Universidade federal fluminense



Baixar 40.86 Kb.
Encontro07.01.2018
Tamanho40.86 Kb.

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

ESCOLA DE SERVIÇO SOCIAL

PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS-GRADUADOS EM POLÍTICA SOCIAL
REDE INTERINSTITUCIONAL DE PESQUISADORES MOVIMENTOS SOCIAIS,

POLÍTICAS SOCIAIS E DEMOCRACIA NA AMÉRICA LATINA E CARIBE / LASSAL
PROGRAMA

Disciplina: Movimentos Sociais

CURSO DE EXTENSÃO
Professora Responsável: Drª Lucí Faria Pinheiro

Ementa: levar a compreensão dos movimentos sociais como sujeito histórico, suas principais mudanças e interpretações: suas respostas à questão social, a referência das classes sociais e das minorias analisando o papel do Estado e da sociedade civil e o contexto histórico preciso em cada fase dos movimentos sociais. A transição de paradigmas de explicação e suas relações com o contexto do capitalismo contemporâneo (1960-2000).

Metodologia: nessa edição particularmente o programa será aplicado em ligação com um curso de extensão visando a qualificação de pesquisadores, estudantes e profissionais interessados em pesquisa, gestão, assessoria e engajamento político ou profissional na organização social. O curso teve início como disciplina optativa do Programa de pós-graduação em Política Social e sua continuidade se dá com a inscrição do público externo, matriculado no curso de extensão. Em cada unidade serão apresentados os projetos de cada aluno, embasados neste programa. As aulas são expositivas, podendo receber convidados sobre temas específicos.

Avaliação: a avaliação será realizada considerando os seguintes critérios: leituras e participação em sala, com apresentação de projetos: problema de pesquisa e fundamentação (para alunos externos); artigo a ser apresentado no final do curso (para alunos matriculados na pós-graduação em Política Social). o critério de avaliação dos alunos matriculados na pós-graduação (mestrado e doutorado) é o nível de publicação de um artigo de no mínimo 20 páginas. Os projetos para avaliação dos alunos de extensão deverão apresentar entre 5 e 10 páginas, obtendo qualidade para inscrição em seleção pública para ingresso em pós-graduação stricto sensu.
Primeira Unidade: (07.08.14) – Disciplina Optativa aos Alunos de Pós-graduação (ver em bibliografia complementar)

Concepção clássica dos movimentos sociais. Categorias explicativas: emancipação política e emancipação humana; alienação e coisificação; Estado e Sociedade civil.


Segunda Unidade: (Início do Curso de Extensão: 17.09.14)

A crise do paradigma clássico e o contexto sócio-político e econômico de emergência dos “Novos Movimentos Sociais” e os Movimentos de Minorias Sociais. Modelos Explicativos e diferenciais entre a perspectiva europeia e as particularidades no Brasil.


17.09.14 Apresentação de Projetos e seminário: Revolução, luta de Classes e Democracia.

As lutas operárias e a crise do movimento sindical.

GIANOTTI, V. cap.1: “A Revolução Industrial e a Classe Operária na Europa” In História das Lutas dos Trabalhadores no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad X, 2007.

HOBSBAWN, E., A década de 70: sindicalismo sem sindicalistas? In Mundos do trabalho. Novos Estudos sobre História Operária. pp. 387-397. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 4ª Ed.

FRANÇA, T. Parte I - O sindicalismo brasileiro nos anos 1990 e as recentes transformações capitalistas. In: Novo sindicalismo no Brasil. Histórico de uma desconstrução. São Paulo: Cortez Editora. 2013. pp. 19-68.


25.09.14 Panorama dos movimentos sociais e sua evolução conceitual. Dos protestos pré-capitalistas a organização operária no capitalismo industrial.

BEM, A. S. do. A centralidade dos movimentos sociais na articulação entre o Estado e a sociedade Brasileira nos séculos XIX e XX. Educ. Soc., Campinas, vol. 27, n. 97, p. 1137-1157, set./dez. 2006. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br



BOITO Jr., A. Pré-capitalismo, capitalismo e resistência dos trabalhadores. Crítica Marxista, São Paulo, v. 12, p. 77-105, 2001.  
http://www.ifch.unicamp.br/criticamarxista/arquivos_biblioteca/artigo7404boito.pdf

02.10.14 As teorias dos Novos Movimentos Sociais na Europa. Correspondências e dissonâncias no Brasil e América Latina.

02.10.14 CISNE, M. Cap. 2. Gênero: uma análise histórico-crítica em torno de suas abordagens teóricas. Gênero, Divisão Sexual do Trabalho e Serviço Social. São Paulo: Outras Expressões, 2013.

--------- Divisão Sexual do Trabalho na ordem “sóciometabólica” do Capital – uma análise necessária para a emancipação das mulheres. Gênero, Divisão Sexual do Trabalho e Serviço Social. São Paulo: Outras Expressões, 2013.

GOHN, M. da G. O paradigma dos novos movimentos sociais. Teorias dos Movimentos sociais. Paradigmas clássicos e contemporâneos. São Paulo, Edições Loyola, 2ª ed., 2000. p.121-170.

08.10.14 MONTAÑO, C; DURIGUETO, M.L. Cap. 2: Os chamados “Novos Movimentos Sociais [NMS]”. Estado, Classe e Movimento Social. São Paulo; Cortez, 2010. pp. 248-309.

------------ Cap. 3: O Debate Teórico dos chamados “Novos Movimentos Sociais”. In Estado, Classe e Movimento Social. São Paulo; Cortez, 2010. pp. 310-351.



15.10.14 GOHN, M. da G. Movimentos Sociais no início do século XXI. Antigos e velhos atores sociais. Petrópolis, Vozes, 2003.

    JUNIOR, G, C. S., ROCHA, L. de Maria L. N. A Internet e os novos processos de articulação dos movimentos sociais. Revista Katálysis., Florianópolis, v. 16, n. 2, p. 205-213, jul./dez. 2013. http://www.scielo.br/pdf/rk/v16n2/06.pdf

    SOUZA, D. C. C. de. Lutas sociais e tradições de luta no Brasil nos anos 2000. In Revistas Lutas Sociais, 25/26, São Paulo, jan., 2010, pp.191-205.



    Terceira Unidade - (22.10.14) - Os Movimentos Protesto Social: novas tendências.



    22.10.14 O Debate sobre as lutas sociais na América Latina na contemporaneidade.

    MATTOS, M. B. Novas bases para o protagonismo sindical na América Latina: o caso brasileiro. (LEHRER, R., SETÚBAL, M.) Pensamento crítico e Movimentos Sociais, São Paulo: Cortez, 2005. pp. 226-259.

    WELMONICKI, J. Cidadania é diferente de Classe: cidadãos e classismo na história. São Paulo: 2004. pp.17-34.

    ALMEIDA, L. F. R. de. Lutas sociais e questões nacionais na América Latina: algumas reflexões. In Lutas Sociais 17/18. http://www4.pucsp.br/neils/downloads/v17_18_lucio.pdf



    29.10.14 Movimentos de Protesto Social em várias partes do mundo: características, afinidades e particularidades históricas. (Avaliação Parcial com apresentação individual). Seminário da turma

    CASTELS, M. A transformação do mundo na sociedade em rede. Redes de indignação e esperança. Movimentos sociais na era da Internet. Rio de Janeiro: Zahar Editor, 2013, pp. 117-156.

    -------- A transformação do mundo na sociedade em rede. Redes de indignação e esperança. Movimentos sociais na era da Internet. Rio de Janeiro: Zahar Editor, 2013, pp.. 157-177.


--------- Prelúdio à revolução. Onde tudo começou. A transformação do mundo na sociedade em rede. Redes de indignação e esperança. Movimentos sociais na era da Internet. Rio de Janeiro: Zahar Editor, 2013, pp. 23-45.

--------- A Revolução Egípcia. A transformação do mundo na sociedade em rede. Redes de indignação e esperança. Movimentos sociais na era da Internet. Rio de Janeiro: Zahar Editor, 2013, pp. 46-72.

--------- Dignidade, violência, geopolítica: As insurreições árabes. A transformação do mundo na sociedade em rede. Redes de indignação e esperança. Movimentos sociais na era da Internet. Rio de Janeiro: Zahar Editor, 2013, pp. 73-85;

--------- Uma Revolução Rizomática: os indignados na Espanha. A transformação do mundo na sociedade em rede. Redes de indignação e esperança. Movimentos sociais na era da Internet. Rio de Janeiro: Zahar Editor, 2013, pp. 86-116.

------- Occupy Wall Street: extraindo o sal da terra. A transformação do mundo na sociedade em rede. Redes de indignação e esperança. Movimentos sociais na era da Internet. Rio de Janeiro: Zahar Editor, 2013, Pp. 117-156.

05.11.14 Uma análise dos movimentos em Rede – Demandas por democracia direta. (Avaliação Parcial com apresentação individual) Seminário

HARVEY, D. Os rebeldes das ruas. O Partido de Wall Street encontra sua nêmesis. (Org. HARVEY, D. et. Al.) OCCUPY. Movimentos de protestos que tomaram as ruas. São Paulo: Carta Maior/Boitempo Editorial: 2012. pp. 57-64.

PESCHANSKI, J. A. OS “Ocupas” e a desigualdade econômica. (Org. HARVEY, D. et. Al.) OCCUPY. Movimentos de protestos que tomaram as ruas. São Paulo: Carta Maior/Boitempo Editorial: 2012. Pp. 28-30.

ZIZEK, Slavoj. O violento silêncio de um novo começo. (Org. HARVEY, D. et. Al. ) OCCUPY. Movimentos de protestos que tomaram as ruas. São Paulo: Carta Maior/Boitempo Editorial: 2012. pp. 15-26.

ALVES, G. Ocupar Wall Street... e depois? (Org. HARVEY, D. et. Al. ) OCCUPY. Movimentos de protestos que tomaram as ruas. São Paulo: Carta Maior/Boitempo Editorial: 2012. Pp. 31-38.

SAFATLE, V. Amar uma ideia. (Org. HARVEY, D. et. Al. ) OCCUPY. Movimentos de protestos que tomaram as ruas. São Paulo: Carta Maior/Boitempo Editorial: 2012. Pp. 45-65.



12.11.14 Democracia e Sociedade Civil – liberalismo e alternativas.

DURIGUETTO, M. L. Debate contemporâneo: sociedade civil, democracia e esfera pública na tradição liberal. Sociedade Civil e Democracia. Um debate necessário. São Paulo: Cortez Editora, 2007, (pp.73-128)

DURIGUETTO, M. L. Cap. 4. Propostas de Democracia: Brasil anos 90. Sociedade Civil e Democracia. Um debate necessário. São Paulo: Cortez Editora, 2007, pp.170-216.

19 e 26.11.14 Interpretações Teóricas – Debate atual

GONH, M. da G. Teorias dos Movimentos sociais na contemporaneidade. In (Org.) GONH, M. da G., BRINGEL, B. M. Movimentos Sociais na Era Global. Petrópolis: Vozes, 2012. pp.19-36.

------------ Sociologia dos Movimentos Sociais, São Paulo: Editora Cortez, 2013.

BRINGEL, B. M., DOMINGUES, J. M. Teoria crítica e movimentos: intersecções, impasses e alternativas. In (Org.) GONH, M. da G., BRINGEL, B. M. Movimentos Sociais na Era Global. Petrópolis: Vozes, 2012. pp. 57-76.

INFRANCA, A. “El trabajo entre la Ética y la Política”. Trabajo, Individuo, Historia. El Concepto de trabajo en Lukács. Buenos Aires, Herramienta Ediciones, 2005. (pp.105-140)

MÉSZAROZ, I. Desafios históricos da diante do movimento Socialista. O século XXI. Socialismo ou barbárie? São Paulo: Boitempo Editorial, 2006, (pp. 82-106)

PINHEIRO, L. et. Al. A democracia na América Latina. Uma análise sobre as conquistas e os desafios às lutas sociais. (Org. PINHEIRO, L.) Movimentos sociais, Políticas sociais e Questão Social. Elementos para uma análise da realidade no Brasil e América Latina. Rio de Janeiro: Editora Gramma, 2011. pp. 99-122.

03.12.14 – Apresentação dos Trabalhos de Avaliação
Bibliografia Complementar:
BRINGEL, B. M., DOMINGUES, J. M. Movimentos Sociais na Era Global. Petrópolis: Vozes, 2012.

DOIMO, A. M. A vez e a Voz do Popular. São Paulo, ANPOCs, 1989.

---------. A vez e a voz do popular: movimentos sociais e participação política no Brasil pós-70. Rio de Janeiro, Relume-Dumará. 352 páginas. Resumo: AVRITZER, L. Um paradigma para os movimentos sociais no Brasil . http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69091997000300010

DOIMO, A. M. Movimento Urbano, Igreja e Participação Popular. Universidade Estadual de Campinas, 1983. http://www.dhnet.org.br/educar/cebs/tese_doimo_mov_social_urbano_igreja_popular.pdf

FRANÇA, T. Novo sindicalismo no Brasil. Histórico de uma desconstrução. São Paulo: Cortez Editora. 2013.

IASI, M. L. Ensaios sobre Consciência e Emancipação. São Paulo: Expressão Popular, pp. 47-76.


Revista Katálysis, nº 2, 2013. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_issuetoc&pid=1414-498020130002&lng=pt&nrm=iso
Entrevista – Vito Giannotti. Texto e entrevista de Lígia Coelho. http://www.espacoacademico.com.br/071/71liv_coelho.htm
HARVEY, D. et. Al. OCCUPY. Movimentos de protestos que tomaram as ruas. São Paulo: Carta Maior/Boitempo Editorial: 2012.
Primeira Unidade:

FREDERICO, C. “Marx contra Hegel. A origem do Estado”. In: O jovem Marx. 1843-1844: as origens da ontologia do ser social. São Paulo, Expressão Popular, 2009, pp. 47-89; 21 e 28.08.14

----------- “Emancipação Política e Emancipação Humana”. In: O jovem Marx. 1843-1844: as origens da ontologia do ser social. São Paulo, Expressão Popular, 2ª Ed., 2009, pp.91-123. 21 e 28.08.14

MARX, K. A Questão Judaica. (Trad. Artur Morão) www.lusosofia.net/textos/marx_questao_judaica.pdf 04.09.14

POGREBINSCHI, T. “O Enigma da Democracia em Marx”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Vol. 22, Nº 63, 2007. http://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v22n63/a05v2263.pdf 28.08.14

DURIGUETTO, M. L., MONTAÑO, C. Classe social, consciência de classe e Lutas de Classes. “Estado, Classe e Movimento social”. São Paulo, Cortez Editora, 2011. (pp. 97-132). 28.08.14



Análise das estratégias políticas e a relação entre Democracia e Revolução no contexto do século XIX. Seminário da turma. 10.09.14

BORÓN, Atílio A. Democracia y movimentos sociales en América Latina. In: Revista Em Pauta, UERJ, Rio de Janeiro, nº. 19, 2007. pp. 27-37.

TEXIER, J. . Parte I. A questão da democracia em Marx e Engels. Primeiros percursos: do manifesto ao testamento político de Engels. Revolução e democracia. Revolução e democracia em Marx e Engels. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2005, pp. 15-99.

--------- Parte II. Uma tática revolucionária para o final do século. O último percurso de Engels. Revolução e democracia. Revolução e democracia em Marx e Engels. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2005, pp. 101-163.



--------- Parte III. Revolução e democracia. Uma relação problemática. Revolução e democracia. Revolução e democracia em Marx e Engels. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2005; pp. 165-241.

Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal