Universidade federal do paraná



Baixar 14.63 Kb.
Encontro20.03.2018
Tamanho14.63 Kb.




Universidade Federal do Paraná

Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes.

Departamento de Antropologia
Curso
HS038 - Tópicos Especiais em Antropologia
EMENTA ESTUDOS MONOGRÁFICOS EM ANTROPOLOGIA.
Ementa: A relação entre Antropologia e História, em diferentes autores e ou diferentes abordagens, e sua influência na interpretação do Brasil e na delimitação do patrimônio nacional.
Na primeira metade do século XIX, os critérios para se pensar o Brasil foram pátria, língua e território; na segunda metade do mesmo século, raça e meio. Nas primeiras décadas do século XX cultura e civilização tornaram-se o centro das atenções. A partir dos anos de 1950, esse centro deslocou-se para o desenvolvimento, a industrialização e a cultura popular. Temas que, presentes nas interpretações clássicas de nossa cultura, ajudaram a definir um campo de estudo específico: o patrimônio cultural. Campo este que relacionou reflexões pertinentes a História e a então nascente Ciências Sociais. No Brasil, mesmo antes do surgimento das políticas públicas que tratam da temática patrimonialista, o tema já implicava em reconhecer uma “unidade” política e cultural, tendo por base uma construção discursiva que identificou suportes de patrimônio, que tornaram “visível a nação”.

2. Programa da Disciplina

I – Conteúdo


  1. A relação entre Antropologia e História

  2. Interpretações do Brasil no findar do século XIX e início do XX. A vinculação entre a produção literária e o nascimento da Ciências Sociais: Raça e meio, cultura e civilização, critérios para compreender o país

  3. A formação do discurso preservacionista no Brasil: o modernismo de Mário de Andrade e o discurso etnográfico

  4. A vinculação entre Antropologia, Arquitetura e História, Lúcio Costa e Gilberto Freire, a institucionalização das políticas patrimonialistas.

II - Metodologia

A maior parte do curso será de aulas expositivas, haverão seminários com base em leitura orientada dos textos e livros relacionados na bibliografia. Sessão de vídeos e de filmes sobre a temática, com debates. Visita monitorada ao Museu de Arqueologia e Etnologia da UFPR e cidade da Lapa. Durante o curso, podem ocorrer alterações no programa, que, no entanto, não comprometerão a proposta.
III- Avaliação

Duas provas dissertativas individuais com valor unitário. A estas notas será somada a média obtida entre o trabalho escrito e sua exposição oral em Seminário. O trabalho poderá ser desenvolvido por, no máximo, um grupo de 03 alunos.



IV Bibliografia

  • ANCONA LOPES, Telê. Arlequim e Modernidade. In: Mariodeandradiando. São Paulo: HUCITEC, 1996.

  • ANDRADE, Mário de Andrade. Cartas de Trabalho, correspondência com Rodrigo de Mello Franco de Andrade. Brasília: MEC/SPHAN - Pró Memória, 1981.

  • ANDRADE, Rodrigo de Melo Franco de. Rodrigo e o SPHAN. Rio de Janeiro: MINC/IPHAN, 1987.

  • ARANTES, José Augusto. A preservação de bens culturais como prática social. In: Revista Museo 1. (1): 12-16, 2o Sem. 1989.

  • BANN, Stephen. Clio em parte: sobre antiquariado e fragmento histórico. In: As invenções da história. São Paulo: Unesp, 1994. Pp.129-153.

  • BOAVENTURA, Maria Eugenia. A Vanguarda Antropofágica. Ensaios 114. São Paulo: Ática, 1985.

  • BROLEZZI, Renato. A construção da realidade: Sílvio Romero e a Busca da identidade Nacional. Campinas: Ed. Da Unicamp – Série Monografias, Ano 1, número 2, 1991.

  • BRASIL, Assis. História crítica da literatura brasileirs. O modernismo. Rio de Janeiro: Pallas, 1976.

  • CANCLINI, Néstor Garcia. Culturas Híbridas. São Paulo: Edusp, 1997.

  • CHOAY, Françoise L’Allégorie du patrimoine. Paris: Seuil, 1996.

  • COSTA LIMA, Luiz. A versão solar do patriarcalismo: Casa Grande & Senzala. In: A aguarrás do tempo: estudos sobre a narrativa. Rio de Janeiro: Rocco, 1989.

  • CUNHA, Euclides da. Os Sertões. Brasília: Editora Universitária, 1963

  • DAMATTA, Roberto. A obra literária como etnografia: notas sobre as relações entre literatura e antropologia. In: Conta de Mentiroso. Rio de Janeiro: Rocco, 1993.

  • FREYRE, Gilberto. Casa Grande e Senzala. 12 a edição. Brasília: Editora Universitária, 1963.

  • GOLDMAN, Márcio. Lévi-Straus e os sentidos da História. In: Revista de Antropologia da USP, números 01 e 02, 1999.

  • GONÇALVES, José Reginaldo. A retórica da perda, os discursos do patrimônio cultural no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. Da UFRJ - IPHAN, 1996.

  • GONÇALVES, José Reginaldo. Em busca da autenticidade: Ideologias culturais e concepções de nação no Brasil. In: VILLAS BÔAS, G. & GONÇALVES, M. A. O Brasil na virada do século. Rio de Janeiro: Relume - Dumará, 1995, pp.235 - 256.

  • KERSTEN, Márcia Scholz de Andrade Kersten. Os rituais do tombamento e a escrita da história. Curitiba: tese de doutorado – UFPR, dez. 1998.

  • _______________________. Os espaços do Patrimônio Cultural, vários termos um significado. Curitiba: DEAN, 1999 [mimeo]

  • _______________________. Antropologia, Arquitetura e História, a convergência de olhares na definição de Patrimônio Cultural. Curitiba: DEAN, 1999 [mimeo].

  • LOPES, Luiz Roberto. Cultura Brasileira, de 1808 ao pré-modernismo. Porto Alegre: Editora da Universidade – Síntese Universitária, 1988.

  • MONTERO, Paula. Apresentação, Introdução - O V Centenário entre o mito e a história e Capítulo 6 - Caminhos da Memória, Trilhas do Futuro: os dilemas de um projeto de democracia cultural. In: Entre o mito e a História, o V Centenário do descobrimento da América. Petrópolis: Vozes, 1996.

  • OLIVEN, Ruben G. A parte e o todo, a diversidade cultural no Brasil-nação. Petrópolis: Vozes, 1992.

  • ORTIZ, Renato. Espaço e Territorialidade. In: Um outro território: ensaios sobre a mundialização. São Paulo: Olho D’Água, s.d.

  • MAGAZINE LITÉRRAIRE, número 307. Paris, 1999.

  • RIEGL, Aloïs. Le culte moderne des monuments, son essence et as genèse. Paris: Seuil, 1984.

  • SANTOS, Mariza Veloso Motta. Nasce a Academia SPHAN. In: Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Número 24 - 1996 pp.77-95.

  • SCHELLING, Vivian. A presença do povo na cultura brasileira. Campinas: Ed. da UNICAMP, 1990.

  • SCHWARCZ, Lílian M. História e Etnologia. In: Revista de Antropologia da USP, números 01 e 02, 1999.

  • VELOSO, Mariza & MADEIRA, Angélica. Leituras Brasileiras. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

  • VILHENA, Luís Rodolfo. Projeto e missão, o movimento folclórico brasileiro - 1947-194. Rio de Janeiro: FUNARTE e Fundação Getúlio Vargas, 1997.


Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal