Ventosas, Volum e Contr Pressão



Baixar 53.85 Kb.
Encontro19.07.2018
Tamanho53.85 Kb.






- COMPANHIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO



COORDENADORIA ESPECIAL DO EMPREENDIMENTO DE ITAPARICA - CEI
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA
CEI/GT – 006/2009


FORNECIMENTO DE VÁLVULAS BORBOLETAS WAFER

PARA ADUTORA DE GRAVIDADE

PROJETOS JUSANTE

REASSENTAMENTO DE ITAPARICA

Junho / 2009
ÍNDICE


PARTE 1 - CONDIÇÕES TÉCNICAS GERAIS

  1. OBJETO

A presente ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA refere-se aos requisitos mínimos exigíveis a serem atendidos no fornecimento de VÁLVULAS BORBOLETAS WAFER, a serem aplicadas no Projeto Jusante, município Glória – BA, integrante do Reassentamento de Itaparica.

O fornecimento objeto desta ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA se encontra caracterizado e especificado na PARTE 2 - CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECÍFICAS, como também as condições específicas intrínsecas à matéria prima e processo de fabricação empregado, inspeção, ensaios, testes de fábrica, embalagem, carga, transporte, descarga e toda a documentação técnica necessária para armazenagem, instalação, ajustes, montagem, comissionamento, operação e manutenção, assistência técnica e garantias, como também todos os elementos pertinentes à instalação e operação dos equipamentos, tudo conforme estabelecido na documentação do Edital.


  1. DISPOSIÇÕES GERAIS

A aceitação desta ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA por parte do PROPONENTE, não o isenta da responsabilidade de fornecer os equipamentos novos e completos, com todos os dispositivos, acessórios e ferramentas necessárias ao seu perfeito funcionamento e instalação, capazes de atender plenamente as condições de fornecimento aqui estipuladas.

Os preços constantes da proposta deverão incluir, sem quaisquer ônus para a CHESF, todos os custos e responsabilidades decorrentes de direito e licença de fabricação, patentes ou marcas registradas, testes e ensaios necessários à realização da encomenda.

É exigido que o FABRICANTE tenha assistência técnica no Brasil.




  1. CONDIÇÕES LOCAIS E OPERACIONAIS

Os materiais e equipamentos a serem fornecidos deverão ser projetados e construídos para operar a uma altitude de até 400 m acima do nível do mar, em clima tropical, com temperatura variando entre 10 a 40 ºC e umidade relativa do ar maior que 50%.

As válvulas e registros com seus respectivos dispositivos e acessórios deverão operar com água bruta do rio São Francisco pois serão instaladas na rede adutora de gravidade do Projeto Jusante, Glória-BA.


  1. TERMINOLOGIA E CONCEITUAÇÃO

Nesta ESPECIFICAÇÃO são utilizados termos e expressões abaixo relacionadas, com os seguintes significados e interpretações:

  • CHESF – Companhia Hidro Elétrica do São Francisco – Empresa de economia mista vinculada ao Ministério de Minas e Energia, com sede na Rua Delmiro Gouveia, Nº 333 – Bongi – CEP 50.761-901, Recife-PE.

  • PROJETO DO REASSENTAMENTO DE ITAPARICA – Assim é chamado o conjunto de projetos agrícolas, destinados ao reassentamento das populações oriundas das áreas inundadas pelo lago da Barragem de Itaparica, localizados na Borda do Lago e nas áreas dos Projetos Especiais.

  • PROPONENTE – Empresa que participa da licitação apresentando a proposta.

  • PREÇO UNITÁRIO – É o preço constante da Proposta Financeira para fornecimento dos materiais. Os preços unitários constantes das planilhas incluem todos os custos, diretos e indiretos, de acordo com as condições previstas nesta ESPECIFICAÇÃO.

  • CONTRATADA– Empresa contratada para o fornecimento dos materiais.

  • FABRICANTE – Designação dada à organização responsável pelo conteúdo do fornecimento.

  • ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA – Documento que descreve a seqüência de atividades referentes ao fornecimento bem como suas áreas e/ou quantitativos.



  1. NORMAS TÉCNICAS

As normas serão as da ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas, prevalecendo a última edição. Todos os materiais devem estar de acordo com as últimas revisões publicadas das normas a seguir citadas, no que for aplicável. Outras normas serão aceitas desde que sejam reconhecidas internacionalmente. Exceto quando explicitamente indicados nesta especificação, todos os materiais e equipamentos devem ser projetados, fabricados e ensaiados segundo a última revisão das normas técnicas da ABNT e, nos casos não definidos por esta entidade, pelas a seguir indicadas:

  • ISO -International Organization for Standardization

  • ASTM -American Society for Testing Materials

  • AWWA -American Water Works Association

  • AMN – Associação Mercosul de Normalização

  • ASME – American Society of Mechanical Engineers

  • ANSI – Americam National Standard Institute



  1. IDIOMA / UNIDADE

Todos os documentos técnicos referentes à ensaios, testes, fabricação, armazenagem, instalação, operação e manutenção, manuais, catálogos, etc dos materiais e equipamentos a serem fornecidos deverão ser fornecidos em português.

As unidades adotadas serão no sistema métrico.


  1. CARACTERÍSTICAS DE PROJETO E FABRICAÇÃO

Os materiais e equipamentos a serem fornecidos deverão estar em conformidade com os requisitos gerais estabelecidos nesta ESPECIFICAÇÃO e os requisitos específicos indicados na Parte 2 – CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECÍFICAS - PLANILHA DE CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS e deverão obedecer às disposições construtivas estabelecidas, bem como, a toda e qualquer exigência adicional prevista nas normas técnicas específicas.

Deverão ser obedecidas às dimensões e tolerância indicadas nas normas específicas de cada tipo de material e equipamentos a serem fornecidos, diâmetros, classe de pressão, vazão e outros padrões de operação conforme as normas citadas no item 2 da Parte 2 desta ESPECIFICAÇÃO.

Qualquer divergência que comprometa o fornecimento em questão reduza sua vida útil ou de seus componentes em prejuízo do processo, será de única e exclusiva responsabilidade da CONTRATADA.



  1. ESCOPO DO FORNECIMENTO

A extensão do fornecimento inclui, mas não se limita aos seguintes itens:



  1. Fornecimento dos equipamentos e materiais com todos os seus pertences e acessórios;

  2. Desenhos com as dimensões, tolerâncias e listas de materiais, que devem ser enviados a CHESF para aprovação antes do inicio da fabricação;

  3. Testes e ensaios na fábrica;

  4. Embalagem, carrego, transporte e seguro dos materiais da fábrica até o local de entrega com descarrego;

  1. EMBALAGEM, TRANSPORTE e ARMAZENAGEM.

As normas específicas de cada tipo de material a ser fornecido, definem as características mínimas exigíveis para as condições de embalagem, manuseio, carga e descarga. Entretanto, deverá a CONTRATADA cumprir genericamente as condições abaixo, respeitando sempre as especificações do FABRICANTE, relacionadas a esses serviços:



    1. EMBALAGEM

A embalagem e proteção dos materiais e equipamentos deverão ser criteriosamente dimensionadas de maneira a evitar danos durante o manuseio (operação de carga e descarga), transporte e armazenagem.

Cada material e equipamento fornecido deverão possuir identificação contendo fabricante, diâmetro e classe de pressão atendendo a norma ABNT.



    1. CARREGAMENTO, TRANSPORTE E DESCARREGAMENTO.

A CONTRATADA deverá contratar seguro contra riscos de transporte às suas expensas. O seguro deverá cobrir todas as operações de carga, transporte e descarga.

A CONTRATADA deverá dispor no local de entrega de todos os insumos, materiais, equipamentos e recursos humanos para o correto descarregamento do produto, isto é, deverá:



  • fornecer estrados, sarrafos de madeira e lonas para cobertura;

  • ter no local, equipamentos adequados à descarga;

  • ter no local, pessoal para movimentação e empilhamento adequado dos materiais;

    1. ARMAZENAGEM

Os materiais e equipamentos deverão ser armazenados em áreas planas, a serem indicadas pela CHESF, no depósito localizado no município de Jatobá – PE. O fornecedor deve enviar as recomendações de armazenagem, em desenhos, catálogos e procedimentos técnicos, para serem cumpridos de forma que não haja prejuízo à qualidade e integridade dos materiais , equipamentos e acessórios, no decorrer da armazenagem e manuseio.


  1. INSPEÇÃO, ENSAIO E TESTES

Todos os materiais e equipamentos fornecidos deverão ser submetidos à inspeção a critério da CHESF, de acordo com as condições constantes da cláusula de inspeção, integrante da minuta do contrato, parte integrante do Edital e atendendo as normas.



  1. IDENTIFICAÇÃO

Serão exigidas as marcações e identificações no corpo da válvula em alto relevo , como a seguir:



  1. IDENTIFICAÇÃO DAS VÁLVULAS BORBOLETAS E REGISTROS DE GAVETA CHATO.

Cada válvula ou registro deve ter gravado clara e permanentemente em seu corpo o seguinte:

  1. Símbolo do fabricante ou marca registrada do fabricante;

  2. Referência para identificação em catálogo;

  3. Diâmetro nominal;

  4. Classe de pressão PN

  5. Indicação da posição correta de operação;

  6. Peças substituíveis que afetem o desempenho devem ser marcadas separadamente, podendo ser utilizadas cores como marcas de identificação. Referência para identificação em catálogo é aceitável, desde que as informações não gravadas sejam disponibilizadas pelo fabricante.




  1. MONTAGEM e COMISSIONAMENTO NO CAMPO

Os serviços de instalação e montagem dos equipamentos serão realizados por empresa designada pela CHESF. devendo a CONTRATADA fornecer instruções para a instalação quando solicitado pela CHESF.

O comissionamento e todos os testes de campo deverão ser realizados na presença da fiscalização da CHESF, pela empresa contratada para a montagem.

Deverão ser realizados, entre outros a critério da CHESF, os seguintes testes:



  1. Testes hidrostáticos e estanqueidade;

  2. Testes funcionais e desempenho dos equipamentos;




  1. NÃO ATENDIMENTO DOS VALORES GARANTIDOS E ESTABELECIDOS NO CONTRATO

Quando os ensaios e testes efetuados na fábrica e / ou no campo, indicarem que os valores reais obtidos forem inferiores aos valores garantidos pela CONTRATADA, na sua PLANILHA de CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS, e que serviram de base para a elaboração do contrato, a CHESF decidirá pela rejeição dos materiais, equipamento e acessórios e pelo cancelamento do contrato, com aplicação das demais penalidades previstas no mesmo.


PARTE 2 - CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAS

  1. OBJETIVO

A presente ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA tem por objetivo estabelecer as condições técnicas mínimas, as quais, juntamente com o estabelecido nas CONDIÇÕES TÉCNICAS GERAIS, que integram a PARTE 1 desta ESPECIFICAÇÃO, deverão ser obedecidas no fornecimento, inspeção, ensaios, supervisão de montagem, treinamento e comissionamento no campo, dos materiais e equipamentos constantes nas planilhas de características técnicas, com suas respectivas classes de pressões, normas de fabricação e métodos de ensaios. Os equipamentos a serem fornecidos são: VÁLVULAS BORBOLETAS WAFER E REGISTRO GAVETA FLANGEADOS, necessários ao perfeito funcionamento do sistema de irrigação do Projeto Jusante do Reassentamento de Itaparica.

  1. CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS E NORMAS TÉCNICAS APLICÁVEIS

Os materiais, equipamentos e acessórios serão aplicados em sistema de irrigação permanente, nas condições de operação e instalações estabelecidas no item 3 da Parte 1 desta ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA, devendo atender os requisitos constantes nas normas técnicas aplicáveis. As características dos materiais, dimensões, classes de pressões, tolerâncias e métodos de testes, constam nas normas técnicas de fabricação e nos requisitos para recebimento contidos nos subitens a seguir:

Os equipamentos e acessórios deverão cumprir todas as exigências aqui especificadas, bem como atender todas as características intrínsecas e peculiares de cada tipo de aplicação. Deverão também estar apto a atenderem à máxima classe de pressão definida pelo projeto, e as demais características citadas nas planilhas de características técnicas que devem ser garantidas pelos fabricantes ou fornecedores.

Os equipamentos e acessórios devem ser dimensionados para atender às condições de instalação e operação e testes.




    1. VÁLVULA BORBOLETA TIPO “WAFER” DN 250 PN 16, ACIONAMENTO COM MANUAL DIRETO COM ALAVANCA

As Válvulas Borboletas “Wafer”, serão aplicadas no bloqueio dos barriletes de entrada das quadras, permitindo o fechamento da quadra e manutenção das ventosas.

As válvulas terão operação normalmente aberta.

O corpo das válvulas devera ser em ferro fundido ASTM A216, eixo de aço inox AISI 410, anel de vedação de Buna-N dimensões conforme AWWA C-504, classe 150 B. Serão instaladas entre flanges conforme a norma NBR 7675 na classe PN 16.


O acionamento será por alavanca e indicador de posição, será instalada com o eixo do disco na posição horizontal.
As superfícies metálicas, interna e externa, da válvula deverão ser protegidas com pintura, em epoxi para serviço ao tempo, constando, no mínimo, de uma espessura de película seca, 150 micra.

  1. PLANILHAS DE CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS



    1. VÁLVULA BORBOLETA TIPO “WAFER” DN 250 PN 16, ACIONAMENTO COM MANUAL DIRETO COM ALAVANCA




DESCRIÇÃO


CARACTERÍSTICAS ESPECIFICADAS


CORPO

ASTM A216

EIXO

AISI 410

ANEL DE VEDAÇÃO

Buna –N

DIMENSÕES

AWWA C-504

CLASSE DE PRESSÃO

PN 16

ENTRE FLANGES

NBR 7675 – PN 16

ACIONAMENTO

ALAVANCA MANUAL PARA DN250

FIXAÇÃO EIXO/DISCO

AISI 304




Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal