Voltaire: providência e superstiçÃO



Baixar 15.38 Kb.
Encontro26.03.2018
Tamanho15.38 Kb.

www.discutindofilosofia.com.br



http://www.discutindofilosofia.com.br/reportefilo7miudos.asp





VOLTAIRE: PROVIDÊNCIA E SUPERSTIÇÃO

 




 



 

 

 



O filósofo francês recorria a
grandes questões filosóficas
para atacar os preconceitos e as superstições de seu tempo


Voltaire (1694-1778) escreveu Providência em 1771, como um verbete de sua obra Questões sobre a Enciclopédia (1770- 1772). O texto, que traz um diálogo entre duas personagens – uma freira e um metafísico –, lida com um dos temas caros aos filósofos modernos, que preocupou o autor por muito tempo de sua longa vida: a relação de Deus com sua criação.

O assunto é tratado de diferentes maneiras em obras muito distintas, como nos Elementos da Filosofia de Newton (1738), no Discurso em Verso sobre o Homem (1738), no conto filosófico Zadig ou o Destino (1747) e no Poema sobre o Desastre de Lisboa (1756), bem como em Cândido ou o Otimismo (1759).


O termo “providência” se origina do verbo“prever”. Trata-se da presciência, do cuidado, do plano de Deus em relação à criação. Há uma ordem planejada no universo? Deus tudo previu? Qual é a relação de Deus com sua criação? Como compreender esse plano divino em relação à liberdade humana? Tudo está planejado detalhadamente ou apenas as leis gerais foram prescritas? A história humana também é dirigida por Deus? Qual é o lugar do homem em uma suposta ordem geral? Essas são algumas questões que o tema da providência suscitou em Voltaire e em outros de seus contemporâneos.

 

No pequeno texto, apresentado aqui em tradução inédita para o Português, o filósofo condensa diversos pontos de vista que se confundem e constituem uma obra cujo texto não é propriamente reflexivo. Ele não pretende apresentar de modo sério uma resposta às questões que o tema da providência suscita. Além disso, não podemos identificar em sua totalidade a perspectiva de Voltaire com a fala do metafísico, personagem que também aparece em outras obras do autor e é freqüentemente criticada. O ponto aqui não é real apresentar a sua posição sobre o tema.


A bem da verdade, o texto é mais uma das críticas mordazes de Voltaire: Ecrassez l’Infâme (esmaguem a infâmia). Apesar de sua crença em Deus, o filósofo francês pretende atacar a superstição religiosa, a qual trata muito levianamente questões aviltantes para o homem que pensa, assim como para o religioso profundo. Portanto, atacar aqueles que fazem de Deus um grande ser pronto a tudo mudar, que esperam a realização de seus desejos mesquinhos.


Conforme o filósofo não se poderia afirmar que Deus muda sua vontade de acordo com cada um dos pedidos que lhe são feitos, pois sua bondade não está em atendê-los com prontidão. A crítica se endereçava sobretudo aos devotos de seu tempo. Voltaire estava convencido da existência de um Deus atingido por meio de uma reflexão sobre a organização do todo, das leis da natureza, construída mediante do estudo da Filosofia de Newton e da leitura do otimismo filosófico de Alexander Pope (1688-1744): a ordem do mundo lhe indicava um ordenador. Tal como pensava Newton, Deus tem de intervir no universo. Sua mão está sempre a corrigi-lo; sua ação emendadora objetiva regular seu movimento, mas não a vida dos homens.

 


VOLTAIRE: PROVIDÊNCIA E SUPERSTIÇÃO

 




 



 

Contra a religião utilitária
No texto, a freira aparece apenas para encarnar o alvo a ser atacado: a superstição, a religião e seus pregadores interessados. O metafísico se faz porta-voz de um esforço maior em compreender a grandeza do Ser divino e sua relação com o todo da criação. Ao utilizar a terminologia do Ensaio sobre o Homem (1733) de Alexander Pope, o metafísico não compreende como, na chamada “corrente do ser”, o encadeamento entre a ordem de tudo que existe, um elo queira que todo o conjunto do qual é parte mude para satisfazer seus interesses.


Pedido aos religiosos
Voltaire escreve:
(…) pensem, por favor! Se acreditam que Deus existe e que é também providente, que organizou o universo e escreveu o livro dos destinos, como podem se comportar orando a Deus para pedir favores e não para louvá-lo. Se tudo está escrito, como é possível continuar achando que Deus mude a todo momento sua vontade e a organização do todo para atender aos pedidos de umaínfima parte da criação que é o homem? Não podemos dizer quando algo acontece“era para ser assim mesmo” e continuar a pedir a Deus que nos ajude. Deus está ocupado com as leis gerais da natureza que regulam e movem o universo, não pode mudar tudo a todo momento para satisfazer as particularidades de sicrano ou beltrano.

 

É desse modo que o metafísico apresenta a providência geral divina, expressando claramente um dos pontos centrais da perspectiva de Voltaire: Deus se encarrega de intervir no curso do mundo somente em termos gerais, o que não favorece nem prejudica ninguém individualmente. O metafísico afirma que Deus não está preocupado em atender às nossas demandas.


Contudo, no final das contas, nossa história foi ou não escrita por Deus? Aqui se fazem algumas confusões, agora por parte do metafísico. Se no diálogo houvesse outro personagem, talvez o próprio Voltaire, algumas outras perguntas seriam feitas. Ora, se Deus não se importa com nossos pedidos, estamos completamente desvinculados dele, totalmente livres? Ou, como afirma o metafísico, caso contrário, se Deus tudo planejou nos mínimos detalhes, como fica nossa liberdade? No final das contas, nossa história já foi traçada por Deus ou somos nós que a escrevemos?


O metafísico não parece explicar-se muito bem, mas ao menos não trata a providência de modo assim tão simplista como faz a freira, ela que poderia ser acusada de heresia ao pôr o Ser supremo ao serviço de suas mesquinharias. Não se trata de atacar a Deus, e sim aos pregadores, como o confessor de irmã Fessue; confessor que hoje tanto nos lembra os atuais engravatados pastores televisivos: garantem o favor de Deus, a cura de nossos pardais e a realização de nossos anseios financeiros. Tudo isso mediante a aceitação de Jesus e a doação mensal de uma certa quantia a ser depositada num banco qualquer.




Rodrigo Brandão é tradutor, professor do Departamento de Filosofia da UFPR e doutorando do Departamento de Filosofia da FFLCH-USP.





Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal