíticas:

a} atividade tipo Tripsina

b) atividade tipo Quimotripsina

c) atividade sobre substrato proteico (hemoglobina e/ou caseína)

d) atividade tipo Gelatinase: eletroforese em gel de poliacrilamida - SDS com substrato protéico (gelatina) copolimerizado (Heussen e Dowdle, 1980).
7. Teste da atividade inseticida

O veneno total, bem como as frações obtidas pelo fracionamento do mesmo (dissolvidos em salina contendo albumina bovina, 0,1%) serão testados inicialmente pela injeção intratorácica em mosca doméstica (Musca domestica) utilizando-se de uma seringa Hamilton com adaptação de agulha de vidro, conforme descrito por De Lima et al. (1986).


8. Testes da atividade tóxica em camundongos

Injeções intra-cérebro ventricular do veneno e de suas respectivas frações solubilizados em salina contendo 0,1% de albumina permitirão avaliar a toxicidade destes componentes para o camundongo.


9. Construção da biblioteca de cDNA

As aranhas serão sacrificadas dois dias após a extração do veneno e suas glândulas veneníferas serão separadas por dissecação e congeladas até o momento do uso. O RNA total será extraído pelo método do tiocianato de guanidina (Chomczynski & Sacchi 1987). A qualidade do RNA total será avaliada por eletroforese em gel de agarose/formaldeído. O mRNA será isolado utilizando o kit “Poly (A) Quick mRNA Isolation Kit (Stratagene) e será quantificado por leitura espectrofotométrica a 260 e 280 nm. O cDNA será produzido utilizando o kit “Zap cDNA Synthesis Kit (Stratagene) e ligado nos braços do vetor Zap. O empacotamento da biblioteca será feito utilizando-se o kit “Gigapack II Packing Extracts” (Stratagene) e a biblioteca será titulada em bactérias E. coli XL1 Blue. Posteriormente a biblioteca será amplificada e alíquotas das bibliotecas não amplificada e amplificada serão congeladas. Parte da biblioteca será utilizada para a excisão in vivo em massa do fagemídeo pBlueScript do vetor Zap, utilizando instruções do manual “Zap-cDNA Synthesis Kit”.




9. Sequenciamento dos cDNAs e obtenção das ESTs

Após excisão in vivo dos fagemídeos pBlueScript carregando os insertos de cDNA, colônias brancas de bactérias recombinantes serão selecionadas das placas de cultura e crescidas em meio líquido contendo ampicilina. O DNA fagemidiano será extraído das bactérias usando o kit SV Plus Mini Prep Kit (Promega). O seqüenciamento cíclico do DNA, segundo método de Sanger (Sanger et al., 1977) será realizado usando o kit Thermo Sequenase (Amersham) e os iniciadores fluorescentes M13 R e M13 universal que se anelam no vetor, na região adjacente ao sítio de clonagem do cDNA. Os produtos do seqüenciamento serão submetidos à eletroforese em gel de poliacrilamida contendo 8M de uréia, no aparelho de seqüenciamento automático de DNA ªL.F (Pharmacia). Após a corrida eletroforética, a seqüência será editada para remoção de regiões de vetor no início e final da seqüência, para retirada de regiões de baixa qualidade de seqüência e para a resolução de possíveis ambiguidades. As ESTs obtidas após a edição da seqüência devem conter, pelo menos, 150 nt e não mais que 4% de ambiguidades.


10. Pesquisas de homologia em bancos de dados

As ESTs serão submetidas à pesquisa de homologia utilizando os programas BLASTN e BLASTX (Altschul et al., 1990) no sítio do NCBI, NIH (http:\\www.ncbi.nlm.nih.gov). A pesquisa será feita em bancos de dados não redundantes de DNA e proteínas e também no banco de dados de ESTs (dbEST). Após a pesquisa, as ESTs serão classificadas em categorias de acordo com sua possível identificação baseada em seqüências de genes de outros organismos, ou serão classificadas como desconhecidas se não apresentarem quaisquer homologias com seqüências depositadas em bancos de dados.


11. Produção e purificação das toxinas recombinantes em bactérias

Os cDNAs codificadores de toxinas de interesse neste projeto serão posteriormente clonados no vetor pMAL-c2 (New England Biolabs) em continuidade ao gene MalE que codifica a proteína ligadora de maltose (MBP). Para isto, serão desenhados iniciadores específicos para a amplificação por PCR do cDNA de interesse, nos quais serão incorporados sítios para enzimas de restrição presentes no sítio múltiplo de clonagem do vetor. Após a clonagem, a proteína de fusão MBP/proteína de interesse será expressa por indução das bactérias com IPTG e o extrato bruto de bactérias será obtido por lise das células. A purificação da proteína de fusão será feita por cromatografia de afinidade do extrato bruto de bactérias em coluna de amilose, com eluição da proteína de fusão com maltose. Para remoção da fusão, a proteína MBP/proteína de interesse será tratada com a protease fator Xa e novamente submetida à cromatografia. A MBP ficará retida na coluna, enquanto que a proteína de interesse não se ligará à coluna. Posteriormente a proteína será liofilizada e estocada.


ORÇAMENTO

Material de consumo importado:
Reagentes (sais, tampões, reagentes para HPLC e FPLC).................... US$ 5000,00

Plásticos e vidraria. ....................................................................................US$ 2000,00

Seringas Hamilton (25 e 50 l). .................................................................US$ 2000,00

Pipetas automáticas (4)..............................................................................US$ 2000,00


Material de consumo nacional


Caixas plásticas para a criação de insetos. ....................................................R$ 200,00

Recipientes plásticos para criação de aranhas.............................................. R$ 200,00

Luvas descartáveis (20 caixas com 100).........................................................R$ 300,00
Serviços de terceiros

Aquisição e captura de animais (aranhas). ...................................................R$ 2000,00

Extração do veneno (serviço técnico). ..........................................................R$ 1000,00

Material permanente importado


Um cromatógrafo líquido de alta performance (HPLC) contendo duas bombas com capacidade de fluxo de 10 mL/min acoplado a um detector UV-visível e a um injetor manual tipo Rheodyne. Computador e programas de análise e aquisição de dados. Custo estimado (propostas em anexo).....................................................US$ 35.000,00

Um coletor de frações com interface e PC...............................................US$ 10 000,00

Um potenciômetro com sensibilidade 0.01 unidades..............................
FUNÇÕES DOS MEMBROS DA EQUIPE

Prof. Dr. Carlos Ribeiro Diniz.(Prof. Emérito UFMG; Centro de Pesquisa e Desenvolvimento, Fundação Ezequiel Dias, Belo Horizonte – MG)

Prof. Dr. Carlos Salas Bravo (Depto.Bioquímica e Imunologia, ICB – UFMG);

Profa. Dra. Glória R. Franco (Depto.Bioquímica e Imunologia, ICB – UFMG): construção da biblioteca de cDNA de glândulas de veneno, produção das ESTs, clonagem e expressão em bactérias das proteínas de interesse.

Prof. Dr. Jader dos Santos Cruz (Depto.Bioquímica e Imunologia, ICB – UFMG);

Prof. Dr. Marcelo Matos Santoro (Depto.Bioquímica e Imunologia, ICB – UFMG): Ensaios de atividade proteolítica; perfis cromatográfico e eletroforético dos venenos de diversas espécies; purificação de componentes peptídicos e protéicos do veneno; caracterização dos componentes peptídicos e protéicos do veneno.

Prof. Dr. Marcelo Porto Bemquerer (Depto.Bioquímica e Imunologia, ICB – UFMG); Purificação de componentes peptídicos e protéicos do veneno; caracterização dos componentes peptídicos e protéicos do veneno; síntese química de toxinas.

Profa. Dra. Maria Elena de Lima Perez Garcia (Depto.Bioquímica e Imunologia, ICB – UFMG);

Prof. Mário de Maria (Depto. de Zoologia, ICB- UFMG)

Prof. Dr. Paulo Sérgio Lacerda Beirão (Depto.Bioquímica e Imunologia, ICB – UFMG);

REFERÊNCIAS

Andreu, D. 1998. Antimicrobial peptides. Biopolymers. Peptide Science, 47(6). Special Issue.

Atkinson, R.K. & Wright, L.G. 1990. A study of the necrotic actions of the venom of the wolf spider, Lycosa godeffroyi, on mouse skin. Compar. Biochem. Physiol C, 95(2), 319.

Cruz, J. S.; Cotta, G.; Diniz, C. R. and Beirão, P. S. L. Partial purification and pharmacological characterization of a neurotoxic fraction isolated from the venom of the spider Lycosa erythrognatha. Braz. J. Med. Biol. Res., 27, 2653-2659.

Diniz, C. R. 1963. Separação de proteínas e caracterização de substâncias ativas em venenos de aranhas do Brasil. Anais da Academia Brasileira de Ciências, 35(2): 283-291.

Darbon, H.; Blanc, E. and Sabatier, J-M. 1999. Three-dimensional structure of scorpion toxins: towards a new model of interaction with potassium channels. In Perspective in Drug Discovery and Design, 15/16, 41-60.

De Lima, ME. ...............1986

Dimarcq, J-L.; Bulet, P.; Hetru, C. and Hoffmann, J. 1999. Cysteine-rich antimicrobial peptides in invertebrates. Biopolymers (Peptide Science), 47(6), 465-477.

Grishin, E. 1999. Polypeptide neurotoxins from spider venoms. Eur. J. Biochem., 264, 276-280.

Hati, R.; Mitra, P.; Sarker S.; and Bhattacharyya, K.K. Snake venom hemorrhagins. 1999. Crit Rev Toxicol, 29(1):1-19

Heussen C. & Dowdle, E. B. 1980. Electrophoretic analysis of plasminogen activators in polyacrylamide gels containing sodium dodecyl sulfate and copolymerized substrates. Anal Biochem, 102, 196-202.

Lucas, S. 1988. Spiders in Brazil. Toxicon, 26(9): 759-772.

Janson, J-C. & Rydén, L. (editors). 1998. Protein Purification. Principles, High-resolution methods, and applications. Second edition. Wiley-Liss, New York.

Marvin, L.; De, E.; Cosette, P.; Gagnon, J.; Molle, G. and Lange, C. 1999. Isolation, amino acid sequence and functional assays of SGTx1. The first toxin purified from the venom of the spider Scodra griseipes. Eur. J. Biochem., 265,572-579.

Oliveira, B.M. 1997. Conus venom peptides, receptor and ion channel targets, and drug design: 50 million years of neuropharmacology. Mol. Biol. Cell, 8, 2101-2109.

Possani, L.D.; Becerril B.; Delepierre M. and Tytgat, J. 1999. Scorpion toxins specific for Na+-channels. Eur. J. Biochem., 264(2), 287-300.

Sabatier, J.-M. 1999. Chemical synthesis and characterization of small proteins: example of scorpion toxins. In H. Rochat & M.-F. Martin-Eauclaire (eds). Animal Toxins. Birkhäuser Verlag, Basel.

Sarath, G.; De La Mote, R.S. ; Wagner, F.W. 1989. Protease assay methods. In: Proteolytic Enzymes. Edited by R.J. Beynon & J.S. Bond. IRL Press, Oxford, England.

Schulz, S. 1997. The chemistry of spider toxins and spider silk. Angew. Chem. Int. Ed. Engl., 36, 314-326.

Walker, C.S.; Steel, D.; Jacobsen, R.B.; Lirazan, M.B.; Hooper, D.; Shetty, R.; DelaCruz, R.C.; Nielsen, J.S.; Zhou, L.M.; Bandyopadhyay, P.; Craig, A.G. and Oliveira, B.M. 1999. The T-superfamily of Conotoxins. J. Biol. Chem., 274(43), 30664-30671.



Yan, L. & Adams, M. E. 1998. Lycotoxins, antimicrobial peptides from venom of the wolf spider Lycosa carolinensis. J. Biol. Chem., 273(4), 2059-2066.

Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal